Braconidae é uma família de vespas parasitas, pertencente à superfamília Ichneumonoidea. São formalmente conhecidas aproximadamente 17 mil espécies reconhecidas e muitas milhares ainda por descrever.[1] As espécies estão agrupadas em 47 subfamílias, e mais de mil géneros.[2] Existem estimativas de existam entre 30 e 50 mil espécies viventes, significando que ainda há muito o que ser descoberto neste táxon.[1] No Brasil, estão atualmente catalogadas cerca de 1060 espécies, pertencentes a 231 gêneros[3].

Como ler uma infocaixa de taxonomiaBraconidae

Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Arthropoda
Classe: Insecta
Ordem: Hymenoptera
Subordem: Apocrita
Superfamília: Ichneumonoidea
Família: Braconidae
Latrelle, 1829
Subfamílias
47, ver texto

Subfamílias editar

Parasitismo editar

A maioria dos Braconidae são parasitoides internos ou externos em outros insetos, especialmente das fases larvais de Coleoptera, Diptera[4] e Lepidoptera[5][6]. Algumas espécies podem também parasitar ordens de insetos hemimetábolos, como pulgões[7], percevejos (Heteroptera)[8] , vespas da madeira (Symphyta) ou Embiidina[9]. O parasitismo de insetos adultos (em especial, Hemiptera e Coleoptera) é mais observado na subfamilia Euphorinae.

As espécies endoparasitoides muitas vezes apresentam elaboradas adaptações fisiológicas para favorecer a sobrevivência e desenvolvimento de suas larvas nos hospedeiros, tais como a incorporação hereditária de vírus endossimbiontes que, ao serem injetados com toxinas de veneno, atingem as defesas imunitárias de seu hospedeiro[10]. Estes vírus suprimem o sistema imunológico e permitem que o parasitoide cresça dentro do hospedeiro.

Por conta de seus hábitos de vida parasitas de outros insetos, muitas espécies de Braconidae são estudadas ou aplicadas como agentes de Controle Biológico. Por exemplo, a vespa braconídea Cotesia glomerata é amplamente utilizada no controle de lagartas em plantações[11], sendo seu uso no Brasil no controle da broca da cana considerado como atualmente o maior programa de Controle Biológico do mundo. Outras espécies largamente estudadas incluem Cotesia flavipes,[12] Diachasmimorpha longicaudata (no controle de moscas das frutas) e Bracon hebetor (no controle de traças de grãos armazenados)[13].

Alguns membros de duas outras subfamílias (Mesostoinae e Doryctinae) são conhecidos por formar galhas em plantas.[carece de fontes?]

Referências

  1. a b Jones, O. R., et al. (2009). Using taxonomic revision data to estimate the geographic and taxonomic distribution of undescribed species richness in the Braconidae (Hymenoptera: Ichneumonoidea). Insect Conservation and Diversity 2(3), 204-12.
  2. Beyarslan, A. and M. Aydogdu. (2013). Additions to the rare species of Braconidae fauna (Hymenoptera: Braconidae) from Turkey. Mun Ent Zool 8(1) 369-74.
  3. «Lista do Brasil». fauna.jbrj.gov.br. Consultado em 12 de agosto de 2023 
  4. «Doryctobracon areolatus (Hymenoptera: Braconidae) associado a Anastrepha coronilli (Diptera: Tephritidae) em goiaba-de-antavermelha (Bellucia imperialis, Melastomataceae) no estado do Amapá, Brasil. - Portal Embrapa». www.embrapa.br. Consultado em 12 de agosto de 2023 
  5. Pezzini, Cleder; Zilch, Kássia Cristina Freire; Jahnke, Simone Mundstock; Köhler, Andreas (13 de fevereiro de 2023). «Effect of Habrobracon hebetor (Hymenoptera: Braconidae) Release on Moth Infestation in Stored Tobacco». Brazilian Archives of Biology and Technology (em inglês): e23220278. ISSN 1516-8913. doi:10.1590/1678-4324-2023220278. Consultado em 12 de agosto de 2023 
  6. Wharton, R A (janeiro de 1993). «Bionomics of the Braconidae». Annual Review of Entomology (em inglês) (1): 121–143. ISSN 0066-4170. doi:10.1146/annurev.en.38.010193.001005. Consultado em 12 de agosto de 2023 
  7. «Vespa, Aphidius spp. (Hymenoptera: Braconidae) — Panorama Fitossanitário». panorama.cnpms.embrapa.br. Consultado em 12 de agosto de 2023 
  8. Lim, K. P.; Stewart, R. K. (agosto de 1976). «LABORATORY STUDIES ON». The Canadian Entomologist (em inglês) (8): 815–821. ISSN 1918-3240. doi:10.4039/Ent108815-8. Consultado em 12 de agosto de 2023 
  9. Cauich-Kumul, Roger; Delfín-González, Hugo; Martín-Park, Abdiel; Manrique-Saide, Pablo; López-Martínez, Víctor (31 de dezembro de 2018). «Beta diversity of four braconid subfamilies (Braconidae, Agathidinae, Braconinae, Doryctinae and Macrocentrinae) of the Ria Lagartos Biosphere reserve in Yucatan, Mexico, with some considerations on biological habits». Journal of Hymenoptera Research (em inglês): 63–83. ISSN 1314-2607. doi:10.3897/jhr.67.28982. Consultado em 12 de agosto de 2023 
  10. Suzuki, M.; Tanaka, T. (junho de 2006). «Virus-like particles in venom of Meteorus pulchricornis induce host hemocyte apoptosis». Journal of Insect Physiology (6): 602–613. ISSN 0022-1910. PMID 16712867. doi:10.1016/j.jinsphys.2006.02.009. Consultado em 12 de agosto de 2023 
  11. Pizzatto, Mariana; Pietrowski, Vanda; Alves, Luis Francisco Angeli; Rheinheimer, Ana Raquel (2016). «Adequação do hospedeiro e parâmetros relacionados à aptidão de Cotesia glomerata L. (Hymenoptera: Braconidae) em diferentes ínstares de Ascia monuste orseis Godart (Lepidoptera: Pieridae)». Arquivos do Instituto Biológico (0). ISSN 1808-1657. doi:10.1590/1808-1657001232013. Consultado em 13 de agosto de 2023 
  12. «Liberação do parasitoide Cotesia flavipes (Hymenoptera: Braconidae) em Diatraea saccharalis (Lepidoptera: Crambidae) na cana-de-açúcar. - Portal Embrapa». www.embrapa.br. Consultado em 13 de agosto de 2023 
  13. Magro, Sandra Regina; Parra, José Roberto Postali (dezembro de 2001). «Biologia do ectoparasitóide Bracon hebetor Say, 1857 (Hymenoptera: Braconidae) em sete espécies de lepidópteros». Scientia Agricola: 693–698. ISSN 1678-992X. doi:10.1590/S0103-90162001000400007. Consultado em 13 de agosto de 2023 

Ligações externas editar

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
  Categoria no Commons
  Diretório no Wikispecies
  Base de dados no Wikidata
  Este artigo sobre insetos, integrado no Projeto Artrópodes é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.