Brigada Al-Khansaa

A Brigada Al-Khansaa (em árabe: لواء الخنساء) é uma unidade policial feminina de aplicação da lei religiosa do grupo jihadista Estado Islâmico do Iraque e do Levante (ISIL), que opera em sua capital de fato, Raqqa e Mosul.[3]

Brigada Al-Khansaa
لواء الخنساء
Ficheiro:Al-Khansaa Media Brigade.jpg
Emblema oficial da Brigada de Mídia Al-Khansaa.
País Síria e Iraque
Estado Estado Islâmico
Missão Imposição da Sharia
Tipo de unidade Polícia
Período de atividade Fevereiro de 2014[1]– presente
História
Guerras/batalhas Guerra Civil Síria
Logística
Efetivo 60[1] (2014)
Insígnias
Bandeira do Califado Flag of the Islamic State of Iraq and the Levant2.svg
Comando
Comandante Fatiha el-Mejjati[2]
Sede
Guarnição Raqqa

A sua comandante foi Fatiha Mejjati, uma marroquina. Ela é conhecida por sua severidade e recebeu o apelido de "la veuve noire" - a viúva negra.[4]

HistóricoEditar

Formado no início de 2014 e aparentemente com o nome de Al-Khansa, uma poetisa árabe dos primeiros dias do Islã, não está claro o quão difundido e sustentado é o grupo. Ele é único no mundo muçulmano onde em outros regimes com sistemas semelhantes de polícia religiosa (como a Arábia Saudita) os homens impõem a hisbah entre as mulheres, e no Estado Islâmico não se espalhou para fora da capital Raqqa, levando um observador a se perguntar se é um "golpe" publicitário que terá "duração curta".[5]

Um oficial do EIIL, Abu Ahmad, disse em 2014: "Estabelecemos a brigada para aumentar a conscientização sobre nossa religião entre as mulheres e punir as mulheres que não cumprem a lei".[6] O grupo também foi chamado de "polícia moral" do EIIL.[7]

As mulheres que saem sem um acompanhante masculino ou não são totalmente cobertas em público estão sujeitas a prisões e espancamentos pela Al-Khansaa.[8] Um exemplo de crimes punidos e sentenças administradas pela Al-Khansaa foram as de duas mulheres na capital do Estado Islâmico, Raqqa, em 2015, que receberam 20 chicotadas por usar abayas justas, cinco por usarem maquiagem por baixo de suas abayas e outras cinco por "não serem mansas o suficiente quando detidas".[9]

A brigada tem suas próprias instalações para impor a segregação sexual.[10] As mulheres têm entre 18 e 25 anos, recebendo um salário mensal de 25.000 libras sírias.[11] De acordo com desertoras entrevistadas pela Sky News, a Brigada al-Khansa inclui muitas mulheres estrangeiras.[12] As recrutas são "treinadas por um mês". Seu pagamento é estimado "entre £ 70 e £ 100 por mês". Os membros portam armas e podem ser combatentes (muitas mulheres europeias que lutam na linha de frente) ou mulheres que "policiam as ruas e cuidam dos assuntos da cidade" (geralmente árabes étnicas).[13]

De acordo com uma fonte hostil ao EIIL, as mulheres no território administrado pelo Estado Islâmico não podem dirigir carros ou portar armas, mas as mulheres da Brigada Khansaa "podem fazer as duas coisas".[14]

Em abril de 2017, o grupo lançou um vídeo de recrutamento para hackers do sexo feminino que alegavam ter hackeado mais de 100 contas de mídia social no mês anterior.[15] Também houve relatos de infiltração de membros do grupo em campos de refugiados iraquianos.[16]

Em outubro de 2019, a Brigada Al-Khansaa ainda existia e ainda era liderada por Fatiha Mejjati.[17][18]

Veja tambémEditar

Referências

  1. a b McKay, Hollie (20 de outubro de 2015). «Brutal female police enforce ISIS sharia vision on women of caliphate». Fox News 
  2. Mekhennet, Souad; Warrick, Joby (26 de novembro de 2017). «The jihadist plan to use women to launch the next incarnation of ISIS». The Washington Post 
  3. «How the Islamic State uses women to control women». Syria Direct (em inglês). 25 de março de 2015. Consultado em 7 de março de 2022 
  4. «État islamique : Fatiha Mejjati, la veuve noire». Jeune Afrique (em francês). 24 de novembro de 2014. Consultado em 7 de março de 2022. Pouco mais de uma semana depois de sua manifestação ideológica, Fatiha Mejjati posou de véu completo perante a corte islâmica em Jarabulus, uma vila síria na fronteira com a Turquia. Ela se juntou a seu filho Ilyas, membro da poderosa comissão de mídia do Daesh. Recebida como heroína, ela passou por treinamento militar… e teria se casado com um líder da organização. 
  5. Gilsinan, Kathy (25 de julho de 2014). «The ISIS Crackdown on Women, by Women». The Atlantic (em inglês). Consultado em 7 de março de 2022 
  6. al-Bahri, Ahmad (15 de julho de 2014). «In Raqqa, an All-Female ISIS Brigade Cracks Down on Local Women». Syria Deeply. Consultado em 8 de fevereiro de 2015. Arquivado do original em 19 de abril de 2016 
  7. Gilsinan, Kathy (25 de julho de 2014). «The ISIS Crackdown on Women, by Women». The Atlantic 
  8. Gilsinan, Kathy (25 de julho de 2014). «The ISIS Crackdown on Women, by Women». The Atlantic 
  9. Moaveni, Azadeh (21 de novembro de 2015). «ISIS Women and Enforcers in Syria Recount Collaboration, Anguish and Escape». The New York Times 
  10. Gilsinan, Kathy (25 de julho de 2014). «The ISIS Crackdown on Women, by Women». The Atlantic 
  11. «Al-Khansaa Brigade (Islamic State / IS - Female Unit / ISISF)». Terrorism Research & Analysis Consortium (em inglês). Consultado em 6 de março de 2022 
  12. Tadros, Sherine (20 de abril de 2015). «Escaped Islamic State Wives In Hiding In Turkey». Sky News (em inglês). Consultado em 7 de março de 2022 
  13. Eleftheriou-Smith, Loulla-Mae (20 de abril de 2015). «Escaped Isis wives describe life in the punishing all-female al-Khansa Brigade». The Independent (em inglês). Consultado em 7 de março de 2022 
  14. «How the Islamic State uses women to control women». Syria Direct. 25 de março de 2015 
  15. Daftari, Lisa (19 de abril de 2017). «ISIS all-female hacking group looks to recruit more women». The Foreign Desk. Consultado em 29 de abril de 2017. Arquivado do original em 5 de maio de 2017 
  16. Brisha, Aly (26 de abril de 2017). «Fear of ISIS female 'biters' haunts women during night at Iraq's camps». Al Arabiya English (em inglês). Consultado em 7 de março de 2022 
  17. «Donald Trump claims Baghdadi's alternative as chief of ISIS has been killed by US troops». Digital Industry Wire (em inglês). Consultado em 6 de março de 2022 
  18. «The jihadist plan to use women to launch the next incarnation of ISIS». Washington Post. 26 de novembro de 2017. Consultado em 7 de março de 2022. A reputação de Mejjati como uma aplicadora severa dos códigos legais do grupo é apoiada por várias testemunhas e documentos judiciais que descrevem açoitamentos de mulheres suspeitas de violarem as regras.