Carbonato

chuva acida

Os carbonatos são sais inorgânicos ou seus respectivos minerais que apresentam na sua composição química o íon carbonato CO32−.[1] O carbonato ser um ânion divalente, com geometria trigonal planar, tendo comprimento de ligações C-O de 128 pm e ângulo 120°. A carga (-2) é distribuída pelos 3 átomos de oxigênios que possuem carga parcial negativa. Essas características fazem com que a maior parte dos sais de carbonatos sejam pouco solúveis.[2]

Representação gráfica do íon carbonato, CO32−

Uma solução aquosa de dióxido de carbono contém uma quantidade mínima de H2CO3, chamado ácido carbônico, que se dissocia formando íons hidrogênio (H+) e íons carbonato. O ácido carbônico seria um ácido relativamente forte se existisse na forma pura, porém o equilíbrio favorece o dióxido de carbono e, sob tais condições, são soluções razoavelmente fracas. O mesmo em solução de gotículas de água atmosférica que caracteriza o pH natural da água da chuva.[3]

Além da formação do mesmo pela solução aquosa de dióxido de carbono, o mesmo pode ser formado pela solubilidade de fragmentos do solo que estão presentes em água ou na atmosfera em forma de material particulado.[4]

Para a parte biológica, o carbonato está presente nos sistemas biológicos em forma de enzima. A enzima “anidrase carbônicacatalisa a conversão entre o dióxido de carbono e os íons carbonatos.[5][6]

O termo carbonato é usado para referir-se a sais e a minerais que contém o íon. O mais comum é o calcário, ou carbonato de cálcio.[1] O processo de remoção destes sais é denominado calcinação.

Os carbonatos são materiais comuns na Terra. Além dela, foi detectado na cratera Gusev em Marte pela Spirit em 9 de janeiro de 2004.[7]

SaisEditar

Os sais de carbonato, são grupos de substâncias das quais são formados pela combinação de cátions bivalentes com o complexo aniônico (CO32-). Essa combinação é devida o carbonato ser um ânion divalente.[1][2]

MineraisEditar

Dependendo do sistema cristalino que apresentam os carbonatos se dividem em dois grupos: ortorrômbicos e romboédricos.

Carbonatos ortorrômbicosEditar

Dentre os carbonatos anidros que se cristalizam no sistema ortorrômbico destacam-se:

Carbonatos romboédricosEditar

Dentre os carbonatos anidros que se cristalizam no sistema romboédrico ou trigonal destacam-se:

Ver tambémEditar

Referências

  1. a b c NEVES, PAULO C. P. das; SCHENATO, FLÁVIA; BACHI, FLÁVIO A. (1 de janeiro de 2008). A introdução à mineralogia prática 2 ed. Canoas: Ulbra. 365 páginas. ISBN 8575280929 
  2. a b «Carbonate Ion». PubChem. Consultado em 18 nov. 2022 
  3. Dias, Bruna Borba; Leite, Maysa de Lima; Farago, Paulo Vitor; Oliveira, André Vicente de; Beruski, Gustavo Castilho (25 de agosto de 2010). «Ação do enxofre em chuva ácida simulada sobre parâmetros morfofisiológicos de Phaseolus vulgaris L. (Fabaceae) - doi: 10.4025/actasciagron.v32i3.4273». Acta Scientiarum. Agronomy (3): 433–439. ISSN 1807-8621. doi:10.4025/actasciagron.v32i3.4273. Consultado em 12 de dezembro de 2022 
  4. Brito, Paulo Henrique Ferreira de; Araújo, Rinaldo dos Santos; Marinho, Glória (1 de novembro de 2018). «COMPOSIÇÃO QUÍMICA DO MATERIAL PARTICULADO ATMOSFÉRICO: UMA REVISÃO DE LITERATURA». HOLOS: 62–74. ISSN 1807-1600. doi:10.15628/holos.2018.4648. Consultado em 12 de dezembro de 2022 
  5. Henry, Raymond P.; Lucu, Čedomil; Onken, Horst; Weihrauch, Dirk (2012). «Multiple functions of the crustacean gill: osmotic/ionic regulation, acid-base balance, ammonia excretion, and bioaccumulation of toxic metals». Frontiers in Physiology. ISSN 1664-042X. PMC PMC3498741  Verifique |pmc= (ajuda). PMID 23162474. doi:10.3389/fphys.2012.00431. Consultado em 12 de dezembro de 2022 
  6. Henry, R P (outubro de 1996). «Multiple Roles of Carbonic Anhydrase in Cellular Transport and Metabolism». Annual Review of Physiology (em inglês) (1): 523–538. ISSN 0066-4278. doi:10.1146/annurev.ph.58.030196.002515. Consultado em 12 de dezembro de 2022 
  7. Nascimento-Dias, Bruno Leonardo; Machado, Fábio Braz (30 de outubro de 2022). «O ESTUDO DA MINERALOGIA NA EVOLUÇÃO GEOLÓGICA DA SUPERFÍCIE DE MARTE». Boletim Paranaense de Geociências (1). ISSN 0067-964X. doi:10.5380/geo.v80i1.88183. Consultado em 12 de dezembro de 2022