Raça caucasiana

classificação racial desatualizada
(Redirecionado de Caucasoide)

A raça caucasiana (também caucasóide[a] é uma classificação racial desatualizada de seres humanos com base em uma teoria da raça biológica atualmente contestada.[2][3][4] A raça caucasiana era historicamente considerada como um táxon biológico que, dependendo de qual das classificações raciais históricas estava sendo usado, geralmente incluía populações antigas e modernas de toda ou partes da Europa, Ásia Ocidental, Ásia Central, Ásia do Sul, África do Norte e Corno da África.[5][6]

O termo introduzido pela primeira vez na década de 1780 por membros da Escola de História de Göttingen,[b] denotava uma das três supostas raças principais da humanidade (sendo as três: caucasóide, mongolóide e negróide).[11] Em antropologia biológica, Caucasóide é usado como um termo guarda-chuva para grupos fenotipicamente semelhantes dessas diferentes regiões, com foco na anatomia esquelética e, especialmente, morfologia craniana, sem levar em conta cor da pele humana.[12] As populações "caucasóides" antigas e modernas não eram exclusivamente "brancas", mas variavam em tez de pele branca a marrom-escura.[13]

EtimologiaEditar

O termo surgiu de antigos estudos feitos por estudiosos da craniologia, que consideraram que os crânios de pessoas que viviam no Cáucaso eram iguais (metricamente) aos de europeus, povos norte-africanos nativos (como os cabilas), alguns povos do subcontinente indiano e da Ásia Ocidental.[14]

O termo "raça caucasiana" foi criado pelo filósofo Christoph Meiners no século XVIII, mas só se popularizou no século XIX, com o nome de "Varietas Caucasia" pelo cientista e naturalista alemão Johann Friedrich Blumenbach, que pegou emprestado o termo de Meiners.[15] Blumenbach definiu esta classificação racial baseando-se nas feições do crânio de povos caucasianos, similares as encontradas nos povos europeus.[13] Da similaridade do crânio, Blumenbach formou a teoria de que as feições comuns a todos os europeus teriam surgido no Cáucaso.

Ver tambémEditar

Notas

  1. O termo antropológico tradicional Caucasóide é uma fusão do gentílico Caucasiano e o sufixo grego eidos (que significa "forma", "forma", "semelhança") implicando uma semelhança com os habitantes nativos do Cáucaso. Contrasta etimologicamente com os termos Negroide, Mongolóide e Australoide[1]
  2. Cited by contributing editor to a group of four works by Baum,[7] Woodward,[8] Rupke,[9] e Simon.[10]

Referências

  1. Freedman, B. J. (1984). «For debate... Caucasian». Routledge. British Medical Journal. 288 (6418): 696–98. PMC 1444385 . PMID 6421437. doi:10.1136/bmj.288.6418.696 
  2. Templeton, A. (2016). «Evolution and Notions of Human Race». In: Losos, J.; Lenski, R. How Evolution Shapes Our Lives: Essays on Biology and Society. Princeton; Oxford: Princeton University Press. pp. 346–361. doi:10.2307/j.ctv7h0s6j.26. ...a resposta à pergunta se as raças existem nos humanos é clara e inequívoca: não. 
  3. Wagner, Jennifer K.; Yu, Joon-Ho; Ifekwunigwe, Jayne O.; Harrell, Tanya M.; Bamshad, Michael J.; Royal, Charmaine D. (fevereiro de 2017). «Anthropologists' views on race, ancestry, and genetics». American Journal of Physical Anthropology. 162 (2): 318–327. PMC 5299519 . PMID 27874171. doi:10.1002/ajpa.23120 
  4. American Association of Physical Anthropologists (27 de março de 2019). «AAPA Statement on Race and Racism». American Association of Physical Anthropologists 
  5. Coon, Carleton Stevens (1939). The Races of Europe. New York: The Macmillan Company. pp. 400–401. Esta terceira zona racial se estende da Espanha, cruzando o Estreito de Gibraltar até o Marrocos e, daí, ao longo da costa sul do Mediterrâneo na Arábia, África Oriental, Mesopotâmia, e o planaltos persas; e através do Afeganistão para a Índia [...] A zona racial mediterrânea se estende ininterrupta de Espanha através do Estreito de Gibraltar até Marrocos, e daí em direção ao leste para a Índia [...]. Um ramo se estende muito ao sul em ambos os lados do Mar Vermelho no sul da Arábia, o Planalto da Etiópia e o Chifre da África. 
  6. Coon, Carleton Stevens; Hunt, Edward E. (1966). The Living Races of Man. London: Jonathan Cape. p. 93 
  7. Baum 2006, pp. 84–85: "Finalmente, Christoph Meiners (1747-1810), 'filósofo popular' e historiador da Universidade de Göttingen, deu ao termo um significado racial caucasiano em seu Grundriss der Geschichte der Menschheit (Esboço da História da Humanidade; 1785)... Meiners perseguiu este 'programa de Göttingen' de investigar extensos escritos histórico-antropológicos, que incluíram duas edições de seu "Esboço da História da Humanidade" e vários artigos na Göttingisches Historisches Magazin""
  8. William R. Woodward (9 de junho de 2015). Hermann Lotze: An Intellectual Biography. [S.l.]: Cambridge University Press. 260 páginas. ISBN 978-1-316-29785-8. ...as cinco raças humanas identificadas por Johann Friedrich Blumenbach - negros, índios americanos, malaios, mongóis e caucasianos. Ele escolheu contar com Blumenbach, líder da escola de anatomia comparada de Göttingen 
  9. Nicolaas A. Rupke (2002). Göttingen and the Development of the Natural Sciences. [S.l.]: Wallstein-Verlag. ISBN 978-3-89244-611-8. Pois foi em Göttingen, nesse período, que os contornos de um sistema de classificação foram estabelecidos de uma maneira que ainda molda a maneira como tentamos compreender as diferentes variedades da humanidade - incluindo o uso de termos como "caucasiano". 
  10. Charles Simon-Aaron (2008). The Atlantic Slave Trade: Empire, Enlightenment, and the Cult of the Unthinking Negro. [S.l.]: Edwin Mellen Press. ISBN 978-0-7734-5197-1. Aqui, Blumenbach colocou o europeu branco no ápice da família humana; ele até deu ao europeu um novo nome - ou seja, caucasiano. Esse relacionamento também inspirou os trabalhos acadêmicos de Karl Otfried Muller, C. Meiners e K. A. Heumann, os pensadores mais importantes de Göttingen para nosso projeto. (Esta lista não pretende ser exaustiva.) 
  11. Pickering, Robert (2009). The Use of Forensic Anthropology. [S.l.]: CRC Press. p. 82. ISBN 978-1-4200-6877-1 
  12. Pickering, Robert (2009). The Use of Forensic Anthropology. [S.l.]: CRC Press. p. 109. ISBN 978-1-4200-6877-1 
  13. a b Johann Friedrich Blumenbach (1865). Thomas Bendyshe, ed. The Anthropological Treatises of Johann Friedrich Blumenbach. [S.l.]: Anthropological Society. pp. 265, 303, 367 
  14. [1]
  15. Universidade da Pennsylvania