Abrir menu principal

Wikipédia β

A definição mais aceita atualmente.

A Ásia Central é uma região que compreende as estepes, montanhas e desertos entre o leste do mar Cáspio e o centro-oeste da China, entre o norte do Irão e Afeganistão, e o sul da Sibéria, porém nunca houve uma demarcação oficial da área. As mudanças constantes de clima na região forçaram grandes movimentos migratórios de seus habitantes, o que trouxe tribos indo-européias e hunos para o oeste, arianos e turcos para o norte, entre outros.

A Ásia Central raras vezes esteve unificada sob um governo central. Tal fato ocorreu durante o período de dominação mongol no século XIII.

Índice

PaísesEditar

Nota: Para as Nações Unidas, enquanto sub-região da Ásia, a Ásia Central compreende apenas o Cazaquistão, Quirguistão, Tadjiquistão, Turcomenistão, Uzbequistão, Afeganistão e Azerbaijão [1]

Sobre os paísesEditar

CazaquistãoEditar

 Ver artigo principal: Cazaquistão

O Cazaquistão (em cazaque: Қазақстан, transl. Qazaqstan) é um país fundamentalmente asiático, embora também inclua uma região relativamente pequena que, geograficamente, pertencente à Europa: a área entre o rio Ural e a fronteira russa, que é o ponto mais oriental de todo o continente europeu. Esta característica faz do Cazaquistão uma nação transcontinental. Limita-se a norte e oeste com a Rússia, a leste com a China, a sul com o Quirguistão, o Uzbequistão e Turcomenistão e a oeste com o mar Cáspio.

A capital cazaque é Astana, depois que foi transferida de Almaty, em 1997.

O Cazaquistão foi um dos países que se tornaram independentes com a dissolução da União Soviética, tendo se declarado independente em 16 de dezembro de 1991.

QuirguistãoEditar

 Ver artigo principal: Quirguistão

O Quirguistão, Quirguizistão ou Quirguízia (em quirguiz: Кыргызстан), oficialmente República Quirguiz[2] (em quirguiz: Кыргыз республикасы, Kyrgyz Respublikasy) é uma república da Ásia Central, ex-integrante da antiga União Soviética, e o país mais pobre da região.[3] Tem fronteiras, a norte com o Casaquistão, a oeste com o Uzbequistão, a sul com o Tadjiquistão e a sudeste com a República Popular da China. Sua capital é Bisqueque, maior cidade do país.

TadjiquistãoEditar

 Ver artigo principal: Tadjiquistão

O Tadjiquistão ou Tajiquistão é um país da Ásia Central, limitado a norte pelo Quirguistão, a leste pela China, a sul pelo Afeganistão e a oeste e norte pelo Uzbequistão. Além do território principal, inclui ainda o enclave de Voruh, no Quirguistão. É uma ex-república soviética. Sua capital é Duchambe.

TurcomenistãoEditar

 Ver artigo principal: Turcomenistão

O Turquemenistão ou Turcomenistão[4] (em turcomeno Türkmenistan) é um país situado na Ásia Central, limitado a norte pelo Cazaquistão, a norte e a leste pelo Uzbequistão, ao sul pelo Afeganistão e pelo Irão, e a oeste pelo mar Cáspio, do outro lado do qual se estendem as costas do Azerbaijão. Foi até 1991 uma república soviética chamada Turcmênia. Sua capital é a cidade de Asgabate.

UzbequistãoEditar

 Ver artigo principal: Uzbequistão

O Uzbequistão ou Usbequistão é uma ex-república soviética da Ásia Central, limitado a norte pelo Cazaquistão, a leste pelo Quirguistão e pelo Tadjiquistão, a sul pelo Afeganistão e a sul e a oeste pelo Turcomenistão. Além do território principal, inclui também os enclaves de Sokh e de Iordan, no Quirguistão. A capital é Tashkent.

HistóriaEditar

 Ver artigo principal: História da Ásia Central

A história da Ásia Central tem sido determinada principalmente pelo clima e geografia da região. A aridez da região faz com que a prática da agricultura e a sua distância para o mar a torna muito isolada do comércio. Por conseguinte, apenas se formaram algumas grandes cidades, e a área foi dominada durante milênios pelos povos nômades das estepes.

As relações entre os nômades das estepes e as populações sedentárias da Ásia Central têm sido controversas. O estilo de vida nômade era bem adequado para a prática da guerra e os cavaleiros das estepes estavam entre os povos da segunda maior potência militar do mundo, mas foram limitados pela falta de unidade interna. Nos momentos em que muitas tribos estavam sob o comando de grandes líderes criaram exércitos quase imparáveis, com a invasão da Europa realizada pelos hunos, os ataques de Wu Hu a China e, especialmente, a conquista de grande parte da Eurásia pelos mongóis.

O domínio dos nômades terminou no século XVI, quando as armas de fogo permitiram aos povos sedentários controlar a região. Desde então, Rússia, China e outras potências expandiram pela região e chegaram a assumir a maior parte da Ásia Central no século XIX. Após a Revolução Russa de 1917, a União Soviética retomou a maior parte da Ásia Central; Mongólia e Afeganistão só permaneceram nominalmente independentes, embora a Mongólia manteve-se independente, na prática, era um Estado satélite soviético e as tropas soviéticas invadiram o Afeganistão no final do século XX. As áreas soviéticas da Ásia Central se industrializaram e receberam grandes investimentos em infra-estrutura, cultura e educação, além de diminuição da desigualdade e da miséria. Entretanto, algumas culturas locais foram retiradas e houveram tensões provocadas por programas de coletivização fracassados, além notórios problemas ambientais.

Após o colapso da União Soviética, cinco países da Ásia Central, ganharam independência - Cazaquistão, Uzbequistão, Turcomenistão, Quirguistão e Tajiquistão. Nestes novos Estados grande parte do poder é detido por oficiais do antigo regime soviético que, com a dissolução da URSS, conseguiram se perpetuar no poder até os dias atuais. As outras regiões da Ásia Central são parte da República Popular da China.

Referências

  1. [1]
  2. Quirguízia - Página oficial do Ministério das Relações Exteriores do Brasil
  3. Saiba mais sobre o Quirguistão - O Estado de S.Paulo, 8 de abril de 2010 (visitado em 9-4-2010)
  4. Também chamado de Turcomanistão, ou Turcoménia, e no Brasil também como Turquimenistão, Turquimênia, Turquemênia, ou Turcomênia

Ligações externasEditar

  Este artigo sobre geografia (genérico) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.