Chan Santokhi

político surinamês

Chandrikapersad Santokhi, conhecido popularmente como Chan Santokhi, (Lelydorp, 3 de fevereiro de 1959) é um político surinamês e ex-chefe de polícia. É o atual presidente do Suriname desde 16 de julho de 2020[1].

Chan Santokhi
Chan Santokhi
10.º Presidente do Suriname
Período 16 de julho de 2020
a atualidade
Vice-presidente Ronnie Brunswijk
Antecessor(a) Dési Bouterse
Dados pessoais
Nome completo Chandrikapersad Santokhi
Nascimento 3 de fevereiro de 1959 (65 anos)
Lelydorp, Suriname
Cônjuge Melissa Seenacherry
Partido Partido da Reforma Progressista
Religião Hinduísmo
Profissão Chefe de Polícia

Vida pessoal editar

Chan nasceu em fevereiro de 1959, em Lelydorp, capital do distrito de Wanica. Cresceu no campo como o caçula de uma família de nove filhos. Seu pai trabalhava no porto de Paramaribo e sua mãe trabalhava como assistente de loja em Lelydorp.

Em 2010, Santokhi participou das eleições parlamentares, e teve, apesar de ter sido colocado na lista de eleitores do Partido da Reforma Progressista, o segundo maior número de votos em todo o país (Dési Bouterse teve o maior número). Em julho daquele mesmo ano, ele foi apontado como candidato à presidência em nome da combinação política da Frente Nieuw, mas o oponente de Santokhi nas eleições presidenciais, Dési Bouterse, venceu e foi eleito o oitavo presidente do Suriname.[2]

Carreira editar

Policial editar

Após terminar o colegial em Paramaribo, Santokhi recebeu uma bolsa para estudar na Holanda. De 1978 a 1982, estudou na Academia de Polícia de Holanda, em Apeldoorn, Guéldria. Depois de completar seu estudo Santokhi retornou ao Suriname em setembro de 1982 para trabalhar para a polícia. Desde a idade de 23 anos, trabalhou como inspetor de polícia em Wanica até a sua nomeação como chefe da polícia judiciária nacional em 1989. Em 1991 foi nomeado comissário de polícia do Suriname.

Ministro da Justiça editar

Em setembro de 2005, Santokhi foi empossado como ministro da Justiça e Polícia em nome de Vooruitstrevende Hervormingspartij (Partido Progressista Reformador). Seu período como ministro foi marcada por uma forte ofensiva contra a criminalidade, especialmente o tráfico de drogas, e aplicação rigorosa da lei e da ordem. Devido a isso, as pessoas chamavam o "sheriff", um alcunha que ele recebeu de Desi Bouterse.

Caso criminal dos Assassinatos de Dezembro editar

Santokhi que, como comissário de polícia, liderou a investigação sobre os Assassinatos de Dezembro feitas no início do seu mandato como ministro muito para os Assassinatos de Dezembro poderiam ser julgados. Por exemplo, exclusividade a os Assassinatos de Dezembro Santokhi construiu uma sala de tribunal fortemente guardada em Domburg, Wanica. Porque Santokhi foi o impulso por trás desse ensaio, Santokhi se tornou uma questão muito discutida de Desi Bouterse, o principal suspeito no ensaio.

Eleição editar

No primeiro semestre de 2020, Chan Santokhi concorreu às eleições de seu país. Os resultados preliminares mostraram que o VHP era o maior partido e que Santokhi era o candidato mais provável a se tornar o nono Presidente do Suriname. Em 30 de maio, Chan anunciou sua candidatura ao cargo de presidente da nação sul-americana. Em 29 de junho, seu partido o nomeou como candidato à Presidência. Nenhum outro candidato foi indicado até o tempo previsto pela lei surinamesa. Em 13 de julho de 2020, Santokhi foi eleito presidente por aclamação em uma eleição incontestada.[3][4]

Presidência editar

 
Santokhi e o secretário de Estado dos Estados Unidos, Antony Blinken, durante uma reunião em 2022.

O Governo de Chan Santokhi iniciou os trabalhos focando nos desafios de recuperação da crise econômica que surgiu no Governo de Desi Bouterse e foi ainda mais aprofundada pela Pandemia de COVID-19.[5] O pequeno país sofre com uma dívida externa bilionária, segundo o próprio Santokhi, que prometeu solucioná-la.[6]

 
Santokhi durante uma cúpula trilateral com os presidentes do Brasil, Jair Bolsonaro, e da Guiana, Irfaan Ali, em janeiro de 2022.

Logo que assumiu a presidência, Chan manifestou interesse em retomar parcerias políticas e econômicas com os Países Baixos. Ele também retomou conversações com os Estados Unidos, através do Secretário de Estado, Mike Pompeo, e com o Brasil, em uma conversa com o presidente Jair Bolsonaro que se comprometeu a aumentar a relação mútua entre as duas nações sul-americanas.[7]

Ver também editar

Referências

  1. AFP. «Suriname elege Santokhi presidente e põe fim a governo de Bouterse». Correio do Povo. Consultado em 9 de dezembro de 2021 
  2. Paramaribo (7 de julho de 2010). «Bouterse en Brunswijk willen Suriname regeren». Waterkant (em neerlandês). Consultado em 9 de dezembro de 2021 
  3. «Parlamento do Suriname escolhe novo presidente para o país». G1. Consultado em 9 de dezembro de 2021 
  4. «Suriname national assembly votes in Santokhi as new president». www.thesundaily.my (em inglês). Consultado em 9 de dezembro de 2021 
  5. News, A. B. C. «Suriname gets new president, faces economic crisis». ABC News (em inglês). Consultado em 9 de dezembro de 2021 
  6. Kieft, Tom (4 de agosto de 2020). «Nieuwe regering Suriname: Bouterse laat miljarden schuld na». Het Parool (em neerlandês). Consultado em 9 de dezembro de 2021 
  7. Administrator (18 de julho de 2020). «Nieuwe regering voert goede gesprekken met Nederland, VS en Brazilië». Waterkant (em neerlandês). Consultado em 9 de dezembro de 2021 

Ligações externas editar

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
  Notícias no Wikinotícias