Abrir menu principal
Ambox grammar.svg
Esta página ou secção precisa de correção ortográfico-gramatical.
Pode conter incorreções textuais, e ainda pode necessitar de melhoria em termos de vocabulário ou coesão, para atingir um nível de qualidade superior conforme o livro de estilo da Wikipédia. Se tem conhecimentos linguísticos, sinta-se à vontade para ajudar.
Chloë Sevigny
Em 2019, no Festival de Cannes
Nome completo Chloë Stevens Sevigny
Nascimento 18 de novembro de 1974 (44 anos)
Springfield, Massachusetts,  Estados Unidos
Ocupação Atriz, designer de moda e modelo
Atividade 1982-presente
Globos de Ouro
Melhor atriz (coadjuvante/secundária) em televisão
2010 - Big Love
Outros prêmios
Satellite Award de Melhor Atriz Coadjuvante no Cinema -Drama
2001 - Meninos Não Choram

Chloë Sevigny (Springfield, 18 de novembro de 1974) é uma atriz e designer de moda norte-americana.

Em 17 de janeiro de 2010 ganhou o Globo de Ouro de melhor atriz coadjuvante em televisão pelo seu desempenho na série Big Love.

Índice

BiografiaEditar

Chloë nasceu em Springfield, Massachusetts,em uma familia descendentes de Franco-canadenses e Poloneses.[1][2][3][4] Mas logo mudou-se com os pais para Darien, Connecticut; ali cresceu sem muita projeção local até que, apoiada pela família, ingressou num programa de teatro e foi a Nova Iorque onde conheceu Harmony Korine.

Korine viria, mais tarde, a convidá-la para integrar seu filme de estreia - Kids, pouco tempo antes do início das filmagens por conta da desistência de outra atriz. Chloë então interpreta Jenny, uma jovem adolescente que descobre que está com AIDS e, mesmo sendo um pequeno papel, ganha projeção com o sucesso do filme.

É a protagonista na série britânica Hit & Miss, onde interpreta a transexual "Mia".[5]

Polémicas no cinemaEditar

Logo na primeira experiência como atriz, Chloë fez um dos filmes mais marcantes e polêmicos de sua carreira: Kids. No longa de Larry Clark, a adolescente vivida por ela, portadora de HIV, é estuprada por um amigo enquanto está drogada e inconsciente.[6] Além de estar no elenco do filme "Zodíaco", ela faz uma das três esposas de um mórmom polígamo no seriado "Big Love".

Dentre tantos trabalhos controversos, Chloë conseguiu a maior polêmica da carreira com o filme "The Brown Bunny", em que faz, explicitamente, sexo oral em Vincent Gallo, diretor do longa.[7]

Na vida real, a atriz não é tão ousada quanto nos filmes. "Tenho uma vida mais conservadora", revelou a atriz à "Folha".[6]

Vida pessoalEditar

Sevigny possui um apartamento no East Village, Manhattan que adquiriu por US$ 1,2 milhão em 2006.[8] Seu pai morreu quando ela estava em seus 20 anos e Sevigny declarou em uma entrevista em 2006 que ela veio de uma "unida "família, que ela fala com a mãe todos os dias, e que seu irmão mora a três quadras de seu apartamento.[9] Sevigny também sofre de escoliose, que foi diagnosticada quando ela era uma criança, mas ela nunca recebeu qualquer tratamento cirúrgico. Ela afirmou que ela pratica yoga para alívio do estado. Sevigny é uma católica praticante, embora ela admite que se rebela contra a religião como uma adolescente.[10]

CarreiraEditar

Começou em um papel principal no filem Kids, que lhe rendeu elogio da crítica, e uma indicações ao Independent Spirit Awards de Melhor Atriz Coadjuvante. Depois fez vários filmes independentes como Gummo,[11]Trees Lounge,[12] Palmetto,[13]The Last Days of Disco e Julien Donkey-Boy.[14][15]

Ao longo de sua carreira no cinema no início, suas escolhas de moda muitas vezes ofuscados sua carreira até sua atuação como Lana Tisdel, em 1999, em Meninos não choram lhe trouxe grande aclamação da crítica, e foi indicada ao Oscar Melhor Atriz Coadjuvante, Golden Globe Awards de Melhor Atriz Coadjuvante - Cinema, Screen Actors Guild Awards de Melhor Atriz Coadjuvante - Cinema, e venceu vários prêmios da crítica como Boston Society of Film Critics de Melhor Atriz Coadjuvante, Chicago Film Critics Association Awards de Melhor Atriz Coadjuvante, Los Angeles Film Critics Association Awards de Melhor Atriz Coadjuvante, Independent Spirit Awards de Melhor Atriz Coadjuvante, Satellite Awards de Melhor Atriz Coadjuvante, e vários outros prêmios.[16][17][18][19][20]

Sevigny continuou atuando em sua maioria independentes art house filmes, como American Psycho (2000), Party Monster (2003) e Dogville(2003).[21] Seu papel no filme de casa de arte The Brown Bunny (2003) causou polêmica significativa por causa de uma cena em que ela executa unsimulated felação.[22] Seus filmes, desde então, têm incluído Melinda and Melinda (2004), Manderlay (2005), Zodíaco (2007), e My Son, My Son, What Have Ye Done?(2009).[23][24]

De 2006 a 2011, Sevigny desempenhou um papel na HBO,na série de televisão Big Love,pelo qual recebeu um Globo de Ouro de Melhor Atriz Coadjuvante em 2010.[25] Em seguida, ela apareceu em vários projetos de televisão, incluindo um papel de liderança n aHit & Miss(2012),e papéis recorrentes em American Horror Story: Asylum (2012-2013) e Portlandia.[26][27] Sevigny tem dois créditos no teatro, e já atuou em vários vídeos de música.[28][29] Ela também criou várias coleções de guarda-roupa, mais recentemente com Cerimônia de Abertura boutique de Manhattan.[30][31]

Principais prêmios e indicaçõesEditar

Sevigny teve sua primeira e única indicação ao Oscar em 2000 na categoria Melhor atriz Coadjuvante, graças ao filme Meninos Não Choram[32] o qual atuou ao Lado da atriz Hilary Swank (que ganhou o Oscar no mesmo filme). Em 2010 Sevigny ganhou o Globo de Ouro de melhor atriz coadjuvante em televisão graças a seu desempenho na série Big Love, ao lado de Bill Paxton e Amanda Seyfried.[33] Com Meninos Não Choram Sevigny teve 12 indicações e venceu 7 vitórias.[34]

Ano Categoria Filme Notas
1999 Oscar de Melhor Atriz Coadjuvante Boys Don't Cry Indicado
Ano Categoria Indicação Notas
1991 Melhor Atriz Coadjuvante/Secundária Boys Don't Cry Indicado
2010 Melhor atriz coadjuvante em televisão Big Love Venceu
Ano Categoria Indicação Notas
2001 Melhor atriz Coadjuvante Boys Don't Cry Indicado
Screen Actos Guild
Ano Categoria Indicação Notas
2001 Melhor atriz Coadjuvante no cinema Boys Don't Cry Indicado
MTV Movie Awards
Ano Categoria Indicação Notas
2001 Melhor Beijo[35] Boys Don't Cry Indicado
Los Angeles Film Critics Association Award
Ano Categoria Indicação Notas
2001 Melhor Atriz Coadjuvante[36] Boys Don't Cry Venceu
Satellite Awards
Ano Categoria Indicação Notas
2001 Melhor Atriz Coadjuvante Boys Don't Cry Venceu
2012 Melhor Atriz em Série de Drama Hit & Miss Indicado
Independent Spirit Awards
Ano Categoria Indicação Notas
2001 Melhor Atriz Coadjuvante[37] Boys Don't Cry Venceu
Online Film Critics Society
Ano Categoria Indicação Notas
2001 Melhor Atriz Coadjuvante[38] S Boys Don't Cry Indicado
Las Vegas Film Critics Society Awards
Ano Categoria Indicação Notas
2001 Melhor Atriz Coadjuvante[39] Boys Don't Cry Venceu
Chicago Film Critics Association Awards
Ano Categoria Indicação Notas
2001 Melhor Atriz Coadjuvante[40] Boys Don't Cry Venceu

Referências

  1. «Chloe Sevigny Height Weight Body Statistics». Healthy Celeb. Consultado em 11 de agosto de 2014 
  2. «NLS/BPH: Other Writings, Say How? A Pronunciation Guide to Names of Public Figures». Library of Congress. 6 de maio de 2008. Consultado em 8 de março de 2010 
  3. «Arrow In the Head Interview: Chloë Sevigny on Zodiac». Arrow in the Head. 1 de março de 2007. Consultado em 12 de setembro de 2009 
  4. *Hear the correct pronunciation of Chloë Sevigny
  5. «Hit miss serie britanica com chloe sevigny transexual tem primeiras imagens». Omelete 
  6. a b «Chloe Sevigny uma das atrizes mais polemicas do cinema vem ao brasil» (em inglês). EGO. Consultado em 1 de novembro de 2013 
  7. «Os filmes mais polemicos do cinema» (em inglês). Blogs.pop.com.br. Consultado em 1 de novembro de 2013. Arquivado do original em 3 de dezembro de 2013 
  8. «O apartamento de chloe sevigny». Alvoveltbeing (em inglês). Alovelybeing.com. Consultado em 1 de novembro de 2013 
  9. «Entrevista com chloe sevigny». Universo Online (em inglês). Virgula.uol.com.br. Consultado em 1 de novembro de 2013 
  10. «Entrevista com chloe sevigny» (em inglês). g1.globo.com. Consultado em 1 de novembro de 2013 
  11. Chicago Sun Times. «Style stolen in Gummo». Consultado em 19 de janeiro de 2010 
  12. Gillbey, Ryan (20 de fevereiro de 2008). «Chloe will be Chloe». The Guardian New York. Consultado em 31 de agosto de 2012 
  13. Levy, Emanuel (14 de setembro de 1997). «Gummo». Variety. Consultado em 9 de novembro de 2009 
  14. Maslin, Janet (28 de maio de 1998). «Film Review: Last Days of Disco, Night Life of the the Young, Urban and Genteel». The New York Times. Consultado em 1 de janeiro de 2010 
  15. «The Last Days of Disco». Box Office Mojo. Consultado em 14 de abril de 2009 
  16. Erro de citação: Código <ref> inválido; não foi fornecido texto para as refs de nome oscar
  17. «Harmony Korine Official Website». Harmony Korine.com. Consultado em 8 de janeiro de 2010 
  18. «Chloe Sevigny Films». Chloe Sevigny.info. Consultado em 7 de janeiro de 2010. Arquivado do original em 26 de janeiro de 2010 
  19. «Buzzine». Buzzine Interview with Chloe Sevigny for Zodiac. Consultado em 8 de janeiro de 2010. Arquivado do original em 21 de agosto de 2009  |urlmorta= e |datali= redundantes (ajuda)
  20. «Filmmaker Magazine». Peter Bowen on Larry Clarke's Kids. Consultado em 8 de janeiro de 2010 
  21. Brantley, Ben (6 de março de 1998). «THEATER REVIEW; Indiana School Days: Reading, Writing and Murder». New York Times. Consultado em 17 de junho de 2010 
  22. «Academy Award Database: Chloe Sevigny». Academy of Motion Picture Arts and Sciences. Consultado em 9 de janeiro de 2008. Arquivado do original em 13 de janeiro de 2013 
  23. Lanthier, Joseph (25 de agosto de 2009). «The Last Days of Disco: The Criterion Collection». Slant Magazine. Consultado em 8 de janeiro de 2010 
  24. «MoMA PopRally – The Last Days of Disco». The Museum of Modern Art 
  25. Ebert, Roger (22 de outubro de 1999). «Boys Don't Cry». The Chicago Sun Times. Consultado em 7 de janeiro de 2010 
  26. «Chloë Sevigny (II) Awards & Nominations». Yahoo! Movies. Consultado em 2 de março de 2010 
  27. Hawker, Philippa (1 de março de 2002). «Seeing doubles». The Age (Melbourne) 
  28. «U.S. 8th Circuit Court of Appeals: JoAnn Brandon v Charles B. Laux». FindLaw. Consultado em 7 de dezembro de 2006 
  29. Howey, Noelle (22 de março de 2000). «Boys Do Cry». Mother Jones. Consultado em 7 de dezembro de 2006 
  30. «Boys Don't Cry (1999)». Box Office Mojo. Consultado em 25 de maio de 2006 
  31. Turan, Kenneth (22 de outubro de 1999). «'Boys Don't Cry': Devastating Price of Daring to Be Different». The Los Angeles Times. Consultado em 7 de janeiro de 2010 [ligação inativa] 
  32. «Chloe Sevigny for Supporting Actress». Emanuellevy (em inglês). Emanuellevy.com. Consultado em 1 de novembro de 2013 
  33. «Academy award nominated and golden globe winning actress chloe sevigny to guest star». Thefuto ncritic (em inglês). Thefutoncritic.com. Consultado em 1 de novembro de 2013 
  34. Ebert, Roger (9 de abril de 2004). «Roger Ebert reviews "Dogville"». Chicago Sun-Times. Consultado em 27 de fevereiro de 2010 
  35. Sevigny, Chloë (2009). The Last Days of Disco (DVD). The Criterion Collection 
  36. Howey, Noelle (22 de março de 2000). «Boys Do Cry». Mother Jones. Consultado em 7 de dezembro de 2006 
  37. Sevigny, Chloë (2003). Demonlover (DVD). Lions Gate Films/PALM Media 
  38. Ebert, Roger (5 de novembro de 1999). «Julien Donkey-Boy Review». Chicago Sun-Times. Consultado em 13 de fevereiro de 2010 
  39. «Boys Don't Cry (1999)». Box Office Mojo. Consultado em 25 de maio de 2006 
  40. Hawker, Philippa (1 de março de 2002). «Seeing doubles». The Age (Melbourne) 

Ligações externasEditar