Abrir menu principal

Chrispim Jacques Bias Fortes (neto)

Emblem-scales.svg
A neutralidade deste artigo ou se(c)ção foi questionada, conforme razões apontadas na página de discussão deste artigo ou se(c)ção.
Disambig grey.svg Nota: Para o político brasileiro, avô deste, veja Chrispim Jacques Bias Fortes.
Chrispim Bias Fortes Neto
Deputado federal de Minas Gerais
Período 15 de março de 1951
até 31 de janeiro de 1983
(8 mandatos consecutivos)
Dados pessoais
Nascimento 26 de março de 1923
Barbacena
Morte 1 de julho de 2009 (86 anos)
Barbacena
Progenitores Mãe: Francisca Tamm Bias Fortes
Pai: José Francisco Bias Fortes
Alma mater Universidade Federal de Minas Gerais
Cônjuge Clea Bias Fortes
Partido PSD (1947-1967)
ARENA (1967-1980)
PDS (1980-1985)
PFL (1985-2007)
Profissão advogado

Chrispim Jacques Bias Fortes Neto (Barbacena, 26 de março de 19231 de julho de 2009) é um advogado e político brasileiro.

Seguiu a mesma trajetória de seu avô e seu pai como advogado, produtor rural e político atuante, sobre tudo na região de Barbacena. Eleito Deputado Federal [1] por 8 mandatos consecutivos (1951 a 1983). Advogado de carreira do Banco do Brasil, foi também Secretário de Estado por 3 vezes. Biazinho como Deputado conseguiu recursos pra inúmeras obras na região de Barbacena, como escolas, postos de saúde, estradas, calçamentos e várias outras obras como: o prédio da Escola Normal, o Parque de Exposições de Barbacena, estações de captação de água, Colégio Tiradentes e inúmeros quilômetros de asfalto, como nas estradas de Barbacena/São João Del Rei e Barbacena/Ubá.

BiografiaEditar

Filho de José Francisco Bias Fortes e Francisca Tamm Bias Fortes. Bacharel em Direito em 1944 na Universidade Federal de Minas Gerais, atuou no escritório de advocacia do pai até filiar-se ao PSD e disputar, sem sucesso, a prefeitura de Barbacena em 1947, mesmo ano em que seu pai foi derrotado por Milton Campos na disputa pelo governo estadual. Eleito deputado federal em 1950, 1954, 1958 e 1962, migrou para a ARENA após a outorga do bipartidarismo pelo Regime Militar de 1964 via Ato Institucional Número Dois, licenciando-se para ocupar a Secretaria de Segurança em 1966 nos primeiros meses do governo Israel Pinheiro, cargo do qual se afastou para prosseguir sua carreira política.[2]

Reeleito em 1966 e 1970, integrou o diretório estadual e foi vice-presidente nacional (1972-1974) da ARENA.[1] Preterido na escolha do governador de Minas Gerais pelo presidente Ernesto Geisel, foi reeleito em 1974 e pediu licença para assumir a Secretaria de Obras no governo de Aureliano Chaves,[3] conquistando o seu oitavo mandato consecutivo de deputado federal em 1978.[4] Após a reforma partidária empreendida pelo presidente João Figueiredo filiou-se ao PDS e foi presidente do partido em Minas Gerais.

Após divergências com membros da legenda aceitou a candidatura de Eliseu Resende a governador em 1982 de quem foi companheiro de chapa num pleito marcado pela vitória de Tancredo Neves. Com a renúncia de Neves em 1984 para disputar a Presidência da República, foi nomeado Secretário de Segurança Pública pelo novo governador, Hélio Garcia, e durante sua passagem pelo cargo migrou para o PFL encerrando sua vida pública.

Referências