Abrir menu principal
Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde abril de 2017). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Colônias e área de influência de potências estrangeiras na Ásia e no Sul do Pacífico.

As concessões estrangeiras na China foram um grupo de territórios concedidos dentro da China, que eram governados e ocupados pelas potências estrangeiras nos séculos XIX e XX. São frequentemente associados com o imperialismo e colonialismo. O sistema de concessões na China, foi regulamentado pelo Tratado de Nanquim de 29 de agosto de 1842, o Tratado do Rio Bug, de 8 de outubro de 1843, de Tianjin (Tianjin) (Junho de 1858) e vários tratados bilaterais com os países em causa. Esses tratados são chamados Tratados Desiguais pelos chineses, que muitas vezes foram assinados sob coação. Nos países ocidentais, é às vezes chamado de "diplomacia das canhoneiras".

A maioria tinha extraterritorialidade e eram enclaves dentro de cidades chave pelos treaty ports. Os dois últimos territórios europeus na China, Hong Kong e Macau, apesar de não serem concessões, mas sim colônias, foram devolvidos ao governo da República Popular da China em 1997 e 1999, respectivamente.

A maioria dessas concessões foi concedida em razão dos Tratados Desiguais. Em cada tratado, a China era geralmente forçada a abrir mais portas para os tratados de comércio e leasing de mais territórios, concessão de territórios, se não se renderam totalmente.[1] Concessões, tais como Macau, que foi administrada por Portugal que foram estabelecidas séculos antes dos Tratados Desiguais surgiu na dinastia Ming.

Índice

CaracterísticasEditar

Em cada cidade, houve todo tipo de concessões; havia nove concessões em Tianjin, na época do auge. Geralmente as potências estrangeiras que controlavam essas concessões eram as potências ocidentais ou o Império do Japão. No entanto, cada uma potência estrangeira, geralmente administrava suas próprias concessões, embora ocasionalmente várias potências poderiam concordar em formar uma solução única.

Nessas concessões, os cidadãos de cada potência estrangeira foram dados o direito de habitar livremente, comercializar, converter e viajar. Desenvolveram suas próprias culturas distintas do resto da China, porque cada administração iria tentar fazer da concessão seu olhar "em casa". Igrejas, casas públicas, e diversas outras instituições comerciais ocidentais surgiram nessas concessões. No caso das concessões japonesas, suas tradições e língua natural floresceu. Ironicamente, algumas dessas concessões eventualmente tiveram a arquitetura mais avançada de cada cultura originária do que a maioria das cidades nos países em volta das potências estrangeiras.

Os chineses originalmente foram proibidos de viver dentro da maioria das concessões, mas para melhorar a atividade comercial e de serviços, eventualmente nas concessões são permitidos os chineses nos anos 1860, mas passaram a serem tratados como cidadãos de segunda classe. Eram literalmente cidadãos de segunda categoria, entretanto, desde que não fossem cidadãos do estado extrangeiro que administram a concessão. Finalmente se tornaram a maioria dos residentes no interior das concessões. Não-Chineses nas concessões eram geralmente sujeitos à lei consular, e alguns destas leis aplicadas aos residentes chineses.

Cada concessão também possuía a sua própria força policial, e tinha diferentes jurisdições e as suas próprias leis distintas. Assim, uma atividade pode ser legal em uma concessão, mas ilegal em outra. Muitas das concessões ainda mantiveram sua própria guarnição militar e exército permanente. Forças militares e policiais do governo chinês às vezes eram presentes. Algumas forças policiais permitiam os chineses, outras não. (No início da Segunda Guerra Sino-Japonesa, o exército chinês das concessões japonesas seriam ainda usadas contra as forças chinesas.)

Nas grandes cidades, como Xangai e Tianjin, que possuíam muitas jurisdições em uma área significava, os criminosos poderiam cometer um crime em uma jurisdição e escapar facilmente para outra. Isto se tornou um problema, especialmente no período republicano da China durante o século XX, com o surgimento dos senhores da guerra chinese e o colapso da autoridade central. Crime florescia frequentemente, especialmente o crime organizado. Alguns esforços foram feitos pelas potências estrangeiras para ter as diferentes forças policiais cooperando e trabalhando em conjunto, mas não com enorme sucesso. A imagem de gangsters e Tríades conjuraram nas grandes cidades e nas principais concessões da época precisamente devido à extraterritorialidade dentro das cidades.

Lista das concessões estrangeiras na ChinaEditar

Segue-se abaixo as principais concessões estrangeiras na China:[2]

  • Cantão:
    • Comerciantes ocidentais foram autorizados a permanecer em uma área portuária que lhes foi reservado, e para construir armazéns, desde o século XVIII. Deviam passar obrigatoriamente por intermediários chineses designados, e retirar-se para Macau fora da estação de transporte.
  • Hankou (atual Wuhan):
    • Concessão britânica em 1861-1931
    • Concessão alemã em 1895
    • Concessão russa em 1895
    • Concessão francesa em 1896-1943
    • Concessão japonesa em 1898
  • Guangzhou Wan:

Guangzhou Wan é anexada pela França em 27 de Maio de 1898, na esperança de desenvolver um porto de importância comparável à de Hong Kong. Em janeiro de 1900, a anexação se transforma num arrendamento de noventa e nove anos. Passa sob a autoridade do governador-geral da Indochina francesa. Invadida pelos japoneses em 1943, é revertido para a China em 1946.

Ver tambémEditar

Referências