Disambig grey.svg Nota: ""Shanghai"" redireciona para este artigo. Para outros significados, veja Shanghai (desambiguação). Para o artista brasileiro, veja Xangai (músico).

Xangai (chinês: 上海; pinyin: Shànghǎi Ltspkr.png ouça; no dialeto wu: Zanhe, AFI[z̥ɑ̃̀hé]) é um dos quatro municípios de administração direta da República Popular da China. A cidade está localizada no estuário sul do rio Yangtzé, pelo qual flui o rio Huangpu. Com uma população de 24,87 milhões, é a área urbana mais populosa da China, a cidade mais populosa do mundo e a única cidade do Leste Asiático com um PIB maior que o da capital do seu país. Xangai é um centro global de finanças, negócios e economia, pesquisa, educação, ciência e tecnologia, manufatura, turismo, cultura e transportes, sendo que o Porto de Xangai é o porto de contêineres mais movimentado do mundo.

Xangai (上海)
Do topo para baixo e da esquerda para direita: panorama urbano de Pudong; Jardim Yuyuan; Rua de Nanquim; Bund à noite; Museu de Xangai; Museu de Arte da China; distrito de Huangpu na Cidade Antiga de Xangai.
Localização
Xangai (上海) está localizado em: China
Xangai (上海)
Mapa da Xangai
Coordenadas 31° 13' 43" N 121° 28' 29" E
País República Popular da China
País  China
Município Xangai
História
Fundação 4000 a.C.
Administração
Prefeito Gong Zheng
Características geográficas
Área total 6 340,5 km²[1]
População total 26 317 104[2] hab.
Código Postal 200000-201614
Código de área +86 21
Sítio www.shanghai.gov.cn

Originalmente uma vila de pescadores e uma cidade mercantil, Xangai cresceu em importância no século XIX devido ao comércio interno e externo e à sua localização portuária favorável. A cidade foi um dos cinco portos forçados a abrir ao comércio europeu após a Primeira Guerra do Ópio. O Acordo Internacional de Xangai e a Concessão Francesa foram posteriormente estabelecidos. A cidade então floresceu, tornando-se o principal centro comercial e financeiro da Ásia na década de 1930. Durante a Segunda Guerra Sino-Japonesa, a cidade foi o local da grande Batalha de Xangai. Após a guerra, com a tomada comunista da China continental em 1949, o comércio foi limitado a outros países socialistas e a influência global da cidade diminuiu.

Nos anos 1990, as reformas econômicas introduzidas por Deng Xiaoping uma década antes resultaram em uma intensa remodelação da cidade, especialmente na área de Pudong, auxiliando no retorno das finanças e do investimento estrangeiro. Desde então, Xangai ressurgiu como um centro financeiro internacional; é a sede da Bolsa de Valores de Xangai, uma das maiores bolsas de valores do mundo por capitalização de mercado e da Zona de Livre Comércio de Xangai, a primeira zona de livre comércio na China continental. Xangai é classificada como uma cidade global alfa+ pela Globalization and World Cities Research Network e é classificada como o terceiro centro financeiro mais competitivo e maior do mundo, atrás de Nova York e Londres.[3] Possui a maior rede de metrô, o sexto maior número de bilionários, o quinto maior número de arranha-céus e a quinta maior produção de pesquisa científica do mundo, com instituições educacionais de excelente reputação, como a Universidade Fudan, a Universidade Jiao Tong e a Universidade Normal do Leste da China.

Xangai tem sido descrita como a "vitrine" da economia chinesa em expansão. Apresentando vários estilos arquitetônicos, como art déco e shikumen, a cidade é conhecida pelo panorama urbano de Lujiazui, por seus museus e edifícios históricos, como o Templo de Deus da Cidade, e pelos edifícios ao longo do Bund, o que inclui a Torre Pérola Oriental. Xangai também é conhecida por sua culinária açucarada, pela linguagem local distinta e por sua característica cosmopolita. Como uma importante cidade internacional, Xangai é a sede do Novo Banco de Desenvolvimento, um banco multilateral de desenvolvimento estabelecido pelos Estados-membros do BRICS. A cidade também abriga mais de 70 representantes estrangeiros e inúmeros eventos nacionais e internacionais todos os anos, como a Semana de Moda de Xangai e o Grande Prêmio da China, e é o polo turístico mais lucrativo do mundo,[4] com o sétimo maior número de hotéis cinco estrelas do planeta[5] e o segundo edifício mais alto do mundo, a Torre de Xangai.

EtimologiaEditar

Os dois caracteres chineses no nome da cidade são上 ( shàng/zan, "sobre") e 海 (hǎi/hae, "mar"), juntos significando "No Mar". A primeira ocorrência deste nome data da dinastia Song do século XI, quando já existia uma confluência fluvial e uma cidade com este nome na área. No entanto, o significado do nome tem sido contestado, mas os historiadores chineses concluíram que durante a dinastia Tang, a área da moderna Xangai estava abaixo do nível do mar, então a terra parecia estar literalmente "no mar".[6] Xangai é oficialmente abreviado 沪 (/Vu2) em chinês, uma contração de 沪渎 (Hù Dú/Vu Doh"), um nome Jin do século IV ou V para a foz do rio Suzhou quando este era o principal canal para o oceano.[7] Este caractere aparece em todas as placas de veículos automotores emitidas no município hoje.[8]

HistóriaEditar

História antigaEditar

A parte ocidental da moderna Xangai é habitada há 6 mil anos.[9] Durante o Período das Primaveras e Outonos (aproximadamente 771 a.C.a 476 a.C.), pertenceu ao Reino de Wu, que foi conquistado pelo Reino de Yue, que por sua vez foi conquistado pelo Reino de Chu.[10] Durante o Período dos Estados Combatentes (475 a.C.), Xangai fazia parte do feudo do Senhor Chunshen de Chu, um dos Quatro Senhores dos Estados Combatentes. Ele ordenou a escavação do rio Huangpu. Seu nome antigo ou poético, o rio Chunshen, deu a Xangai o apelido de "Shēn".[10] Os pescadores que viviam na área de Xangai criaram então uma ferramenta de peixe chamada , que emprestou seu nome à saída do rio Suzhou ao norte da Cidade Velha e se tornou um apelido e abreviação comum para a cidade.[11]

História imperialEditar

 
Pagode da Praça Songjiang, construído no século XI

Durante as dinastias Tang e Song, a cidade de Qinglong (青龙镇) no moderno distrito de Qingpu era um importante porto comercial. Fundada em 746 (o quinto ano da era Tang Tianbao), desenvolveu-se no que historicamente chamou de "cidade gigante do Sudeste", com treze templos e sete pagodes. Mi Fu, um estudioso e artista da dinastia Song, serviu como seu prefeito. O porto experimentou um próspero comércio com províncias ao longo do Yangtze e da costa chinesa, bem como com países estrangeiros como Japão e Silla.[12]

No final da dinastia Song, o centro de comércio mudou-se a jusante do rio Wusong para Xangai.[13] Passou ser considerada uma cidade mercantil em 1074 e, em 1172, um segundo dique foi construído para estabilizar a costa oceânica, complementando um dique anterior.[14] Da dinastia Yuan em 1292 até Xangai se tornar oficialmente um município em 1927, o centro da cidade foi administrado como um condado sob a prefeitura de Songjiang, que tinha sua sede no atual distrito de Songjiang.[15]

 
A cidade velha murada de Xangai no século XVII

Dois eventos importantes ajudaram a promover os desenvolvimentos de Xangai na dinastia Ming . Uma muralha foi construída pela primeira vez em 1554 para proteger a cidade de ataques de piratas japoneses. Ela media dez metros de altura e cinco quilômetros decircunferência.[16] O Templo Cidade de Deus foi construído em 1602 durante o reinado de Wanli. Essa honra era geralmente reservada para capitais de província e normalmente não dada a uma mera sede de condado como Xangai. Estudiosos teorizaram que isso provavelmente refletia a importância econômica da cidade, em oposição ao seu baixo estatuto político.[16]

Durante a dinastia Qing, Xangai tornou-se um dos portos marítimos mais importantes da região do delta do Yangtzé como resultado de duas importantes mudanças na política do governo central: em 1684, o imperador Kangxi reverteu a proibição da dinastia Ming de navios oceânicos — uma proibição que estava em vigor desde 1525; e em 1732, o imperador Qianlong mudou o escritório de alfândega da província de Jiangsu () de Songjiang, a capital da província, para Xangai, que conseguiu o controle exclusivo sobre as cobranças alfandegárias do comércio exterior. Como resultado dessas duas decisões críticas, Xangai tornou-se o principal porto comercial para toda a região do baixo Yangtzé em 1735, apesar de ainda estar no nível administrativo mais baixo na hierarquia política.[17]

Ascensão e era de ouroEditar

 
Um mapa de Xangai em 1884; a área chinesa está em amarelo, a francesa em vermelho, a britânica em azul, a estadunidense em laranja.

No século XIX, a atenção internacional para Xangai cresceu devido ao reconhecimento europeu de seu potencial econômico e comercial no Yangtzé. Durante a Primeira Guerra do Ópio (1839-1842), as forças britânicas ocuparam a cidade.[18] A guerra terminou em 1842 com o Tratado de Nanquim, que abriu Xangai como um dos cinco portos do tratado para o comércio internacional.[19] O Tratado de Bogue, o Tratado de Wanghia e o Tratado de Whampoa (assinados em 1843, 1844 e 1844, respectivamente) forçaram a concessão chinesa aos desejos europeus e estadunidenses de visitação e comércio em solo chinês. Reino Unido, França e Estados Unidos estabeleceram uma presença fora da cidade murada de Xangai, que permaneceu sob a administração direta dos chineses.[20]

A Cidade Velha de Xangai, controlada pelos chineses, caiu para os rebeldes da Sociedade das Espadas Pequenas em 1853, mas foi recuperada pelo governo Qing em fevereiro de 1855.[21] Em 1854, o Conselho Municipal de Xangai foi criado para administrar os assentamentos estrangeiros. Entre 1860 e 1862, os rebeldes Taiping atacaram duas vezes Xangai e destruíram os subúrbios leste e sul, mas não conseguiram tomar o centro da cidade.[22] Em 1863, o assentamento britânico ao sul do rio Suzhou (norte do distrito de Huangpu) e o assentamento estadunidense ao norte (sul do distrito de Hongkou) se juntaram para formar o Assentamento Internacional de Xangai. Os franceses optaram por não participar do Conselho Municipal de Xangai e mantiveram sua própria concessão ao sul e sudoeste.[23]

A Primeira Guerra Sino-Japonesa terminou com o Tratado de Shimonoseki de 1895, que elevou o Japão a se tornar outra potência estrangeira em Xangai. Os japnoeses construíram as primeiras fábricas em Xangai, o que logo foi copiado por outras potências estrangeiras. Toda essa atividade internacional deu a Xangai o apelido de "a Grande Atenas da China".[24]

Panorama de Xangai em 1893.
 
O desmantelamento das muralhas da Cidade Velha, 1911
 
O Bund em 1928.

Em 1914, as muralhas da Cidade Velha foram desmanteladas porque bloqueavam a expansão da cidade. Em julho de 1921, o Partido Comunista da China foi fundado na Concessão Francesa.[20] Em 30 de maio de 1925, o Movimento de 30 de Maio eclodiu quando um trabalhador em uma fábrica de algodão de propriedade japonesa foi baleado e morto por um capataz japonês.[25] Os trabalhadores da cidade então lançaram greves gerais contra o imperialismo, que se tornaram protestos nacionais que deram origem ao nacionalismo chinês.[26]

A idade de ouro de Xangai começou com sua elevação a município depois que foi separada de Jiangsu em 7 de julho de 1927.[20][27] Este novo município chinês cobria uma área de 494.69 km2 (191.0 sq mi) , incluindo os distritos modernos de Baoshan, Yangpu, Zhabei, Nanshi e Pudong, mas excluia os territórios de concessões estrangeiras.[27] Liderado por um prefeito e conselho municipal chineses, a primeira tarefa do novo governo da cidade foi criar um novo centro na cidade de Jiangwan, no distrito de Yangpu, fora dos limites das concessões estrangeiras. O plano incluía um museu público, biblioteca, estádio esportivo e prefeitura, que foram parcialmente construídos antes de serem interrompidos pela invasão japonesa.[28]

A cidade floresceu, tornando-se o principal centro comercial e financeiro da região Ásia-Pacífico na década de 1930.[29] Durante as décadas seguintes, cidadãos de muitos países e de todos os continentes vieram para Xangai para viver e trabalhar; aqueles que permaneceram por longos períodos⁠⁠—alguns por gerações⁠— se autodenominavam "shanghailanders".[30] Nas décadas de 1920 e 1930, quase 20 mil russos brancos fugiram da recém-criada União Soviética para residir em Xangai[31] e constituíam a segunda maior comunidade estrangeira na cidade. Em 1932, Xangai havia se tornado a quinta maior cidade do mundo e lar de 70 mil estrangeiros.[32] Na década de 1930, cerca de 30 mil refugiados judeus da Europa chegaram à cidade.[33]

Invasão japonesaEditar

 
Xangai após o bombardeio japonês na Batalha de Xangai, parte da Segunda Guerra Sino-Japonesa.

Em 28 de janeiro de 1932, as forças japonesas invadiram Xangai enquanto os chineses resistiam. Mais de 10 mil lojas e centenas de fábricas e edifícios públicos[34] foram destruídos, deixando o distrito de Zhabei em ruínas. Cerca de 18 mil civis foram mortos, feridos ou declarados desaparecidos.[20] Um cessar-fogo foi negociado em 5 de maio.[35] Em 1937, a Batalha de Xangai resultou na ocupação das partes de Xangai administradas pelos chineses fora do Acordo Internacional e da Concessão Francesa. As pessoas que ficaram na cidade ocupada sofreram diariamente, passando fome, opressão ou morte.[36] As concessões estrangeiras foram finalmente ocupadas pelos japoneses em 8 de dezembro de 1941 e permaneceram ocupadas até a rendição do Japão em 1945; vários crimes de guerra foram cometidos durante esse período.[37]

Um efeito colateral da invasão japonesa de Xangai foi o Gueto de Xangai. O cônsul japonês em Kaunas, Lituânia, Chiune Sugihara, emitiu milhares de vistos para refugiados judeus que estavam fugindo da solução final nazista para a questão judaica. Eles viajaram de Keidan, na Lituânia, através da Rússia por via férrea até Vladivostok, de onde viajaram de navio para Kobe, no Japão. No entanto, a permanência dos refugiados judeus em Kobe foi curta, pois o governo japonês os transferiu para Xangai em novembro de 1941. Outros refugiados judeus encontraram refúgio em Xangai, não através de Sugihara, mas vieram em navios da Itália. Os refugiados da Europa foram internados em um gueto apertado no distrito de Hongkou[38] e após o ataque japonês a Pearl Harbor, até mesmo os judeus iraquianos que viviam em Xangai antes da eclosão da Segunda Guerra Mundial foram internados. Em 3 de setembro de 1945, o exército chinês libertou o gueto e a maioria dos judeus foi embora nos anos seguintes. Em 1957, havia apenas cem judeus restantes em Xangai.

 
Imagem de rua Seward no Gueto de Xangai, 1943

Em 27 de maio de 1949, o Exército Popular de Libertação assumiu o controle de Xangai através da Campanha de Xangai. Sob a nova República Popular da China (RPC), Xangai foi um dos três únicos municípios não fundidos em províncias vizinhas (sendo os outros Pequim e Tianjin).[39] A maioria das empresas estrangeiras mudou seus escritórios de Xangai para Hong Kong, como parte de um desinvestimento estrangeiro devido à vitória da RPC.[40]

História modernaEditar

Após a guerra, a economia de Xangai foi restaurada — de 1949 a 1952, a produção agrícola e industrial da cidade aumentou 51,5% e 94,2%, respectivamente.[20] Havia 20 distritos urbanos e 10 subúrbios na época.[41] Em 17 de janeiro de 1958, Jiading, Baoshan e Shanghai em Jiangsu tornaram-se parte do Município de Xangai, que se expandiu para 863 km2 (333.2 sq mi). Em dezembro seguinte, a área terrestre de Xangai foi ampliada para 5,910 km2 (2,281.9 sq mi) depois que mais regiões suburbanas vizinhas em Jiangsu foram adicionadas: Chongming, Jinshan, Qingpu, Fengxian, Chuansha e Nanhui.[42] Em 1964, as divisões administrativas da cidade foram reorganizadas em dez distritos urbanos e dez condados.[41]

Como o centro industrial da China com os trabalhadores mais qualificados, Xangai tornou-se um centro de esquerdismo radical durante as décadas de 1950 e 1960. A esquerdista radical Jiang Qing e seus três aliados, juntos a Gangue dos Quatro, estavam sediados na cidade.[43] Durante a Revolução Cultural (1966-1976), a sociedade de Xangai foi severamente prejudicada, com 310 mil condenações injustas envolvendo mais de 1 milhão de pessoas. Cerca de 11,5 mil pessoas foram injustamente perseguidas até a morte. No entanto, mesmo durante os momentos mais tumultuados da revolução, Xangai conseguiu manter a produção econômica com taxa de crescimento anual positiva.[20]

Desde 1949, Xangai tem sido um contribuinte relativamente importante de receitas fiscais para o governo central; em 1983, a contribuição da cidade na receita tributária foi maior do que o investimento recebido nos últimos 33 anos juntos.[44] Sua importância para o bem-estar fiscal do governo central também a impediu de participar das liberalizações econômicas iniciadas em 1978. Em 1990, Deng Xiaoping finalmente permitiu que Xangai iniciasse reformas econômicas, que reintroduziram o capital estrangeiro na cidade e desenvolveram o distrito de Pudong, resultando no nascimento de Lujiazui.[45] Em 2020, Xangai é classificada como uma cidade global alfa+ pela Globalization and World Cities Research Network, tornando-se uma das dez cidades mais importantes do mundo.[46]

Panorama de Pudong visto do Bund em 2017.

GeografiaEditar

 
A área urbana de Xangai em 2016, juntamente com suas principais ilhas
 
Densidade populacional e zonas costeiras de baixa altitude na área de Xangai, que é particularmente vulnerável ao aumento do nível do mar

Xangai está localizada no estuário do rio Yangtzé, na costa leste da China, com o Yangtzé ao norte e a baía de Hangzhou ao sul. A terra é formada pela deposição natural do Yangtzé e projetos modernos de recuperação de terras. Como tal, tem solo arenoso e os arranha-céus devem ser construídos com estacas de concreto profundas para evitar afundar no solo macio.[47] A municipalidade de nível provincial de Xangai administra tanto o estuário como muitas de suas ilhas vizinhas. É aproximadamente equidistante de Pequim e Cantão, fazendo fronteira com o Mar da China Oriental a leste, Zhejiang ao sul e Jiangsu a oeste e norte.[48] O ponto mais ao norte do município fica na ilha Chongming, que é a segunda maior ilha da China continental após sua expansão durante o século XX.[49]

Xangai está localizada em uma planície aluvial . Assim, a grande maioria de seus 6,340.5 km2 (2,448.1 sq mi) é plana, com uma altitude média de quatro metros.[50] Ecossistemas de planícies de maré existem ao redor do estuário, no entanto, há muito tempo são recuperados para fins agrícolas.[51] As poucas colinas da cidade, como She Shan, ficam a sudoeste, e seu ponto mais alto é o pico da ilha Dajinshan (103 metros) na Baía de Hangzhou.[50] Xangai tem muitos rios, canais, córregos e lagos e é conhecida por seus ricos recursos hídricos como parte da bacia de drenagem do Lago Tai.[52]

O centro de Xangai é dividido ao meio pelo rio Huangpu, um afluente artificial do Yangtzé criado por ordem do Senhor Chunshen durante o Período dos Estados Combatentes.[10] O centro histórico da cidade estava localizado na margem oeste do Huangpu (Puxi), perto da foz do riacho Suzhou, ligando-o ao lago Tai e ao Grande Canal. O distrito financeiro central, Lujiazui, foi estabelecido na margem leste do Huangpu (Pudong). Ao longo da costa leste de Xangai, a destruição de zonas úmidas locais devido à construção do Aeroporto Internacional de Pudong foi parcialmente compensada pela proteção e expansão de um baixio próximo, Jiuduansha, como uma reserva natural.[53]

ClimaEditar

Xangai tem um clima subtropical úmido (Cfa), com uma temperatura média anual de 15.8 °C (60.4 °F) para os distritos urbanos e 15.2–15.7 °C (59.4–60.3 °F) para os subúrbios.[47] Os invernos são temperados a frios e úmidos — os ventos do noroeste da Sibéria podem fazer com que as temperaturas noturnas caiam abaixo de zero. A cada ano, há uma média de 6,2 dias com queda de neve e 2,8 dias com cobertura de neve.[47] Os verões são quentes e úmidos, com chuvas ocasionais ou trovoadas. Em média, 8,7 dias excedem 35 °C (95 °F) anualmente. No verão e início do outono, a cidade também fica suscetível a tufões.[54]

As estações mais agradáveis são geralmente a primavera, embora instável e muitas vezes chuvosa, e o outono, que costuma ser ensolarado e seco. Com uma porcentagem mensal de luz solar possível variando de 34% em março a 54% em agosto, a cidade recebe 1.895 horas de Sol por ano. Os extremos desde 1951 variaram de −10.1 °C (14 °F) em 31 de janeiro de 1977 (registro não oficial de −12.1 °C (10 °F) foi definido em 19 de janeiro de 1893) para 40.9 °C (106 °F) em 21 de julho de 2017 em uma estação meteorológica em Xujiahui.[55][56]

Dados climatológicos para Xangai (1991–2010)
Mês Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Ano
Temperatura máxima recorde (°C) 22,1 27 29,6 34,3 35,5 37,5 39 39,9 38,2 34 28,7 23,4 39,9
Temperatura máxima média (°C) 8,1 10,1 13,8 19,5 24,8 27,8 32,2 31,5 27,9 22,9 17,3 11,1 20,6
Temperatura média (°C) 4,8 6,6 10 15,3 20,7 24,4 28,6 28,3 24,9 19,7 13,7 7,6 17
Temperatura mínima média (°C) 2,1 3,7 6,9 11,9 17,3 21,7 25,8 25,8 22,4 16,8 10,6 4,7 14,1
Temperatura mínima recorde (°C) −10,1 −7,9 −5,4 −0,5 6,9 12,3 16,3 18,8 10,8 1,7 −4,2 −8,5 −10,1
Precipitação (mm) 74,4 59,1 93,8 74,2 84,5 181,8 145,7 213,7 87,1 55,6 52,3 43,9 1 166,1
Dias com precipitação (≥ 0,1 mm) 9,9 9,2 12,4 11,2 10,4 12,7 11,4 12,3 9,1 6,9 7,6 7,7 120,8
Umidade relativa (%) 74 73 73 72 72 79 77 78 75 72 72 71 74
Horas de sol 114,3 119,9 128,5 148,5 169,8 130,9 190,8 185,7 167,5 161,4 131,1 127,4 1 775,8
Fonte: China Meteorological Administration (recordes absolutos de temperatura: 1951-presente)[57]

ParquesEditar

 
Parque do Povo

Xangai tem um extenso sistema de parques públicos; em 2018, a cidade contava com 300 parques, dos quais 281 com entrada gratuita, sendo que a área per capita de parque era de 8,2 metros quadrados.[58]

O parque Praça do Povo, localizado no coração do centro de Xangai, é especialmente conhecido por sua proximidade com outros marcos importantes da cidade. O Parque Fuxing, localizado na antiga Concessão Francesa, possui jardins formais em estilo francês e é cercado por bares e cafés sofisticados.[59]

 
Parque Xujiahui

O Parque Zhongshan, no centro-oeste de Xangai, é famoso por seu monumento a Chopin, a estátua mais alta do mundo dedicada ao compositor.[60] Construído em 1914 sob o nome de Parque Jessfield, já abrigou o campus da St. John's University, a primeira faculdade internacional de Xangai; hoje, o parque possui jardins de sakura e peônia e um plátano de 150 anos,[61] além de também servir como um centro de intercâmbio no sistema de metrô.[62]

Um dos parques mais novos de Xangai é o Parque Xujiahui, que foi construído em 1999, nos antigos terrenos da Great Chinese Rubber Works Factory e do EMI Recording Studio (agora restaurante La Villa Rouge). O parque tem um lago artificial com uma ponte suspensa que atravessa o parque.[63] O Jardim Botânico de Xangai está localizado a 12 quilômetros a sudoeste do centro da cidade e foi fundada em 1978. Em 2011, o maior jardim botânico de Xangai – o Jardim Botânico Shanghai Chen Shan – foi inaugurado no distrito de Songjiang.[64]

Problemas ambientaisEditar

 
Distrito de Huangpu durante uma onda poluição atmosférica no leste da China em 2013 .

A poluição do ar em Xangai não é tão severa quanto em muitas outras cidades chinesas, mas ainda é considerada substancial pelos padrões mundiais.[65] Durante o smog de dezembro de 2013 no leste da China, as taxas de poluição do ar atingiram entre 23 e 31 vezes o padrão internacional.[66][67] Em 6 de dezembro de 2013, os níveis de partículas de PM 2,5 em Xangai subiram acima de 600 microgramas por metro cúbico e na área circundante, acima de 700 microgramas por metro cúbico.[67] Os níveis de PM 2,5 no distrito de Putuo atingiram 726 microgramas por metro cúbico.[68][69] Como resultado, a Comissão Municipal de Educação de Xangai recebeu ordens para suspender as atividades ao ar livre dos alunos. As autoridades retiraram quase um terço dos veículos do governo das estradas, enquanto muitos trabalhos de construção foram interrompidos. A maioria dos voos de entrada foram cancelados e mais de 50 voos no Aeroporto Internacional de Pudong foram desviados.[70]

Em 23 de janeiro de 2014, Yang Xiong, então prefeito de Xangai, anunciou que três medidas principais seriam tomadas para gerenciar a poluição do ar na cidade, juntamente com as províncias vizinhas de Anhui, Jiangsu e Zhejiang.[71] As medidas envolveram a implementação do programa de purificação do ar de 2013, estabelecendo um mecanismo de ligação com as três províncias vizinhas e melhorando os sistemas de alerta precoce da cidade.[71] O efeito da política foi significativo. De 2013 a 2018, mais de 3 mil instalações de tratamento de gases residuais industriais foram instaladas, sendo que a emissão anual de fumaça, óxido de nitrogênio e dióxido de enxofre da cidade diminuiu 65%, 54% e 95%, respectivamente.[72][73]

 
Um caminhão de lixo na Rua Zhonghua

A conscientização pública sobre o meio ambiente está crescendo e a cidade está investindo em vários projetos de proteção ambiental. Uma reabilitação de 16 anos do Suzhou Creek, que atravessa a cidade, foi concluída em 2012, limpando o riacho de barcaças e fábricas e removendo 1,3 milhão de metros cúbicos de lodo. [74] [75] Além disso, o governo transferiu quase todas as fábricas do centro da cidade para a periferia ou outras províncias, [76] e incentivou as empresas de transporte a investir em ônibus e táxis a GLP.

Em 1º de julho de 2019, Xangai adotou um novo sistema de classificação de lixo que separa os resíduos em resíduos, resíduos de cozinha, resíduos recicláveis e resíduos perigosos. [77] Os resíduos são coletados por veículos separados e encaminhados para incineradores, aterros sanitários, centros de reciclagem e instalações de descarte de resíduos perigosos, respectivamente.[78]

DemografiaEditar

Populações históricas
AnoPop.±% p.a.
1954[79]6 204 400—    
1964[79]10 816 500+5.72%
1982[79]11 859 700+0.51%
1990[79]13 341 900+1.48%
2000[79]16 407 700+2.09%
2010[79]23 019 200+3.44%
2015[80]24 152 700+0.97%
2016[80]24 197 000+0.18%
2017[80]24 183 300−0.06%
201824 237 800+0.23%
2019[81]24 281 400+0.18%
O tamanho da população pode ser afetado por mudanças nas divisões administrativas.
 
Xangai vista do edifício K11.

Em 2019, Xangai tinha uma população total 24.281.400 pessoas, incluindo 14.504.300 (59,7%) trabalhadores sistema hukou (registrados localmente).[81] Segundo o censo de 2010, 89,3% da população de Xangai vive em áreas urbanas e 10,7% vivem em áreas rurais.[82] Com base na população de sua área administrativa total, Xangai é o segundo maior dos quatro municípios da China, atrás de Chongqing,mas é geralmente considerada a maior cidade chinesa porque a população urbana de Chongqing é muito menor.[83] Segundo a OCDE, a população da área metropolitana de Xangai foi estimada em 34 milhões de pessoas.[84]

De acordo com o Departamento Municipal de Estatísticas de Xangai, cerca de 157,9 mil residentes em Xangai são estrangeiros, incluindo 28,9 japoneses, 21,9 estadunidenses e 20,8 mil coreanos.[85] O número real de cidadãos estrangeiros na cidade é provavelmente muito maior.[86] Xangai também é uma cidade de imigração doméstica — 40,3% (9,8 milhões) dos moradores da cidade são de outras regiões da China.[81]

Xangai tem uma expectativa de vida de 83,6 anos para a população registrada da cidade,[87] a maior expectativa de vida de todas as cidades da China continental. Isso também fez com que a cidade experimentasse um envelhecimento populacional — em 2017, 33,1% (4,8 milhões) da população registrada da cidade tinha 60 anos ou mais.[88] Em 2017, o governo chinês implementou controles populacionais para a cidade, o que resultou em um declínio populacional de 10 mil pessoas até o final daquele ano.[89]

LínguaEditar

 Ver artigo principal: Dialeto xangainês

A língua vernácula falada na cidade é o xangainês, um dialeto do subgrupo Taihu Wu da família chinesa Wu. É diferente do dialeto oficial chinês, mandarim, que é mutuamente ininteligível com o chinês Wu.[90] O xangainê moderno é baseado em outros dialetos de Taihu Wu.[91]

Antes de sua expansão, a língua falada em Xangai era subordinada àquelas faladas em torno de Jiaxing e mais tarde de Suzhou[91] e era conhecida como "a língua local" (本地闲话), que agora está sendo usado apenas nos subúrbios.[92] No final do século XIX, o centro de Xangai (上海闲话) apareceu, passando por mudanças rápidas e substituindo rapidamente o suzhounês como o dialeto de prestígio da região do delta do rio Yangtze . Na época, a maioria dos moradores da cidade eram imigrantes das duas províncias adjacentes, Jiangsu e Zhejiang, então o xangainês era principalmente um híbrido entre os dialetos do sul de Jiangsu e Ningbo. Depois de 1949, o outonghua (mandarim padrão) também teve um grande impacto nos xangaienses por ser rigorosamente promovido pelo governo central.[91] Desde a década de 1990, muitos migrantes fora da região de língua Wu vieram a Xangai para estudar e trabalhar. Eles muitas vezes não podem falar a língua local e, portanto, usam o putonghua como língua franca. Como o putonghua e o inglês eram mais favorecidos, o xangainês começou a declinar e a fluência entre os jovens falantes enfraqueceu. Nos últimos anos, houve movimentos dentro da cidade para promover a língua local e protegê-la do desaparecimento.[93][94]

ReligiãoEditar

Devido à sua história cosmopolita, Xangai tem uma herança religiosa diversa; edifícios e instituições religiosas estão espalhados pela cidade. De acordo com uma pesquisa de 2012, apenas 13,1% da população da cidade pertence a religiões organizadas, incluindo budistas com 10,4%, protestantes com 1,9%, católicos com 0,7% e outras religiões com 0,1%, enquanto os restantes 86,9% da população poderiam ser ou ateus ou envolvidos na adoração de divindades e ancestrais da natureza ou seitas religiosas populares.[95]

O budismo, em suas variedades chinesas, está presente em Xangai desde o período dos Três Reinos, durante o qual foram fundados o Templo Longhua — o maior templo de Xangai — e o Templo Jing'an.[96] Outro templo significativo é o Templo do Buda de Jade, que recebeu o nome de uma grande estátua de Buda esculpida em jade no templo.[97] Em 2014, o budismo em Xangai tinha 114 templos, 1.182 funcionários clericais e 453,3 mil seguidores registrados.[96] A religião também tem seu próprio colégio e sua própria imprensa.[98]

Embora atualmente constitua uma fração da população religiosa em Xangai, o povo judeu desempenhou um papel influente na história da cidade. Depois que o Tratado de Nanquim encerrou a Primeira Guerra do Ópio em 1842, a cidade foi aberta às populações ocidentais e os comerciantes viajaram para Xangai por seu rico potencial de negócios, incluindo muitas famílias judias proeminentes. Os Sassoons acumularam grande riqueza no comércio de ópio e têxtil, consolidando seu estatuto ao financiar muitos dos edifícios que se tornaram ícones no horizonte de Xangai, como o Cathay Hotel em 1929.[99] Os Hardoons foram outra proeminente família judia de Baghdadi que usou seu sucesso nos negócios para definir Xangai no século XX. O chefe da família, Silas Hardoon, que foi uma das pessoas mais ricas do mundo durante o século XIX, financiou a Rua de Nanquim, que na época abrigava lojas de departamento no Assentamento Internacional, mas agora é um dos centros comerciais mais movimentados do mundo. Durante a Segunda Guerra Mundial, milhares de judeus emigraram para Xangai em um esforço para fugir da Alemanha Nazista. Eles viviam em uma área designada chamada Gueto de Xangai e formaram uma comunidade centrada na Sinagoga Ohel Moishe, que agora é o Museu de Refugiados Judaicos de Xangai.[100] Em 1939, Horace Kadoorie, o chefe da poderosa família filantrópica de judeus sefarditas em Xangai, fundou a Associação da Juventude Judaica de Xangai para apoiar os refugiados judeus através da educação inglesa, para que estivessem preparados para emigrar de Xangai quando chegasse a hora.[101]

O catolicismo foi trazido para Xangai em 1608 pelo missionário italiano Lazzaro Cattaneo.[102] O Vicariato Apostólico de Xangai foi erigido em 1933 e foi elevado à Diocese de Xangai em 1946.[103] Locais católicos notáveis incluem a Catedral de Santo Inácio em Xujiahui—a maior igreja católica da cidade,[104] a Igreja de São Francisco Xavier e a Basílica She Shan.[105] Outras formas de cristianismo incluem as minorias ortodoxas orientais e, desde 1996, igrejas cristãs protestantes registradas.

O Islã entrou em Xangai durante a dinastia Yuan. A primeira mesquita da cidade, a Mesquita Songjiang, foi construída durante o período Zhizheng (至正) sob o governo do imperador Huizong. A população muçulmana de Xangai aumentou no século XIX e início do XX (quando a cidade era um porto internacional), durante o qual muitas mesquitas foram construídas. A Associação Islâmica de Xangai está localizada na Mesquita Xiaotaoyuan em Huangpu.[106]

Xangai tem vários templos religiosos folclóricos, incluindo o Templo Cidade de Deus no coração da Cidade Velha, o Pavilhão Dajing Ge dedicado ao general Guan Yu dos Três Reinos, o Templo Confuciano de Xangai e um grande centro taoísta onde se localiza a Associação Taoísta de Xangai.[107]

GovernoEditar

 
Prédio do Governo Municipal de Xangai.

Como praticamente todas as instituições que governam na República Popular da China, o governo de Xangai é estruturado em um sistema bipartidário,[108] onde o representante local do Partido Comunista (atualmente Han Zheng) está acima do prefeito (atualmente Yang Xiong).

O poder político em Xangai é amplamente visto como um trampolim para cargos mais altos no governo nacional. Desde que Jiang Zemin tornou-se o chefe do partido nacional em junho de 1989, todos, exceto um, dos chefe do partido em Xangai foram elevados ao Comitê Permanente do Politburo, o órgão político máximo, de facto, na China,[108] incluindo o próprio Jiang (Secretário-Geral e Presidente),[109] Zhu Rongji,[110] Wu Bangguo,[111] Huang Ju,[112] Xi Jinping[113] e Yu Zhengsheng. Zeng Qinghong, um ex-vice-chefe do partido em Xangai, também subiu ao Comitê Permanente do Politburo e tornou-se o vice-presidente.[114] A única exceção é Chen Liangyu, que foi demitido em 2006 e mais tarde condenado por corrupção política.[115] Os funcionários com vínculo com a administração de Xangai formar uma poderosa e influente facção no governo nacional.[116]

Cidades-irmãsEditar

Em 2020, Xangai era geminada com as seguintes regiões, cidades e condados:[117]

SubdivisõesEditar

Divisões administrativas de Xangai

EconomiaEditar

Xangai tem sido descrita como a "vitrine" da economia em expansão da China.[120][121] A cidade é um centro global de finanças e inovação[122] [123] e um polo nacional de comércio e transporte,[124] com o porto de contêineres mais movimentado do mundo — o Porto de Xangai.[125] Em 2019, Xangai teve um PIB de 539 bilhões de dólares que representa 3,85% do PIB da China[126] e um PIB per capita de 22.186 dólares.[81] Em 2020, a economia de Xangai foi estimada em 1 trilhão de dólares (PPC), classificando a área metropolitana mais produtiva da China e entre as dez maiores economias metropolitanas do mundo.[127] As seis maiores indústrias de Xangai — varejo, finanças, TI, imobiliária, fabricação de máquinas e fabricação automotiva — representam cerca de metade do PIB da cidade.[128] Em 2019, a renda média anual disponível dos residentes de Xangai foi de 9.808 dólares per capita, tornando-se uma das cidades mais ricas da China,[81] mas também a cidade mais cara da China continental para se viver, de acordo com um estudo de 2017 da Economist Intelligence Unit.[129]

Em 2021, Xangai era a quinta cidade mais rica do mundo, com uma riqueza total de 1,8 trilhão de dólares,[130] além de ser classificada como a sexta por número de bilionários pela Forbes.[131] O PIB nominal de Xangai está projetado para atingir 1,3 trilhão de dólares em 2035 (em primeiro lugar na China), tornando-a uma das cinco principais cidades do mundo em termos de PRB, de acordo com um estudo da Oxford Economics. [132]

Xangai foi a maior e mais próspera cidade do leste da Ásia durante a década de 1930 e sua rápida reconstrução começou na década de 1990.[29] Nas últimas duas décadas, Xangai tem sido uma das cidades de desenvolvimento mais rápido do mundo; registrou um crescimento do PIB de dois dígitos em quase todos os anos entre 1992 e 2008, antes da crise financeira de 2007-08.[133]

FinançasEditar

 
A Bolsa de Valores de Xangai é uma das maiores bolsas de valores do mundo por capitalização de mercado.

Xangai é um centro financeiro global, ocupando o primeiro lugar em toda a região da Ásia e Oceania e o terceiro globalmente (depois de Nova York e Londres) na 28ª edição do Global Financial Centers Index,[134] publicado em setembro de 2020 pela Z/Yen e pelo Instituto de Desenvolvimento da China.[3] Xangai também é um grande centro da indústria de tecnologia chinesa e global e abriga um grande ecossistema de startups. Em 2021, a cidade foi classificada como a segunda potência fintech do mundo, atrás apenas da cidade de Nova York. [135]

Em 2019, a Bolsa de Valores de Xangai tinha uma capitalização de mercado de 4,02 trilhões de dólares, o que a tornava a maior bolsa de valores da China e a quarta maior do mundo.[136] Em 2009, o volume de negociação de seis commodities-chave — como borracha, cobre e zinco — na Bolsa de Futuros de Xangai estão em primeiro lugar no mudno.[137] No final de 2017, Xangai abrigava 1.491 instituições financeiras, das 251 eram estrangeiras.[138]

Em setembro de 2013, com o apoio do primeiro- ministro chinês Li Keqiang, a cidade lançou a Zona de Livre Comércio Piloto da China (Xangai) — a primeira zona de livre comércio na China continental para incentivar o investimento estrangeiro. Em abril de 2014, o jornal The Banker informou que Xangai "atraiu os maiores volumes de investimento estrangeiro direto do setor financeiro na região da Ásia-Pacífico nos 12 meses até o final de janeiro de 2014".[139] Em agosto de 2014, a revista fDi nomeou Xangai como a "Província Chinesa do Futuro 2014/15" devido a "desempenhos particularmente impressionantes nas categorias Facilidade de Negócios e Conectividade, bem como em segundo lugar nas categorias Potencial Econômico e Capital Humano e Estilo de Vida".[140]

IndústriaEditar

Como um dos principais centros industriais da China, Xangai desempenha um papel fundamental na fabricação nacional e na indústria pesada . Várias zonas industriais — como a Zona de Desenvolvimento Econômico e Tecnológico de Xangai Hongqiao, a Zona de Processamento Econômico de Exportação de Jinqiao, a Zona de Desenvolvimento Econômico e Tecnológico de Minhang e a Zona de Desenvolvimento de Alta Tecnologia de Xangai Caohejing — são a espinha dorsal do setor secundário de Xangai. A cidade abriga a maior siderúrgica da China, a Baosteel, além da maior base de construção naval da China, a Hudong-Zhonghua Shipbuilding Group, e um dos mais antigos construtores navais da China, o Jiangnan Shipyard.[141][142]

A fabricação de automóveis é outra indústria importante. A SAIC Motor, com sede em Xangai, é uma das três maiores corporações automotivas da China e tem parcerias estratégicas com a Volkswagen e a General Motors.[143]

Zona de livre comércioEditar

Xangai é o lar da Zona de Livre Comércio Piloto da China (Xangai), a primeira zona de livre comércio na China continental.[144] Desde outubro de 2019, é também a segunda maior zona de livre comércio da China continental em termos de área terrestre,[145] cobrindo uma área de 240.22 km2 (92.75 sq mi) e integrando quatro zonas alfandegadas existentes — Zona de Livre Comércio de Waigaoqiao, Parque Logístico de Livre Comércio de Waigaoqiao, Área do Porto de Livre Comércio de Yangshan e Zona de Livre Comércio Abrangente do Aeroporto de Pudong.[146][147] Várias políticas preferenciais foram implementadas para atrair investimento estrangeiro em várias indústrias para a zona.[148]

TurismoEditar

O turismo é uma grande indústria de Xangai. Em 2017, o número de turistas domésticos aumentou 7,5%, para 318 milhões, enquanto o número de turistas estrangeiros aumentou 2,2%, para 8,73 milhões.[138] Em 2017, Xangai foi a cidade turística mais lucrativa do mundo, posição que deve se manter até 2027.[4] Em 2019, Xangai tinha 71 hotéis cinco estrelas, 61 hotéis quatro estrelas, 1.758 agências de viagens, 113 atrações turísticas e 34 atrações turísticas socialistas.[81]

O setor de conferências e reuniões também está crescendo. De acordo com a Associação Internacional de Congressos e Convenções, Xangai sediou 82 reuniões internacionais em 2018, um aumento de 34% em relação às 61 em 2017.[149][150]

O Shanghai Disney Resort foi aprovado pelo governo em 4 de novembro de 2009[151] e inaugurado em 2016.[152] O parque temático e resort de 4,4 bilhões de dólares em Pudong possui um castelo que é o maior entret odos os resorts da Disney.[153] Mais de 11 milhões de pessoas visitaram o resort em seu primeiro ano de operação.[154]

InfraestruturaEditar

TransportesEditar

Xangai tem um extenso sistema de transporte público que inclui metrô, ônibus, balsas e táxis, todos acessíveis usando um cartão de transporte público.[155]

O Metrô de Xangai incorpora linhas de metrô e metrô leve e se estende a todos os distritos urbanos centrais, bem como aos distritos suburbanos vizinhos. Em 2021, existiam 19 linhas de metrô (excluindo o trem maglev de Xangai e a ferrovia Jinshan), 515 estações e 803 km de linhas em operação, tornando-se a rede mais longa do mundo.[81] Em 8 de março de 2019, estabeleceu o recorde diário de passageiros de metrô da cidade com 13,3 milhões de pessoas.[156]

Inaugurado em 2004, o trem maglev de Xangai é o primeiro e mais rápido maglev comercial de alta velocidade do mundo, com velocidade máxima de operação de 430 km/h.[157] O trem pode completar os 30 km viagem entre a Estação Longyang e o Aeroporto Internacional de Pudong em 7 minutos e 20 segundos,[158] comparando com 32 minutos pela Linha 2 do metrô[159] e 30 minutos de carro.[160]

Com a primeira linha de bonde em serviço em 1908, esse tipo de transporte já foi popular em Xangai no início do século XX. Em 1925, havia 328 bondes e 14 rotas linhas por empresas chinesas, francesas e britânicas de forma colaborativa,[161] todas nacionalizadas após a vitória do Partido Comunista em 1949. Desde a década de 1960, muitas linhas de bonde foram desmontadas ou substituídas por linhas de trólebus ou ônibus;[162] a última linha de bonde foi demolida em 1975.[163] Xangai reintroduziu os bondes em 2010, como um moderno sistema Translohr de pneus de borracha na área de Zhangjiang, no leste de Xangai.[164] Em 2018, o bonde Songjiang com rodas de aço começou a operar no distrito de Songjiang.[165]

 
BRT linha 71 no Bund
 
Trevo rodoviário entre a Estrada Elevada Yan'an e a Estrada Elevada Norte-Sul

Xangai também possui a rede de ônibus mais extensa do mundo, incluindo o sistema de trólebus em operação contínua mais antigo do mundo, com 1.575 linhas cobrindo um comprimento total de 8.997 km em 2019.[81] O sistema é operado por várias empresas.[166] Em 2019, também havia um total de 40 mil táxis em operação em Xangai.[81]

Xangai é um importante centro da rede de vias expressas da China. Muitas vias expressas nacionais (prefixadas com a letra G) passam ou terminam em Xangai.[167] Existem também várias vias expressas municipais prefixadas com a letra S.[167] Em 2019, Xangai tinha um total de 12 pontes e 14 túneis que cruzam o rio Huangpu.[168][169]

As ciclovias são comuns na cidade, separando o tráfego não motorizado do tráfego de carros na maioria das ruas. No entanto, em algumas estradas principais, incluindo todas as vias expressas, bicicletas e motocicletas são proibidas. Nos últimos anos, o ciclismo ressurgiu em popularidade devido ao surgimento de um grande número de sistemas de compartilhamento de bicicletas baseados em aplicativos.[170] Em dezembro de 2018, os sistemas de compartilhamento de bicicletas tiveram uma média de 1,15 milhão de usuários diários dentro da cidade.[171]

A propriedade de carros particulares em Xangai está aumentando rapidamente: em 2019, havia 3,40 milhões de carros particulares na cidade, um aumento de 12,5% em relação a 2018.[81] Carros particulares novos não podem ser conduzidos sem placa, que são vendidas em leilões mensais. Cerca de 9,5 mil placas são leiloadas a cada mês e o preço médio era de cerca de 12 mil dólares em 2019.[172] De acordo com os regulamentos de veículos da cidade introduzidos em junho de 2016, apenas residentes registrados localmente e aqueles que pagaram seguro social ou imposto de renda individual por mais de três anos são elegíveis para participar do leilão. O objetivo desta política é limitar o crescimento do tráfego de automóveis e aliviar os congestionamentos.[173]

 
Um trem bala CR400AF partindo da estação ferroviária de Xangai

Xangai tem quatro estações ferroviárias principais: a estação ferroviária de Xangai, a estação ferroviária de Xangai Sul, a estação ferroviária de Xangai Oeste e a estação ferroviária de Xangai Hongqiao.[174]

Construída em 1876, a ferrovia Woosung foi a primeira ferrovia em Xangai e a primeira ferrovia em operação na China.[175] Em 1909, a ferrovia Xangai-Nanjing e a ferrovia Xangai-Hangzhou entraram em serviço.[176][177] Em outubro de 2019, as duas ferrovias foram integradas em duas ferrovias principais na China: a ferrovia Pequim-Xangai e a ferrovia Xangai-Kunming, respectivamente.[178]

Xangai tem quatro ferrovias de alta velocidade (HSRs): Pequim-Xangai, Xangai-Nanquim, Xangai-Kunming e Xangai-Nantong.[179][180]

Xangai também tem quatro ferrovias suburbanas: a ferrovia Pudong (o serviço de passageiros está atualmente suspenso) e a ferrovia Jinshan, operada pela China Railway, e as linhas 16 e 17 operadas pelo metrô de Xangai.[181][182] Quatro linhas adicionais estão em construção.[182][183]

Xangai é um dos maiores centros de transporte aéreo da Ásia.[184] A cidade tem dois aeroportos comerciais: Aeroporto Internacional de Xangai Pudong e Aeroporto Internacional de Xangai Hongqiao,[185] sendo que o primeiro é o principal aeroporto internacional, enquanto o segundo opera principalmente voos domésticos e voos internacionais de curta distância. Em 2018, o Aeroporto Internacional de Pudong atendeu 74,0 milhões de passageiros e movimentou 3,8 milhões de toneladas de carga, tornando-se o nono aeroporto mais movimentado em volume de passageiros e o terceiro aeroporto mais movimentado em volume de carga no mundo.[186] No mesmo ano, o Aeroporto Internacional de Hongqiao atendeu 43,6 milhões de passageiros, tornando-se o 19º aeroporto mais movimentado em volume de passageiros.[186]

 
Devido ao porto de Yangshan, Xangai se tornou o porto de contêineres mais movimentado do mundo.

Desde a sua abertura, o Porto de Xangai cresceu rapidamente para se tornar o maior porto da China.[187] O porto de Yangshan foi construído em 2005 porque o rio não era adequado para atracar grandes navios porta-contêineres. O porto está conectado com o continente através de 32 km, a ponte de Donghai. Embora o porto seja administrado pelo Shanghai International Port Group sob o governo de Xangai, ele pertence administrativamente ao condado de Shengsi, Zhejiang.[188]

Ultrapassando o Porto de Cingapura em 2010,[189] o Porto de Xangai tornou-se o porto de contêineres mais movimentado do mundo, com um transporte anual de 42 milhões de TEUs em 2018.[190] Além da carga, o Porto de Xangai movimentou 259 cruzeiros e 1,89 milhão de passageiros em 2019.[81]

Xangai faz parte da rota marítima do projeto Nova Rota da Seda, que vai da costa chinesa ao sul, passando pelo extremo sul da Índia até Mombaça, daí para o Mediterrâneo, daí para a região do Alto Adriático até o centro italiano de Trieste, no norte, com ligações ferroviárias à Europa Central e Oriental.[191][192][193][194][195]

EducaçãoEditar

 
Distrito universitário em Songjiang

Xangai alcançou o primeiro lugar no Programa Internacional de Avaliação de Alunos (PISA) de 2009 e 2012, um estudo mundial de desempenho acadêmico feito com estudantes de 15 anos de idade e conduzido pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE). Os estudantes de Xangai, incluindo as crianças migrantes, marcaram os mais altos pontos em todos as disciplinas (matemática, leitura e ciências) no mundo. O estudo concluiu que as escolas com financiamento público na cidade tem a mais alta qualidade de ensino do planeta.[196][197] Os críticos dos resultados do PISA apontam que em Xangai e outras cidades chinesas, a maioria dos filhos dos trabalhadores migrantes só podem frequentar as escolas da cidade até a nona série e então devem retornar para as cidades de origem de seus pais para cursar o ensino médio devido a restrições hukou, o que distorce a composição dos estudantes do ensino médio da cidade em favor das mais ricas famílias locais.[198]

A cidade foi a primeira do país a implementar o 9º ano do ensino obrigatório. O censo de 2010 mostra que, do total da população, 22,0% tinham uma educação universitária, o dobro do nível de 2000, enquanto 21,0% tinham o ensino médio, 36,5% ensino fundamental e 1,35% o ensino primário. Cerca de 2,74% dos moradores com 15 anos ou mais eram analfabetos.[199]

Xangai tem mais de 930 jardins de infância, 1200 instituições de ensino primário e 850 escolas de ensino médio. Mais de 760 mil alunos de escolas de nível médio e 871 mil alunos do ensino fundamental recebem aulas de 76 mil e 64 mil professores, respectivamente.[200]

CulturaEditar

 
Shanghai Citi Bank Building com a frase "Eu amo Xangai".

A cultura de Xangai foi formada por uma combinação da cultura Wuyue próxima e da cultura Haipai. A influência da cultura Wuyue é manifestada na língua xangainesa — que compreende elementos dialetais das proximidades de Jiaxing, Suzhou e Ningbo — e na culinária local, que foi influenciada pela culinária de Jiangsu e Zhejiang.[201] A cultura de Haipai surgiu depois que Xangai se tornou um porto próspero no início do século XX, quando vários estrangeiros da Europa, América, Japão e Índia se mudando para a cidade.[202] A cultura funde elementos das culturas ocidentais com a cultura Wuyue local e sua influência se estende à literatura, moda, arquitetura, música e culinária da cidade.[203] O termo Haipai — originalmente referindo-se a uma escola de pintura em Xangai — foi cunhado por um grupo de escritores de Pequim em 1920 para criticar alguns estudiosos de Xangai por admirarem o capitalismo e a cultura ocidental.[203] No início do século XXI, Xangai foi reconhecida como uma nova influência e inspiração para a cultura cyberpunk.[204]

ArquiteturaEditar

O Bund, localizado às margens do rio Huangpu, abriga uma série de arquitetura do início do século XX, variando em estilo desde o edifício neoclássico até a art déco. Muitas áreas das antigas concessões estrangeiras também estão bem preservadas, sendo a mais notável a concessão francesa.[205] Xangai também abriga muitos edifícios arquitetônicos distintos e até excêntricos, incluindo o Museu de Xangai e a Torre Pérola Oriental. Apesar do redesenvolvimento desenfreado, a Cidade Velha ainda mantém alguns projetos e arquitetura tradicionais, como o Jardim Yu, um elaborado jardim de estilo Jiangnan.[206]

Como resultado de seu boom de construção durante as décadas de 1920 e 1930, Xangai tem um dos maiores conjuntos de edifícios art déco do mundo.[205] Um dos arquitetos mais famosos que trabalhou em Xangai foi László Hudec, um húngaro-eslovaco que viveu na cidade entre 1918 e 1947.[207] Outros arquitetos proeminentes que contribuíram para o estilo art déco são Clement Palmer e Arthur Turner[208] e o arquiteto austríaco C. H. Gonda. O Bund foi revitalizado várias vezes. A primeira foi em 1986, com um novo passeio do arquiteto holandês Paulus Snoeren.[209] A segunda foi antes da Expo 2010, que inclui a restauração da centenária ponte Waibaidu e a reconfiguração do fluxo de tráfego.[210]

Um elemento cultural distinto é o shikumen (石库门, "porta de armazenamento de pedra"), que são casas típicas de tijolo cinza de dois ou três andares com o jardim da frente protegido por uma pesada porta de madeira em um arco de pedra estilizado.[211] Cada residência está conectada e organizada em vielas retas, conhecidas como longtang (弄堂). A casa é semelhante às casas de terraço ou moradias de estilo ocidental, mas distingue-se pela parede de tijolos altos e pesados e arco na frente de cada casa.[212]

O shikumen é uma mistura cultural de elementos encontrados na arquitetura ocidental com a arquitetura tradicional chinesa de Jiangnan.[211] Como quase todas as habitações tradicionais chinesas, tem um pátio, o que reduz o ruído exterior. Vegetação pode ser cultivada no pátio, e também pode permitir a entrada de luz solar e ventilação nos quartos.[213]

Alguns dos edifícios de Xangai apresentam arquitetura neoclássica soviética ou arquitetura stalinista, embora a cidade tenha menos estruturas desse tipo do que Pequim. Esses edifícios foram erguidos principalmente entre a fundação da República Popular em 1949 e a divisão sino-soviética no final dos anos 1960. Durante esse período, um grande número de especialistas soviéticos, incluindo arquitetos, afluíram à China para ajudar o país na construção de um Estado comunista.[214]

Xangai — Lujiazui em particular — tem vários arranha-céus, tornando-se a quinta cidade do mundo com mais arranha-céus.[215] Entre os exemplos mais proeminentes estão a Torre Jin Mao (421 metros), o Shanghai World Financial Center (492 m) e a Shanghai Tower (632 m), que é o edifício mais alto da China e o segundo mais alto do mundo.[216] Concluída em 2015, a torre tem a forma de nove seções torcidas empilhadas umas sobre as outras, totalizando 128 andares.[217] Ele é destaque em seu design de fachada de camada dupla, que elimina a necessidade de qualquer camada ser opaca para refletividade, pois a estrutura de camada dupla já reduziu a absorção de calor.[218] A futurista Torre Pérola Oriental, com 468 metros de altura, está localizada próximo na ponta norte de Lujiazui.[219]

Panorama do Bund.

MuseusEditar

Xangai tem vários museus de importância regional e nacional. O Museu de Xangai tem uma das melhores coleções de artefatos históricos chineses no mundo, incluindo uma grande coleção de bronzes chineses antigos. O Museu de Arte da China, localizado no antigo Pavilhão da China da Expo 2010, é o maior museu de arte da Ásia. A Usina de Arte foi construída em uma central elétrica convertida em museu, semelhante à Tate Modern de Londres. O Museu de História Natural e o Museu de Ciência e Tecnologia são importantes museus de história natural e ciências. Além disso, há uma variedade de museus menores e especializados alojados em importantes locais arqueológicos e históricos, como o Museu Songze, o Museu do Primeiro Congresso Nacional do Partido Comunista Chinês, o local do Governo Provisório da República da Coreia, a antiga sinagoga de Ohel Moshe (Museu dos Refugiados Judaicos de Xangai) e o Edifício Geral dos Correios (Museu Postal de Xangai). O Rockbund Art Museum também está em Xangai. Há também muitas galerias de arte, concentradas no M50 Art District e Tianzifang. Xangai é também o lar de um dos maiores aquários da China, o Shanghai Ocean Aquarium. O MoCA, o Museu de Arte Contemporânea de Xangai, é um museu privado localizado no centro do Parque do Povo e comprometido a promover a arte e o design contemporâneos.[220]

CulináriaEditar

 
A pasta de tomate substitui a beterraba no borscht ao estilo de Xangai.

A cozinha Benbang (本帮菜)[221] é um estilo de culinária que se originou em 1600, com influências das províncias vizinhas. Ele enfatiza o uso de condimentos, mantendo os sabores originais dos ingredientes crus. O açúcar é um ingrediente importante na culinária Benbang, especialmente quando usado em combinação com molho de soja. Pratos exclusivos da culinária Benbang incluem Xiaolongbao, barriga de porco assada e caranguejo-peludo-chinês.[222]

A culinária Haipai, por outro lado, é um estilo com influência ocidental que se originou em Xangai. Absorveu elementos da culinária francesa, britânica, russa, alemã e italiana e os adaptou ao gosto local de acordo com as características dos ingredientes locais.[223] Pratos famosos da culinária de Haipai incluem borscht ao estilo de Xangai (罗宋汤, "sopa russa"), costeletas de porco crocantes e salada de Xangai derivada da salada russa.[224] Tanto a cozinha de Benbang quanto a Haipai fazem uso de uma variedade de frutos do mar, incluindo peixes de água doce, camarões e caranguejos.[225]

ArtesEditar

 
十万图之四( Nº 4 de Cem Mil Cenas ) de Ren Xiong, um pioneiro da Escola de Arte Chinesa de Xangai, c. 1850

A Escola Songjiang (淞江派), contendo a Escola Huating (华亭派) fundada por Gu Zhengyi,[226] foi uma pequena escola de pintura em Xangai durante as dinastias Ming e Qing.[227] Foi representado por Dong Qichang.[228] A escola foi considerada uma expansão da Escola Wu em Suzhou, o centro cultural da região de Jiangnan na época.[229] Em meados do século XIX, o movimento da Escola de Xangai começou, concentrando-se menos no simbolismo enfatizado pelo estilo literati, mas mais no conteúdo visual da pintura através do uso de cores brilhantes. Objetos seculares como flores e pássaros eram frequentemente selecionados como temas.[230] A arte ocidental foi introduzida em Xangai em 1847 pelo missionário espanhol Joannes Ferrer (范廷佐) e o primeiro ateliê ocidental da cidade foi estabelecido em 1864 no orfanato Tushanwan.[231] Durante a República da China, muitos artistas famosos, como Zhang Daqian, se estabeleceram em Xangai, o que gradualmente a tornou o centro de arte da China. Várias formas de arte — incluindo fotografia, escultura em madeira, escultura, quadrinhos (Manhua) e lianhuanhua — prosperaram. Os quadrinhos sanmao foram criados para dramatizar o caos criado pela Segunda Guerra Sino-Japonesa.[232] Hoje, a instalação artística e cultural mais abrangente de Xangai é o Museu de Arte da China. Além disso, a Academia de Pintura Chinesa apresenta pintura tradicional chinesa,[233] enquanto a Central Elétrica de Arte exibe arte contemporânea.[234] A cidade também tem muitas galerias de arte, muitas das quais localizadas no M50 Art District e Tianzifang. Realizada pela primeira vez em 1996, a Bienal de Xangai tornou-se um importante local de interação entre as artes chinesas e estrangeiras.[235]

 
Mei Lanfang apresentando a ópera de Pequim "Resistindo ao Exército Jin" no Teatro Tianchan

A ópera tradicional chinesa (Xiqu) tornou-se uma fonte popular de entretenimento público no final do século XIX. No início do século XX, surgiram monólogos e burlescos em xangainês, absorvendo elementos dos dramas tradicionais. O Grande Mundo foi inaugurado em 1912 e foi um palco significativo na época.[236] Na década de 1920, Pingtan expandiu de Suzhou para Xangai.[237] A arte Pingtan desenvolveu-se rapidamente para 103 programas por dia na década de 1930 por causa das abundantes estações de rádio comerciais na cidade. Na mesma época, uma ópera de Pequim no estilo de Xangai foi formada. Liderado por Zhou Xinfang e Gai Jiaotian, atraiu muitos mestres Xiqu, como Mei Lanfang, para a cidade.[238] Uma pequena trupe de Shengxian (agora Shengzhou) também começou a promover a ópera Yue no palco de Xangai.[239] Um estilo único de ópera, a ópera de Xangai, foi formada quando canções folclóricas locais foram fundidas com óperas modernas.[240]

As peças dramáticas apareceram em escolas missionárias em Xangai no final do século XIX. Na época, era realizado principalmente em inglês. Scandals in Officialdom (官场丑史), encenada em 1899, foi uma das primeiras peças gravadas.[241] Em 1907, a Cabana do Tio Tom (黑奴吁天录) foi encenada no Teatro Lyceum.[242]

 
Neste anúncio de sabonete de Xangai da década de 1930, duas mulheres estão usando qipao enquanto jogam golfe.

Xangai é considerada o berço do cinema chinês.[243] O primeiro curta-metragem da China, The Difficult Couple (1913), e o primeiro longa-metragem de ficção do país, An Orphan Rescues His Grandfather (孤儿救祖记, 1923)[244] foram ambos produzidos em Xangai. A indústria cinematográfica local cresceu no início da década de 1930, gerando estrelas como Hu Die. Outra estrela de cinema, Jiang Qing, tornou-se Madame Mao Zedong. O exílio de cineastas e atores de Xangai como resultado da Segunda Guerra Sino-Japonesa e da revolução comunista contribuiu enormemente para o desenvolvimento da indústria cinematográfica de Hong Kong.[245] O filme Faa yeung nin wa, dirigido por Wong Kar-wai, um nativo de Xangai, retrata uma fatia da comunidade xangainesa em Hong Kong e a nostalgia daquela época, com música dos anos 1940 de Zhou Xuan.[246]

Os festivais culturais de Xangai incluem o Shanghai International Television Festival, o Shanghai International Film Festival, o Shanghai International Art Festival, o Shanghai International Tourism Festival, o Shanghai Spring International Music Festival, etc. O Shanghai TV Festival é o primeiro festival internacional de TV fundado na China, criado em 1986. O Shanghai International Film Festival foi fundado em 1993 e é um dos nove principais festivais internacionais de cinema na categoria A. O prêmio mais alto é o "Prêmio Cálice de Ouro".[247]

ModaEditar

Desde 2001, Xangai realiza sua própria semana de moda chamada Semana de Moda de Xangai duas vezes por ano em abril e outubro. O local principal fica no Parque Fuxin e as cerimônias de abertura e encerramento são realizadas no Shanghai Fashion Center. A sessão de abril também faz parte do Festival Internacional de Cultura da Moda de Xangai, com duração de um mês.[248] A Semana de Moda de Xangai é considerada um evento de importância nacional com designers internacionais e chineses. A presença internacional incluiu muitos jovens estilistas britânicos promissores.[249] O evento é organizado pelo Governo Municipal de Xangai e apoiado pelo Ministério do Comércio da República Popular.[250]

EsportesEditar

Xangai é o lar de vários times de futebol, incluindo dois da Super Liga Chinesa: Shanghai Shenhua[251] e Shanghai Port.[252] O time de basquete Shanghai Sharks da Associação Chinesa de Basquete desenvolveu Yao Ming antes de entrar na NBA.[253][254] O time de beisebol de Xangai, o Shanghai Golden Eagles, joga na Liga de Beisebol da China.[255]

O Shanghai Cricket Club remonta a 1858, quando a primeira partida de críquete registrada na cidade foi disputada entre uma equipe de oficiais da Marinha Britânica e chineses. Após uma inatividade de 45 anos após a fundação da RPC em 1949, o clube foi restabelecido em 1994 por expatriados que moravam na cidade e desde então cresceu para mais de 300 membros. A equipe de críquete de Xangai jogou várias partidas internacionais entre 1866 e 1948. Como o críquete no resto da China é quase inexistente, naquele período eles eram a equipe nacional de críquete da China.[256]

 
Yao Ming nasceu em Xangai. Ele começou sua carreira no Shanghai Sharks.

Xangai é o lar de muitos atletas profissionais chineses proeminentes, como o jogador de basquete Yao Ming,[254] o atleta de 110 metros com barreiras Liu Xiang,[257] o jogador de tênis de mesa Wang Liqin[258] e o atleta de badminton Wang Yihan.[259]

Xangai é a anfitriã de vários eventos esportivos internacionais. Desde 2004, recebe o Grande Prêmio da China, etapa do Campeonato Mundial de Fórmula 1. A corrida é realizada anualmente no Circuito Internacional de Xangai.[260] Sediou a 1000ª corrida de Fórmula 1 em 14 de abril de 2019. Em 2010, Xangai tornou-se a cidade anfitriã do Deutsche Tourenwagen Masters, que correu em um circuito de rua em Pudong. Em 2012, a cidade começou a sediar as 4 Horas de Xangai como uma rodada da temporada inaugural do Campeonato Mundial de Resistência da FIA. A cidade também sedia o torneio de tênis Shanghai Masters, que faz parte do ATP World Tour Masters 1000, bem como torneios de golfe, como o BMW Masters.[261]

Em 21 de setembro de 2017, Xangai sediou um jogo de exibição de hóquei no gelo da National Hockey League (NHL) em um esforço para aumentar o interesse dos fãs para a temporada 2017-18 da NHL.[262]

Referências

  1. «Land Area». Basic Facts. Shanghai Municipal Government. Consultado em 19 de julho de 2011 
  2. «Cópia arquivada» 2017年上海市国民经济运行情况 [The operation of the national economy in Shanghai in 2017] (em chinês). Shanghai Bureau of Statistics. Consultado em 19 de janeiro de 2018. Arquivado do original em 23 de janeiro de 2018 
  3. a b «The Global Financial Centres Index 28» (PDF). Z/Yen. Setembro de 2020. p. 1, 2. Consultado em 27 de setembro de 2020 
  4. a b Töre, Özgür. «WTTC reveals the world's best performing tourism cities». ftnnews.com (em inglês). Consultado em 7 de agosto de 2021 
  5. Nagraj, Aarti (7 de março de 2018). «Revealed: World's top 10 cities with the most five-star hotels». Gulf Business (em inglês). Consultado em 7 de agosto de 2021 
  6. Danielson, Eric N., Shanghai and the Yangzi Delta, 2004, pp. 8–9.
  7. "申","沪"的由来 (em chinês). Shanghai Municipal People's Government. Consultado em 11 de janeiro de 2011. Arquivado do original em 16 de abril de 2011 
  8. 中华人民共和国机动车号牌 [License plate of motor vehicle of the People's Republic of China] (PDF) (em chinês). Ministério da Segurança do Estado da República Popular da China. 28 de setembro de 2007. p. 14. Consultado em 29 de setembro de 2019. Arquivado do original (PDF) em 3 de maio de 2018 
  9. «The Shanghainese of 6000 Years Ago – the Majiabang Culture». Shanghai Qingpu Museum. Consultado em 24 de novembro de 2014. Arquivado do original em 4 de janeiro de 2017 
  10. a b c «Ancient History». cultural-china.com. Consultado em 26 de abril de 2014. Arquivado do original em 16 de junho de 2013 
  11. "申"、"沪"的由来. shanghai.gov.cn (em chinês). Consultado em 1 de outubro de 2019. Arquivado do original em 1 de outubro de 2019 
  12. 上海青浦青龙镇遗址 [Ruins of Qinglong Town in Qingpu, Shanghai]. Academia Chinesa de Ciências Sociais. 24 de março de 2017. Consultado em 16 de julho de 2017. Arquivado do original em 31 de agosto de 2017 
  13. 青龙镇考古:上海首个贸易港,为何人称"小杭州". Thepaper.cn. 10 de dezembro de 2016. Consultado em 16 de julho de 2017. Arquivado do original em 11 de setembro de 2017 
  14. Danielson, Eric N., Shanghai and the Yangzi Delta, 2004, p.9.
  15. Danielson, Eric N., Shanghai and the Yangzi Delta, 2004, p.9, pp.11–12, p.34.
  16. a b Danielson, Eric N., Shanghai and the Yangzi Delta, 2004, p.10.
  17. Danielson, Eric N., Shanghai and the Yangtze Delta, 2004, pp.10–11.
  18. Rait, Robert S. (1903).
  19. «The Opium war (or how Hong Kong began)». South China Morning Post. Consultado em 2 de maio de 2016. Arquivado do original em 6 de maio de 2016 
  20. a b c d e f 上海通志 总述 [General History of Shanghai – Overview] (em chinês). Office of Shanghai Chronicles. 1 de julho de 2008. Consultado em 2 de outubro de 2019. Arquivado do original em 25 de novembro de 2018 
  21. Scarne, John.
  22. Williams, S. Wells.
  23. «Shanghai International Settlement». Flag of the World. Consultado em 2 de outubro de 2019. Arquivado do original em 14 de maio de 2019 
  24. Gordon Cumming, C. F. (Constance Frederica), "The inventor of the numeral-type for China by the use of which illiterate Chinese both blind and sighted can very quickly be taught to read and write fluently", London : Downey, 1899, archive.org Arquivado 2014-07-29 no Wayback Machine
  25. Ku, Hung-Ting [1979] (1979).
  26. Cathal J. Nolan (2002). The Greenwood Encyclopedia of International Relations: S-Z. [S.l.]: Greenwood Publishing Group. ISBN 978-0-313-32383-6 
  27. a b 第一卷 建置沿革 (em chinês). Office of Shanghai Chronicles. 2 de julho de 2008. Consultado em 2 de outubro de 2019. Arquivado do original em 25 de outubro de 2018 
  28. Danielson, Eric N., Shanghai and the Yangzi Delta, 2004, p. 34.
  29. a b Scott Tong (outubro de 2009). «Shanghai: Global financial center? Aspirations and reality, and implications for Hong Kong» (PDF). Hong Kong Journal. Consultado em 17 de outubro de 2011. Arquivado do original (PDF) em 24 de junho de 2011 
  30. Shanghai: Paradise for adventurers.
  31. «Shanghai's White Russians (1937)». SHANGHAI SOJOURNS. 21 de agosto de 2018. Consultado em 2 de outubro de 2019. Arquivado do original em 24 de março de 2019 
  32. "All About Shanghai.
  33. "Shanghai Sanctuary Arquivado 2009-08-14 no Wayback Machine".
  34. Board of Directors of the Oriental Library, A Description of the Oriental Library Before and After the Destruction by Japanese on February 1, 1932, Shanghai: Mercury Press, 1932, p. 5.
  35. 图说上海一二八事变----战争罪行. archives.sh.cn (em chinês). Consultado em 3 de outubro de 2019. Arquivado do original em 4 de fevereiro de 2018 
  36. Nicole Huang, "Introduction," in Eileen Chang, Written on Water, translated by Andrew F. Jones (New York: Columbia University Press, 2005), XI
  37. «149 comfort women houses discovered in Shanghai». Xinhua News Agency. 16 de junho de 2005. Cópia arquivada em 1 de dezembro de 2008 
  38. Griffiths, James (21 de dezembro de 2013). «Shanghai's Forgotten Jewish Past». The Atlantic. Consultado em 30 de junho de 2021 
  39. «Changhai est tombé sans combat». Le Monde (em francês). 27 de maio de 1949. Cópia arquivada em 28 de setembro de 2011 
  40. Thomas, Thompson (1979). China's Nationalization of Foreign Firms: The Politics of Hostage Capitalism, 1949–1957 (PDF). [S.l.]: University of Maryland School of Law. ISBN 0-942182-26-X. Consultado em 27 de novembro de 2019. Cópia arquivada (PDF) em 23 de fevereiro de 2019 
  41. a b 上海地名志 总述 (em chinês). Office of Shanghai Chronicles. 3 de agosto de 2004. Consultado em 3 de outubro de 2019 
  42. Pacione, Michael (4 de dezembro de 2014). Problems and Planning in Third World Cities. [S.l.]: Routledge Revivals. ISBN 9780415705936 
  43. Shanghai: transformation and modernization under China's open policy.
  44. McGregor, Richard (31 de julho de 2012). The Party: The Secret World of China's Communist Rulers. [S.l.]: Harper Perennial; Reprint. ISBN 9780061708763 
  45. 浦东,改革开放尽显"上海风度". Xinhua News (em chinês). 17 de setembro de 2018. Consultado em 29 de setembro de 2019. Arquivado do original em 29 de setembro de 2019 
  46. «GaWC - The World According to GaWC 2020». www.lboro.ac.uk. Consultado em 27 de setembro de 2020 
  47. a b c 上海通志 第二卷 自然环境 [General History of Shanghai – Volume 2. Natural environment] (em chinês). Office of Shanghai Chronicles. 4 de julho de 2008. Consultado em 5 de outubro de 2019. Arquivado do original em 25 de outubro de 2018 
  48. «Geographic Location». Basic Facts. Shanghai Municipal People's Government. Consultado em 14 de setembro de 2011. Arquivado do original em 29 de maio de 2012 
  49. "Chongming Island" in the Encyclopedia of Shanghai, p. 52.
  50. a b «Topographic Features». Basic Facts. Shanghai Municipal People's Government. Consultado em 19 de julho de 2011. Arquivado do original em 3 de outubro de 2011 
  51. Murray, N.J.; Clemens, R.S.; Phinn, S.R.; Possingham, H.P.; Fuller, R.A. (2014). «Tracking the rapid loss of tidal wetlands in the Yellow Sea». Frontiers in Ecology and the Environment. 12 (5): 267–272. doi:10.1890/130260 
  52. «Water Resources». Basic Facts. Shanghai Municipal People's Government. Consultado em 19 de julho de 2011. Arquivado do original em 3 de outubro de 2011 
  53. "Fourth Island Wetland Emerging", pp. 1–2.
  54. Spencer, Richard (19 de setembro de 2008). «1.6m flee Shanghai typhoon». The Daily Telegraph. UK. Consultado em 20 de março de 2008. Arquivado do original em 13 de outubro de 2007 
  55. «Archived copy». Consultado em 18 de fevereiro de 2013. Arquivado do original em 18 de março de 2013 
  56. «Extreme Temperatures Around the World». Consultado em 1 de dezembro de 2010. Arquivado do original em 4 de agosto de 2014 
  57. «中国地面国际交换站气候标准值月值数据集» (em chinês). China Meteorological Administration. Consultado em 11 de junho de 2014. Arquivado do original em 18 de março de 2013 
  58. 上海概览2019 [Shanghai Overview 2019] (PDF) (em chinês). Shanghai Municipal Government. 2019. p. 63. Consultado em 1 de fevereiro de 2020 
  59. Zhu, Jing (17 de setembro de 2020). «Stroll into history along a street full of delights». Shanghai Daily. Consultado em 15 de novembro de 2020 
  60. Melvin, Sheila (5 de julho de 2010). «A Polish 'Nationalist' Whose Music Also Resonates Across China». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331. Consultado em 27 de dezembro de 2019 
  61. 中山公园 [Zhongshan Park]. Shanghai Changning Government (em chinês). 20 de agosto de 2019. Consultado em 1 de fevereiro de 2020 
  62. 从外商私家花园到24小时向市民开放,这座公园见证上海百年变迁. Shanghai Changning Government (em chinês). 27 de agosto de 2019. Consultado em 1 de fevereiro de 2020 
  63. 徐家汇公园新添一群黑天鹅宝宝!-新华网. Xinhua News (em chinês). 27 de maio de 2019. Consultado em 24 de janeiro de 2020 
  64. 2011-01-23:亚洲最大温室建成九千种植物齐聚 辰山植物园全面开放. Office of Shanghai Chronicles. 24 de janeiro de 2011. Consultado em 28 de agosto de 2019. Arquivado do original em 6 de março de 2016 
  65. «Shanghai Warns Children to Stay Indoors on Haze, PM2.5 Surge». Bloomberg News. 25 de dezembro de 2013. Consultado em 25 de dezembro de 2013. Arquivado do original em 26 de dezembro de 2013 
  66. «Flights delayed as air pollution hits record in Shanghai». Reuters. 6 de dezembro de 2013. Consultado em 2 de julho de 2017. Arquivado do original em 16 de outubro de 2015 
  67. a b Liu Chenyao. 中国出现入冬以来最大范围雾霾 局地严重污染 [Smog levels in China reach record levels since the end of 2013; surrounding areas severely polluted] (em chinês). China news agency. Consultado em 3 de março de 2014. Arquivado do original em 12 de dezembro de 2013 
  68. 上海今日PM2.5均值超600 高楼在雾霾中若隐若现. People's Daily. Consultado em 18 de abril de 2014. Arquivado do original em 12 de dezembro de 2013 
  69. «Archived copy» 新闻晨报:释疑——重度污染为何不发霾红色预警. Consultado em 18 de abril de 2014. Arquivado do original em 10 de dezembro de 2013 
  70. «Shanghai grinds to a halt as smog nears top of air pollution scale». South China Morning Post. 7 de dezembro de 2013. Consultado em 24 de março de 2014. Arquivado do original em 24 de março de 2014 
  71. a b 上海将采取三大措施治理空气污染 [Three main measures will be taken against Shanghai's air pollution]. cnstock.com (em chinês). 24 de janeiro de 2014. Consultado em 18 de dezembro de 2018. Arquivado do original em 17 de agosto de 2018 
  72. 2013年大气环境保护情况统计数据 [Atmospheric environmental protection data 2013] (em chinês). Shanghai Municipal Bureau of Ecology and Environment. 15 de outubro de 2014. Consultado em 2 de fevereiro de 2020 
  73. 2018年上海市大气环境保护情况统计数据 [Atmospheric environmental protection data of Shanghai 2018] (em chinês). Shanghai Municipal Bureau of Ecology and Environment. 21 de novembro de 2019. Consultado em 2 de fevereiro de 2020 
  74. Grescoe, Taras (26 de novembro de 2016). «Shanghai's Suzhou Creek cleans up its act». The Guardian. Consultado em 15 de novembro de 2020 
  75. Ouyang, Tianjun (28 de março de 2012). 沉睡百年的苏州河黑臭底泥首次大规模疏浚完工. China Water (em chinês). Consultado em 15 de novembro de 2020 
  76. «Environmental Protection in China's Wealthiest City». The American Embassy in China. Julho de 2001. Consultado em 11 de maio de 2008. Cópia arquivada em 30 de outubro de 2007 
  77. «Shanghai Businesses to Comply with New Waste Management Norms from July 1». China-briefing. 25 de junho de 2019. Consultado em 2 de fevereiro de 2020. Arquivado do original em 30 de junho de 2019 
  78. 垃圾分类新风|上海分类后的垃圾到底去哪儿了?. The Paper (em chinês). 12 de setembro de 2018. Consultado em 2 de fevereiro de 2020 
  79. a b c d e f «Basic Statistics on National Population Census». Shanghai Bureau of Statistics. Consultado em 25 de abril de 2019. Arquivado do original em 1 de maio de 2013 
  80. a b c «2.1 TOTAL HOUSEHOLDS, POPULATION, DENSITY OF REGISTERED POPULATION AND LIFE EXPECTANCY (1978~2017)». Shanghai Municipal Statistics Bureau. Consultado em 1 de setembro de 2019 
  81. a b c d e f g h i j k 上海市统计局 (9 de março de 2020). «2019年上海市国民经济和社会发展统计公报». 上海市统计局 
  82. 上海人口分布呈现城市化发展和郊区化安居态势. Shanghai Statistics Bureau of Statistics. 23 de setembro de 2011. Arquivado do original em 26 de setembro de 2011 
  83. Chan, Kam Wing (2007). «Misconceptions and Complexities in the Study of China's Cities: Definitions, Statistics, and Implications» (PDF). Eurasian Geography and Economics. 48 (4): 383–412. doi:10.2747/1538-7216.48.4.383. Consultado em 13 de setembro de 2011. Cópia arquivada (PDF) em 15 de janeiro de 2013 
  84. Justina, Crabtree (20 de setembro de 2016). «A tale of megacities: China's largest metropolises». CNBC. Consultado em 8 de dezembro de 2017. Arquivado do original em 9 de dezembro de 2017 
  85. «2.11 RESIDENT FOREIGNERS IN SHANGHAI IN MAIN YEARS». stats-sh.gov.cn. Shanghai Municipal Statistics Bureau. Consultado em 1 de setembro de 2019 
  86. «Shanghai Population 2015 – World Population Review». worldpopulationreview.com. Consultado em 23 de novembro de 2015. Arquivado do original em 24 de novembro de 2015 
  87. 上海户籍人口人均期望寿命83.63岁,女性超86岁. Xinhua News (em chinês). 14 de fevereiro de 2019. Consultado em 22 de agosto de 2019. Arquivado do original em 22 de agosto de 2019 
  88. «2.6 AGE STRUCTURE OF REGISTERED POPULATION IN DISTRICTS (2017)». stats-sh.gov.cn. Shanghai Municipal Statistics Bureau. Consultado em 1 de setembro de 2019 
  89. Roxburgh, Helen (19 de março de 2018). «China's radical plan to limit the populations of Beijing and Shanghai». The Guardian. Consultado em 8 de abril de 2018. Arquivado do original em 9 de abril de 2018 
  90. «Chinese languages». Encyclopædia Britannica. Arquivado do original em 20 de fevereiro de 2018 
  91. a b c Chen, Zhongmin. 上海市区话语音一百多年来的演变 [Changes in the downtown Shanghainese pronunciations in the past one hundred years] (em chinês). p. 1. Consultado em 24 de outubro de 2019. Arquivado do original em 20 de agosto de 2011 
  92. You, Rujie (16 de outubro de 2018). “上海闲话”和“本地闲话”为何差别这么大?. Shanghai Observer. Consultado em 25 de outubro de 2019 
  93. Zat Liu (20 de agosto de 2010). «Is Shanghai's local dialect, and culture, in crisis?». CNN GO. Consultado em 5 de junho de 2011. Arquivado do original em 3 de setembro de 2011 
  94. Jia Feishang (13 de maio de 2011). «Stopping the local dialect becoming derelict». Shanghai Daily. Consultado em 11 de fevereiro de 2017. Arquivado do original em 12 de fevereiro de 2017 
  95. 当代中国宗教状况报告——基于CFPS(2012)调查数据 [China Family Panel Studies 2012] (PDF). Academia Chinesa de Ciências Sociais. 3 de março de 2014. p. 13. Consultado em 7 de agosto de 2014. Arquivado do original (PDF) em 9 de agosto de 2014 
  96. a b 上海市佛教概况 [An overview of Buddhism in Shanghai]. Shanghai Ethnic and Religions (em chinês). 29 de setembro de 2003. Consultado em 23 de outubro de 2019. Arquivado do original em 23 de outubro de 2019 
  97. 第一节 玉佛寺 [Chapter One: Jade Buddha Temple]. Office of Shanghai Chronicles (em chinês). 21 de março de 2007. Consultado em 23 de outubro de 2019. Arquivado do original em 23 de outubro de 2019 
  98. 上海宗教简介 [Brief introduction to the religions in Shanghai]. Shanghai Ethnic and Religions (em chinês). 25 de dezembro de 2014. Consultado em 23 de outubro de 2019. Arquivado do original em 23 de outubro de 2019 
  99. Parker, Rupert (15 de dezembro de 2019). «The Jews of Shanghai». The JC. Consultado em 30 de junho de 2021 
  100. «Jewish Refugees Museum : Ohel Moishe Synagogue Shanghai». Visions of Travel. Arquivado do original em 10 de abril de 2013 
  101. «Harry Fiedler and other students wave Zionist flags during a celebration at the Kadoorie School.». United States Holocaust Memorial Museum. Consultado em 30 de junho de 2021 
  102. 上海天主教概况 [An overview of Catholicism in Shanghai]. Shanghai Ethnic and Religions (em chinês). 19 de setembro de 2003. Consultado em 24 de outubro de 2019. Arquivado do original em 23 de outubro de 2019 
  103. 天主教上海教区 [Roman Catholic Diocese of Shanghai]. Shanghai Ethnic and Religions (em chinês). 19 de setembro de 2003. Consultado em 24 de outubro de 2019. Arquivado do original em 24 de outubro de 2019 
  104. 徐家汇天主教堂 [Xujiahui Catholic Church] (em chinês). Governo do Distrito de Xuhui. 6 de maio de 2018. Consultado em 24 de outubro de 2019. Arquivado do original em 24 de outubro de 2019 
  105. «Famous Churches in Shanghai». Travel China Guide. Consultado em 24 de outubro de 2019. Arquivado do original em 24 de outubro de 2019 
  106. 上海市伊斯兰教概 [An overview of Islam in Shanghai]. Shanghai Ethnic and Religions (em chinês). 19 de setembro de 2003. Consultado em 23 de outubro de 2019. Arquivado do original em 23 de outubro de 2019 
  107. 海上道教名观:白云观 [Shanghai's famous taoism temple: Shanghai White Cloud Temple]. Office of Shanghai Chronicles (em chinês). 27 de outubro de 2009. Consultado em 24 de outubro de 2019. Arquivado do original em 16 de junho de 2018 
  108. a b Martin, Michael. «Understanding China's Political System» (PDF). Congressional Research Service. Consultado em 13 de setembro de 2011 
  109. «Profile: Jiang Zemin». BBC News. 19 de setembro de 2004. Consultado em 13 de setembro de 2011 
  110. Kahn, Joseph (19 de março de 2003). «The Former Premier Who Ended China's 'Splendid Isolation'». New York Times. Consultado em 13 de setembro de 2011 
  111. «Biography of Wu Bangguo». China Vitae 
  112. Yardley, Jim (2 de junho de 2007). «Huang Ju, Powerful Chinese Official, Dies at 68». New York Times (em inglês). Consultado em 13 de setembro de 2011 
  113. Cha, Victor. «Xi Jinping». New York Times. Consultado em 13 de setembro de 2011 
  114. Kahn, Joseph (4 de outubro de 2006). «In Graft Inquiry, Chinese See a Shake-Up Coming». New York Times. Consultado em 13 de setembro de 2011 
  115. «Former Shanghai Party chief gets 18-year term for bribery». Xinhua. 11 de abril de 2008. Consultado em 13 de setembro de 2011 
  116. Plafker, Ted (25 de fevereiro de 2010). «Factions Help Drive Modern China History». New York Times. Consultado em 13 de setembro de 2011 
  117. «Archived copy» 市级友好城市 (em chinês). wsb.sh.gov.cn. Consultado em 8 de março de 2020. Arquivado do original em 20 de março de 2020 
  118. «Partnerská města HMP» [Prague – Twin Cities HMP]. Portál "Zahraniční vztahy" [Portal "Foreign Affairs"] (em checo). 18 de julho de 2013. Consultado em 5 de agosto de 2013. Cópia arquivada em 25 de junho de 2013 
  119. «JALISCO». coordinacionpolitica.sre.gob.mx 
  120. Hunt, Katie (21 de maio de 2008). «Shanghai: China's capitalist showpiece». BBC News. Consultado em 7 de agosto de 2008. Arquivado do original em 6 de agosto de 2008 
  121. «Of Shanghai... and Suzhou». Business Line. 27 de janeiro de 2003. Consultado em 20 de março de 2008. Cópia arquivada em 19 de agosto de 2005 
  122. «The Global Financial Centres Index 26» (PDF). Z/Yen. Setembro de 2019. p. 17. Consultado em 20 de outubro de 2019. Arquivado do original (PDF) em 3 de outubro de 2019 
  123. Yu, Sheila (7 de março de 2017). «Shanghai tops next global innovation hub ranking». TechNode. Consultado em 31 de agosto de 2019. Arquivado do original em 31 de agosto de 2019 
  124. 上海简介 (em chinês). 国务院新闻办公室. 4 de dezembro de 2009. Consultado em 4 de setembro de 2019. Arquivado do original em 4 de setembro de 2019 
  125. «Top 50 World Container Ports». World Shipping Council. Consultado em 15 de outubro de 2019. Arquivado do original em 4 de julho de 2012 
  126. 2019年我国GDP近百万亿元,增长6.1%. gov.cn (em chinês). Government of the People's Republic of China. 18 de janeiro de 2020. Consultado em 24 de março de 2020 
  127. «Global Wealth PPP Distribution: Who Are The Leaders Of The Global Economy? - Full Size». www.visualcapitalist.com. Consultado em 22 de janeiro de 2022 
  128. 主要年份六大支柱产业增加值 (em chinês). Shanghai Municipal Statistics Bureau. Consultado em 20 de abril de 2012. Arquivado do original em 4 de março de 2014 
  129. EIU: Chinese cities cost less to live in Arquivado 2017-03-22 no Wayback Machine, Shanghai Daily, Ding Yining, 21 de março de 2017.
  130. Wealth, New World. «The Wealthiest Cities in the World 2021». New World Wealth (em inglês). Consultado em 22 de janeiro de 2022 
  131. Hyatt, John. «Beijing Overtakes New York City As City With Most Billionaires: Forbes 2021 List». Forbes (em inglês). Consultado em 21 de janeiro de 2022 
  132. «These will be the most important cities by 2035». World Economic Forum (em inglês). Consultado em 3 de novembro de 2020 
  133. «Growth rate of major national economic indicators over preceding year (1978~2010)». Stats-sh.gov.cn. Consultado em 11 de dezembro de 2011. Arquivado do original em 11 de janeiro de 2012 
  134. «GFCI 28 Rank». Long Finance. Consultado em 27 de setembro de 2020 
  135. «Global Financial Centres Index 29» (PDF). Z/Yen Group. Março de 2021. p. 3. Consultado em 4 de outubro de 2021. New York continues to lead the FinTech ranking, followed by Shanghai, Beijing, Shenzhen, and London [ligação inativa] 
  136. Shukla, Vikas (19 de fevereiro de 2019). «Top 10 Largest Stock Exchanges In The World By Market Capitalization». ValueWalk (em inglês). Consultado em 20 de outubro de 2019 
  137. «The rise of Lujiazui Financial City in Shanghai». CCTV News – CNTV English. 19 de janeiro de 2011. Consultado em 17 de maio de 2011. Arquivado do original em 18 de janeiro de 2012 
  138. a b «Shanghai: Market Profile». HKTDC Research. 29 de março de 2019. Consultado em 20 de outubro de 2019. Arquivado do original em 20 de outubro de 2019 
  139. «Shanghai top for FDI into Asia-Pacific». The Banker. 1 de abril de 2014. Consultado em 11 de abril de 2014. Arquivado do original em 9 de julho de 2014 
  140. «Chinese Provinces of the Future 2014/15». Revista FDi. 11 de agosto de 2014. Consultado em 17 de setembro de 2014. Arquivado do original em 6 de fevereiro de 2015 
  141. «Shipping industry woes». China Daily. 30 de novembro de 2009. Consultado em 17 de maio de 2011. Arquivado do original em 6 de junho de 2011 
  142. «China's Largest Shipbuilding Industry Based in Shanghai». People's Daily. 10 de abril de 2001. Consultado em 15 de janeiro de 2014. Arquivado do original em 16 de janeiro de 2014 
  143. 上海汽车工业(集团)总公司|上汽集团. Saicgroup. 18 de agosto de 2009. Consultado em 17 de maio de 2011. Arquivado do original em 29 de maio de 2011 
  144. 再添6个!18个自贸试验区构筑开放新版图. Xinhua News (em chinês). 26 de agosto de 2019. Consultado em 26 de setembro de 2019. Arquivado do original em 27 de agosto de 2019 
  145. 中国最大自贸区 奏响奋进序曲 (em chinês). Office of Shanghai Chronicles. 8 de dezembro de 2018. Consultado em 20 de outubro de 2019. Arquivado do original em 5 de março de 2016 
  146. «Shanghai free-trade zone launched». BBC News. 29 de setembro de 2013. Consultado em 30 de setembro de 2013. Arquivado do original em 29 de setembro de 2013 
  147. State Council (27 de julho de 2019). 国务院关于同意设立中国(上海)自由贸易试验区临港新片区的批复(国函〔2019〕68号). gov.cn (em chinês). Consultado em 6 de agosto de 2019. Arquivado do original em 6 de agosto de 2019 
  148. «China Is About To Open A New 'Free Trade Zone' And People Are Excited That It Could Lift The Economy». Business Insider Australia. 14 de setembro de 2013. Consultado em 20 de outubro de 2019 
  149. «2018 ICCA Statistics Report Country & City Rankings Public Abstract». International Congress and Convention Association. Junho de 2019. p. 28. Consultado em 21 de outubro de 2019 
  150. «2017 ICCA Statistics Report Country & City Rankings Public Abstract». International Congress and Convention Association. Junho de 2018. p. 25. Consultado em 21 de outubro de 2019 
  151. «The Walt Disney Company Reaches Another Major Milestone on Shanghai Theme Park Project». Walt Disney Company. 3 de novembro de 2009. Consultado em 28 de janeiro de 2011. Arquivado do original em 27 de novembro de 2010 
  152. «Disneyland Shanghai to open 2016». The Independent. 8 de abril de 2011. Consultado em 16 de dezembro de 2011. Arquivado do original em 19 de novembro de 2014 
  153. Barboza, David; Barnes, Brooks (7 de abril de 2011). «Disney to Open Park in Shanghai». The New York Times. Consultado em 20 de fevereiro de 2017. Arquivado do original em 1 de julho de 2017 
  154. «Shanghai Disney Resort Hosts a Spectacular First Anniversary Celebration» (em inglês). The Walt Disney Company. 16 de junho de 2017. Consultado em 1 de janeiro de 2020 
  155. 上海公共交通卡 用卡范围 (em chinês). Shanghai Public Transport Card. Consultado em 21 de outubro de 2019. Arquivado do original em 7 de abril de 2019 
  156. 3月8日上海地铁客流创历史新高. WeChat (em chinês). Shanghai Metro. 9 de março de 2019. Consultado em 9 de setembro de 2019 
  157. Hunt, Hugh (19 de janeiro de 2017). «How we can make super-fast hyperloop travel a reality». Independent. Consultado em 19 de janeiro de 2017. Arquivado do original em 2 de fevereiro de 2017 
  158. 上海磁悬浮列车示范运营线通过验收. gov.cn (em chinês). 26 de abril de 2006. Consultado em 2 de setembro de 2019. Arquivado do original em 2 de setembro de 2019 
  159. 沪地铁2号线19日起末班车时间延后 部分列车直通浦东机场. Xinhua News (em chinês). 17 de abril de 2019. Consultado em 2 de setembro de 2019. Arquivado do original em 2 de setembro de 2019 
  160. «Google Maps». Consultado em 2 de setembro de 2019 
  161. Warr, Anne (2007). Shanghai Architecture. [S.l.]: The Watermark Press. ISBN 978-0-949284-76-1 
  162. «Archived copy» 第三节 公共交通 (em chinês). Office of Shanghai Chronicles. 5 de setembro de 2003. Consultado em 7 de novembro de 2019. Arquivado do original em 27 de junho de 2016 
  163. «Archived copy» 第三节 轨线 (em chinês). Office of Shanghai Chronicles. 30 de dezembro de 2002. Consultado em 7 de novembro de 2019. Arquivado do original em 27 de abril de 2016 
  164. 上海首条现代化有轨电车新年正式载客运营. Central People's Government of the People's Republic of China (em chinês). 1 de janeiro de 2010. Consultado em 12 de agosto de 2019. Arquivado do original em 12 de agosto de 2019 
  165. Barrow, Keith. «Shanghai Songjiang Tramway opens». International Railway Journal. Simmons-Boardman Publishing Co. Arquivado do original em 12 de fevereiro de 2019 
  166. «Archived copy» 公交行业概况 (em chinês). Shanghai Municipal Transportation Commission. 18 de julho de 2018. Consultado em 3 de novembro de 2019. Arquivado do original em 3 de novembro de 2019 
  167. a b 高速公路网. shanghai.gov.cn (em chinês). Consultado em 28 de agosto de 2019. Arquivado do original em 28 de agosto de 2019 
  168. 上海人飞跃黄浦江历史:建14条隧道12座大桥8条轨交 (em chinês). 7 de dezembro de 2017. Consultado em 28 de agosto de 2019. Arquivado do original em 28 de agosto de 2019 
  169. 黄浦江上第13座大桥开始主塔施工,除了可以"走",还有哪里与众不同? (em chinês). 18 de julho de 2018. Consultado em 28 de agosto de 2019. Arquivado do original em 18 de julho de 2018 
  170. «Ofo, Mobike, BlueGogo: China's Messy Bikeshare Market». What's on Weibo (em inglês). Consultado em 13 de agosto de 2017. Arquivado do original em 6 de agosto de 2017 
  171. «zh:共享单车最新调查 上海共享单车一年时间缩水一大半,"共享经济"是伪命题吗?» [The latest survey of shared bicycles]. Shanghai Observer (em chinês). 23 de janeiro de 2019. Arquivado do original em 17 de novembro de 2019 
  172. 10月沪牌拍卖结果出炉:中标率6.1%,最低成交价8.93万元. Shanghai Observer (em chinês). 26 de outubro de 2019. Consultado em 27 de novembro de 2019 
  173. 沪牌拍卖规定修订完善调整申请人资格条件 名下已有沪牌额度的不可再参拍 (em chinês). Shanghai Municipal Government. 19 de junho de 2016. Consultado em 27 de novembro de 2019 
  174. 上海有哪几个火车站,上海站是哪个站,上海有几个火车站. mafengwo.cn (em chinês). 2 de abril de 2019. Consultado em 1 de setembro de 2019. Arquivado do original em 1 de setembro de 2019 
  175. «Songhu Railway». Office of Shanghai Chronicles. Consultado em 1 de setembro de 2019. Arquivado do original em 19 de setembro de 2011 
  176. 第一节 沪宁线 (em chinês). Jiangsu People's Government. Consultado em 19 de janeiro de 2019. Arquivado do original em 13 de janeiro de 2019 
  177. 第一节 修建 (em chinês). Office of Shanghai Chronicles. 25 de dezembro de 2003. Consultado em 1 de setembro de 2019. Arquivado do original em 27 de abril de 2016 
  178. 辞海编辑委员会, ed. (1989). 《辞海》(1989年版). [S.l.]: Shanghai Lexicographical Publishing House. p. 2353 
  179. 沪通铁路2013年正式开建 南通到上海仅需一小时 [Construction work on the Hu-Tong Railway will officially start in 2013. It will take just an hour to travel from Nantong to Shanghai] (em chinês). 24 de dezembro de 2012. Consultado em 12 de agosto de 2019. Arquivado do original em 15 de maio de 2013 
  180. 最新进展!沪苏湖高铁今年10月底前开工建设 [Latest progress! Construction of the Shanghai–Suzhou–Huzhou high-speed railway will begin before the end of October this year.] (em chinês). 15 de julho de 2019. Consultado em 12 de agosto de 2019. Arquivado do original em 12 de agosto de 2019 
  181. 上海市轨道交通近期建设规划(2017-2025)环境影响评价公示 (em chinês). 18 de fevereiro de 2016. Consultado em 28 de agosto de 2019. Arquivado do original em 5 de março de 2016 
  182. a b 上海市轨道交通近期建设规划(2017-2025)环境影响评价第二次公示 (em chinês). 18 de abril de 2016. Consultado em 28 de agosto de 2019. Arquivado do original em 6 de maio de 2016 
  183. 上海规土局:机场联络线和嘉闵线已明确采用市郊铁路制式. The Paper (em chinês). 10 de agosto de 2016. Consultado em 28 de agosto de 2019. Arquivado do original em 10 de agosto de 2016 
  184. Chan, KG (15 de agosto de 2019). «New satellite terminals to propel Shanghai's ascent». Asia Times Online (em inglês). Consultado em 17 de novembro de 2019. Arquivado do original em 21 de agosto de 2019 
  185. «Transportation». Shanghai Focus. Consultado em 5 de maio de 2010. Arquivado do original em 30 de dezembro de 2010 
  186. a b «Preliminary world airport traffic rankings released». Airports Council International. 13 de março de 2019. Consultado em 12 de agosto de 2019. Arquivado do original em 10 de setembro de 2019 
  187. 上海:一个城市的传奇和梦想. Sina News (em chinês). 12 de setembro de 2006. Consultado em 11 de março de 2011. Arquivado do original em 12 de novembro de 2011 
  188. 2017年统计用区划代码和城乡划分代码:嵊泗县. Escritório Nacional de Estatísticas da China (em chinês). Consultado em 7 de outubro de 2019. Arquivado do original em 10 de junho de 2019 
  189. «Shanghai overtakes S'pore as world's busiest port». The Straits Times. 8 de janeiro de 2011. Consultado em 14 de setembro de 2011. Arquivado do original em 15 de agosto de 2011 
  190. One Hundred Ports 2019 Arquivado 2019-08-26 no Wayback Machine Lloyd's List,2019
  191. «China's Maritime Silk Road Initiative». 22 de julho de 2018 
  192. Wolf D. Hartmann, Wolfgang Maennig, Run Wang: Chinas neue Seidenstraße. (2017).
  193. Jean-Marc F. Blanchard "China’s Maritime Silk Road Initiative and South Asia" (2019).
  194. Jiang, Bao; Li, Jian; Gong, Chunxia (1 de junho de 2018). «Maritime Shipping and Export Trade on "Maritime Silk Road"». The Asian Journal of Shipping and Logistics. 34 (2): 83–90. doi:10.1016/j.ajsl.2018.06.005 – via ScienceDirect 
  195. «Neue Seidenstraße: Das Mega-Projekt aus China». www.merkur.de 
  196. Dillon, Sam (7 de dezembro de 2010). «In PISA Test, Top Scores From Shanghai Stun Experts». New York Times. Consultado em 17 de maio de 2011 
  197. «How China is winning the school race». BBC. 11 de outubro de 2011 
  198. Helen Gao, "Shanghai Test Scores and the Mystery of the Missing Children", New York Times, January 23, 2014. For Schleicher's response to these criticisms see his post, "Are the Chinese Cheating in PISA Or Are We Cheating Ourselves?" on the OECD's website blog, Education Today, 10 de dezembro de 2013.
  199. «Cópia arquivada» 上海市2010年第六次全国人口普查主要数据公报 [Shanghai sixth national census in 2010 Communiqué on Major Data]. Shanghai Municipal Statistics Bureau. 3 de maio de 2011. Consultado em 16 de agosto de 2011. Arquivado do original em 26 de novembro de 2011 
  200. «General Aspects of Shanghai Education». Seaie.org. Consultado em 17 de maio de 2011. Arquivado do original em 17 de março de 2011 
  201. «The key ingredients of Shanghai culture». Shanghai Daily. 2 de junho de 2018. Consultado em 16 de fevereiro de 2020 
  202. «Shanghai-style Culture». Top China Travel. Consultado em 22 de outubro de 2019. Arquivado do original em 22 de outubro de 2019 
  203. a b Xu, S.L. «The Culture of Shanghai. Beijing». Arquivado do original em 16 de dezembro de 2012 
  204. Sahr Johnny, "Cybercity – Sahr Johnny's Shanghai Dream" That's Shanghai, outubro de 2005; quoted online by Arquivado 2012-01-14 no Wayback Machine
  205. a b Loh, Juliana (16 de fevereiro de 2016). «An art deco journey through Shanghai's belle époque». Lonely Planet. Consultado em 7 de outubro de 2019. Arquivado do original em 7 de outubro de 2019 
  206. «Shanghai Architectural History». shanghaiguide.org. Consultado em 7 de outubro de 2019. Arquivado do original em 23 de outubro de 2018 
  207. Kabos, Ladislav. «The man who changed Shanghai». Consultado em 17 de maio de 2011. Arquivado do original em 4 de maio de 2011 
  208. «FAIRMONT PEACE HOTEL – A HISTORY». Accor. Consultado em 7 de outubro de 2019. Arquivado do original em 7 de outubro de 2019 
  209. «Strolling Shanghai's Bund (Part 2)». EVERETT POTTER'S TRAVEL REPORT. 13 de agosto de 2018. Consultado em 7 de outubro de 2019. Arquivado do original em 7 de outubro de 2019 
  210. «Bigger and better: The Shanghai Bund is back – CNN Travel». cnngo.com. Consultado em 9 de maio de 2018. Arquivado do original em 1 de novembro de 2012 
  211. a b Goldberger, Paul. «Shanghai Surprise: The radical quaintness of the Xintiandi district.». The New Yorker. Arquivado do original em 2 de novembro de 2012 
  212. «Shikumen Residence». travelchinaguide.com. Consultado em 7 de outubro de 2019. Arquivado do original em 7 de outubro de 2019 
  213. Mo, Yan (18 de janeiro de 2010). 文汇报:从石库门走入上海城市文化. Wenhui Bao (em chinês). Consultado em 7 de outubro de 2019. Arquivado do original em 27 de julho de 2014 
  214. «Lonely Planet review for Shanghai Exhibition Centre». Lonely Planet. Consultado em 14 de junho de 2013. Arquivado do original em 13 de novembro de 2010 
  215. «Number of 150m+ Completed Buildings – The Skyscraper Center». Skyscrapercenter.com. Consultado em 5 de novembro de 2018. Arquivado do original em 2 de dezembro de 2017 
  216. Alfred Joyner. «Shanghai Tower: Asia's new tallest skyscraper presents a future vision of 'vertical cities'». International Business Times UK. Consultado em 26 de junho de 2015. Arquivado do original em 26 de junho de 2015 
  217. «Shanghai Tower News Release» (PDF). Gensler. 28 de novembro de 2008. Consultado em 28 de novembro de 2008. Arquivado do original (PDF) em 15 de março de 2009 
  218. CleanTechies (25 de março de 2010). «The Shanghai Tower: The Beginnings of a Green Revolution in China». Consultado em 19 de agosto de 2011. Arquivado do original em 3 de julho de 2011 
  219. Xangai no SkyscraperPage
  220. «Museums in Shanghai». www.shanghaitourmap.com. Consultado em 19 de outubro de 2013. Arquivado do original em 1 de janeiro de 2016 
  221. 看懂上海:上海本帮菜 (em chinês). 4 de maio de 2014. Consultado em 31 de agosto de 2014. Arquivado do original em 4 de julho de 2014 
  222. «A Brief Intro to Shanghai "Hu" Cuisine». theculturetrip.com. 21 de dezembro de 2017. Consultado em 28 de agosto de 2019. Arquivado do original em 28 de agosto de 2019 
  223. Pan, Junxiang; Duan, Lian (2007). 顺应上海人口味的海派西餐. 话说沪商. [S.l.]: 中华工商联合出版社. p. 136. ISBN 9787801934925 
  224. 上海故事“吃西菜到红房子”:海派西餐那些事. The Paper (em chinês). 19 de novembro de 2018. Consultado em 18 de fevereiro de 2020 
  225. «Shanghai Food». Travel China Guide (em chinês). Consultado em 6 de agosto de 2020 
  226. 崔庆国 (9 de abril de 2009). 松江画派:价格与地位不符 (em chinês). Consultado em 5 de setembro de 2019. Arquivado do original em 4 de setembro de 2019 
  227. 上海通志>>第三十八卷文化艺术(上)>>第六章美术、书法、摄影>>节 (em chinês). Office of Shanghai Chronicles. Consultado em 20 de abril de 2012. Arquivado do original em 27 de setembro de 2015 
  228. 《上海地方志》>>1989年第五期>>"松江画派"源流 (em chinês). Office of Shanghai Chronicles. Consultado em 20 de abril de 2012 
  229. 單國霖 (Maio de 2005). 董其昌與松江畫派 (PDF). mam.gov.mo (em chinês). Consultado em 5 de setembro de 2019 
  230. 海上画派的艺术特点及对后世的影响. sohu.com (em chinês). 18 de março de 2019. Consultado em 5 de setembro de 2019. Arquivado do original em 5 de setembro de 2019 
  231. 171年前一个西班牙人来到上海,西洋绘画由此传播开来. sohu.com (em chinês). 17 de julho de 2018. Consultado em 5 de setembro de 2019. Arquivado do original em 5 de setembro de 2019 
  232. "三毛"最早诞生于1935年7月28日《晨报》副刊. Jiefang Daily (em chinês). 29 de julho de 2010. Consultado em 20 de abril de 2012. Arquivado do original em 23 de agosto de 2017 
  233. 上海中国画院 (em chinês). Consultado em 12 de março de 2011. Arquivado do original em 27 de novembro de 2010 
  234. 钱雪儿 (22 de novembro de 2018). 特稿|11月的上海,何以成为全球最热的当代艺术地标. The Paper (em chinês). Consultado em 5 de setembro de 2019. Arquivado do original em 5 de setembro de 2019 
  235. 钱雪儿 (10 de novembro de 2018). 现场|第12届上海双年展开幕:进退之间,无序或矛盾. The Paper (em chinês). Consultado em 5 de setembro de 2019. Arquivado do original em 5 de setembro de 2019 
  236. 王无能. 30 de novembro de 2006. Consultado em 20 de abril de 2012. Arquivado do original em 12 de janeiro de 2012 
  237. 历史上的今天 3月2日. Consultado em 20 de abril de 2012. Arquivado do original em 22 de abril de 2012 
  238. 梅兰芳的几次出国演出(附图). 上海档案信息网. 27 de fevereiro de 2008. Consultado em 20 de abril de 2012. Arquivado do original em 9 de novembro de 2011 
  239. 怀想当年"越剧十姐妹"绍兴将共演《山河恋》. Sohu Entertainment. 1 de fevereiro de 2007. Consultado em 20 de abril de 2012. Arquivado do original em 5 de março de 2014 
  240. Stock, Jonathan (2003). Huju: Traditional Opera in modern Shanghai. [S.l.]: Oxford; New York : Published for the British Academy by Oxford University Press. ISBN 0197262732 
  241. 剧变沧桑:第1集 舞台西洋风. 21 de fevereiro de 2009. Consultado em 20 de abril de 2012. Arquivado do original em 11 de fevereiro de 2017 
  242. 话剧百年 "兰心"之韵 (em chinês). 11 de março de 2001. Consultado em 17 de outubro de 2011. Arquivado do original em 4 de março de 2016 
  243. Group, SEEC Media. «Shanghai Film Museum». timeoutshanghai.com. Arquivado do original em 2 de junho de 2016 
  244. 中國電影史|孤兒救祖記 (em chinês). 4 de abril de 2020. Consultado em 19 de abril de 2020 
  245. 上海电影对香港电影的影响 [The influence of Shanghai film on Hong Kong film] (em chinês). 31 de agosto de 2013. Consultado em 3 de outubro de 2019. Arquivado do original em 3 de outubro de 2019 
  246. «Setting His Tale Of Love Found In a City Long Lost». The New York Times. 28 de janeiro de 2001. Consultado em 20 de fevereiro de 2017. Arquivado do original em 15 de fevereiro de 2017 
  247. «Top 10 Festivals in Shanghai». www.travelchinaguide.com. Consultado em 29 de novembro de 2021 
  248. 历届回顾 COLLECTION. Consultado em 30 de agosto de 2019 
  249. Leisa Barnett (27 de outubro de 2008). «Aminaka Wilmont to show in Shanghai (Vogue.com UK)». Vogue. UK. Consultado em 11 de dezembro de 2011. Arquivado do original em 18 de outubro de 2010 
  250. «Photos of Shanghai Fashion Week – Scene Asia – Scene Asia – WSJ». The Wall Street Journal. 21 de outubro de 2010. Consultado em 11 de dezembro de 2011. Arquivado do original em 16 de dezembro de 2011 
  251. «绿地宣布接手申花 朱骏时代宣告终结» (em chinês). sports.163.com. 1 de fevereiro de 2014. Consultado em 2 de fevereiro de 2014. Arquivado do original em 2 de fevereiro de 2014 
  252. 新王登基!上港终夺中超冠军 再也不是"千年老二". Sina Sports (em chinês). 7 de novembro de 2018. Consultado em 12 de novembro de 2018. Arquivado do original em 11 de novembro de 2018 
  253. 上海哔哩哔哩篮球俱乐部官方网站. Shanghai Sharks 
  254. a b Passa, Dennis. «Chinese great Yao Ming retires from basketball». Yahoo! Sports. Associated Press. Arquivado do original em 12 de dezembro de 2011 
  255. Will Lingo (2007). Baseball America 2007 Almanac: A Comprehensive Review of the 2006 Season. [S.l.: s.n.] ISBN 978-1932391138 
  256. «About the Shanghai Cricket Club». Shanghai Cricket Club. Consultado em 23 de maio de 2019. Arquivado do original em 11 de abril de 2019 
  257. «Liu sets new world hurdles record». BBC Sport. BBC News. 11 de julho de 2006. Consultado em 12 de outubro de 2019 
  258. «Wang Liqin others also retire from the nat». Table Tennis Master. Dezembro de 2013. Consultado em 21 de julho de 2020 
  259. 南方都市报:王仪涵是下一站天后? (em chinês). China News. 26 de setembro de 2008. Consultado em 19 de março de 2009 
  260. «Grand Prix Shanghai Set to Go». China.org.cn. 22 de outubro de 2002. Consultado em 4 de outubro de 2010. Arquivado do original em 13 de maio de 2011 
  261. «European Tour, CGA unveil BMW Masters». China Daily. 25 de abril de 2012. Consultado em 26 de abril de 2012. Arquivado do original em 26 de abril de 2012 
  262. «Kings defeat Canucks in shootout to sweep China Games». National Hockey League. 23 de setembro de 2017. Consultado em 1 de setembro de 2019. Arquivado do original em 1 de setembro de 2019 

BibliografiaEditar

Ligações externasEditar

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
  Definições no Wikcionário
  Imagens e media no Commons
  Categoria no Commons
  Guia turístico no Wikivoyage
  Base de dados no Wikidata