Abrir menu principal

Conclave de 1447

Conclave de 1447
O Papa Nicolau V
Data e localização
Pessoas-chave
Decano Juan Cervantes[1] ou Giovanni Berardi[2]
Vice-Decano Francesco Condulmer
Camerlengo Ludovico Trevisan
Protodiácono Prospero Colonna[2]
Eleição
Eleito Papa Nicolau V
(Tommaso Parentucelli)
Participantes 26 (18 presentes)
Escrutínios 3[3]
Cronologia
Conclave de 1431
Conclave de 1455
Brasão papal de Sua Santidade o papa Nicolau V

O conclave papal ocorrido entre 4 a 6 de março de 1447 resultou na eleição do Papa Nicolau V depois da morte do Papa Eugênio IV[1].

Índice

Situação GeralEditar

O Papa Eugênio IV morreu em 23 de fevereiro de 1447. Durante esse Sede Vacante, havia vinte e sete homens que haviam sido criados e publicados como cardeais. No entanto, um deles, Louis Aleman, CRSJ, havia sido excomungado e privado de sua cardinalato pelo Papa Eugênio IV em 11 de dezembro de 1440 por causa de sua participação ativa no Concílio de Basileia. Ele foi reintegrado pelo futuro Papa Nicolau V em 19 de dezembro de 1449. Dos vinte e seis cardeais-eleitores válidos, 18 participaram do conclave, enquanto oito estavam ausentes. A reunião eleitoral foi realizada na casa Dominicana ao lado da igreja de Santa Maria sopra Minerva.

Muitos barões romanos, entre os quais se destaca Gio Baptista Savelli, insistiram em um período de tempo para ter o direito de votar (provavelmente só queria estar presente para a eleição)[3]. A família Savelli era encarregada de guardar o conclave já com o Papa Gregório X, mas Gio Baptista queria fazê-lo pela primeira vez a partir de dentro.

Prospero Colonna, o mais velho do Colégio Cardinalício e o ultimo cardeal criado pelo Papa Martinho V, foi indicado como o provável vencedor no início do conclave. Colonna recebeu dez votos no primeiro escrutínio, os outros oito foram para o Cardeal Domenico Capranica. No dia seguinte, os membros apoiadores de Colonna continuaram a votar nele. Ele tentou queimar os outros oito votos, sem sucesso, apontando para a sua escolha de outros, incluindo os arcebispos de Benevento e Florença, que ainda não eram cardeais. Colonna teve o apoio dos cardeais franceses, mas não do povo romano, que teria preferido Niccolò d'Acciapaccio, devido ao uso da violência pelos Colonna durante o pontificado de seu tio[3].

Em 6 de março, após o primeiro dos dois escrutínios do dia, durante o qual Colonna novamente recebeu dez votos, Capranica tomou a palavra implorando por dois outros cardeais para votar em Colonna e recordando as situações políticas de risco significativo: o surgimento da exército do rei Afonso de Aragão, o reino do antipapa Félix V, duque de Sabóia. De acordo com Thomas Adolphus Trollope, o cardeal Colonna foi ironicamente definido como "manso cordeiro", porque ele tinha pilhado, juntamente com seus parentes, os tesouros papais de seu tio Martinho V e por um período de tempo tinha sido excomungado pelo Papa Eugênio IV[3].

Thomas Parentucelli surgiu como resultado deste discurso, enquanto Giovanni Berardi, pensando que seu colega iria afirmar a necessidade de votar em Colonna, o interrompeu e pediu uma prorrogação. Neste ponto, Ludovico Trevisan, irado com pedido de Berardi, pediu que teria preferido ser eleito. Parentuccelli (mal interpretando as palavras Trevisan, talvez de propósito), antes que Berardi pudesse responder, declarou que ele mesmo teria feito a ele a escolha de Berardi[3]. "Então, eu dou meu voto para você!" esclamou Berardi, um movimento que Trevisan se sentiu compelido a seguir. Um após outro, os cardeais deram o voto a Parentucelli, que foi eleito com o nome de Nicolau V.

Lista de participantesEditar

BibliografiaEditar

  • Thomas Adolphus Trollope, The papal conclaves, as they were and as they are, 1876.
  • Ludwig von Pastor: History of the Popes vol. IV, Londres, 1900

Referências

Ligações externasEditar