Abrir menu principal

Constantino Dalasseno

Constantino Dalasseno
Nacionalidade Império Bizantino
Título

Constantino Dalasseno (em grego: Κωνσταντίνος Δαλασσηνός; transl.: Konstantínos Dalassenós, fl. c. 1086 – 1093) foi um importante comandante militar bizantino, tanto em terra quanto no mar, durante o início do reinado do imperador Aleixo I Comneno (r. 1081–1118), especialmente nas campanhas contra o emir Tzacas de Esmirna. Sua vida é conhecida apenas pelo relato de Ana Comnena em sua "A Alexíada".

BiografiaEditar

 
A fortaleza de Metímna

De acordo com Ana, Constantino Dalasseno era parente de Aleixo através de sua mãe, embora a natureza exata do parentesco seja desconhecida.[1][2][3] Constantino aparece pela primeira vez em 1086-1087, quando foi enviado como um emissário até Sinope e cidades vizinhas por um chiaus turco que se tornara um renegado, foi batizado e passou a colaborar com os bizantinos. Dalasseno se tornou o governador de Sinope, enquanto que o o chiaus foi alçado à posição de duque de Anquíalo.[4][5][6]

Na primavera de 1090, Dalasseno se tornou um "duque da frota" e recebeu o comando das forças navais bizantinas enviadas contra o emir Tzacas de Esmirna. Tzacas, um antigo vassalo bizantino, havia construído uma frota própria e tomado o controle de diversas ilhas do Egeu, além de atacar outras. Após tomar Lesbos (com exceção da fortaleza de Metímna) e Quios, ele derrotou uma frota bizantina liderada por Nicetas Castamonita.[1][2] Se aproveitando da ausência de Tzacas, Dalasseno desembarcou suas tropas em Quios e imediatamente atacou a capital fortificada da ilha, também chamada de Quios. Embora os bizantinos tenham conseguido tomar o porto, eles não conseguiram invadir a cidade.[3][7]

 
Iluminura de Aleixo I Comneno (r. 1081–1118).

Enquanto isso, Tzacas juntou uma força de 8 000 homens (de acordo com "A Alexíada") e zarpou para libertar a ilha. Seu exército marchou a partir da praia no lado oposto da ilha, acompanhado pela frota, que foi margeando a costa. Dalasseno havia encarregado Constantino Opos com a tarefa de atrapalhar a travessia turca, mas quando eles conseguiram fazê-lo acobertados pela noite, Constantino se recusou a dar-lhes combate quando viu que o emir havia acorrentado seus barcos juntos.[7] Os dois exércitos se envolveram em várias escaramuças, mas logo as negociações começaram. Dalasseno adiava a tomada de decisão e, quando Tzacas retornou para Esmirna - talvez para buscar reforços - ele juntou seus homens, preparou suas armas de cerco e tomou a capital de Quios com um ataque surpresa.[3][1][8]

Em 1091, Dalasseno aparece na campanha de Aleixo I contra os cumanos nos Bálcãs. Na decisiva Batalha de Levúnio, em 29 de abril de 1091, contra os pechenegues, ele comandou a ala esquerda do exército imperial.[9][10] No ano seguinte, ele novamente foi enviado para enfrentar Tzacas, agora com o título de talassocrator (em grego: θαλασσοκράτωρ - "mestre dos mares"), subordinado ao novo mega-duque João Ducas. Os dois comandantes atacaram Mitilene, em Lesbos, ainda nas mãos do emir. Ducas, à testa das forças terrestres, chegou primeiro e atacou a cidade. O cerco durou três meses até que Tzacas ofereceu a rendição da cidade em troca de um salvo-conduto para que ele voltasse a Esmirna.[11][12]

Ducas concordou, mas Dalasseno, que acabara de chegar, atacou a frota turca. Ele capturou muitos navios inimigos e ordenou que as tripulações, incluindo os remadores, fossem executadas.[11][12] Dalasseno então retornou para Constantinopla. Na primavera de 1093, quando Tzacas novamente atacou o porto de Abidos no Mar de Mármara, Aleixo novamente o enviou, no comando de uma força naval, contra o emir. Contudo, em paralelo, Aleixo fez um acordo com o sultão seljúcida Quilige Arslam I (r. 1092–1107) para que ele atacasse Tzacas pela retaguarda. Tzacas foi então capturado e, numa audiência com o sultão, assassinado. Nada mais se sabe sobre Dalasseno depois disso.[13][14][6]

Referências

  1. a b c Ana Comnena 1148, p. VII.8.
  2. a b Dawes 1928, p. 183.
  3. a b c Skoulatos 1980, p. 61.
  4. Ana Comnena 1148, p. VI.9.
  5. Dawes 1928, p. 154.
  6. a b Skoulatos 1980, p. 61–62.
  7. a b Dawes 1928, p. 183-184.
  8. Dawes 1928, p. 184-187.
  9. Ana Comnena 1148, p. VIII.5.
  10. Dawes 1928, p. 203.
  11. a b Ana Comnena 1148, p. IX.1.
  12. a b Dawes 1928, p. 214-217.
  13. Ana Comnena 1148, p. IX.3.
  14. Dawes 1928, p. 219-220.

BibliografiaEditar

  • Ana Comnena (1148). A Alexíada. [S.l.: s.n.] 
  • Dawes, Elizabeth A. (1928). The Alexiad. Londres: Routledge & Kegan Paul 
  • Skoulatos, Basile (1980). Les Personnages Byzantins de I'Alexiade: Analyse Prosopographique et Synthese. Louvain-la-Neuve: Nauwelaerts