Abrir menu principal

Copa do Mundo de Voleibol Masculino

A Copa do Mundo de Voleibol Masculino é uma competição de voleibol masculino organizada pela Federação Internacional de Voleibol (FIVB). Criada em 1965, é um evento qualificatório para os Jogos Olímpicos.[1]

Copa do Mundo de Voleibol Masculino
Esporte Voleibol
Fundação 1965
Número de seleções 12
Continente Internacional (FIVB)
Maior campeão Bandeira da Rússia Rússia (6 títulos)
Atual campeão Bandeira do Brasil Brasil (2019)
Site oficial fivb.ch

HistóriaEditar

OrigensEditar

A Copa do Mundo foi criada em 1965 com o propósito de preencher, ao menos parcialmente, o espaço entre os dois torneios mais importantes do vôlei, os Jogos Olímpicos e o Campeonato Mundial, que acontecem em ciclos alternados de quatro anos. A criação de uma terceira competição internacional permitiria que apenas um em cada quatro anos passasse sem nenhum evento de alto nível.[1]

A Copa do Mundo seria disputada no ano seguinte aos Jogos Olímpicos. As duas primeiras edições do torneio eram restritas ao voleibol masculino, mas já em 1973 foi introduzida uma versão feminina. Originalmente, cada edição possuía um país-sede diferente. A partir de 1977, entretanto, a competição foi transferida em definitivo para o Japão.[1]

Nos anos 1990, o estabelecimento de competições anuais de voleibol em nível internacional, tais como a Liga Mundial e o Grand Prix, tornou obsoletos os motivos que haviam levado à criação da Copa do Mundo. Para evitar o desaparecimento de um torneio já estabelecido, a FIVB reformatou a competição em 1991: ela seria disputada no ano anterior, e não posterior, às Olimpíadas, e funcionaria como um primeiro evento qualificatório internacional, garantindo ao vencedor participação direta nos jogos.[1]

Esta decisão salvou a competição. A possibilidade de assegurar participação nos Jogos Olímpicos sem ter de submeter-se aos difíceis torneios qualificatórios continentais tornava o torneio interessante para todas as federações nacionais. Em 1995, o número de vagas foi aumentado para três, e assim permaneceu até 2011. A partir de 2015, a federação internacional decidiu diminuir o número de vagas para duas,[2] além de proibir o país sede das Olimpíadas seguintes de participar do campeonato.[3] Caso a equipe tenha competido na edição anterior da Copa do Mundo, a FIVB optou por manter os pontos para que o país não seja prejudicado no ranking mundial.[4]

ResultadosEditar

A União Soviética e o Brasil eram até 2015 os únicos times a vencer mais de uma vez a Copa do Mundo masculina. Os soviéticos conquistaram o ouro na edição inaugural do torneio, em 1965. Quatro anos mais tarde, o vencedor foi outra nação comunista, a antiga Alemanha Oriental.

Originalmente programada para o Uruguai, a edição de 1973 foi cancelada.[1] Em 1977, o torneio foi retomado no Japão, e a União Soviética obteve novamente o título, neste caso em duas edições consecutivas. Chegaram às finais mais uma vez em 1985, mas perderam a partida decisiva para os Estados Unidos em cinco sets. Em 1989, a seleção cubana bateu a Itália, obtendo o ouro.

Em vias de dissolver-se, a União Soviética venceu novamente em 1991, com a competição pela primeira vez funcionando como evento qualificatório para as Olimpíadas. Os italianos, que não haviam participado desta edição, finalmente obtiveram uma medalha de ouro em 1995.

Herdando boa parte do antigo programa de vôlei da União Soviética, a Rússia foi a vencedora em 1999. Mantendo a hegemonia do início dos anos 2000, o Brasil conquistou as duas edições realizadas na década, em 2003 e 2007, tornando-se a segunda equipe mais vitoriosa da competição. Após o bicampeonato brasileiro, a Rússia recuperou o título em 2011 igualando os dois títulos (considerando apenas a Rússia independente).[5]

Trinta anos após sua primeira conquista, os Estados Unidos voltaram a conquistar a Copa do Mundo com o título de 2015, tornando-se apenas o terceiro país a conquistar a competição mais de uma vez.[6] Em 2019, o Brasil voltou a conquistar o título e se consolidou como o segundo maior vencedor da Copa do Mundo com três títulos.[7]

Em treze edições da Copa do Mundo, a União Soviética foi ouro quatro vezes (a Rússia duas totalizando seis títulos), o Brasil três e os Estados Unidos outras duas. Cada uma das outras edições foi vencida por um time diferente.

Formato da competiçãoEditar

O formato da competição empregado na Copa do Mundo é um dos mais estáveis dentre aqueles que são adotados nos torneios internacionais organizados pela FIVB. As seguintes regras se aplicam:[8]

  • A competição é disputada no Japão.
  • Doze times participam em cada uma das duas versões: dez por meio de qualificação, dois a convite.
  • O Japão sempre está qualificado, por ser país-sede.
  • O país sede das Olimpíadas seguintes não pode participar, por já estar qualificado para o Torneio Olímpico.[3]
  • Nove times qualificam-se através dos campeonatos continentais de cada confederação.
  • Os outros dois times são convidados a participar diretamente pela FIVB.
  • A competição é dividida em exatamente duas fases (chamadas "legs").
  • Os times são divididos em duas chaves.
  • Na primeira fase, cada time disputa uma partida com cada um dos outros times de sua chave.
  • Na segunda fase, cada time disputa uma partida com cada um dos times da outra chave.
  • As partidas são realizadas continuamente, ao longo de duas semanas, com interrupções de um dia a cada dois ou três dias. A cada dia, são disputadas seis partidas.
  • A classificação final é determinada pelos critérios usualmente adotados no voleibol: número de vitórias, número de pontos, média de sets (set average), média de pontos (point average), confronto direto.[9]
  • Os dois melhores times no geral, independentemente das chaves, qualificam-se para os próximos Jogos Olímpicos.[2]
  • As regras para a convocação de atletas são bastante restritas. Cada time só pode indicar quatorze atletas, e trocas fora dos prazos legais não são permitidas nem mesmo no caso de acidentes.

HistóricoEditar

Quadro de medalhasEditar

 Ordem  País        
1   Rússia[nota 1] 6 2 2 10
2   Brasil 3 0 3 6
3   Estados Unidos 2 0 2 4
4   Cuba 1 3 1 5
  Itália 1 3 1 5
6   Alemanha[nota 2] 1 0 0 1
7   Polônia 0 3 1 4
8   Japão 0 2 0 2
9   Países Baixos 0 1 0 1
10   República Checa[nota 3] 0 0 2 2
11   Bulgária 0 0 1 1
  Sérvia[nota 4] 0 0 1 1

MVPs por ediçãoEditar

Ver tambémEditar

Notas

  1. A FIVB considera a Rússia como herdeira dos históricos da   União Soviética e   CEI.
  2. Após a reunificação alemã, a   Alemanha Ocidental foi renomeada "Alemanha" e absorveu a   Alemanha Oriental com seu histórico.
  3. A FIVB considera a República Checa como herdeira do histórico da   Checoslováquia.
  4. A FIVB considera a Sérvia como herdeira dos históricos de   Iugoslávia e   Sérvia e Montenegro.

Referências

  1. a b c d e FIVB. «Competition History» (em inglês). Consultado em 5 de outubro de 2010 
  2. a b «Women's World Cup: Twelve teams compete to succeed Italy» (em inglês). FIVB. 12 de agosto de 2015. Consultado em 24 de setembro de 2015. Cópia arquivada em 7 de setembro de 2015 
  3. a b Quintella, Thiago (29 de agosto de 2015). «Sheilla lamenta Brasil fora da Copa do Mundo, mas pondera: "Não seria justo"». globoesporte.com. Grupo Globo. Consultado em 24 de setembro de 2015. Cópia arquivada em 31 de agosto de 2015 
  4. «Attribution of points» (em inglês). FIVB. 13 de maio de 2015. Consultado em 24 de setembro de 2015. Cópia arquivada em 24 de setembro de 2015 
  5. «Russia win World Cup by beating Poland in final match» (em inglês). FIVB. 4 de dezembro de 2011. Consultado em 4 de dezembro de 2011 
  6. «USA wrap up historic World Cup as Italy join them on road to Rio» (em inglês). FIVB. 23 de setembro de 2015. Consultado em 23 de setembro de 2015 
  7. «Brazil crowned Men's World Cup champions». FIVB. 15 de outubro de 2019. Consultado em 16 de outubro de 2019 
  8. FIVB. «Competition Formula» (em inglês). Consultado em 5 de outubro de 2010 
  9. «Pool Ranking Criteria» (em inglês). FIVB. Consultado em 24 de setembro de 2015. Cópia arquivada em 7 de setembro de 2015 

Ligações externasEditar