Abrir menu principal
Grand Prix
Voleibol Volleyball (indoor) pictogram.svg
Sede Intercontinental
Organizador FIVB
Edições
Primeira edição Hong Kong (1959-1997) Hong Kong 1993
Última edição China Nanquim 2017
Campeões
Primeiro campeão Bandeira de Cuba Cuba (1993)
Último campeão Bandeira do Brasil Brasil (2017)
Maior campeão Bandeira do Brasil Brasil (12 títulos)
Página oficial da competição

O Grand Prix de Voleibol foi uma competição internacional de voleibol feminino. Criada em 1993, ela era considerada a versão feminina da Liga Mundial. Em 2017 o torneio distribuiu quatro milhões e quatrocentos e trinta e cinco mil dólares em prêmios.

A edição de 2017 foi, também, a última desta competição. A partir de 2018, a mesma foi substituída pela Liga das Nações de Voleibol Feminino.[1][2]

HistóriaEditar

OrigensEditar

O Grand Prix foi criado em 1993, como parte da estratégia de marketing da Federação Internacional de Voleibol para a popularização do esporte em escala mundial. O princípio consistia em criar competições anuais desta modalidade esportiva envolvendo times de alto nível. O formato do torneio foi baseado no da Liga Mundial, um evento masculino que fora introduzido três anos antes.

O Grand Prix teve ótimos resultados no leste da Ásia, onde o voleibol feminino tornou-se uma modalidade esportiva bastante popular. Comparado ao masculino, entretanto, a falta de interesse do público ainda era perceptível em outras partes do mundo. Por muitos anos o torneio foi mantido principalmente através do patrocínio de investidores asiáticos, com a maioria das fases preliminares e final sendo realizadas no continente. Somente a partir de 2003 foi ocasional a realização de grupos na Europa, América do Sul (desde 2009) e América Central (a partir de 2012).

O valor total dos prêmios concedidos em dinheiro aumentaram constantemente deste a criação do torneio em 1993. Em 2017, foram 4 milhões 435 mil dólares – uma quantia que, todavia, ainda era menor comparada aos pouco mais de 7 milhões de dólares da Liga Mundial.[3][4]

Uma vez que a maior parte dos investidores era asiática, algumas regras empregadas na Liga Mundial tiveram de ser adaptadas para o Grand Prix. Por exemplo, a maioria das cidades onde ocorriam as partidas das rodadas preliminares estavam localizadas na Ásia. Os países que abrigaram estas partidas não precisavam nem mesmo ter um time diretamente envolvido na competição. Em certos continentes, as equipes precisavam passar por um processo de qualificação para participar do torneio.

Resultados anterioresEditar

A história do Grand Prix deixou patente como a competição era dominada por cinco tradicionais times: Cuba, Brasil, Rússia, China e Estados Unidos. Além destas equipes apenas os Países Baixos conseguiram um campeonato.

Em 1993, as cubanas ampliaram seu notável currículo de vencedoras nos Jogos Olímpicos de Barcelona com o título da edição inaugural do Grand Prix. Finalistas no ano seguinte, foram derrotadas pelo time brasileiro, o azarão da competição: naquela ocasião, o Brasil jamais ganhara nem mesmo uma medalha em qualquer torneio importante de voleibol feminino.

Nos anos que se seguiram, o grupo brasileiro provou que seu período de azarão havia terminado. Perdendo as finais de 1995 para os Estados Unidos, retornou com força total em 1996 para um segundo título do Grand Prix, vencendo todas as partidas que compunham o final four em cinco sets.

As brasileiras não participaram da competição em 1997, e a vencedora foi a Rússia. Elas retornaram, entretanto, no ano seguinte para um terceiro ouro no Grand Prix. Derrotadas na final, as russas vingaram-se em 1999, batendo a equipe brasileira em sets diretos para obter seu segundo título no torneio.

Novas vitórias de Cuba (em 2000) e Rússia (em 2002) equipararam as duas equipes com o Brasil, que era até então recordista do torneio, com três títulos. As brasileiras, entretanto, desempataram o placar conquistando a edição de 2004 da competição. Os vencedores em 2001 e 2003 foram Estados Unidos e China, respectivamente.

Na edição de 2005, uma das mais equilibradas da história, as brasileiras superaram uma derrota para a China na fase final para ficar com o título. Em 2006 o Brasil esteve novamente no lugar mais alto do pódio, ao derrotar a equipe russa por 3 sets a 1. O Brasil tornou-se então a primeira seleção a vencer por três vezes consecutivas o Grand Prix, ampliando a vantagem de títulos sobre as outras equipes.

Sem grande tradição no voleibol feminino até então, a equipe dos Países Baixos surpreendeu ao conquistar o título em 2007 com aproveitamento total na fase final, incluindo vitórias sobre equipes tradicionais como Rússia, China e Brasil.

Em 2008, o Brasil voltou a ganhar o título, sendo que na fase final venceu as seleções de Itália, EUA, China, Cuba e Japão, perdendo apenas um set para a equipe chinesa. Repetiu o título em 2009 sem perder nenhum dos 14 jogos disputados, totalizando a oitava conquista em sua história.

Na década derradeira, os Estados Unidos emplacaram três títulos consecutivos (2010, 2011 e 2012) e retomaram o título em 2015, somando seis na contagem geral.[5] Após a conquista da medalha de ouro nos Jogos Olímpicos de 2012, o Brasil conquistou os títulos do Grand Prix em 2013, 2014, 2016 e 2017 consolidando-se como o maior vencedor do torneio com doze títulos.[6]

Formato da competiçãoEditar

O formato de competição empregado no Grand Prix se mostou menos estável do que aquele adotado na Liga Mundial. Sua última mudança foi no aumento de equipes participantes (de 28 para 32) e a criação de três divisões, refletindo um dos seus propósitos que era a popularização do voleibol feminino no mundo.[7]

  • Existia qualificação para o Grand Prix. Dependendo do continente, os times poderiam ter de disputar um torneio qualificatório específico, ou simplesmente qualificar-se com base no Ranking Mundial da FIVB.
  • A competição era dividida em pelo menos duas fases: uma preliminar, com um sistema rotativo de cidades-sede; e uma ou mais finais, com um ou mais países-sede.
  • A fase preliminar era dividida em "semanas". A cada rodada semanal, os times participantes eram organizados em chaves, e cada time realizava um partida contra todos os outros times na sua chave.
  • Todos os jogos de cada chave aconteciam durante um fim de semana, na mesma cidade. Até 2005 a fase preliminar era toda disputada na Ásia, mas a partir de então teve grupos sediados na Europa, América Central e América do Sul. As chaves podiam estar sediadas em países que não possuiam times disputando a competição. Em 2003 e 2004 devido a epidemia da SARS a fase final foi na Itália e em 2015 nos Estados Unidos. Nos demais anos foi disputada sempre na Ásia.
  • Quando todas as partidas da fase preliminar eram disputadas, os n melhores times (na classificação geral, sem levar em consideração as chaves) qualificavam-se para a(s) fase(s) final(is), e o restante era eliminado. O valor de n dependia do número de times participantes e do formato que seria adotado nas finais, mas geralmente eram cinco ou seis.
  • Se estivesse disputando o torneio, o país-sede qualificava-se automaticamente para as finais.
  • A FIVB empregou diversos formatos diferentes para as finais. Originalmente, o modelo era um confronto direto entre quatro times ("Top Four") onde o vencedor era determinado pelos critérios habituais do voleibol: número de vitórias, média de sets (set average), média de pontos (point average), confronto direto. No início da década de 2000, o mais habitual foi adotar um formato misto: nas quartas de final, os times eram organizados em chaves, e os dois vencedores de cada chave disputavam semifinais e finais através de cruzamento olímpico. Na edição de 2005, todavia, foi reintroduzido um sistema de confronto direto, desta vez envolvendo seis times ("Top Six").
  • Na fase preliminar, cada time poderia normalmente trabalhar com uma lista de dezoito jogadoras: a cada rodada, o técnico indicava as doze que seriam utilizadas nas partidas daquela semana. Na(s) fase(s) final(is), eram permitidas apenas doze atletas.

Alocação dos países por GrupoEditar

Em 2017:

Grupo 1 Grupo 2 Grupo 3
  Bélgica
  Brasil
  China
  Estados Unidos
  Itália
  Japão
  Países Baixos
  República Dominicana
  Rússia
  Sérvia
  Tailândia
  Turquia
  Alemanha
  Argentina
  Bulgária
  Canadá
  Cazaquistão
  Colômbia
  Coreia do Sul
  Croácia
  Peru
  Polônia
  Porto Rico
  República Checa
  Argélia
  Austrália
  Camarões
  França
  Hungria
  México
  Trinidad e Tobago
  Venezuela

ResultadosEditar

GRAND PRIX DE VOLEIBOL[8][9]
Ano Sede Final Disputa por pódio
Ouro Placar Prata Bronze Placar 4º lugar
1993
Detalhes
 
Hong Kong
 
Cuba
3 – 0  
China
 
Rússia
3 – 1  
Brasil
1994
Detalhes
 
Xangai
 
Brasil
Pontos corridos  
Cuba
 
China
Pontos corridos  
Japão
1995
Detalhes
 
Xangai
 
Estados Unidos
Pontos corridos  
Brasil
 
Cuba
Pontos corridos  
China
1996
Detalhes
 
Xangai
 
Brasil
Pontos corridos  
Cuba
 
Rússia
Pontos corridos  
China
1997
Detalhes
 
Kōbe
 
Rússia
Pontos corridos  
Cuba
 
Coreia do Sul
Pontos corridos  
Japão
1998
Detalhes
 
Hong Kong
 
Brasil
3 – 0  
Rússia
 
Cuba
3 – 1  
China
1999
Detalhes
 
Yuxi
 
Rússia
3 – 0  
Brasil
 
China
3 – 1  
Itália
2000
Detalhes
 
Manila
 
Cuba
3 – 1  
Rússia
 
Brasil
3 – 1  
China
2001
Detalhes
 
Macau
 
Estados Unidos
3 – 1  
China
 
Rússia
3 – 0  
Cuba
2002
Detalhes
 
Hong Kong
 
Rússia
3 – 1  
China
 
Alemanha
3 – 1  
Brasil
2003
Detalhes
 
Andria
 
China
Pontos corridos  
Rússia
 
Estados Unidos
Pontos corridos  
Países Baixos
2004
Detalhes
 
Reggio Calabria
 
Brasil
3 – 1  
Itália
 
Estados Unidos
3 – 0  
Cuba
2005
Detalhes
 
Sendai
 
Brasil
Pontos corridos  
Itália
 
China
Pontos corridos  
Cuba
2006
Detalhes
 
Reggio Calabria
 
Brasil
3 – 1  
Rússia
 
Itália
3 – 2  
Cuba
2007
Detalhes
 
Ningbo
 
Países Baixos
Pontos corridos  
China
 
Itália
Pontos corridos  
Rússia
2008
Detalhes
 
Yokohama
 
Brasil
Pontos corridos  
Cuba
 
Itália
Pontos corridos  
Estados Unidos
2009
Detalhes
 
Tóquio
 
Brasil
Pontos corridos  
Rússia
 
Alemanha
Pontos corridos  
Países Baixos
2010
Detalhes
 
Ningbo
 
Estados Unidos
Pontos corridos  
Brasil
 
Itália
Pontos corridos  
China
2011
Detalhes
 
Macau
 
Estados Unidos
3 – 0  
Brasil
 
Sérvia
3 – 0  
Rússia
2012
Detalhes
 
Ningbo
 
Estados Unidos
Pontos corridos  
Brasil
 
Turquia
Pontos corridos  
Tailândia
2013
Detalhes
 
Sapporo
 
Brasil
Pontos corridos  
China
 
Sérvia
Pontos corridos  
Japão
2014
Detalhes
 
Tóquio
 
Brasil
Pontos corridos  
Japão
 
Rússia
Pontos corridos  
Turquia
2015
Detalhes
 
Omaha
 
Estados Unidos
Pontos corridos  
Rússia
 
Brasil
Pontos corridos  
China
2016
Detalhes
 
Bangkok
 
Brasil
3 – 2  
Estados Unidos
 
Países Baixos
3 – 2  
Rússia
2017
Detalhes
 
Nanquim
 
Brasil
3 – 2  
Itália
 
Sérvia
3 – 1  
China

Quadro de medalhasEditar

 Ordem  País        
1   Brasil 12 5 2 19
2   Estados Unidos 6 1 2 9
3   Rússia 3 6 4 13
4   Cuba 2 4 2 8
5   China 1 5 3 9
6   Países Baixos 1 0 1 2
7   Itália 0 3 4 7
8   Japão 0 1 0 1
9   Sérvia 0 0 3 3
10   Alemanha 0 0 2 2
11   Coreia do Sul 0 0 1 1
  Turquia 0 0 1 1

MVPs por ediçãoEditar

Referências

  1. «FIVB comemora 70 anos e lança Liga das Nações com premiação igual para homens e mulheres.». Bruno Voloch. 13 de outubro de 2017. Consultado em 9 de março de 2018 
  2. «FIVB announces the Volleyball Nations League | FIVB - Press release». www.fivb.org (em inglês). 12 de outubro de 2017. Consultado em 10 de março de 2018 
  3. «FINAL PRIZE MONEY TABLE FROM 2017 WORLD GRAND PRIX» (em inglês). Volley Mob. 6 de agosto de 2017. Consultado em 15 de agosto de 2017 
  4. «WORLD LEAGUE PRIZE MONEY: HOW MUCH DID YOUR TEAM WIN?» (em inglês). Volley Mob. 20 de julho de 2017. Consultado em 15 de agosto de 2017 
  5. «Brasil bate Turquia, mas torcida pela China falha e título do Grand Prix fica com os EUA». UOL. 1 de julho de 2012. Consultado em 1 de julho de 2012 
  6. «Brasil supera sensação italiana e conquista o 12º título de Grand Prix». UOL Esporte. 6 de agosto de 2017. Consultado em 6 de agosto de 2017 
  7. «Record 28 teams for 2014 World Grand Prix» (em inglês). FIVB. 2 de dezembro de 2013. Consultado em 8 de dezembro de 2013 
  8. «Honours». FIVB (em inglês). Consultado em 21 de outubro de 2017. Cópia arquivada em 7 de outubro de 2016 
  9. «Final Standing». FIVB (em inglês). Consultado em 21 de outubro de 2017. Cópia arquivada em 19 de agosto de 2017 
  10. «Sheilla é eleita a melhor do Grand Prix e prega cautela: 'Não somos imbatíveis'». globoesporte.com. Grupo Globo. 23 de agosto de 2009. Consultado em 21 de outubro de 2017. Cópia arquivada em 26 de agosto de 2009 
  11. «Sheilla é eleita a melhor jogadora do GP; Fabiana também fatura prêmio». UOL. 23 de agosto de 2009. Consultado em 21 de outubro de 2017. Cópia arquivada em 21 de outubro de 2017 
  12. «Thaísa recebe o MVP do Grand Prix 2013 e Fabi também está entre as melhores». Melhor do Vôlei. 1 de setembro de 2013. Consultado em 21 de outubro de 2017. Arquivado do original em 26 de julho de 2014  |urlmorta= e |ligação inativa= redundantes (ajuda)
  13. Gabriel Rodrigues, João (10 de julho de 2016). «Natália é eleita a melhor do Grand Prix; Thaísa e Sheilla entram na seleção». globoesporte.com. Grupo Globo. Consultado em 21 de outubro de 2017. Cópia arquivada em 13 de julho de 2016 
  14. «Natália é eleita a MVP do Grand Prix». Saque Viagem. 6 de agosto de 2017. Consultado em 21 de outubro de 2017. Cópia arquivada em 21 de outubro de 2017 

Ligações externasEditar