Voleibol nos Jogos Olímpicos

Volleyball (indoor) pictogram.svg
Voleibol
Olympic rings.svg

O voleibol nos Jogos Olímpicos existe desde Tóquio 1964, quando o esporte foi incorporado oficialmente ao programa olímpico. A partir de Atlanta 1996 também foi introduzido o voleibol de praia.

HistóriaEditar

OrigensEditar

O voleibol foi jogado pela primeira vez nos Jogos Olímpicos em 1924, como parte de um evento especial onde foram apresentados esportes americanos. Apenas após a Segunda Guerra Mundial, começou-se a considerar a possibilidade de adicioná-lo ao programa das Olimpíadas, sob a pressão da recém-formada Federação Internacional (1947) e algumas das confederações continentais. Para angariar apoio para esta proposta, foi organizado em 1957 um torneio-exibição durante a 53ª sessão do Comitê Olímpico Internacional em Sófia, Bulgária. A competição foi um sucesso, e o esporte foi oficialmente introduzido em 1964.

O torneio olímpico de voleibol era originalmente uma competição bastante simples, com formato semelhante ao que é empregado até hoje na Copa do Mundo: cada time disputava uma partida contra todos e o vencedor era aquele com maior número de vitórias ou, em caso de empate, um maior set average ou point average. A principal desvantagem deste sistema – usualmente denominado "todos contra todos" ou round-robin – é que os vencedores podiam ser determinados antes do final da competição, o que fazia o público perder o interesse nos jogos remanescentes.

Para resolver este problema, a competição foi dividida em duas fases: uma preliminar dividida em grupos e uma fase final, com confrontos eliminatórios de quartas de final, semifinal e final. Desde sua introdução em 1972, este novo sistema tornou-se o padrão para os Jogos Olímpicos e passou a ser usado em outros esportes, no chamado "formato olímpico".

O número de times disputando os jogos também cresceu em ritmo constante desde 1964. Desde 1996, 12 equipes tem participado do torneio, tanto no masculino e no feminino. Cada uma das confederações continentais de voleibol é representada por no mínimo uma equipe nas Olimpíadas.

Brasil, Estados Unidos, Japão e União Soviética são as únicas nações que conquistaram o ouro tanto no masculino quanto no feminino. Brasil e Estados Unidos são ainda os únicos países que possuem o ouro tanto no voleibol masculino e feminino de quadra quanto no voleibol masculino e feminino de praia.

Torneio masculinoEditar

As primeiras duas edições do torneio olímpico de voleibol masculino foram vencidas pela União Soviética. Medalha de bronze em 1964 e vice-campeão em 1968, o Japão finalmente conquistou o ouro em 1972. Em 1976, a Polônia conseguiu vencer as finais da competição contra os soviéticos em cinco sets bastante disputados e introduzindo uma inovação: o ataque do fundo, com o jogador saltando sem tocar a linha de três metros antes de fazer contato com a bola.

Em 1980, os times mais importantes de voleibol masculino em escala mundial pertenciam à Europa Oriental. Por esta razão, o boicote americano às Olimpíadas de Moscou praticamente não afetou o nível do torneio masculino. A União Soviética conquistou sua terceira medalha de ouro olímpica com uma vitória de 3–1 sobre a Bulgária.

Com o boicote de 1984, liderado agora pelos soviéticos, os Estados Unidos confirmaram a sua supremacia sobre os times do bloco ocidental e conquistaram a medalha de ouro, derrotando o Brasil, então azarão do torneio, nas finais.

O confronto definitivo entre os líderes do voleibol no Ocidente e no Oriente teve lugar em 1988: liderados pelo atacante Karch Kiraly, os Estados Unidos conquistaram sua segunda medalha de ouro, resolvendo a disputa em favor dos americanos.

Em 1992, o Brasil iniciou a sua trajetória de potência no esporte eliminando adversários expressivos, como a Equipe Unificada (como foi designado a CEI) e os Estados Unidos, para obter sua primeira medalha de ouro em esportes coletivos em toda a história dos Jogos. Finalista nesta edição, os Países Baixos retornariam em 1996 para uma vitória em cinco sets sobre a Itália.

Bronze em Atlanta, a então Iugoslávia, sagrou-se campeã em 2000. E em 2004, o Brasil confirmou o seu favoritismo e adicionou ao seu histórico uma segunda medalha de ouro olímpica derrotando a Itália na final.

Nas edições de 2008 e 2012, o Brasil novamente alcançou as finais do torneio masculino, mas não conseguiu o título: na primeira ocasião foi derrotado pela seleção dos Estados Unidos e quatro anos depois pela Rússia, que obteve seu primeiro título como nação independente (a URSS conquistou três medalhas de ouro).

Jogando em casa em 2016, o Brasil chegou novamente à final pela quarta edição consecutiva, feito inédito na modalidade. Desta vez conseguiu retornar ao lugar mais alto do pódio, ao derrotar a Itália (como em 2004) e conquistou o terceiro ouro olímpico de sua história.[1][2]

Sem nunca ter sequer chegado a uma semifinal anteriormente, a França conquistou o título dos Jogos de 2020, que foram realizados em 2021 devido a pandemia de COVID-19.[3]

Torneio femininoEditar

A primeira edição do torneio feminino foi vencida pelo país-sede, o Japão. Seguiram-se duas vitórias em sequência para a União Soviética, em 1968 e 1972, e então um nova – e última – medalha de ouro japonesa, em 1976.

O boicote do bloco capitalista às Olimpíadas de Moscou deixou muitas equipes importantes do voleibol feminino fora do torneio, como por exemplo o Japão e a Coreia do Sul. Deste modo, a União Soviética não teve qualquer dificuldade em conquistar sua terceira medalha de ouro.

Em 1984, o bloco comunista revidou o boicote da edição anterior, e mais uma vez times importantes de voleibol feminino deixaram de participar dos jogos – por exemplo, União Soviética, Cuba e a então Alemanha Oriental. Para desespero dos torcedores americanos, o time da casa foi derrotado nas finais em sets diretos pela China, uma nação comunista. Com times de ambos os blocos mais uma vez envolvidos na disputa, as soviéticas conseguiram em 1988 sua quarta medalha de ouro, derrotando o Peru em uma final histórica na qual chegaram a estar com dois sets de desvantagem.

No ano 1992, uma nova força despontou no cenário do voleibol mundial: organizada sob o nome "Equipe Unificada", o selecionado da antiga União Soviética chegou até a final mas não resistiu à potência de ataque do jovem time cubano. Sob a liderança de Mireya Luis e Regla Torres, Cuba terminaria conquistando mais dois torneios olímpicos em sequência, até hoje o maior número de medalhas de ouro consecutivas obtidas pela mesma equipe na história do voleibol.

Em 2004, a China conquistou pela segunda vez o ouro. Jogando em casa em 2008, não conseguiu defender o título conquistado em Atenas. O time perdeu na semifinal para o Brasil, que chegou a final contra os Estados Unidos. A equipe brasileira perdeu apenas um set em toda a competição e foi campeão na sua primeira final olímpica (chegara as semifinais das quatro Olímpiadas anteriores sem nunca avançar). A mesma final dos Jogos de Pequim se repetiu em Londres, quatro anos depois, assim como a equipe vencedora: vitória das brasileiras sobre as americanas por 3 sets a 1.

Na edição brasileira dos Jogos Olímpicos, em 2016, a seleção dona da casa chegou como uma das equipes favoritas ao ouro, porém foi surpreendida pela China nas quartas de final. A mesma seleção chinesa viria a conquistar seu terceiro ouro olímpico ao derrotar a Sérvia na grande final.

Com três medalhas de prata anteriores, os Estados Unidos finalmente conquistaram o título do torneio feminino em 2021, ao vencerem o Brasil (seu algoz em 2008 e 2012) por tranquilos 3 sets a 0.[4]

Deste modo, das quinze edições do Torneio Olímpico Feminino de Voleibol disputadas até o momento, seis times conquistaram a medalha de ouro: União Soviética (4), China (3), Cuba (3), Brasil (2), Japão (2) e Estados Unidos (1).[5][6]

Formato da competiçãoEditar

O Torneio Olímpico de Voleibol tem um formato bastante estável. As seguintes regras se aplicam a partir dos Jogos Olímpicos de Verão de 2020:

  • Doze times participam em cada evento.
  • O país sede está sempre automaticamente pré-qualificado.
  • Seis times classificam-se através das Qualificatórias Intercontinentais.
  • Cinco times classificam-se como vencedores dos respectivos Torneios Qualificatórios Continentais.
  • A competição possui duas fases.
  • Para a primeira fase, os times são organizados em duas chaves de seis de acordo com Ranking Mundial da FIVB. O país sede ocupa sempre a primeira posição do ranking, enquanto o atual campeão olímpico recebe a segunda posição se estiver classificado. Cada time realiza, então, uma partida contra todos os outros times em sua chave. Caso o atual campeão olímpico seja o país sede, o outro cabeça de chave será o atual campeão mundial. Se este não estiver classificado, o melhor classificado do ranking da FIVB assume a posição.
  • Quando todas as partidas da primeira fase foram disputadas, os quatro melhores times em cada chave avançam, e os outros dois deixam a competição.
  • Na segunda fase, os times disputam quartas de final, semifinais e finais. As partidas são organizadas de acordo com os resultados obtidos na fase anterior, segundo o modelo que é hoje conhecido como "cruzamento olímpico". Sejam os quatro melhores times em cada fase A1, A2, A3, A4; B1, B2, B3, B4. As quartas de final são disputadas da seguinte forma: A1xB4; A2xB3; A3xB2; A4xB1.
  • Os vencedores das quartas de final disputam do seguinte modo as semifinais: (A1/B4) x (A3/B2); (A2/B3) x (A4/B1).
  • Nas finais, os vencedores das semifinais disputam o ouro, e os perdedores, o bronze.
  • As regras para a convocação de atletas são bastante rígidas. Cada time só pode indicar doze atletas, e trocas fora dos prazos legais não são permitidas nem mesmo no caso de lesões.

HistóricoEditar

MasculinoEditar

Ano Sede Final Disputa pelo bronze
Ouro Placar Prata Bronze Placar 4º lugar
1964
Detalhes
 
Tóquio
 
União Soviética
Round-robin  
Checoslováquia
 
Japão
Round-robin  
Romênia
1968
Detalhes
 
Cidade do México
 
União Soviética
Round-robin  
Japão
 
Checoslováquia
Round-robin  
Alemanha Oriental
1972
Detalhes
 
Munique
 
Japão
3 – 1  
Alemanha Oriental
 
União Soviética
3 – 0  
Bulgária
1976
Detalhes
 
Montreal
 
Polônia
3 – 2  
União Soviética
 
Cuba
3 – 1  
Japão
1980
Detalhes
 
Moscou
 
União Soviética
3 – 0  
Bulgária
 
Romênia
3 – 1  
Polônia
1984
Detalhes
 
Los Angeles
 
Estados Unidos
3 – 0  
Brasil
 
Itália
3 – 0  
Canadá
1988
Detalhes
 
Seul
 
Estados Unidos
3 – 1  
União Soviética
 
Argentina
3 – 2  
Brasil
1992
Detalhes
 
Barcelona
 
Brasil
3 – 0  
Países Baixos
 
Estados Unidos
3 – 1  
Cuba
1996
Detalhes
 
Atlanta
 
Países Baixos
3 – 2  
Itália
 
Iugoslávia
3 – 1  
Rússia
2000
Detalhes
 
Sydney
 
Iugoslávia
3 – 0  
Rússia
 
Itália
3 – 0  
Argentina
2004
Detalhes
 
Atenas
 
Brasil
3 – 1  
Itália
 
Rússia
3 – 0  
Estados Unidos
2008
Detalhes
 
Pequim
 
Estados Unidos
3 – 1  
Brasil
 
Rússia
3 – 0  
Itália
2012
Detalhes
 
Londres
 
Rússia
3 – 2  
Brasil
 
Itália
3 – 1  
Bulgária
2016
Detalhes
 
Rio de Janeiro
 
Brasil
3 – 0  
Itália
 
Estados Unidos
3 – 2  
Rússia
2020
Detalhes
 
Tóquio
 
França
3 – 2  
ROC
 
Argentina
3 – 2  
Brasil

FemininoEditar

Ano Sede Final Disputa pelo bronze
Ouro Placar Prata Bronze Placar 4º lugar
1964
Detalhes
 
Tóquio
 
Japão
Round-robin  
União Soviética
 
Polônia
Round-robin  
Romênia
1968
Detalhes
 
Cidade do México
 
União Soviética
Round-robin  
Japão
 
Polônia
Round-robin  
Peru
1972
Detalhes
 
Munique
 
União Soviética
3 – 2  
Japão
 
Coreia do Norte
3 – 0  
Coreia do Sul
1976
Detalhes
 
Montreal
 
Japão
3 – 0  
União Soviética
 
Coreia do Sul
3 – 1  
Hungria
1980
Detalhes
 
Moscou
 
União Soviética
3 – 1  
Alemanha Oriental
 
Bulgária
3 – 2  
Hungria
1984
Detalhes
 
Los Angeles
 
China
3 – 0  
Estados Unidos
 
Japão
3 – 1  
Peru
1988
Detalhes
 
Seul
 
União Soviética
3 – 2  
Peru
 
China
3 – 0  
Japão
1992
Detalhes
 
Barcelona
 
Cuba
3 – 1  
Equipe Unificada
 
Estados Unidos
3 – 0  
Brasil
1996
Detalhes
 
Atlanta
 
Cuba
3 – 1  
China
 
Brasil
3 – 2  
Rússia
2000
Detalhes
 
Sydney
 
Cuba
3 – 2  
Rússia
 
Brasil
3 – 0  
Estados Unidos
2004
Detalhes
 
Atenas
 
China
3 – 2  
Rússia
 
Cuba
3 – 1  
Brasil
2008
Detalhes
 
Pequim
 
Brasil
3 – 1  
Estados Unidos
 
China
3 – 1  
Cuba
2012
Detalhes
 
Londres
 
Brasil
3 – 1  
Estados Unidos
 
Japão
3 – 0  
Coreia do Sul
2016
Detalhes
 
Rio de Janeiro
 
China
3 – 1  
Sérvia
 
Estados Unidos
3 – 1  
Países Baixos
2020
Detalhes
 
Tóquio
 
Estados Unidos
3 – 0  
Brasil
 
Sérvia
3 – 0  
Coreia do Sul

Quadro de medalhasEditar

GeralEditar

 Ordem  País        
1  URS União Soviética 7 4 1 12
2  BRA Brasil 5 4 2 11
3  USA Estados Unidos 4 3 4 11
4  JPN Japão 3 3 3 9
5  CHN China 3 1 2 6
6  CUB Cuba 3   2 5
7  RUS Rússia 1 3 2 6
8  NED Países Baixos 1 1   2
9  POL Polônia 1   2 3
10  YUG Iugoslávia 1   1 2
11  FRA França 1     1
12  ITA Itália   3 3 6
13  GDR Alemanha Oriental   2   2
14  BUL Bulgária   1 1 2
 TCH Checoslováquia   1 1 2
 SRB Sérvia   1 1 2
17  EUN Equipa Unificada   1   1
 PER Peru   1   1
 ROC ROC   1   1
20  ARG Argentina     2 2
21  PRK Coreia do Norte     1 1
 KOR Coreia do Sul     1 1
 ROU Romênia     1 1
TOTAL 30 30 30 90

MasculinoEditar

 Ordem  País        
1  BRA Brasil 3 3   6
2  URS União Soviética 3 2 1 6
3  USA Estados Unidos 3   2 5
4  RUS Rússia 1 1 2 4
5  JPN Japão 1 1 1 3
6  NED Países Baixos 1 1   2
7  YUG Iugoslávia 1   1 2
8  FRA França 1     1
 POL Polônia 1     1
10  ITA Itália   3 3 6
11  TCH Checoslováquia   1 1 2
12  GDR Alemanha Oriental   1   1
 BUL Bulgária   1   1
 ROC ROC   1   1
15  ARG Argentina     2 2
16  CUB Cuba     1 1
 ROU Romênia     1 1
TOTAL 15 15 15 45

FemininoEditar

 Ordem  País        
1  URS União Soviética 4 2   6
2  CHN China 3 1 2 6
3  CUB Cuba 3   1 4
4  JPN Japão 2 2 2 6
5  BRA Brasil 2 1 2 5
6  USA Estados Unidos 1 3 2 6
7  RUS Rússia   2   2
8  SRB Sérvia   1 1 2
9  GDR Alemanha Oriental   1   1
 EUN Equipa Unificada   1   1
 PER Peru   1   1
12  POL Polônia     2 2
13  BUL Bulgária     1 1
 PRK Coreia do Norte     1 1
 KOR Coreia do Sul     1 1
TOTAL 15 15 15 45

Referências

  1. Mota, Cahê; Danielle Rocha, Edgard Maciel de Sá, Felipe Siqueira (19 de agosto de 2016). «Brasil bate a Rússia, vai à quarta final consecutiva e briga por ouro com Itália». globoesporte.com. Grupo Globo. Consultado em 30 de agosto de 2016. Cópia arquivada em 30 de agosto de 2016 
  2. «Firme, forte e dourado: Brasil bate Itália e volta ao topo olímpico após 12 anos». globoesporte.com. Grupo Globo. 21 de agosto de 2016. Consultado em 30 de agosto de 2016. Cópia arquivada em 30 de agosto de 2016 
  3. «França segura Comitê Olímpico Russo e conquista ouro inédito no vôlei masculino das Olimpíadas de Tóquio». ge.globo. 7 de agosto de 2021. Consultado em 24 de agosto de 2021 
  4. «Estados Unidos vencem com tranquilidade e Brasil fica com a prata no vôlei». UOL. 8 de agosto de 2021. Consultado em 24 de agosto de 2021 
  5. «Hounours - Women». Federação Internacional de Voleibol (em inglês). Rio2016.fivb.com. Consultado em 30 de agosto de 2016. Cópia arquivada em 30 de agosto de 2016 
  6. «China crowned champions in Rio de Janeiro». Federação Internacional de Voleibol (em inglês). Rio2016.fivb.com. 20 de agosto de 2016. Consultado em 30 de agosto de 2016. Cópia arquivada em 30 de agosto de 2016 

Ligações externasEditar