Craca Beat

Felipe Julián, mais conhecido como Craca Beat (La Plata, 31 de dezembro de 1975), é um artista visual e produtor musical[1] argentino-brasileiro. Concentra seu trabalho artístico na criação de instalações, performances sonoras,[2] audiovisuais e video mapping[3]. Como produtor musical, lançou seu primeiro disco solo em 2019: "Traquitana Audiovisual"[4], onde funde sons brasileiros e afro-latinos com bases eletrônicas. Em 2018, lançou com a MC Dani Nega, o álbum "O Desmanche"[5], com o qual ganharam o Prêmio Profissionais da Música, na categoria "Artista Eletrônico"[6]. Em 2017, Craca e Dani Nega venceram o 28.º Prêmio da Música Brasileira, na categoria "Melhor Álbum Eletrônico" com o primeiro disco do projeto Craca e Dani Nega, intitulado "Craca, Dani Nega e o Dispositivo Tralha".[7]

Felipe Julián
Pseudónimo(s) Craca Beat
Nascimento 31 de dezembro de 1975
La Plata, Buenos Aires, Argentina
Nacionalidade brasileiro
Prémios Prêmio da Música Brasileira
Prêmio Profissionais da Música
Área Artes visuais, audiovisual e video mapping

Biografia e Artes VisuaisEditar

Felipe Julián nasceu em La Plata, na Argentina. Com apenas um ano de idade veio viver em São Paulo e foi naturalizado brasileiro. Como artista, está em atividade desde 2013. Na área das artes visuais, já instalou obras em instituições artísticas como: Casa França Brasil (RJ)[8], Instituto Tomie Ohtake (SP), Santander Cultural (PE)[9], Itaú Cultural (SP)[10], Cinemateca Brasileira (SP)[11], Museu Bispo do Rosário (RJ)[12], Casa Mário de Andrade (SP)[13] e unidades do SESC[14][15]. Expôs na Zipper Galeria[16] e na Temporária Galeria, ambas em São Paulo.

Em 2018 participou da Bienal de Arquitetura de São Paulo com a obra “Auscultador de Rios Submersos”, construída com a artista visual Fabia Karklin[17]. No mesmo ano, teve sua instalação “Um Livro de Amor” exposta no Espacio de Arte Contemporáneo (EAC), em Montevidéu, Uruguai[18] e no Instituto Tomie Ohtake, em São Paulo. Em 2019 montou (pela terceira vez) a instalação “Silêncio”, nesta ocasião na BienalSur, em Buenos Aires, Argentina.[19]

Felipe Julián (a.k.a. Craca Beat) ainda colabora com outros grupos, como o Coletivo Teatro Dodecafônico[20] e outras companhias de dança e teatro. Integra o grupo de ocupação e intervenção “Travessa”, com o qual desenvolve um laboratório de democratização do espaço público urbano[21].

A partir de 2014, Craca passou a se dedicar também ao video mapping, uma forma de arte visual digital (também chamada de new media art) que consiste na projeção de vídeo mapeada em objetos ou superfícies irregulares, tais como estruturas de grandes dimensões, fachadas de edifícios e estátuas.[22][23] No ano de 2019, participou do Brasília Mapping Festival[24] realizando uma live musical com projeções mapeadas no Museu Nacional de Brasília.[25]

Produção MusicalEditar

No universo musical, Craca possui seis discos lançados. Durante 10 anos (2003-2013), o artista integrou o projeto de música experimental e tecnologia Axial[26][27][28](ao lado de Sandra-X).[29] Atualmente apresenta-se solo em formato live set onde engloba música dançante brasileira, africana, latina e eletrônica e, por vezes, video mapping. Ou também no projeto Craca e Dani Nega, que conta com dois discos lançados: "O Desmanche" (2018)[30] e "Craca, Dani Nega e o Dispositivo Tralha" (2016).[31][32]

Em 2019 lançou seu primeiro disco solo, intitulado "Traquitana Audiovisual"[33][34]. O video mapping (além do figurino) é sua ferramenta visual nos palcos, como sugere o videoclipe “Brazuka Noir”[35][36]. Outros clipes deste projeto são “Cefalópode”[37] e “Forró de Corda” – este registrado em 360º.

DiscografiaEditar

  • (2004) - Axial (com projeto Axial)
  • (2008) - Senóide (com projeto Axial)
  • (2011) - Simbiose (com projeto Axial)
  • (2016) - Craca, Dani Nega e o Dispositivo Tralha
  • (2018) - O Desmanche
  • (2019) - Traquitana Audiovisual (solo)

Referências

  1. «Entrevistamos: Craca». Beat for Beat | Música é a Resposta. 7 de maio de 2020. Consultado em 14 de julho de 2020 
  2. «Felipe Julián, do projeto Craca, cria música pulsante (e anti-mainstream!) a partir de sons e projeções». Casa de Criadores. 23 de outubro de 2018. Consultado em 14 de julho de 2020 
  3. Braziliense, Correio; Braziliense, Correio (21 de junho de 2019). [https://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/diversao-e-arte/2019/06/21/interna_diversao_arte,764757/traquitana-audiovisual-solo-de-craca-funde-musica-e-videomapping.shtml «Traquitana Audiovisual, primeiro solo de Craca, funde m�sica e videomapping»]. Correio Braziliense. Consultado em 14 de julho de 2020  replacement character character in |titulo= at position 56 (ajuda)
  4. «Craca vem das profundezas com o álbum solo 'Traquitana Audiovisual'». music non stop. 15 de abril de 2019. Consultado em 14 de julho de 2020 
  5. «O Desmanche: Craca e Dani Nega anunciam novo disco e lançam single». R7.com. 13 de abril de 2018. Consultado em 14 de julho de 2020 
  6. «Prêmio Profissionais da Música | Clube de Criação». Clube de Criação de São Paulo. 23 de abril de 2018. Consultado em 14 de julho de 2020 
  7. «Crítica: Dani Nega e Craca celebram experimentação na música negra». Folha de S.Paulo. 10 de julho de 2018. Consultado em 14 de julho de 2020 
  8. «25/09/2016 - Casa França-Brasil, no Rio, inaugura exposição coletiva sobre orixás». www.revistamuseu.com.br. Consultado em 14 de julho de 2020 
  9. Albertim, Bruno (6 de maio de 2014). «Santander Cultural fecha as portas». JC. Consultado em 14 de julho de 2020 
  10. Cultural, Instituto Itaú. «Felipe Julián». Enciclopédia Itaú Cultural. Consultado em 14 de julho de 2020 
  11. «Guia da Folha». www1.folha.uol.com.br. Consultado em 14 de julho de 2020 
  12. «Predestinação é loucura». seLecT. 19 de setembro de 2015. Consultado em 14 de julho de 2020 
  13. «Casa Mario de Andrade». www.casamariodeandrade.org.br. Consultado em 14 de julho de 2020 
  14. «Instalação "Poesia K Ótica" | Sesc Sorocaba». Agenda Sorocaba. 30 de novembro de 2015. Consultado em 14 de julho de 2020 
  15. «Felipe Julián apresenta instalação audiovisual no Sesc Pinheiros, em SP». seLecT. 17 de fevereiro de 2016. Consultado em 14 de julho de 2020 
  16. «Cinema Parado @ Periscope (Zipper Galeria)». desVirtual. 6 de julho de 2016. Consultado em 14 de julho de 2020 
  17. «Bienal de Arquitetura tem atividades espalhadas pela cidade». VEJA SÃO PAULO (em inglês). Consultado em 14 de julho de 2020 
  18. «Espacio de Arte Contemporáneo». www.eac.gub.uy. Consultado em 14 de julho de 2020 
  19. «BIENALSUR. BIENALSUR Agenda | CABA And Greater Buenos Aires, Argentina». bienalsur.org. Consultado em 14 de julho de 2020 
  20. «O Disfarce do Ovo». Consultado em 14 de julho de 2020 
  21. «Artista de Reuso (Tomie Othake) - (se)cura humana». securahumana.com (em inglês). Consultado em 14 de julho de 2020 
  22. «Brasília Mapping Festival oferece shows com projeções na cúpula do Museu da República». G1. Consultado em 14 de julho de 2020 
  23. «Craca apresenta show performance no Sesc Pompeia - Flertaí». Flertaí. 25 de setembro de 2019 
  24. Braziliense, Correio; Braziliense, Correio (12 de junho de 2019). «Brasília Mapping Festival fica na cidade até dia 7 de julho». Correio Braziliense. Consultado em 14 de julho de 2020 
  25. «Brasília Mapping Festival oferece shows com projeções na cúpula do Museu da República». G1. Consultado em 14 de julho de 2020 
  26. «10 anos de Axial». NOIZE | Música do site à revista. 2 de outubro de 2013. Consultado em 14 de julho de 2020 
  27. Paraná, Jornal Bem. «Grupo Axial faz "Simbiose" na Caixa Cultural - Bem Paraná». www.bemparana.com.br. Consultado em 14 de julho de 2020 
  28. «Tradição e tecnologia juntos em "Axial" - Cultura». Estadão. Consultado em 14 de julho de 2020 
  29. «Cultura Brasil - Projeto Axial lança aplicativo de compartilhamento». cmais+. Consultado em 14 de julho de 2020 
  30. «Crítica: Dani Nega e Craca celebram experimentação na música negra». Folha de S.Paulo. 10 de julho de 2018. Consultado em 14 de julho de 2020 
  31. «Exclusivo | "Craca, Dani Nega e o Dispositivo Tralha" é um dos discos do ano». NOIZE | Música do site à revista. 8 de julho de 2016. Consultado em 14 de julho de 2020 
  32. Junior, Jacídio (1 de fevereiro de 2017). «Música política e de sonoridade única, assim é o disco Craca, Dani Nega e o Dispositivo Tralha». Omelete. Consultado em 14 de julho de 2020 
  33. Aiex, Tony (11 de abril de 2019). «Traquitana Audiovisual: Craca manipula som e imagem em primeiro clipe solo». Tenho Mais Discos Que Amigos!. Consultado em 14 de julho de 2020 
  34. Melo, Rafael. «Craca apresenta sua Traquitana Audiovisual». Consultado em 14 de julho de 2020 
  35. «Craca lança clipe e single de Brazuka Noir». Rádio Graviola. 12 de abril de 2019. Consultado em 14 de julho de 2020 
  36. «Craca lança "Brazuka Noir", primeiro single do álbum "Traquitana Audiovisual"». Revista Fórum. 12 de abril de 2019. Consultado em 14 de julho de 2020 
  37. «Craca vai fundo na ficção-científica no clipe de "Cefalópode"». Revista O Grito! — Cultura pop, cena independente, música, quadrinhos e cinema. 3 de maio de 2019. Consultado em 14 de julho de 2020