Décimo Júnio Nóvio Prisco

Décimo Júnio Nóvio Prisco Rufo (em latim: Decimus Iunius Novius Priscus Rufus) foi um senador romano eleito cônsul em 78 com Lúcio Ceiônio Cômodo[1]. Casado com Antônia Flacila, foi condenado ao desterro perpétuo por Nero depois da Conspiração Pisoniana (65) por causa de sua amizade com Sêneca[1]. Durante o ano dos quatro imperadores (69), apoiou Vespasiano, que o recompensou com o consulado[2]. Já durante o reinado de Tito, em 80, foi nomeado governador da Germânia Inferior[3].

Décimo Júnio Nóvio Prisco Rufo
Cônsul do Império Romano
Consulado 78 d.C.

Seu neto, Caio Nóvio Prisco, cônsul sufecto em 152.

Ver tambémEditar

Cônsul do Império Romano
 
Precedido por:
Vespasiano VIII

com Tito VI
com Domiciano V (suf.)
com Lúcio Pompeu Vopisco Caio Arrúncio Catélio Céler (suf.)
com Marco Arrúncio Áquila (suf.)
com Cneu Júlio Agrícola (suf.)

Décimo Júnio Nóvio Prisco
78

com Lúcio Ceiônio Cômodo
com Quinto Corélio Rufo (suf.)
com Lúcio Funisulano Vetoniano (suf.)
com Sexto Vitulásio Nepos (suf.)
com Quinto Articuleio Peto (suf.)

Sucedido por:
Vespasiano IX

com Tito VII
com Domiciano VI (suf.)
com Lúcio Júnio Cesênio Peto (suf.)
com Públio Calvísio Rusão (suf.)
com Tito Rúbrio Élio Nepos (suf.)
com Marco Árrio Flaco (suf.)


Referências

BibliografiaEditar

  • E. Groag, "D. Novius Priscus" 17), RE, vol. XVII-1, Stuttgart, 1936, cols. 1219-1220.
  • Barbara Levick, Vespasianus, Londres, 1999, p. 177.