Domínio (política)

A palavra Domínio foi usada de 1907 a 1948 para se referir a uma das várias nações autônomas do Império Britânico.[1][2] O "status de Domínio" foi formalmente concedido ao Canadá, Austrália, Nova Zelândia, Terra Nova, África do Sul e o Estado Livre Irlandês na Conferência Imperial de 1926 para designar "comunidades autônomas dentro do Império Britânico, iguais em status, de forma alguma subordinadas umas às outras em qualquer aspecto de seus assuntos internos ou externos, embora unidas por uma lealdade comum à Coroa e livremente associadas como membros da Comunidade Britânica de Nações (Commonwealth)". Índia, Paquistão e Ceilão (agora Sri Lanka) também foram domínios por curtos períodos de tempo. A Declaração de Balfour de 1926 reconheceu os domínios como "comunidades autônomas dentro do Império Britânico" e o Estatuto de Westminster de 1931 confirmou sua totalidade independência legislativa. Com a dissolução do Império Britânico após a Segunda Guerra Mundial e a formação da Comunidade das Nações (Commonwealth), o uso do termo foi formalmente abandonado na Conferência dos Primeiros-Ministros da Commonwealth de 1949. Os reinos da Commonwealth e as repúblicas da Commonwealth substituíram o antigo termo, pois ambos os tipos de governo poderiam se tornar membros plenos da Commonwealth, e os termos também reconheciam a total autonomia dos reinos e a total soberania das repúblicas independentes.

ReferênciasEditar

  1. "dominion". Arquivado 2007-09-29 no Wayback Machine. Merriam Webster's Dictionary (based on Collegiate vol., 11th ed.), 2006. Springfield, MA: Merriam-Webster, Inc.
  2. Hillmer, Norman (2001). «Commonwealth». Canadian Encyclopedia. Toronto. ...the Dominions (a term applied to Canada in 1867 and used from 1907 to 1948 to describe the empire's other self-governing members) 


  Este artigo sobre política ou um(a) cientista político(a) é um esboço relacionado ao projeto de ciências sociais. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.