Duxambé

Duxambé[2][3][4] ou Duchambé[5][6][7][8][9] (em tajique e russo: Душанбé, translit.: Dushanbé,[10] pronunciada du-chãn-bé) é a capital e maior cidade do Tajiquistão, situada no oeste do país. Em janeiro de 2020, a cidade tinha 863 400 habitantes, em uma área de 126,6 km².[10] Enquanto o Tajiquistão esteve incorporado na União Soviética, a cidade chamava-se Estalinabade (Stalinabad, de 1929 a 1961), em homenagem a Josef Stalin.

Duxambé
Vista de Duxambé
Brasão oficial de Duxambé
Brasão
Localização da cidade no Tajiquistão
Localização da cidade no Tajiquistão
País Tajiquistão
Prefeito Rustam Emomali
Área  
  Total 126,6 km²
População  
  Cidade (2020) 863.400[1]
Fuso horário +5 ([[UTC{{{diferença_utc}}}]])
Website: www.dushanbe.tj

HistóriaEditar

O nome da cidade significa "segunda-feira" no idioma tajique, em referência ao fato de a cidade ter tido um mercado popular que funcionava durante esse dia da semana. Ainda que existam restos arqueológicos que remontem aoséculo V a.C., Duxambé foi um pequeno povoado até cerca dos anos 80. Em 1920, o último emir de Bucara refugiou-se em Duxambé após ser derrotado na Revolução Bolchevique. O emir fugiu para o Afeganistão depois que o Exército Vermelho conquistou a zona no ano seguinte. A cidade foi tomada por Enver Paxá em 1922 e foi o quartel general de Ibraim Beque, um líder tajique que lutou contra os bolcheviques. Com a vitória do Exército Vermelho e a chegada da estrada de ferro em 1929, a cidade converteu-se na capital da República Socialista Soviética do Tajiquistão.

Seu nome mudou para Estalinabade, em homenagem a Josef Stalin, em 1929. Os soviéticos transformaram a área até convertê-la num centro de produção de algodão e seda, e realojaram milhares de pessoas provenientes de outras repúblicas da União Soviética na cidade. A população também incrementou-se devido ao milhares de tajiques étnicos que emigraram ao Tajiquistão após o repasse de Bucara e Samarcanda à então República Socialista Soviética Usbeque. Em 1990, houve vários distúrbios, após a descoberta de planos para realojar dezenas de milhares de refugiados armênios, fato que provocou o sentimento nacionalista local. A cidade foi muito prejudicada com a Guerra Civil do Tajiquistão, que ocorreu pouco depois do desligamento, entre 1992 e 1997.

GeografiaEditar

ClimaEditar

Gráfico climático para Duxambé
JFMAMJJASOND
 
 
72
 
8
-2
 
 
85
 
9
-1
 
 
138
 
15
4
 
 
115
 
22
10
 
 
79
 
27
13
 
 
11
 
33
17
 
 
2.4
 
36
18
 
 
1.3
 
34
16
 
 
2.7
 
30
11
 
 
30
 
23
7
 
 
48
 
17
3
 
 
69
 
11
0
Temperaturas em °CPrecipitações em mm

Fonte: World Meteorological Organization

O clima de Duxambé é temperado, com temperatura média anual de 14 °C e grande amplitude térmica anual. Os verões são quentes e secos, com temperaturas que podem chegar aos 40 °C, e os invernos são frios e mais úmidos, com ocorrência de neve e temperaturas que podem chegar a -15 °C.

O mês mais quente é julho, com temperatura média de 27 °C, enquanto o mês mais frio é janeiro, com média de 2 °C. Quanto à pluviosidade, o mês mais chuvoso é março, com média de 138 mm, enquanto os meses de junho a setembro praticamente não registram precipitações, que possuem a média anual de 653 mm.

EconomiaEditar

Nas proximidades de Duxambé encontram-se várias minas de carvão, chumbo e arsênio. Duxambé é um importante centro têxtil, principalmente devido ao algodão, mas também produz seda, maquinaria, eletrodomésticos, artigos de couro, componentes de trator e produtos alimentícios.

As empresas aéreas Tajik Air e Somon Air têm suas matrizes na cidade. O Aeroporto Internacional de Duxambé inaugurou em setembro de 2014 um novo terminal, com o qual o aeroporto passou a ser capaz de atender 1,5 milhão de passageiros por ano.

TurismoEditar

Em Duxambé ficam situados, entre outros, o Museu Nacional do Tajiquistão (também conhecido como "Museu Tajique Unificado"); o Palácio Vahdat; o Zoológico de Duxambé; o Museu Gurminj de Instrumentos Musicais; o Teatro de Marionetes de Duxambé; as ruínas da Sinagoga de Duxambé, destruída em 2008; e o mastro central de Duxambé, onde pode ser vista a segunda mais alta bandeira nacional do mundo, a uma altura de 165 metros.

Cidades-irmãsEditar

Duxambé é geminada com:

Referências

  1. http://www.dushanbe.tj/ru/info/information/
  2. Serviço das Publicações da União Europeia. «Anexo A5: Lista dos Estados, territórios e moedas». Código de Redacção Interinstitucional. Consultado em 16 de junho de 2020 
  3. Correia, Paulo (Direção-Geral da Tradução – Comissão Europeia) (Primavera de 2015). «EIIL/Daexe — geografias e transliterações» (PDF). «a folha» – Boletim da língua portuguesa nas instituições europeias (n.º 50). ISSN 1830-7809. Consultado em 21 de junho de 2016 
  4. Correia, Paulo (Primavera de 2019). «Duxambé, Chechénia e os estados Xã e Chim» (PDF). Sítio web da Direcção-Geral da Tradução da Comissão Europeia no portal da União Europeia. A Folha — Boletim da língua portuguesa nas instituições europeias (n.º 59): 5-14. ISSN 1830-7809. Consultado em 8 de julho de 2019 
  5. Instituto Internacional da Língua Portuguesa. «Duchambé». Vocabulário Ortográfico Comum da Língua Portuguesa. Consultado em 28 de maio de 2017 
  6. Porto Editora. «Duchambé». Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa da Infopédia – Enciclopédia e Dicionários Porto Editora. Consultado em 18 de janeiro de 2012 [ligação inativa]
  7. «UOL Últimas Notícias - Várias embaixadas e consulados americanos estarão fechados em 11 de setembro 10/09/2002 - 17h10». noticias.uol.com.br. Consultado em 6 de julho de 2015 
  8. «Presidente ordena restabelecimento da estabilidade na cidade de ... - AngolaPress». www.dirigida.com.br. Consultado em 6 de julho de 2015. Arquivado do original em 6 de julho de 2015 
  9. «China quebra silêncio e diz que crise no Cáucaso preocupa - 27/08/2008 - Lusa». noticias.uol.com.br. Consultado em 6 de julho de 2015 
  10. a b «Sítio oficial da prefeitua de Duxambé (em russo)» 

Ligações externasEditar