Edvaldo Alves de Santa Rosa

futebolista brasileiro

Edvaldo Alves de Santa Rosa, mais conhecido como Dida[2] (Maceió, 26 de março de 1934Rio de Janeiro, 17 de setembro de 2002), foi um futebolista brasileiro que atuava como meia.

Dida
Dida
Informações pessoais
Nome completo Edvaldo Alves de Santa Rosa
Data de nasc. 26 de março de 1934
Local de nasc. Maceió, Alagoas, Brasil
Nacionalidade brasileiro
Data da morte 17 de setembro de 2002 (68 anos)
Local da morte Rio de Janeiro, RJ , Brasil
Altura 1,75 m
Informações profissionais
Posição meia
Clubes profissionais
Anos Clubes Jogos e gol(o)s
1949–1954
1954–1963
1964–1965
1966–1967
CSA
Flamengo
Portuguesa
Atlético Júnior

00357 00(264)
Seleção nacional
1957–1961 Brasil 00006 0000(4)[1]

Em 2020, em um ranking elaborado por especialistas dos jornais O Globo e Extra, figurou na 4ª posição entre os maiores ídolos de futebol da história do Clube de Regatas do Flamengo.[3]

CarreiraEditar

Dida iniciou sua carreira no CSA e rapidamente chamou a atenção do Flamengo quando sua delegação assistia a uma partida entre as Seleções estaduais alagoana e paraibana, na qual marcou um hat-trick. Teve sua primeira chance no clube em um jogo contra o Vasco da Gama. Depois dessa partida o jogador é colocado na equipe de base, retornando ao time principal apenas em 1955 já assumindo a titularidade e sendo uma peça importante na conquista do Campeonato Carioca, principalmente na final, onde marcou três gols. Após anos sendo o principal jogador rubro-negro, Dida acaba vendido para a Portuguesa. Depois da passagem pela equipe paulista, é contratado pelo Atlético Junior da Colômbia onde encerra sua carreira. Pelo Flamengo tornou-se o segundo maior artilheiro da história do clube, com 264 gols em 358 jogos, sendo superado apenas por seu fã Zico. Pela Portuguesa consegue um vice-campeonato paulista em 1964, justamente em sua primeira temporada na Lusa.[4]

Seleção BrasileiraEditar

Na Seleção, Dida assumiu a titularidade após a contusão do Pelé no amistoso contra o Corinthians no dia 21 de maio de 1958. Disputou o primeiro jogo da Seleção Brasileira contra a Seleção Austríaca, porém uma contusão o deixou no banco de reservas.[5] O jovem Edson Arantes do Nascimento (Pelé) se recuperou e voltou para o terceiro jogo, contra a União Soviética, quando encantou o mundo com seu futebol.[6]

MorteEditar

Morreu em 17 de setembro de 2002, aos 68 anos, vítima de insuficiência hepática e respiratória.[7]

TítulosEditar

CSA
Flamengo[9]
Seleção Brasileira[9]

Outras conquistasEditar

Flamengo

ArtilhariasEditar

Prêmio IndividuaisEditar

HomenagensEditar

  • O Museu dos Esportes de Alagoas leva seu nome.[15]

Referências

  1. «Todos os brasileiros 1958». Folha de S.Paulo. 9 de dezembro de 2015. Consultado em 5 de novembro de 2018 
  2. «Dida - Edvaldo Alves de Santa Rosa - sambafoot.com, Futebol + Brasil». sambafoot.com. Consultado em 15 de agosto de 2009 
  3. «Os 30 maiores ídolos da história do Flamengo; veja ranking». O Globo. 4 de maio de 2020. Consultado em 20 de novembro de 2021 
  4. «Dida: que fim levou?». Terceiro Tempo. Consultado em 6 de setembro de 2020 
  5. Assessoria CBF (25 de setembro de 2015). «Pelé não foi reserva na Copa do Mundo de 1958». cbf.com.br. Consultado em 28 de dezembro de 2021 
  6. «Dida - Museu dos Esportes». www.museudosesportes.com.br. Consultado em 15 de agosto de 2009 
  7. «Enterro de Dida será nesta 4ªfeira». Estadão. 17 de setembro de 2002 
  8. Victor Mélo (17 de setembro de 2014). «Há 12 anos morria o alagoano Dida, ídolo de Zico e artilheiro do Flamengo». ge.globo.com. Consultado em 28 de dezembro de 2021 
  9. a b «#TBTdaAmarelinha: Dida, o Menino de Ouro». cbf.com.br. 9 de julho de 2020. Consultado em 28 de dezembro de 2021 
  10. Campeonato Alagoano de 1952
  11. Histórias do clássico: o dia em que o CSA dançou xaxado na Pajuçara
  12. A ” NEGRA MALUCA ” de 1955 no Maracanã
  13. Há 12 anos morria o alagoano Dida, ídolo de Zico e artilheiro do Flamengo
  14. Jornalistas elegem 30 maiores ídolos da história do Flamengo; veja lista
  15. GloboEsporte.com; Emanuelle Borba (31 de março de 2019). «Camisa de Pelé, nome de Dida: Museu dos Esportes preserva um acervo nacional em Maceió». ge.globo.com. Consultado em 28 de dezembro de 2021 

Ligações externasEditar