Esnuna[1] (Eshnunna) foi uma cidade-estado da antiga Mesopotâmia, situada no vale do rio Diala. Corresponde ao atual sítio de Tel Asmar, explorado na década de 1930 por uma equipe estadunidense liderada por Henri Frankfort, do Instituto Oriental da Universidade de Chicago. Apesar de estar situada no vale do Diala, seguramente fazia parte do meio cultural sumério. A cidade torna-se independente em 2 026 a.C., no reinado de Xuiluia (Shu-iluya). Seus sucessores expandem o território da cidade, que controla as rotas comerciais entre Elão, a Alta Mesopotâmia e a Suméria. Esnuna foi capturada por Hamurabi em 1 756 a.C.. Seu deus principal era Tispaque durante o período amorita.

Esnuna
Eshnunna
Cabeça de mulher, calcário, Dinástico Antigo III
Localização atual
Esnuna está localizado em: Iraque
Esnuna
Localização de Arraba na Síria
Coordenadas 32° 45' N 44° 45' E
País  Iraque
Região geográfica Mesopotâmia
Província Diala
Notas
Escavações 1930-1936
Estado de conservação ruínas
Extensão da influência de Esnuna em aproximadamente 1 764 a.C. (em azul claro)

HistóricoEditar

Ocupada desde o Período Iemdet Nasr, por volta de 3 000 a.C., Esnuna foi uma cidade importante durante o Período Dinástico Arcaico da Mesopotâmia. Começando com a ascensão do Império Acádio, Esnuna oscilou entre períodos de independência e por períodos em que esteve dominada por outros impérios como a terceira dinastia de Ur e Isim. Por causa de sua posição geográfica estratégica conseguiu controlar rotas comerciais lucrativas, Esnuna funcionou como uma porta de entrada entre a cultura mesopotâmica e a elamita. As rotas comerciais davam acesso a muitos produtos exóticos procurados, como cavalos do norte, cobre, estanho e outros metais e pedras preciosas. Em uma sepultura em Esnuna, um pingente feito de copal de Zanzibar foi encontrado.[2] Um pequeno número de selos e contas da civilização do Vale do Indo também foi encontrado.[3]

Depois de se destacar como um estado independente no início do segundo milênio, durante o tempo de Samsiadade I, Esnuna foi então ocupada por Elão, após o que foi conquistada por Hamurabi da Babilônia no 38º ano de seu reinado, e assim absorvida dentro o Antigo Império Babilônico (às vezes chamado de Primeira Dinastia Babilônica). [4] Posteriormente, a cidade aparece, mas raramente em fontes textuais cuneiformes, refletindo seu provável declínio e eventual desaparecimento. [5]

ArqueologiaEditar

Os restos da cidade antiga estão agora preservados no tel, ou monte arqueológico de assentamento, de Tel Asmar, a cerca de 38 km em linha reta a nordeste de Bagdá e 30 km em uma linha reta a sudeste de Baquba. Foi localizado pela primeira vez por Henri Pognon em 1892, mas ele deixou de informar o local antes de morrer em 1921. Foi recuperado e escavado em seis temporadas entre 1930 e 1936 por uma equipe do Museu Oriental da Universidade de Chicago liderado por Henri Frankfort com o apoio de Thorkild Jacobsen e Seton Lloyd.[6] A secretária de campo da expedição foi Mary Chubb.[7]

Apesar do período de tempo desde as escavações em Tel Asmar, o trabalho de examinar e publicar as descobertas restantes dessa escavação continua até hoje.[8] Esses achados incluem aproximadamente 1 500 barras de argila com escrita cuneiformes.[9]

No final dos anos 90, os arqueólogos iraquianos voltaram a trabalhar em Tell Asmar, mas os resultados dessa pesquisa ainda não foram publicados.[10]

O Templo de AbuEditar

Durante o período dinástico inicial, o Templo de Abu em Tell Asmar (Esnuna) passou por várias fases. Isso incluiu as fases de construção do Santuário Arcaico Dinástico Primitivo, do Templo Quadrado e do Santuário Único. Eles, juntamente com as esculturas encontradas ali, ajudaram a formar a base para a atualmente defasada separação arqueológica em três fases ED I, ED II e ED III para o Período Dinástico Primitivo da Mesopotâmia.[11] Foram descobertas 12 esculturas no templo, confeccionadas em estilo geométrico, estas são conhecidas como tesouro de Tel Asmar. Das doze estátuas encontradas, dez são do sexo masculino e duas são do sexo feminino. Oito das figuras são feitas de gesso, duas de calcário e uma (a menor) de alabastro.[12] Todas as figuras, com exceção da que está ajoelhada, são renderizadas em uma posição ereta. Eles são alguns dos exemplos mais conhecidos de antigas esculturas do Oriente Próximo. O grupo, agora dividido, mostra deuses, sacerdotes e adoradores em tamanhos diferentes, mas todos no mesmo estilo altamente simplificado. Todos têm olhos incrustados, mas a figura mais alta, a principal imagem de culto que representa o deus local, tem olhos enormes que lhe conferem um "poder feroz".[12]

GovernantesEditar

Governante Notas [13]
Urguedina Estava no trono durante o 29º ano do reinado de Sulgi de Ur III ( 2247 a.C.)
Calamu Estava no trono durante o 45º ano do reinado de Sulgi (2231 a.C.)
Ituria Estava no trono durante o reinado de Su-Sim de Ur III (2221 – 2213 a.C.)
Ilusuilia Filho de Ituria, estava no trono durante o reinado de Ibi-Sim de Ur III (2212 – 2187 a.C.)
Nuracum Estava no trono quando Ibi-Sim foi capturado por seus aliados elamitas a mando de Isbi-Erra de Isim em 2187 a.C.
Quiriquiri
Bilalama Contemporâneo de Tan-Ruratir de Elão
Isarramasu
Usurauasu foi inicialmente vassalo de Anumutabil de Der
Ur-Ninmar
Ur-Ningizida
Ipique-Adade I Contemporâneo de Abdi-Era de Tutube e Samuabum da Babilônia
Sarria
Uarassa
Belacum
Ibalpiel I
Ipique-Adade II Reinou pelo menos 36 anos
Naram-Sim Filho de Ipique-Adade II, Contemporâneo de Samsiadade I da Assíria
Danum-Taaz Posição aproximada
Dadusa Filho de Ipique-Adade II, Contemporâneo de Samsiadade I da Assíria
Ibalpiel II Contemporâneo de Zinrilim de Mari, Morto por Siwe-palar-huppak de Elão que conquistou Esnuna
Silisim Esnuna é conquistada por Hamurabi da Babilônia em 1924 a.C. no 31º ano do reinado deste.

Ver tambémEditar

Referências

  1. Unger 1980, p. 28.
  2. Meyer, Carol; Todd, Joan Markley; Beck, Curt W. (1991). «From Zanzibar to Zagros:». A Copal Pendant from Eshnunna. Journal of Near Eastern Studies. 50 (4): 289–298. ISSN 0022-2968. doi:10.1086/373516 
  3. Foster, Benjamin R. (14 de dezembro de 2015). The Age of Agade: Inventing Empire in Ancient Mesopotamia (em inglês). [S.l.]: Routledge. ISBN 978-1-317-41552-7 
  4. Mieroop, Marc Van De (20 de outubro de 2015). Philosophy before the Greeks:. The Pursuit of Truth in Ancient Babylonia (em inglês). [S.l.]: Princeton University Press. ISBN 978-1-4008-7411-8 
  5. Mieroop, Marc Van De (30 de abril de 2008). King Hammurabi of Babylon:. A Biography (em inglês). [S.l.]: John Wiley & Sons. ISBN 978-0-470-69534-0 
  6. Henri Frankfort, Thorkild Jacobsen, and Conrad Preusser Tell Asmar and Khafaje: The First Season's Work in Eshnunna 1930/31, Oriental Institute Communication 13, 1932
  7. «Mary Chubb». The Times (em inglês). ISSN 0140-0460 
  8. Truex, Lise A. (2019). «3 Households and Institutions:». A Late 3rd Millennium BCE Neighborhood at Tell Asmar, Iraq (Ancient Eshnunna). Archaeological Papers of the American Anthropological Association (em inglês). 30 (1): 39–61. ISSN 1551-8248. doi:10.1111/apaa.12112 
  9. Clemes Reichel Clay Sealings And Tablets From Tell Asmar The Oriental Institute News e Notes Nº 158, outono de 1988
  10. «Rescuing Iraqi Archeological Reports». The American Academic Research Institute in Iraq. Consultado em 14 de fevereiro de 2020 
  11. «The Square Temple at Tell Asmar and the Construction of Early Dynastic Mesopotamia, ca. 2900–2350 B.C.E.». American Journal of Archaeology (em inglês). Consultado em 14 de fevereiro de 2020 
  12. a b Henri Frankfort, Thorkild Jacobsen (1935) Oriental Institute Discoveries in Iraq, 1933/34: Fourth Preliminary Report of the Iraq Expedition -- Oriental Institute Publication nº 19, pp. 55 a 65
  13. Henri Frankfort (1933) Tell Asmar, Kafage and Khorsabad: Second Preliminary Report of the Iraq Expedition -- Oriental Institute Publication nº 16, p. 56

BibliografiaEditar

  • Unger, Merril F. Arqueologia do Velho Testamento. São Paulo: JBR