Abrir menu principal

Estação Ferroviária de Nelas

estação ferroviária em Portugal
Nelas IPcomboio2.jpg
IPestacao.jpg
Inauguração 3 de Agosto de 1882
Linha(s) Linha da Beira Alta (PK 117,212)
Coordenadas 40° 31′ 48,75″ N, 7° 50′ 59,59″ O
Concelho Nelas
Serviços Ferroviários Logo CP 2.svgBSicon LSTR orange.svgRBSicon LSTR green.svgIC
Horários em tempo real
Serviços Ligação a autocarros Serviço de táxis Bilheteiras e/ou máquinas de venda de bilhetes
Telefones públicosSala de espera
Acesso para pessoas de mobilidade reduzida Lavabos Bar ou cafetaria


Logos IP.png
BSicon CONTfa grey.svg
BSicon BHF grey.svgCanas - Felgueira (Std. Pampilhosa)
BSicon BHF grey.svgNelas
BSicon HST grey.svgAlcafache (Sentido Vilar Formoso)
BSicon CONTf grey.svg

A Estação Ferroviária de Nelas, originalmente conhecida como Nellas, é uma interface da Linha da Beira Alta, que serve a Freguesia de Nelas, no Distrito de Viseu, em Portugal.

DescriçãoEditar

Localização e acessosEditar

A Estação localiza-se junto à Avenida António Joaquim Henriques, na localidade de Nelas.[1][2]

Vias e plataformasEditar

Em Janeiro de 2011, apresentava duas vias de circulação, ambas com 540 m de comprimento, e duas plataformas, ambas com 311 m de extensão, e 40 e 35 cm de altura.[3]

HistóriaEditar

 
Anúncio de 1903, onde esta interface aparece com o nome original, Nellas.

InauguraçãoEditar

A Linha da Beira Alta entrou ao serviço de forma provisória em 1 de Julho de 1882, tendo a linha sido totalmente inaugurada, entre a Figueira da Foz e a fronteira com Espanha, no dia 3 de Agosto do mesmo ano, pela Companhia dos Caminhos de Ferro Portugueses da Beira Alta.[4]

Século XXEditar

Em 1913, a estação de Nelas era servida por carreiras de diligências até Carvalhal da Louça, Paranhos, Tourais, Vila Chã, Ponte de Santiago, Seia e São Romão.[5]

Em 1933, foi instalada uma nova via transversal, que se ligava à linha do cais por uma placa.[6] Em 1935, a Companhia da Beira Alta tinha um serviço de camionagem entre Seia e a estação de Nelas.[7] Em 1936, a Companhia fez grandes obras de reparação nesta estação.[8] Em 1940, foram modificadas as vedações em betão armado e alteradas as vias férreas do lado de Mangualde, de forma a aumentar a sua capacidade para vagões.[9]

Em data anterior a 1989 a CP começou a operar uma ligação por autocarros entre a estação de Nelas e a cidade de Viseu, sem paragens intermédias.[10]

No verão de 1988 começou a funcionar o serviço Intercidades da Beira Alta, que ligava Lisboa à Guarda. A estação ferroviária de Nelas era, desde o início, uma das paragens efetuadas pelos comboios deste serviço.[10]

Em 1989 a CP anunciou que os autocarros para Viseu iriam deixar de começar na estação de Nelas e que iriam passar a começar na estação de Mangualde. A mudança ia ser aplicada quando entrasse em vigor o horário de verão da CP para 1989.[10] A mudança gerou fortes protestos por parte da população e da Câmara Municipal de Nelas. Com efeito, em 27 de Maio de 1989 cerca de 200 populares obstruíram com carris e travessas as linhas na estação de Nelas, o que fez com que o tráfego ferroviário estivesse cortado na Linha da Beira Alta entre as 17:50h e as 20:15h desse dia.[11] Os populares só desmobilizaram quando um funcionário da CP anunciou que a companhia tinha suspenso a decisão de transferir o terminal de Nelas para Mangualde.[11] Na mesma altura, começou a circular o rumor de que os comboios Intercidades iam deixar de parar em Nelas, o que levou o deputado da Assembleia da República Manuel Vaz Freixo (PPD-PSD) a questionar a CP sobre que alterações pretendia fazer às paragens dos comboios que serviam a estação de Nelas.[12] Em Julho de 1989, a CP esclareceu que não pretendia alterar o regime de paragens dos comboios na estação de Nelas; quanto à mudança do terminal do transbordo rodoviário de Nelas para Mangualde, a CP disse que a medida era justificada porque com a construção da via rápida IP5 os acessos de Viseu a Mangualde tornaram-se mais fáceis do que de Viseu a Nelas.[10] Contudo, a companhia reconheceu que a mudança proposta era controversa na região, pelo que decidiu suspender a mudança e realizar um estudo comparativo entre Nelas e Mangualde para averiguar qual seria melhor solução para a ligação por autocarros a Viseu.[10] A CP acabou por decidir manter o terminal em Nelas.

Em Junho de 1997 a CP deixou de ser o operador da ligação por autocarros entre Nelas e Viseu: a responsabilidade por assegurar esses serviços foi concessionada à Empresa Marques S.A..[13][14]

Ver tambémEditar

Referências

  1. «Nelas - Linha da Beira Alta». Infraestruturas de Portugal. Consultado em 9 de Outubro de 2016 
  2. «Nelas». Comboios de Portugal. Consultado em 23 de Novembro de 2014 
  3. «Linhas de Circulação e Plataformas de Embarque». Directório da Rede 2012. Rede Ferroviária Nacional. 6 de Janeiro de 2011. p. 71-85 
  4. TORRES, Carlos Manitto (16 de Março de 1958). «A evolução das linhas portuguesas e o seu significado ferroviário» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. 71 (1686). p. 133-140. Consultado em 9 de Outubro de 2016 
  5. «Serviço de Diligencias». Guia official dos caminhos de ferro de Portugal. 39 (168). Outubro de 1913. p. 152-155. Consultado em 28 de Fevereiro de 2018 
  6. «O que se fez nos Caminhos de Ferro em Portugal no Ano de 1933» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. 47 (1106). 16 de Janeiro de 1934. p. 49-52. Consultado em 9 de Outubro de 2016 
  7. «Companhia dos Caminhos de Ferro da Beira Alta: Despachos Centrais» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. 47 (1142). 16 de Julho de 1935. p. 310. Consultado em 9 de Outubro de 2016 
  8. «O que se fez em caminhos de ferro durante o ano de 1936» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. 49 (1179). 1 de Fevereiro de 1937. p. 86-87. Consultado em 9 de Outubro de 2016 
  9. «O que se fez em Caminhos de Ferro no ano de 1940» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. 53 (1274). 16 de Janeiro de 1941. p. 83-88. Consultado em 3 de Novembro de 2018 
  10. a b c d e «Resposta ao Requerimento n.º 1046/V». Diário da Assembleia da República - II série-B. 4 de agosto de 1989. Consultado em 25 de maio de 2018 
  11. a b «Populares obstruíram a via férrea: em Nelas é que «foram elas»». Diário de Lisboa. 29 de maio de 1989. Consultado em 25 de maio de 2018 
  12. «Requerimento n.º 1046/V». Diário da Assembleia da República - II série-B. 24 de junho de 1989. Consultado em 25 de maio de 2018 
  13. «Requerimento n.º 644/VII». Diário da República - II série-B. 8 de maio de 1999. Consultado em 25 de maio de 2018 
  14. «Resposta ao Requerimento n.º 644/VII». Diário da Assembleia da República - II série-B. 26 de junho de 1999. Consultado em 25 de maio de 2018 

Ligações externasEditar