Abrir menu principal

Estefânia de Hohenzollern-Sigmaringen

Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde julho de 2019). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Estefânia
Princesa de Hohenzollern-Sigmaringen
Retrato por Karl Ferdinand Sohn, 1860
Rainha Consorte de Portugal e Algarves
Reinado 18 de maio de 1858
a 17 de julho de 1859
Antecessor(a) Fernando de Saxe-Coburgo-Gota
Sucessora Maria Pia de Saboia
 
Marido Pedro V de Portugal
Casa Hohenzollern-Sigmaringen (nascimento)
Bragança-Saxe-Coburgo-Gota (casamento)
Nome completo
Estefânia Josefa Frederica Guilhermina Antônia
Nascimento 15 de julho de 1837
  Krauchenwies, Hohenzollern-Sigmaringen
Morte 17 de julho de 1859 (22 anos)
  Lisboa, Portugal
Enterro Panteão da Dinastia de Bragança, Igreja de São Vicente de Fora, Lisboa, Portugal
Pai Carlos Antônio de Hohenzollern-Sigmaringen
Mãe Josefina de Baden
Religião Catolicismo
Assinatura Assinatura de Estefânia
Brasão

Estefânia Josefa Frederica Guilhermina Antônia (Krauchenwies, 15 de julho de 1837Lisboa, 17 de julho de 1859) foi a esposa do rei D. Pedro V e Rainha Consorte de Portugal de 1858 até sua morte.

FamíliaEditar

Nascida no Castelo de Krauchenwies, D. Estefânia era a filha mais velha de D. Carlos Antônio, Príncipe de Hohenzollern, e da princesa D. Josefina de Baden, esta filha de D. Carlos, Grão-Duque de Baden. Teve cinco irmãos, entre os quais o que viria a ser o primeiro rei da Romênia da dinastia de Hohenzolern, D. Carlos I, o seu irmão mais velho, D. Leopoldo, que sucedeu ao pai e tornou-se príncipe de Hohenzollern-Sigmaringen, e a sua irmã mais nova, a mãe do rei D. Alberto I da Bélgica, D. Maria Luísa, a condessa de Flandres, casada com o príncipe Filipe, Conde de Flandres.

D. Estefânia recebeu, naturalmente, educação católica.

Quando D. Estefânia tinha onze anos, o pai abdicou dos seus direitos ao principado em nome do rei da Prússia, e mudou-se com a família para o Palácio de Jägerhof, em Düsseldorf, onde cresceu no meio de belos jardins.

CasamentoEditar

 
D. Pedro V e D. Estefânia

O casamento foi feito por procuração em 29 de abril de 1858, na Catedral de Santa Edwiges em Berlim. O Conde do Lavradio foi responsável pelo contrato do matrimónio. A 3 de maio, D. Estefânia partiu de Düsseldorf, chegando de comboio a Ostende, onde embarcou no barco a vapor Mindelo rumo a Plymouth, Inglaterra. A corveta Bartolomeu Dias estava à sua espera para a levar para Portugal.

Estefânia chegou à barra do rio Tejo no dia 17 de maio de 1858.[1] No dia seguinte, em 18 de maio, na Igreja de São Domingos, em Lisboa, a princesa D. Estefânia casou-se com o rei D. Pedro V, tornando-se assim rainha consorte de Portugal.

Eles passaram sua lua-de-mel em Sintra, passeando de braços dados pela serra repetidas vezes.

D. Pedro V, para impressionar a sua consorte, não poupou despesas com a decoração dos aposentos de D. Estefânia, no Palácio das Necessidades. Mandou vir de Paris móveis, candeeiro, carpetes e tecidos para estofos e cortinados.[2]

Bela e instruída, D. Estefânia escreveu cartas íntimas à sua mãe, em francês. Numa delas, ela critica a alta sociedade portuguesa: "Os portugueses têm o sentido do luxo e da pompa, mas não o da dignidade".[3] Embora tivesse sentido saudades das margens do Reno e não tivesse gostado do calor e da aridez de Lisboa, D. Estefânia escreveu que apreciara Sintra e Mafra. A companhia do sogro, D. Fernando II, não lhe agradava.

Juntamente com o marido, D. Estefânia fundou diversos hospitais e instituições de caridade, o que lhe granjeou uma grande aura de popularidade entre os portugueses de todos os quadrantes políticos e sociais.

O Hospital de Dona Estefânia, em Lisboa, foi assim nomeado em sua honra.

MorteEditar

Decorrido pouco tempo depois do seu casamento, a rainha faleceu aos vinte e dois anos de idade, vítima de difteria. A doença teria sido contraída durante uma visita a Vendas Novas.[4] As suas últimas palavras terão sido: Consolem o meu Pedro.[5]

D. Estefânia jaz no Panteão Real da Dinastia de Bragança, no Mosteiro de São Vicente de Fora, em Lisboa.

O rei viúvo faleceu dois anos mais tarde, de febre tifoide.

Títulos, estilos, honras e armasEditar

Títulos e estilosEditar

HonrasEditar


AncestraisEditar

Referências

BibliografiaEditar

  • Tavares Dias, Marina (2001). Lisboa Desaparecida, volume VII. [S.l.: s.n.] ISBN 9789725890684 

Ligações externasEditar

 
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Estefânia de Hohenzollern-Sigmaringen
Estefânia de Hohenzollern-Sigmaringen
Casa de Hohenzollern-Sigmaringen
Ramo da Casa de Hohenzollern
15 de julho de 1837 – 17 de julho de 1859
Precedida por
Fernando de Saxe-Coburgo-Gota
 
Rainha Consorte de Portugal e Algarves
18 de maio de 1858 – 17 de julho de 1859
Sucedida por
Maria Pia de Saboia