Abrir menu principal
Um prato de estrogonofe

Estrogonofe (do russo строганов, stroganov) é um prato originário da culinária russa composto de cubos de carne bovina servidos num molho de creme de leite. Desde suas origens no século XIX, o prato popularizou-se em muitos países europeus, norte-americanos e no Brasil, sempre com variações consideráveis da receita original.

HistóricoEditar

Elena Molokhovets, uma conhecida chef de cozinha russa, mostrou, em seu livro Um presente para jovens donas de casa (em russo Подарок молодым хозяйкам), a primeira receita conhecida para Govjadina po-strogonovski, s gorchitseju ("Estrogonofe de carne com mostarda") que consistia de cubos empanados de carne num molho de mostarda e um caldo de legumes (bouillon) finalizado com uma pequena porção de creme azedo (sour cream), sem cebolas ou cogumelos adicionados a receita.

Uma receita de 1912 adicionou cebolas, e extrato de tomate sendo servida também com batatas-palito, que são consideradas uma tradicional "decoração" para comida na Russia.[1] A versão dada em 1938 na Larousse gastronomique incluia bife em tiras e cebolas, com mostarda ou extrato de tomate opcionais.

Após a queda do Império Russo, a receita se popularizou em hotéis e restaurantes da China antes do início da II Guerra Mundial. Imigrantes russos e chineses, assim como servidores estadunidenses que trabalhavam na China pré comunista, foram responsáveis em trazer diversas variações a receita tradicional, bem como por tonar a receita popular a partir dos anos 50.

Na França recebeu os Champignons e foi prato sofisticado do restaurante Maxim's, embora hoje tenha se popularizado, não tendo mais seu antigo grande prestígio junto à gastronomia.

Com a sua popularização, em alguns países é possível observar o preparo de panquecas ou batatas assadas (tipo inglesas) com Estrogonofe. As muitas variações da comida incluem: com vinho, com milhos, com palmito, com ketchup ao invés de extrato de tomate e etc.

No mundoEditar

As versões norte-americanas e australiana da receita geralmente são preparadas com tiras de bife, mas também podem ser incluídos bacon, cogumelos, cebolas. O molho pode ser engrossado com nata azeda e servido com arroz (EUA e Austrália) ou macarrão (mais comum nos EUA). Era o prato preferido do presidente norte-americano Abraham Lincoln, e do famoso ator Charles Chaplin.[2][3]

O estrogonofe é bastante popular no Brasil, onde tem muitas variações como o uso de carne de frango ou camarões. A principal característica do estrogonofe brasileiro é o uso de molho de tomate misturado com o creme de leite. Além disso, é quase sempre servido com uma porção de arroz (branco ou à grega) e batata palha, enquanto que na Rússia era geralmente servido com batatas cozidas.

Estrogonofe também é popular na Suécia e Noruega. Na Suécia, uma variante comum, é o estrogonofe de linguiça, que usa a tradicional linguiça sueca chamada falukorv como substituta para a carne.

O nomeEditar

Existem várias explicações para o nome desse prato, presume-se que seja derivado do nome de algum membro da grande e importante família Stroganov, talvez Alexander Grigorievich Stroganoff de Odessa ou o Conde Pavel Stroganov[4]. Outra versão diz que o nome do prato viria de uma rica família de Veliky Novgorod, próxima a São Petersburgo, de amigos de Voltaire e influentes junto a Catarina, a Grande. A iguaria teria sido criada no século XIX por um cozinheiro francês que trabalhava para essa família.[5]

Uma competição de 1890 é algumas vezes mencionada por ter "batizado" o prato, mas tanto a receita quanto o nome existiam antes desse evento.

NotasEditar

  1. Joyce Toomre, ed., Classic Russian Cooking: Elena Molokhovets' A Gift to Young Housewives, 1992; a primeira edição de Molokhovets é de 1861; a receita de 1912 mencionada por Toomre está em Alekandrova-Ignat'eva.
  2. Livro:The curiosities of american actors. Editora:Smart Monkey.
  3. Livro:The Greatest Leaders of America. Editora:Columbia University Press.
  4. Oxford Companion to Food, s.v. "beef".
  5. "A rainha que virou pizza" -Autor: José Antônio Dias Lopes - Cia. Editora Nacional 2007

Ligações externasEditar