Abrir menu principal
Eva Braun
Eva Braun em Berghof, 1942
Nome completo Eva Anna Paula Braun
Outros nomes Eva Hitler
Nascimento 6 de fevereiro de 1912
Munique, Império Alemão
Morte 30 de abril de 1945 (33 anos)
Berlim, Alemanha Nazista
Nacionalidade alemã
Progenitores Mãe: Franziska Kronberger
Pai: Friedrich Braun
Cônjuge Adolf Hitler
Ocupação fotógrafa e assistente do estúdio fotográfico de Heinrich Hoffmann
Assinatura
Eva Braun signature.svg

Eva Anna Paula Hitler, cujo nome de batismo foi Eva Anna Paula Braun (Munique, 6 de fevereiro de 1912Berlim, 30 de abril de 1945), foi companheira de longa data de Adolf Hitler e, por menos de 40 horas, sua esposa.

Eva e Hitler conheceram-se em Munique, quando ela tinha 17 anos e trabalhava como assistente e modelo para Heinrich Hoffmann, fotógrafo pessoal de Hitler. Durante esse precoce relacionamento, ela tentou por duas vezes o suicídio. Em 1936, passou a ser presença constante na Berghof, a casa-refúgio que Hitler mantinha em Obersalzberg (próximo a Berchtesgaden), onde viveu protegida durante toda a Segunda Guerra Mundial.[1]

Eva também era fotógrafa e muitas das fotos e filmes coloridos com o Führer que sobreviveram a essa época foram feitos por ela. Embora não participasse de eventos públicos com ele até meados de 1944, quando sua irmã Gretl casou-se com o oficial da SS Hermann Fegelein, Eva era tida como figura chave no círculo social íntimo de Hitler.[1]

Quando o Terceiro Reich começou a desmoronar, Eva jurou lealdade a Hitler e juntou-se a ele em Berlim, abrigando-se no chamado Führerbunker, instalado sob a Chancelaria do Reich. À medida que as tropas do Exército Vermelho avançavam pelas vizinhanças, em 29 de abril de 1945, eles casaram-se numa breve cerimônia civil (Eva contava 33 anos de idade e Hitler 56). Menos de 40 horas depois, o casal suicidou-se em uma sala bunker, Hitler com um tiro na têmpora e Eva com uma cápsula de cianeto. O povo alemão só tomou conhecimento da relação entre os dois após suas mortes.[2][3][4]

BiografiaEditar

 
Franziska Braun, mãe de Eva

Eva nasceu em Munique, em 1912. Era a segunda filha do professor Friedrich "Fritz" Braun (1879–1964) e de Franziska "Fanny" Kronberger (1885–1976). Antes de casar, sua mãe tinha sido costureira.[1] A irmã mais velha de Eva era Ilse (1909–1979) e a mais nova Margarete (1915–1987). O casal Braun se divorciou em abril de 1921, mas se casaram novamente em novembro de 1922 devido a problemas financeiros na Alemanha, como a hiperinflação.[5]

Eva estudou em um liceu católico em Berlim e por um ano estudou administração em um convento em Simbach am Inn, onde tinha notas altas e uma inclinação para o atletismo.[1] Aos 17 anos, conseguiu emprego com o fotógrafo oficial do Partido Nazista, Heinrich Hoffmann, como sua assistente e logo ela aprendeu a usar a câmera e a tirar suas próprias fotos.[1] Foi no estúdio de Hoffmann que Eva conheceu Hitler, 23 anos mais velho que ela, em outubro de 1929. Nessa época, Eva morava com sua irmã mais nova, que chegou a acompanhar a irmã em várias viagens de Hitler e Eva a Obersalzberg.[5]

Eva e HitlerEditar

Hitler morava com a filha de sua meio-irmã, Geli Raubal, em um apartamento na Prinzregentenplatz, número 16, em Munique, de 1929 até a morte dela. Em 18 de setembro de 1931, Geli foi encontrada morta com um tiro na cabeça, em um aparente suicídio com a arma de Hitler. Na época, ele estava em Nuremberg e acredita-se que este tenha sido seu relacionamento mais intenso até conhecer Eva, com quem começou a se relacionar após a morte de Geli.[6]

Eva já tinha tentado o suicídio em 10 ou 11 de agosto de 1932 atirando no peito com a arma que seu pai tinha, mas historiadores acreditam que o tiro foi apenas para chamar a atenção de Hitler.[5] Após sua recuperação, Hitler firmou seu compromisso com ela e no final de 1932, os dois se tornaram amantes.[1] Em 1933, Eva ainda trabalhava como fotógrafa para Hoffmann e por isso ela podia viajar como sua assistente na comitiva de Hitler em trabalho oficial para o Partido Nazista.[5]

Segundo informações de seu diário, Eva tentou um segundo suicídio em maio de 1935, com uma overdose de remédios para dormir de Hitler, mas que não deu certo. Hitler deu a Eva e sua irmã mais nova um apartamento de três quarto em Munique naquele mês de agosto e no ano seguinte as irmãs foram morar em uma vila, em Bogenhausen, perto de Berchtesgaden, mas as irmãs passavam a maior parte do tempo em Munique.[5] Eva também tinha sua própria residência, próxima à Chancelaria do Reich, em Berlim, decorada por Albert Speer.[5]

Eva era parte da equipe de Hoffmann durante os primeiros Comícios de Nuremberg, em 1935. A meia-irmã de Hitler, Angela e mãe de Geli, não estava presente e depois foi dispensada de seu cargo de governanta da residência de Hitler em Berchtesgaden. Não se sabe se sua antipatia por Eva foi a principal razão, mas membros da equipe de Hitler disseram que Eva era agora intocável.[1][5]

Hitler desejava se apresentar ao povo alemão com a imagem de um herói casto. Na ideologia nazista, os homens eram os líderes políticos e os guerreiros, e as mulheres eram donas de casa. Ele acreditava que era um homem atraente para as mulheres e desejava explorar o fato para obter vantagens políticas permanecendo solteiro e acreditava que um casamento reduziria esse apelo.[7][8]

 
O diário de Eva Braun, 6 de fevereiro de 1935

Hitler e Eva nunca apareciam como um casal em público. A única vez em que estiveram juntos em uma foto oficial foi quando ela se sentou perto dele nas Jogos Olímpicos de Inverno de 1936.[5] O povo alemão não soube do relacionamento dos dois até depois do fim da guerra. Eva tinha seu próprio aposento na residência oficial de Hitler e no esconderijo em Berlim.[7]

Estudiosos da Segunda Guerra Mundial afirmam que as mulheres não tinham influência na política da Alemanha Nazista e a influência de Eva era mínima ou quase inexistente. Ela nunca tinha permissão de ficar na mesma sala quando conversas políticas ocorriam e era sempre posta para fora dos aposentos quando ministros e outros dignatários do governo estavam presentes.[1][7] Ela nem era membro do Partido Nazista. Os principais interesses de Eva na época eram cinema, moda e esportes, tendo uma vida de privilégios, com pouco interesse em política. O único momento em que a política lhe gerou algum interesse, foi em 1943, logo depois da transição da economia para uma economia de guerra. Com o aperto nas contas e o confisco de produtos para os esforços de guerra, bens de consumo tipicamente femininos, como cosméticos e artigos de luxo, eram proibidos. Eva teria ficado enfurecida com isso e Hitler pedira que seu ministro de armamentos apenas suspendesse a produção ao invés de proibi-los.[1][7]

Eva continuou como assistente de Hoffmann mesmo depois de seu relacionamento com Hitler ter começado. Ela tirou várias fotos e fez filmagens de membros do círculo íntimo de Hitler e chegou a vendê-las a Hoffmann por valores bem altos. Além de fotógrafa, ela se tornou secretária particular de Hitler, o que lhe dava vários privilégios, como entrar e sair da chancelaria sem revista e sem necessidade de autorização.[1][7]

Em 3 de junho de 1944, a irmã mais nova de Eva se casou com Hermann Fegelein, Gruppenführer da SS, oficial de Heinrich Himmler, membro da comitiva de Hitler. O casamento serviu como desculpa para Hitler permitir a presença de Eva em funções oficiais da chancelaria, já que ela poderia ser apresentava como cunhada de Fegelein.[9] Quando Fegelein foi preso nas semanas finais da guerra, tentando fugir para a Suíça ou para a Suécia, Hitler autorizou sua execução. Ele foi fuzilado por deserção no jardim da Chancelaria em 28 de abril de 1945.[5]

Casamento e morteEditar

Em abril de 1945, Eva foi de Munique para Berlim para ficar com Hitler no esconderijo do führer. Ela se recusou a deixá-lo conforme o Exército Vermelho se aproximava da capital.[7] Meia-noite entre 28 e 29 de abril, Hitler e Eva se casaram em uma pequena cerimonia civil. Como testemunhas estavam presentes Joseph Goebbels e Martin Bormann. Em seguida, Hitler teve um modesto café da manhã com a esposa, agora chamada de Eva Hitler.[10]

Depois das 13hs do dia 30 de abril de 1945, Hitler e Eva deram adeus aos membros da comitiva e aos ministros. Por volta de 15:30, várias pessoas ouviram um estampido de um tiro dentro do esconderijo.[1] Minutos depois, o assistente de Hitler, Heinz Linge, e seu chefe administrativo, Otto Günsche, entraram na pequena sala e encontraram os corpos de Hitler e de Eva em um pequeno sofá. Eva tinha mordido uma cápsula de cianeto e Hitler atirou contra a própria têmpora com sua arma.[1][2] Os corpos foram levados para o lado de fora, pela saída de emergência do esconderijo, até o jardim dos fundos da Chancelaria do Reich, onde foram queimados. Eva Braun tinha apenas 33 anos de idade.[2]

Os restos carbonizados foram encontrados pelos soviéticos. Em 11 de maio, o dentista de Hitler, Hugo Blaschke e seus assistentes confirmaram que os restos pertenciam de fato a Eva e Hitler.[6] Os soviéticos, secretamente, levaram os restos para a sede da SMERSH, em Magdeburg, junto dos corpos de Joseph e sua esposa, Magda Goebbels, além de seus seis filhos. Em 4 de abril de 1970, uma equipe da KGB exumou as caixas que continham os restos mortais. Eles foram incinerados e as cinzas foram espalhadas no rio Biederitz, um distributário do Elba.[11]

Outros membros da família Braun sobreviveram à guerra. Sua mãe, Franziska, morreu aos 96 anos em janeiro de 1976, morando em uma antiga casa de fazenda em Ruhpolding, na Bavária.[1] Seu pai, Fritz, morreu em 1964. Sua irmã mais nova deu à luz a uma menina em 5 de maio de 1945, a quem chamou de Eva. Ela depois se casaria com Kurt Beringhoff, morrendo em 1987. A irmã mais velha de Eva, Ilse, não era parte do círculo íntimo de Hitler. Ela se casou duas vezes e morreu em 1979.[1]

Ver tambémEditar

 
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Eva Braun

Referências

  1. a b c d e f g h i j k l m n Lambert, Angela (2006). The Lost Life of Eva Braun. Nova York: St. Martin's Press. 544 páginas. ISBN 978-0-312-36654-4 
  2. a b c JULIANA TIRABOSCHI (ed.). «O maior segredo do III Reich». Revista Galileu. Consultado em 4 de outubro de 2019 
  3. Laura Serrano-Conde (ed.). «Biografia marca centenário e mostra Eva Braun à sombra de Hitler». Portal Terra. Consultado em 4 de outubro de 2019 
  4. «Adolf Hitler e Eva Braun cometem suicídio». Canal History. Consultado em 4 de outubro de 2019 
  5. a b c d e f g h i Görtemaker, Heike B. (2011). Eva Braun: Life with Hitler. Nova York: Alfred A. Knopf. 310 páginas. ISBN 978-0-307-59582-9 
  6. a b Kershaw, Ian (2008). Hitler: A Biography. Nova York: W. W. Norton & Company. p. 34. ISBN 978-0-393-06757-6 
  7. a b c d e f Speer, Albert (1971). Inside the Third Reich. Nova York: Avon. ISBN 978-0-380-00071-5 
  8. Knopp, Guido (2003). Hitler's Women. Nova York: Routledge. ISBN 978-0-415-94730-5 
  9. Bullock, Alan (1999). Hitler: A Study in Tyranny. Nova York: Konecky & Konecky. ISBN 978-1-56852-036-0 
  10. Beevor, Antony (2002). Berlin: The Downfall 1945. Nova York: Viking Press. ISBN 978-0-670-03041-5 
  11. Vinogradov, V. K. (2005). Hitler's Death: Russia's Last Great Secret from the Files of the KGB. Nova York: Chaucer Press. ISBN 978-1-904449-13-3