Filadélfia (Lídia)

(Redirecionado de Filadélfia (Turquia))
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Filadélfia (desambiguação).
Filadélfia
Φιλαδέλφεια
Ruínas da Igreja de São João
Localização atual
Filadélfia está localizado em: Turquia
Filadélfia
Localização de Filadélfia na Turquia
Coordenadas 38° 21' 2" N 28° 31' 13" E
País  Turquia
Nome atual Alaşehir
Região estatística Egeu
Província Manisa
Dados históricos
Região histórica Lídia
Província romana Ásia

Filadélfia (em grego: Φιλαδέλφεια; romaniz.: Philadelpheia)[1] foi uma antiga cidade localizada na Lídia, sobre a qual está edificada a atual cidade turca de Alaşehir.[2]

HistóriaEditar

AntiguidadeEditar

Foi fundada em 189 a.C. pelo rei Eumenes II de Pérgamo (197–160 a.C.). Eumenes II batizou a cidade em honra do seu irmão, que seria seu sucessor, Átalo II (r. 159–138 a.C.), cuja lealdade lhe valeu o apelido de "Philadelphos", que significa literalmente "alguém que ama seu irmão". Na falta de um herdeiro Átalo III, o último rei da dinastia atálida de Pérgamo, legou seu reino (incluindo Filadélfia) a seus aliados romanos quando ele morreu em 133 a.C. Roma estabeleceu a província da Ásia em 129 a.C. unindo a Jônia e o antigo Reino de Pérgamo.

Período romanoEditar

Filadélfia ficava no distrito administrativo de Sárdis.[3] Em 17 d.C. a cidade sofreu muito com um terremoto e o imperador romano Tibério a dispensou de pagar impostos.[4] Em resposta, a cidade concedeu honras a Tibério. Evidências da cunhagem de moedas revelam que Calígula ajudou a cidade; sob Vespasiano a cidade recebeu o cognome Flávia. Sob Caracala passou a abrigar um culto imperial — suas moedas traziam a palavra Neokoron (literalmente, "varredor do templo" — zelador do templo). Um pequeno teatro localizado na extremidade norte da colina de Toptepe é tudo o que resta do período romano.

Período bizantinoEditar

Filadélfia foi uma cidade próspera nesse período, sendo chamada de "pequena Atenas" no século VI por causa de seus festivais e templos.[5] Presumivelmente, isso indica que a cidade não foi totalmente convertida ao cristianismo.[6] Por volta do ano 600 foi construída a cúpula da Basílica de São João, cujas ruínas são a principal atração arqueológica da cidade moderna. Os muros bizantinos que outrora cercaram a cidade praticamente desmoronaram, onde alguns remanescentes ainda são visíveis na extremidade nordeste da cidade. A cidade foi tomada pelos turcos seljúcidas em 1074 e 1093-1094. Em 1098 durante a Primeira Cruzada foi recuperada pelo imperador bizantino Aleixo I.

Foi o centro de várias revoltas contra os imperadores bizantinos no poder. Naquela época o bispado da Filadélfia foi promovido a metrópole.[7] No século XIV a cidade se tornou a metrópole da Lídia pelo patriarca ortodoxo grego de Constantinopla, um status que ainda mantém. Foi concedida essa honra porque a cidade não capitulou para os otomanos. A cidade foi próspera, especialmente nos séculos XIII e XIV; havia uma colônia comercial genovesa e a cidade era uma importante produtora de artigos de couro e de seda tingida de vermelho.[8] No século XIV, a cidade estava cercada por emirados turcos, mas mantinha uma lealdade nominal ao imperador bizantino. A cidade permaneceu próspera através do comércio e de sua localização estratégica.

Filadélfia era uma cidade independente e neutra quando foi tomada em 1390 pelo sultão otomano Bajazeto I após uma resistência prolongada, período em que todas as outras cidades da Ásia Menor haviam se rendido aos otomanos.

Contexto bíblicoEditar

É famosa por ser citada na bíblia em Apocalipse 1 e Apocalipse 3 como uma das sete igrejas da Ásia.[9][10][11]

ArqueologiaEditar

A principal atração arqueológica da antiga Filadélfia são as ruínas da Basílica de São João, uma igreja bizantina do início do século VII, onde as três colunas que permanecem sustentavam a cúpula da igreja. No extremo norte da colina de Toptepe, local da acrópole da cidade antiga, fica um pequeno teatro romano[12]. Os muros bizantinos que outrora cercavam a cidade praticamente desapareceram, embora alguns remanescentes sejam visíveis perto da estação de ônibus, na extremidade nordeste da cidade.[13]

Referências

  1. «Strong's Greek: 5359. Φιλαδέλφεια (Philadelpheia) -- Philadelphia, a city of Lydia». biblehub.com. Consultado em 8 de janeiro de 2020 
  2. «Bible Map: Philadelphia». bibleatlas.org. Consultado em 8 de janeiro de 2020 
  3. Plínio NH 5.111
  4. Tácito Annales 2.47, cf. Estrabão 12.8.18, 13.4.10
  5. Lydus de mensibus 4.58
  6. Eusébio de Cesareia, Historia Ecclesiastica 5.17
  7. Kiminas, Demetrius (2009). The Ecumenical Patriarchate. [S.l.]: Wildside Press LLC. p. 89. ISBN 9781434458766 
  8. I. Beldiceanu-Steinherr, "Notes pour l'histoire d'Alaşehir (Philadelphie) au XIVe siècle." In H. Ahrweiler, 1984, Philadelphie et autres etudes. Byzantina Sorbonensia 4. Centre de recherches d'histoire et de civilisation Byzantines. Paris, p. 33
  9. «Strong's Greek: 5359. Φιλαδέλφεια (Philadelpheia) -- 2 Occurrences». biblehub.com. Consultado em 8 de janeiro de 2020 
  10. Ver Apocalipse 1:11 e Apocalipse 3:7-13
  11. Harris, Stephen L., Understanding the Bible, Palo Alto, Mayfield, 1985.
  12. «Philadelphia». www.holylandphotos.org. Consultado em 14 de janeiro de 2020 
  13. «Atlas from Space: Satellite Close-up of Philadelphia (modern Alasehir)». web.archive.org. 3 de março de 2016. Consultado em 8 de janeiro de 2020 

BibliografiaEditar

  • The Letters to the Seven Churches of Asia And their place in the plan of the Apocalypse, W. M. Ramsay, D.C.L, Litt.D., LL.D., Professor of Humanity in the University of Aberdeen, 1904

Ver tambémEditar

Ligações externasEditar

 
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Filadélfia (Lídia)
  Este artigo sobre arqueologia ou arqueólogos é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.