Abrir menu principal
ViaQuatro Logo Mono.png TUE CAF - Frota P
Trem Linha Lilás.jpg
Trem P16 alinhando em Estação Santo Amaro
----
1ª VIAGEM DE TREM NO TRECHO ADOLFO PINHEIRO – BROOKLIN DA LINHA 5 – LILÁS, DO METRÔ (34847938225).jpg
Interior
----
Fabricante CAF
Fábrica Brasil Hortolândia
Período de construção 2013–2014
Entrada em serviço 2017
Total construídos 26 trens / 156 carros
Total em serviço 26
Total desmanchados 0
Formação 6 carros[1]
Capacidade 1502 (condição 6 pass/m²)[1], cerca de 2000 em condição 8 pass/m²
Operador ViaMobilidade logo.png ViaMobilidade (2018–2038)
Depósitos Pátio Capão Redondo e Pátio Guido Caloi
Linhas 5roxo.png Lilás
Especificações
Corpo Aço inoxidável
Comprimento do veículo 132,72 m[1]
Largura 2,800 m
Velocidade máxima 80 km/h (máxima de projeto)[1]
Aceleração 1,12 m/s²
Desaceleração 1,2 m/s² (serviço) / 1,5 m/s² (emergência)
Tipo de tração Elétrica (Corrente alternada)
Tipo de transmissão Manual / CBTC
Tipo de climatização HVAC (Ar Condicionado)
Alimentação 1500 Vcc
Captação de energia Via aérea (Catenária)
Classificação UIC BoBo + BoBo + BoBo + BoBo + BoBo + BoBo[1]
Truque "H" rígido
Freios regenerativo/reostático, pneumático (atrito)
segurança Interface de comunicação de áudio com operador / Botões de abertura de portas / Extintores de incêndio abaixo dos bancos / Travamento automático das folhas de portas
Bitola 1,435 m

A Frota P do Metrô de São Paulo é uma série de TUEs fabricados pela empresa CAF entre os anos de 2013 a 2014, para complementar a frota de veículos da Linha 5 - Lilás, quando da expansão de 11,5 km da linha entre Largo Treze (terminal da linha 5 Lilás até 2014[2]) e Chácara Klabin. Atualmente é operada pela concessionária ViaMobilidade[3].

Apesar de já entregues em 2014, sua operação se deu somente a partir de 2017, com a finalização da instalação da tecnologia CBTC na linha, pois é o único sistema embarcado.[4][5][6]

Características GeraisEditar

A Frota P do Metrô de São Paulo possui várias diferenças entre a frota original da linha 5 lilas, a Frota F. Dentre elas:[7][8][9]

  • Iluminação interna por LEDS
  • Open Gangway (amplo corredor de passagem entre um vagão e outro, permitindo ao passageiro se deslocar livremente entre os seis carros do trem)
  • Menor nível de ruído interno e externo
  • Câmeras de segurança dentro de todos os carros do trem, além de uma interna e uma externa às cabines
  • Sinalização CBTC
  • Janelas basculantes que podem ser destravadas remotamente em caso de problemas no sistema de ar-condicionado
  • Sistema de ar-condicionado duplo em cada salão
  • Monitores de LCD incorporados no teto do salão de passageiros
  • Sistema de controle anti-patinagem nos freios, para uma parada mais suave

HistóriaEditar

 
Uma composição repintada para o padrão ViaMobilidade alinhada na Estação Santa Cruz em outubro de 2019.

Com a extensão da linha 5-lilás iniciada oficialmente, em 2011 o Metrô lançou o edital da compra de uma nova frota de trens para suprir a demanda prevista para o novo trecho, que a única frota em operação na linha, a Frota F, seria incapaz de transportar sozinha. O prazo dessa licitação foi estipulado em 2 anos, pois a extensão da linha era prevista para 2014, os trens necessitando de ao menos 2 meses de testes para serem considerados seguros.[6] Porém, a extensão só ficou pronta em 2019 (com a inauguração da estação Campo Belo em abril[10]), o sistema CBTC sendo instalado somente em 2017[5], e os trens, entregues no prazo, tiveram de ser estacionados, além de no Pátio Capão Redondo, da linha 5-lilás, no Pátio Jabaquara (que necessitou de adaptações para conseguir abrigar essa nova frota, de bitola menor que as linhas atendidas por este pátio, a Linha 1 do Metrô de São Paulo, Linha 2 do Metrô de São Paulo e a Linha 3 do Metrô de São Paulo) e na fábrica da CAF em Hortolândia, pois a ampliação do Pátio Capão Redondo também não estivera concluída[11]. Foi somente em 2017, com a instalação do sistema de sinalização CBTC na linha 5, que a frota pôde finalmente iniciar sua operação, aliviando a intensa demanda sobre a Frota F, que já começara a apresentar defeitos[12] (previstos pelo Metrô, e uma das razões da compra da Frota P em primeiro lugar). Em 2018, com a concessão da linha 5-lilás para a ViaMobilidade, ambas as frotas da linha foram repassadas, recebendo uma nova adesivagem e pintura para refletir a nova administradora.[13]

Referências

  1. a b c d e http://www.caf.net/en/productos-servicios/proyectos/proyecto-detalle.php?p=254
  2. «Metrô inaugura estação Adolfo Pinheiro, da Linha 5-Lilás». Governo do Estado de São Paulo. 12 de fevereiro de 2014. Consultado em 23 de setembro de 2019 
  3. «Sobre a ViaMobilidade». www.viamobilidade.com.br. Consultado em 23 de setembro de 2019 
  4. Santos, Victor (terça-feira, 26 de setembro de 2017). «Blog Metrópole SP: Mudanças operacionais na CPTM e no Metrô». Blog Metrópole SP. Consultado em 23 de setembro de 2019  Verifique data em: |data= (ajuda)
  5. a b «CBTC e novos trens da Frota P estreiam na Linha 5». Metrô CPTM. 12 de março de 2017. Consultado em 23 de setembro de 2019 
  6. a b «Trens parados da Linha 5 serão investigados pela Justiça». Metrô CPTM. 19 de abril de 2018. Consultado em 23 de setembro de 2019 
  7. [1]
  8. «Sistemas de Tecnologia | Metrô São Paulo». www.metro.sp.gov.br. Consultado em 23 de setembro de 2019 
  9. «Diferenciais». www.viamobilidade.com.br. Consultado em 23 de setembro de 2019 
  10. Balacci, Luccas. «Metrô inaugura estação Campo Belo e completa linha 5-Lilás nesta segunda». Metro Jornal. Consultado em 23 de setembro de 2019 
  11. «Metrô quer colocar 12 trens da Frota P em funcionamento no segundo semestre». Metrô CPTM. 25 de abril de 2016. Consultado em 23 de setembro de 2019 
  12. «Trem da Frota F da Linha 5 aparece com pintura da ViaMobilidade». Metrô CPTM. 29 de janeiro de 2019. Consultado em 23 de setembro de 2019 
  13. Lobo, Renato (17 de agosto de 2018). «ViaMobilidade troca avisos sonoros dos trens». Via Trolebus. Consultado em 23 de setembro de 2019 

Ver tambémEditar

Ligações externasEditar