Furacão Nana (2020)

furacão no Atlântico de categoria 1 em 2020

Furacão Nana
Furacão categoria 1 (SSHWS/NWS)
imagem ilustrativa de artigo Furacão Nana (2020)
Nana cerca de nove horas antes da máxima intensidade aproximando-se de Belize em 2 de setembro
Formação 1 de setembro de 2020
Dissipação 4 de setembro de 2020

Ventos mais fortes sustentado 1 min.: 120 km/h (75 mph)
Pressão mais baixa 994 mbar (hPa); 29.35 inHg

Fatalidades Nenhum
Danos ≥20 milhões
Inflação 2020
Áreas afectadas Ilhas de Sotavento, Jamaica, Ilhas Caimão, Honduras, Belize, Guatemala, México
Parte da Temporada de furacões no oceano Atlântico de 2020

O furacão Nana foi um furacão de categoria 1 mínima que causou pequenos danos nos países de Belize e Guatemala no início de setembro de 2020. O décimo sexto ciclone tropical, a décima quarta tempestade nomeada e o quinto furacão da muito ativa temporada de furacões no Atlântico de 2020, Nana se originou de uma onda tropical perto das Pequenas Antilhas. O National Hurricane Center (NHC) começou a seguir a onda em 27 de agosto, dando-lhe uma baixa chance de formação. Ao contrário das previsões, a onda se organizou rapidamente, embora os dados não conseguissem localizar uma circulação fechada, e o sistema não foi designado um ciclone tropical. No entanto, o sistema continuou se organizando, e os dados de uma aeronave caçadora de furacões registaram ventos com força de tempestade tropical junto com uma circulação fechada; o NHC posteriormente chamou o sistema de Tempestade Tropical Nana em 1 de setembro. Nana se intensificou rapidamente naquele dia, embora o cisalhamento do vento tenha aumentado no início do dia seguinte, evitando que a tempestade se intensificasse ainda mais. No entanto, no início de 3 de setembro, a aeronave de reconhecimento descobriu que Nana havia se tornado um furacão pouco antes de fazer landfall no sul de Belize. Após o landfall, começou a enfraquecer rapidamente. No início de setembro 4, seu centro de baixo nível se dissipou e degenerou em um baixo remanescente de nível médio. Os remanescentes moveram-se para o Pacífico Oriental, onde se transformaram na Tempestade Tropical Julio.

Inúmeros alertas e avisos foram emitidos antes de Nana para partes de Belize, Guatemala, Honduras e México. A tempestade trouxe ventos fortes e chuvas moderadas a partes de Honduras. Nana é o primeiro furacão a atingir a costa de Belize desde Earl em 2016.[1]

História meteorológicaEditar

 
Mapa demarcando o percurso e intensidade da tempestade, de acordo com a escala de furacões de Saffir-Simpson

Em 23 de agosto de 2020, o National Hurricane Center (NHC) identificou uma onda tropical movendo-se para o oeste sobre a África Ocidental.[2] Uma ampla área de convecção desorganizada, principalmente a leste do eixo da onda, acompanhou o sistema conforme ele emergia sobre o Oceano Atlântico no dia seguinte.[3] A convecção aumentou em 27 de agosto conforme o sistema cruzava o Atlântico central, e o NHC notou a possibilidade de ciclogênese gradual nos dias seguintes.[4] Pouco desenvolvimento ocorreu nos próximos dias, conforme se aproximava das Ilhas de Barlavento.[5] Ao entrar no Mar do Caribe em 30 de agosto, o sistema começou a se organizar com evidências de uma ampla superfície baixa aparente em observações derivadas de satélite.[6] A convecção aumentou gradualmente à medida que o sistema continuou a oeste pelo Caribe e apareceu bem organizado nas imagens de satélite. Dados de dispersão e observações de navios revelaram ventos com força de tempestade tropical ao sul do Haiti e sudeste da Jamaica no início de 1 de setembro, embora o sistema ainda não tivesse uma baixa fechada.[7][8] Com o sistema representando uma ameaça iminente para a América Central, o NHC iniciou alertas sobre o sistema como Ciclone Tropical Potencial Dezesseis às 15:00 UTC. O centro estimado estava situado a cerca de 140 mi (225 km) ao sul-sudoeste de Kingston, Jamaica.[9] Com um anticiclone definido no alto, fornecendo amplo fluxo, altas temperaturas da superfície do mar e cisalhamento do vento de baixo a moderado, era esperada uma organização estável.[10] Pouco tempo depois, o reconhecimento de aeronaves confirmou uma superfície baixa bem definida com ventos de 70 mph (110 km/h) no alto com ventos de superfície estimados em 50 mph (85 km/h) neste momento. Assim, o sistema foi reclassificado como Tempestade Tropical Nana, marcando a formação mais precoce da décima quarta tempestade denominada de uma temporada, superando o recorde anterior estabelecido pelo Furacão Nate em 6 de setembro, 2005.[11][12]

 
Imagens infravermelhas de Nana em pico de intensidade, atingindo o continente em Belize

A tempestade ficou cada vez mais forte, obtendo ventos sustentados de 1 minuto de 60 mph (95 km/h) às 03:00 UTC em 2 de setembro.[13] Depois, cisalhamento norte moderado de 15 nós interromperam a tendência de intensificação e expuseram parcialmente o centro de circulação.[14] A pressão central de Nana oscilou entre 996 e 1000 mbars (29,41 e 29,53 inHg ) ao longo do dia em 2 de setembro, enquanto os ventos sustentados permaneceram estáveis em 60 mph. No dia seguinte, uma leve reforma do centro e uma explosão de convecção permitiram que Nana se intensificasse rapidamente para um furacão mínimo às 03:00 UTC em 3 de setembro - Simultaneamente, atingiu seu pico de intensidade de 75 mph (120 km/h) com uma pressão central mínima de 994 mbar (29,36 inHg).[15] Três horas depois, Nana atingiu a terra firme entre Dangriga e Placencia, em Belize, com intensidade semelhante, embora sua pressão tivesse subido um mbar.[16] Nana enfraqueceu rapidamente após o landfall, caindo abaixo do status de furacão às 09:00 UTC devido à interação com o terreno montanhoso sobre Belize e Guatemala.[17] Ele enfraqueceu ainda mais para uma depressão tropical às 21:00 UTC antes que seu centro de baixo nível se dissipasse, fazendo com que às 03:00 UTC em setembro 4 o NHC emitisse o seu parecer final sobre a tempestade.[18][19] Os remanescentes de Nana entraram no Golfo de Tehuantepec, onde mais tarde se desenvolveram novamente na Tempestade Tropical Julio no Pacífico Oriental em 5 de setembro.[20][21][22][23]

Preparações e impactoEditar

 
Nana logo após a formação em setembro 1

Vários alertas de tempestade tropical e avisos de tempestade tropical foram emitidos antes de Nana para partes de Belize e Honduras, com o anterior a atualizar seus alertas para avisos de furacão. Depois que Nana enfraqueceu abaixo do furacão, intensificou-se após o landfall às 09:00 UTC em 3 de setembro; como tal, todos os avisos de furacão foram cancelados. Avisos adicionais foram todos cancelados às 15:00 UTC, conforme Nana se movia mais para o interior e continuava a enfraquecer rapidamente.[14]

Ilhas de BarlaventoEditar

Entre 29–30 de agosto, o Escritório Met Office dos Barbados e o Serviço Meteorológico da Dominica emitiram alertas de inundações repentinas para os seus respectivos países, prevendo chuvas moderadas a fortes da onda precursora.[24][25] A Météo-France alertou os residentes na Martinica sobre a possibilidade de chuvas fortes e ventos fortes da onda tropical de 30–31 de agosto.[26] As chuvas e tempestades associadas produziram até 110 mm (4.3 in) de chuva em Grand'Rivière e rajadas de vento para 84 km/h (52 mph) em Fonds-Saint-Denis.[27] Aproximadamente 5 600 clientes perderam energia em Le François, Vert-Pré, La Trinité, Tartane e L'Ajoupa-Bouillon. A EDF enviou equipes de energia logo após a passagem da tempestade.[26] As áreas do sul de Guadalupe viram chuvas fortes; Goyave registou uma acumulação de 12 horas de 96 mm (3.8 in). A vizinha Îles des Saintes registou 80 mm (3.1 in).[28] Em Santa Lúcia, o aumento da turvação e o entupimento devido às fortes chuvas forçaram o fechamento temporário da Estação de Tratamento Theobalds, que cortou o abastecimento de água aos residentes nas partes do norte do país.[29]

BelizeEditar

Em preparação para Nana, os residentes de Belize encheram as lojas de ferramentas e mercearias, apesar da pandemia de COVID-19 em curso.[30] Mais de 4 000 pessoas na parte sul do país foram evacuadas para abrigos fornecidos pelo governo.[31] Uma estação em Carrie Bow Cay relatou uma velocidade do vento de 61 mph (98 km/h) quando a tempestade atingiu a costa.[16] Relatos preliminares do sul de Belize indicaram que centenas de hectares de plantações de banana foram perdidos com a tempestade. Uma semana depois da tempestade, foi relatado que 960 acres de plantações de banana foram totalmente destruídos.[32][33] As equipes de avaliação de danos relataram 7 estruturas danificadas em Hopkins, 13 em Silk Grass e 4 casas em Dangriga com telhado danificado. No geral, Nana causou cerca de US $ 20 milhões em danos às plantações de banana em Belize.[34]

Em outro lugarEditar

Em Honduras, as chuvas de Nana causaram enchentes em Coxen Hole.[30] Guatemala registou fortes chuvas, especialmente ao longo da sua fronteira com o México. O coordenador nacional de desastres do país não relatou mortes. Ninguém foi evacuado devido à tempestade na Guatemala.[31] No México, o principal impacto de Nana foram chuvas fortes. Uma faixa de até 8 in (200 mm) foi relatado ao longo do caminho de Nana no leste do México.[35]

Ver tambémEditar

  • Outras tempestades com o mesmo nome
  • Ciclones tropicais em 2020
  • Furacão Fifi – Orlene (1974) - seguiu um caminho semelhante ao de Nana, tornando-se uma furacão de categoria 2 extremamente mortal e com passagem para o Pacífico
  • Furacão Keith (2000) - Furacão de categoria 4 que parou perto da costa de Belize antes de atingir o continente como um furacão mínimo
  • Furacão Iris (2001) - Um furacão de categoria 4 menor, mas devastadora que tomou um caminho quase idêntica.
  • Furacão Richard (2010) - atingiu Belize como um furacão de categoria 2
  • Tropical Storm Harvey (2011) - Tomou um caminho semelhante a Nana
  • Furacão Earl (2016) - Tomou um caminho semelhante a Nana

Referências

  1. Sosnowski, Alex (2 de setembro de 2020). «Nana strikes Belize as hurricane with damaging winds, flooding rainfall». AccuWeather. Consultado em 3 de setembro de 2020 
  2. Rubio, Gladys (23 de agosto de 2020). Tropical Weather Discussion (Relatório). National Hurricane Center. Consultado em 1 de setembro de 2020 
  3. Tichacek, Mike (24 de agosto de 2020). Tropical Weather Discussion (Relatório). National Hurricane Center. Consultado em 1 de setembro de 2020 
  4. Latto, Andrew (27 de agosto de 2020). Five-Day Graphical Tropical Weather Outlook (Relatório). National Hurricane Center. Consultado em 1 de setembro de 2020 
  5. Beven, Jack (29 de agosto de 2020). Five-Day Graphical Tropical Weather Outlook (Relatório). National Hurricane Center. Consultado em 1 de setembro de 2020 
  6. Stewart, Stacy (30 de agosto de 2020). Five-Day Graphical Tropical Weather Outlook (Relatório). National Hurricane Center. Consultado em 1 de setembro de 2020 
  7. Berg, Robbie (1 de setembro de 2020). Five-Day Graphical Tropical Weather Outlook (Relatório). National Hurricane Center. Consultado em 1 de setembro de 2020 
  8. Stewart, Stacy (1 de setembro de 2020). Five-Day Graphical Tropical Weather Outlook (Relatório). National Hurricane Center. Consultado em 1 de setembro de 2020 
  9. Stewart, Stacy (1 de setembro de 2020). Potential Tropical Cyclone Sixteen Advisory Number 1 (Relatório). National Hurricane Center. Consultado em 1 de setembro de 2020 
  10. Stewart, Stacy (1 de setembro de 2020). Potential Tropical Cyclone Sixteen Discussion Number 1 (Relatório). National Hurricane Center. Consultado em 1 de setembro de 2020 
  11. Stewart, Stacy (1 de setembro de 2020). Tropical Storm Nana Discussion Number 2 (Relatório). National Hurricane Center. Consultado em 1 de setembro de 2020 
  12. Jones, Judson (1 de setembro de 2020). «Nana, churning toward Central America, is the earliest 14th named storm to form in Atlantic». CNN. Consultado em 1 de setembro de 2020 
  13. «Tropical Storm NANA». www.nhc.noaa.gov. Consultado em 2 de setembro de 2020 
  14. a b «Tropical Storm NANA Advisory Archive». www.nhc.noaa.gov. Consultado em 2 de setembro de 2020 
  15. «Hurricane NANA». www.nhc.noaa.gov. Consultado em 3 de setembro de 2020 
  16. a b «Hurricane NANA». www.nhc.noaa.gov. Consultado em 3 de setembro de 2020 
  17. «Tropical Storm NANA». www.nhc.noaa.gov. Consultado em 3 de setembro de 2020 
  18. «Tropical Depression NANA». www.nhc.noaa.gov. Consultado em 4 de setembro de 2020 
  19. «Remnants of NANA». www.nhc.noaa.gov. Consultado em 4 de setembro de 2020 
  20. «NHC Graphical Outlook Archive». www.nhc.noaa.gov. Consultado em 4 de setembro de 2020 
  21. «NHC Graphical Outlook Archive». www.nhc.noaa.gov. Consultado em 4 de setembro de 2020 
  22. «NHC Graphical Outlook Archive». www.nhc.noaa.gov. Consultado em 4 de setembro de 2020 
  23. «Tropical Storm JULIO». www.nhc.noaa.gov. Consultado em 5 de setembro de 2020 
  24. King, Katrina (29 de agosto de 2020). «Update: Flash flood watch extended to 6 am on Sunday». Loop News Barbados. Consultado em 1 de setembro de 2020 
  25. Dominica Meteorological Service (30 de agosto de 2020). «Weather Update: (6: 00 PM, August 30): Flood watch discontinued for Dominica». Dominica News Online. Consultado em 1 de setembro de 2020 
  26. a b «Une dizaine d'incidents survenue sur le réseau électrique d'EDF, environ 5 600 clients impactés» (em francês). ZayActu. 30 de agosto de 2020. Consultado em 1 de setembro de 2020 
  27. Lorand, Karl (30 de agosto de 2020). «Après des fortes pluies et des rafales de vent, la Martinique repasse au vert» (em francês). RCI. Consultado em 1 de setembro de 2020 
  28. «La Martinique et la Guadeloupe de retour au vert, l'onde tropicale s'évacue en mer des Caraïbes» (em francês). ZayActu. 30 de agosto de 2020. Consultado em 1 de setembro de 2020 
  29. «Residents in the North and South to experience interruption in Water Supply». St. Lucia Star (em inglês). 31 de agosto de 2020. Consultado em 1 de setembro de 2020 
  30. a b Travis Fedschun, Janice Dean. «Hurricane Nana makes landfall in Belize, brings floods to Honduras;Omar to dissipate». Fox News 
  31. a b «Hurricane Nana hits Belize, then dissipates over Guatemala». AP NEWS. 3 de setembro de 2020. Consultado em 4 de setembro de 2020 
  32. Staff (3 de setembro de 2020). «Farms in southern Belize lose hundreds of acres to Hurricane Nana». Breaking Belize News. Consultado em 3 de setembro de 2020 
  33. «Nana hits Belize — no lives lost, but lots of damage!». Amandala. 5 de setembro de 2020. Consultado em 7 de setembro de 2020 
  34. «Global Catastrophe Recap September 2020» (PDF). Aon. 8 de outubro de 2020. Consultado em 8 de outubro de 2020. Cópia arquivada (PDF) em 8 de outubro de 2020 
  35. «Hurricane Nana downgraded to tropical storm after landfall in Belize » Yale Climate Connections». Yale Climate Connections. 3 de setembro de 2020. Consultado em 4 de setembro de 2020 

Ligações externasEditar