Abrir menu principal
Gabalas VI
Rei gassânida
Reinado 628636
Antecessor(a) Aretas ibne Chamor
Sucessor(a) Conquista muçulmana
 
Dinastia gassânida
Religião Cristianismo

Gabalas VI (em grego: Γαβαλᾶς), também citado como Jabalá ibne Alaiam (Jabalah ibn al-Ayham, lit. "Jabalá, o irresistivelmente corajoso"[1]) em árabe, foi o último rei gassânida, uma tribo árabe cristã que habitou o noroeste da Arábia. Quando questionado por emissários muçulmanos, recusou-se a se converter ao islamismo e lutou ao lado dos bizantinos nas campanhas contra os invasores muçulmanos. Após a derrota na Batalha de Jarmuque em 636, submeteu-se ao califado, mas ao ser obrigado a se converter, fugiu para o Império Bizantino.

Índice

VidaEditar

 
Tremisse de Heráclio (r. 610–641)
 
Vista sobre o local da batalha de Jarmuque

Gabalas foi rei e sucessor de Aretas ibne Chamir. Em 628-629, Maomé enviou os emissários Amar ibne Iácer e Chuja ibne Uabe Alaçadi à corte gassânida para converter os gassânidas ao islã.[2] Eles foram bem recebidos por Gabalas, mas ele não aceitou a conversão. Entre 632–636, o Reino Gassânida foi paulatinamente conquistado com as cidades árabes da fronteira do Império Bizantino caindo sob proteção muçulmana e como reação o imperador Heráclio (r. 610–641) nomeou Gabalas como rei de todos os árabes como contra-medida.[3] Segundo um selo de cobre, datado de 630 ou os anos imediatamente seguintes, ele também foi nomeado patrício.[4]

Durante as expedições bizantinas para expelir os invasores muçulmanos do Levante, Gubazes foi um dos principais comandantes a servirem sob Heráclio e esteve entre aqueles com quem o imperador se consultou.[5] Em 636, reuniu-se com Baanes, Nicetas e Teodoro Tritírio para confrontar os árabes.[6][7] Ele liderou o efetivo árabe cristão do exército (segundo Baladuri uma vanguarda de árabes naturalizados da Síria oriundos das tribos dos lacmidas, judamidas, etc.) na Batalha de Jarmuque (15-20 de agosto). Antes do confronto, Baanes, comandante supremo do exército, enviou-o para negociar com os muçulmanos o que, contudo, se revelou infrutífero.[8]

Após a derrota, decidiu converter-se. De acordo com Baladuri, quando aproximou-se de Meca, foi bofeteado por um indivíduo do clã Banu Muzaina, que foi convocado pelo general Abu Ubaidá ibne Aljarrá para interrogatório.[9] Em outra ocasião, como relatado pelo mesmo autor, o rei dirigiu-se ao califa Omar (r. 634–644) e questionou-o se ele deveria pagar o sádica, que era um imposto destinado aos nômades, o que colocaria-o numa situação de inferioridade. Omar teria respondido que ele poderia pagar a jizia em seu lugar.[10]

Em 638, Gabalas reuniu aproximados 30 000 apoiantes e partiu em direção ao Império Bizantino.[11] É provável que a rota de fuga do Califado Ortodoxo ao território bizantino foi Raca ou Calínico, na Mesopotâmia Superior.[12] Gabalas foi assentado em Carsiano, próximo de Melitene,[13] onde viveu até 645, quando faleceu. Os gassânidas foram dispersos na Ásia Menor.[3]

PosteridadeEditar

Segundo Guy Le Strange, ele foi o construtor do porto de Balatunus, na Síria.[14] O poeta árabe dos séculos VI e VII Haçane ibne Talibe dedicou-lhe um panegírico.[15] Segundo um relato lendário, durante o Cerco de Constantinopla (674–678) conduzido pelo futuro califa omíada Iázide I (r. 680–683), era possível ouvir gritos de jubilação vindos de duas tendas separadas, uma árabe e outra bizantina, que ecoavam a medida que os soldados agiam em combate. Ao saber que em uma das tendas estava a filha do imperador e na outra a filha de Gabalas, Iázide empenhou-se muito para capturá-la.[16]

Alguns autores muçulmanos, dentre eles Almaçudi, alegaram que o imperador Nicéforo I, o Logóteta (r. 802–811) era membro dos jafnidas e descendente de Gabalas.[17] ibne Saíde Almagribi alegou que o rei dos catalães (etnônimo utilizado pelos árabes para descrever os cristãos do norte da Península Ibérica) descendia de Gabalas, enquanto Alumari alega que os catalães eram fruto de uma mistura entre francos e os árabes descendentes do rei gassânida.[18] Sabe-se também que os residentes de Carsiano viam-se como descendentes dos gassânidas de Gabalas.[19]

Referências

  1. Shahîd 2009, p. 343.
  2. Vaiou 2015, p. 59.
  3. a b Bowersock 1999, p. 469.
  4. Kaegi 2003, p. 242.
  5. Kaegi 1992, p. 14.
  6. Kaegi 2003, p. 244; 280; 295.
  7. Kaegi 1992, p. 120; 132-133; 186.
  8. Nicolle 1994, p. 64.
  9. Donner 1981, p. 74.
  10. Donner 1981, p. 252.
  11. Iqbal 2009, p. 112.
  12. Kaegi 1992, p. 171-172.
  13. Martindale 1992, p. 497.
  14. Le Strange 2010, p. 416.
  15. ibn al-Ashtarkuwi 2002, p. 432, n. 11.
  16. Hitti 2002, p. 201.
  17. El-Cheikh 2004, p. 95.
  18. König 2015, p. 205-206.
  19. Cooper 2012, p. 42.

BibliografiaEditar

  • Bowersock, Glen Warren; Brown, Peter; Grabar, Oleg (1999). Late Antiquity: A Guide to the Postclassical World. Cambridge, Massachusetts: Harvard University Press. ISBN 0674511735 
  • Cooper, Eric; Decker, Michael J. (2012). Life and Society in Byzantine Cappadocia. Londres: Palgrave Macmillan 
  • Donner, Fred McGraw (1981). The Early Islamic Conquests. Princeton, Nova Jérsei: Princeton University Press 
  • El-Cheikh, Nadia Maria (2004). Byzantium Viewed by the Arabs. Cambridge, Massachusetts; Londres, Inglaterra: Harvard CMES 
  • Hitti, Philip K. (2002). History of The Arabs. Londres: Palgrave Macmillan 
  • ibn al-Ashtarkuwi, Muhammad ibn Yusuf (2002). Monroe, James T. (trad.), ed. al-Maqamat al-Luzumiyah by Abul-Tahir Muhammad ibn Yusuf al-Tamimi al-saraqusti ibn al-Astarkuwi. XXII. Leida, Boston e Colônia: Brill 
  • Iqbal, Zafar; Lewis, Mervyn (2009). An Islamic Perspective on Governance. Cheltenham, Reino Unido; Northampton, Massachusetts: Edward Elgar Publishing. ISBN 1848449224 
  • Kaegi, Walter E. (1992). Byzantium and the Early Islamic Conquests. Cambridge: Cambridge University Press 
  • König, Daniel G. (2015). Arabic-Islamic Views of the Latin West: Tracing the Emergence of Medieval Europe. Oxford: Oxford University Press 
  • Le Strange, Guy (2010). Palestine Under the Moslems: A Description of Syria and the Holy Land from A. D. 650 To 1500. Nova Iorque: Cosimo, Inc. 
  • Martindale, John R.; Jones, Arnold Hugh Martin; Morris, John (1992). The Prosopography of the Later Roman Empire - Volume III, AD 527–641. Cambridge e Nova Iorque: Cambridge University Press. ISBN 0-521-20160-8 
  • Shahîd, Irfan (2009). Byzantium and the Arabs in the Sixth Century: Toponymy, monuments, historical geography and frontier studies. Washington: Dumbarton Oaks Research Library and Collection 
  • Vaiou, Maria (2015). Diplomacy in the Early Islamic World: A Tenth-century Treatise on Arab-Byzantine Relations. Londres e Nova Iorque: I.B.Tauris