Godofredo Rangel

escritor brasileiro

José Godofredo de Moura Rangel (21 de novembro de 18844 de agosto de 1951) foi um escritor e tradutor brasileiro, nascido em Carmo de Minas, Minas Gerais.

Godofredo Rangel
Nome completo José Godofredo de Moura Rangel
Nascimento 21 de novembro de 1884
Carmo de Minas, Minas Gerais
Morte 4 de agosto de 1951
Belo Horizonte, Minas Gerais
Nacionalidade  Brasil
Cônjuge Bárbara Pinto de Andrade
Filho(a)(s) Nello, Caio, Tullio, Duse
Ocupação escritor, tradutor
Principais trabalhos Falange Gloriosa (1917/ 1955), Vida Ociosa (1920)

BiografiaEditar

Godofredo Rangel nasceu em 21 de novembro de 1884, filho de João Sílvio de Moura Rangel e Clara Augusta Gorgulho Rangel. De 1884 a 1886, reside com os pais em Três Corações e Carmo de Minas (ex-Silvestre Ferraz), em Minas Gerais. Aos 12 anos já escrevia, desde pequenos jornais manuscritos, com noticiários, páginas literárias, até peças de teatro nas quais atuou muitas vezes com papéis femininos.

Com a morte do pai, Godofredo se mudou, entre 1886 e 1902, para São Paulo, onde estudou no Colégio Oficial e ingressou na Faculdade de Direito das Arcadas - USP. Nessa época, mediante as dificuldades financeiras da família, começou a trabalhar como escrivão de subdelegacia em um Posto Policial, em 1902. Em um de seus plantões conheceu o jovem poeta Ricardo Gonçalves.

Rangel foi transferido, algum tempo depois, para Belenzinho, onde alugou um chalé, na Rua 21 de Abril, endereço que ficou conhecido como “Minarete”, uma república de estudantes, onde seria a sede do “Cenáculo”, quando Godofredo conheceu Monteiro Lobato, Lino Moreira, Tito Lívio Brasil, Albino Camargo, Cândido Negreiros, Raul de Freitas e José Antonio Nogueira. Começam a freqüentar o Café Guarany, onde têm mesa cativa, centro da boemia literária do grupo.

Em 1903 inicia a correspondência com Lobato que irá, mais tarde, constituir o livro “A Barca de Gleyre”. É nesse ano que surge, também, o jornal “Minarete”, de Pindamonhangaba, de propriedade de Benjamim Pinheiro, que durou até 1907, e vários integrantes do grupo se iniciaram nas letras nesse jornal.

Godofredo se mudou para Campinas, em 1904, onde lecionou no Instituto Cesário Mota, célebre educandário da cidade, hoje extinto. Ainda em 1904 retornou a Minas Gerais, e fixou-se em Silvestre Ferraz, atual Carmo de Minas, onde lecionou. Conheceu José Fernandes, diretor do Colégio, que inspirará um de seus maiores personagens. Iniciou o namoro com a futura esposa.

Em 1906, já bacharel, casou-se com Bárbara Pinto de Andrade, que conhecera em Caldas. Em 1907 foi nomeado Promotor Público de Cambuí (MG), resignando ao cargo sem conhecer a comarca. Visita Monteiro Lobato, então Promotor Público em Areias, no Vale do Paraíba (SP). Em 1909 ingressou na Magistratura, e foi nomeado Juiz Municipal do Machado (MG), local que retratará em passagens do romance de estréia.

Em 10 de junho de 1909 nasceu seu primeiro filho, Nello, o maior responsável pelas informações sobre Godofredo; em 3 de maio de 1911, o segundo filho, Caio; em 7 de dezembro de 1912, o terceiro, Tullio.

Em 1916, suicidou-se em São Paulo o amigo Ricardo Gonçalves, poeta dos “Ipês”, provocando grande abalo nos membros do grupo.

Em 1917 publicou os capítulos do romance “Vida Ociosa”, no “Estadinho” (edição vespertina do Estado de São Paulo), toda a “Falange Gloriosa”, em rodapé, e contos de “Andorinhas”. Publicou a gramática “Estudo Practico de Português”. Em 21 de fevereiro de 1917 nasceu sua filha, Duse.

Em 1918, deixou Santa Rita do Sapucaí (MG), para onde fôra removido. Promovido a Juiz de Direito, serviu em Estrela do Sul, Três Pontas e Passos, lecionando sempre. Em Sapucaí, visando melhorar a receita, foi contador de uma usina elétrica.

Após muita persistência dos amigos, Godofredo consentiu, em 1920, na publicação de “Vida Ociosa – romance da vida mineira”, em livro, edição da Revista do Brasil, de Monteiro Lobato & Cia Editores. Em 1922 publicou seu primeiro livro de contos, “Andorinhas”, pela mesma editora; em 1929 publicou “A Filha”, uma narrativa romântica, em edição da Imprensa Oficial de Minas Gerais.

os romances “Falange Gloriosa” e “Os Bem Casados” foram publicados postumamente em 1955. Rangel traduziu cerca de 70 obras, muitas delas publicadas por Lobato na Companhia Editora Nacional.

Em 1937 aposentou-se como Juiz de Direito de terceira entrância, titular da comarca de Lavras (MG), e foi residir em Belo Horizonte. Em 1939 foi eleito para a Academia Mineira de Letras (AML), ocupando a Cadeira número 13, cujo patrono é Xavier da Veiga e fundador Carmo Gama.

Em 1943 lançou dois livros infantis, “Um passeio à casa de Papai Noel” e “Histórias do tempo do onça”, ambos pela Companhia Editora Nacional, São Paulo. Em 1944 publicou o segundo livro de contos, “Os Humildes”, pela Editora Universitária, de São Paulo, com prefácio de Lobato.

Em 1944, Monteiro Lobato publicou a primeira edição de “A Barca de Gleyre”, englobando a correspondência entre ele e Godofredo por mais de 40 anos, de 1903 até 1948.[1] Rangel recusou-se terminantemente a publicar suas cartas, alegando que elas não possuíam outro mérito além de provocar excelentes respostas de Lobato. Anos mais tarde o segundo volume de “A Barca de Gleyre” foi publicado, novamente com o habitual silêncio de Rangel.

Em 1948 faleceu Monteiro Lobato, e Rangel publica dois belos artigos lembrando o companheiro de toda a vida.[2] No dia 4 de agosto de 1951, três anos após a morte de Monteiro Lobato, Godofredo Rangel faleceu em Belo Horizonte, aos 66 anos, vítima de uma enfermidade que há muito o rodeava. Muitos dos seus amigos do “Minarete” já haviam falecido. Foi sepultado em 5 de agosto no Cemitério do Bonfim, na Capital mineira.

Em 1955 foram publicados, em edições póstumas, os romances “Falange Gloriosa” e “Os Bem Casados”, ambos pela Melhoramentos.

Homenagens e legadoEditar

  • Em 1977 foi publicado o livro “Godofredo Rangel”, primeira biografia do escritor, de autoria de Enéas Athanázio (Gráfica Editora 73, Curitiba).
  • Em 1988 foi lançado o livro “O Amigo Escrito”, pelo Governo do Estado de Santa Catarina, biografia definitiva, também de autoria de Enéas Athanázio.[3]
  • Autran Dourado, em ‘O Artista Aprendiz’, transformou Godofredo Rangel em personagem.

ObrasEditar

Romances
  • Falange Gloriosa (1917) – romance publicado inicialmente como folhetim no Estado de São Paulo. Foi publicado como livro postumamente, em 1954.[4] [5]
  • Vida Ociosa (1920) – romance, publicado inicialmente na Revista do Brasil (1917), e em livro em 1920.[6]
  • A Filha (1929)
  • Os Bem Casados (1955) – publicado postumamente como romance
Contos
  • Andorinhas (1921) – contos.
  • Os Humildes (1944) – contos.
Livros infantis
  • Um passeio à casa de Papai – Noel (1943)
  • Histórias do tempo do onça (1943)
Trabalhos em periódicos
  • Inúmeros trabalhos publicados em suplementos, jornais e revistas, como a “Revista do Brasil” e “Alterosa”, entre outros.
  • A Syncope. In: Verde: revista mensal de arte e cultura. Cataguases, nº3. Ed. Facsimilar. São Paulo: Metal Leve, 1978. p. 17.[7]
Outros

TraduçõesEditar

Rangel fez mais de 50 traduções, do inglês, do francês e do espanhol.

Notas e referênciasEditar

  1. Biografia de Godofredo Rangel
  2. ATHANÁZIO, Enéas, Cronologia Rangeliana, 2007, CooJornal nº 538. In CooJornal
  3. Idem, ibidem
  4. BEDÊ, Ana Luiza Reis. Monteiro Lobato e a presença francesa em A Barca de Gleire, São Paulo: Annablume/Fapesp, 2007. p. 24. ISBN 978-85-7419-697-8
  5. Sandanello, Franco Baptista. «Opostos, mas justapostos: os dois lados da educação n'O Ateneu, de Raul Pompéia, e em Falange Gloriosa, de Godofredo Rangel» (em inglês) 
  6. Idem, ibidem, p. 24.
  7. SIQUEIRA, Jesana Lílian. MODERNISMO MINEIRO: SOCIABILIDADE E PRODUÇÃO INTELECTUAL NA DÉCADA DE 1920. Juiz de Fora: 2008. In [1]
  8. Biblioteca de São Paulo[ligação inativa], Acervo Monteiro Lobato
  9. a b c d e Englekirk, John E. Bibliografia de Obras Norteamericanas em Tradução Portuguesa. [S.l.]: Tulane University 
  10. Ellery Queen é o pseudônimo de Frederick Dannay e Manfred Bennington Lee.
  11. Catálogo da Companhia Editora Nacional[ligação inativa]
  12. ATHANÁZIO, Enéas, Cronologia Rangeliana, 2007, CooJornal nº 634. In CooJornal
  13. «Catálogo da Companhia Editora Nacional». Consultado em 7 de janeiro de 2012. Arquivado do original em 21 de maio de 2013 
  14. «Catálogo da Companhia Editora Nacional». Consultado em 7 de janeiro de 2012. Arquivado do original em 21 de maio de 2013 
  15. «Catálogo da Companhia Editora Nacional». Consultado em 7 de janeiro de 2012. Arquivado do original em 21 de maio de 2013 
  16. «Catálogo da Companhia Editora Nacional». Consultado em 7 de janeiro de 2012. Arquivado do original em 21 de maio de 2013 
  17. «Catálogo da Companhia Editora Nacional». Consultado em 7 de janeiro de 2012. Arquivado do original em 21 de maio de 2013 

Referências bibliográficasEditar

  • ATHANÁSIO, Enéas. Godofredo Rangel. Curitiba: Gráf. Ed. 73, 1977.
  • CASSAL, Suely. Rangel, o anjo do Cenáculo. In: ——. Amigos escritos: correspondência literária entre Monteiro Lobato e Godofredo Rangel. São Paulo: Imprensa Oficial,2002. p. 75-83.
  • COUTINHO, Afrânio; SOUSA, J. Galante de. Enciclopédia de literatura brasileira. São Paulo: Global; Rio de Janeiro: Fundação Biblioteca Nacional, Academia Brasileira de Letras, 2001: 2v.
  • ENGLEKIRK, John. E. (1946). Bibliografia de Obras Norteamericanas em Traducão Portuguesa. New Orleans: Tulane University. [S.l.: s.n.] 
  • FONSECA, João Garcia da. Três Corações e sua história. Belo Horizonte: Imprensa Oficial de Minas Gerais, 1984.
  • LARAIA, Roque de barros. Cultura: um conceito antropológico. 16 ed. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2003.
  • LOBATO, Monteiro. A barca de Gleyre. São Paulo: Brasiliense, 1950.
  • SANDANELLO, Franco Baptista. Opostos, mas justapostos: os dois lados da educação n'O Ateneu, de Raul Pompeia, e em Falange gloriosa, de Godofredo Rangel. Terra roxa e outras terras, v. 30, p. 85-96, dez. 2015. [1]
  • SILVA, Ana Claudia da. A caligrafia do anjo: fortuna crítica de Godofredo Rangel. Memento, v. 5, n. 2, p. 8-28, jul-dez. 2014.
  • SILVA, Danyelle Marques Freire da. A constituição do espaço em Vida ociosa, de Godofredo Rangel. Três Corações: Universidade Vale do Rio Verde, 2013

Ligações externasEditar