Grande incêndio de Roma

(Redirecionado de Grande Incêndio de Roma)

O grande incêndio de Roma teve início na noite do dia 18 de julho de 64 d.C., afetando 10 das 14 zonas da antiga cidade de Roma, três das quais foram completamente destruídas.[1]

O incêndio de Roma, 18 de julho de 64,
óleo de Hubert Robert, no Museu de Arte Moderna André Malraux, em Le Havre

O fogo alastrou-se rapidamente pelas áreas mais densamente povoadas da cidade, com as suas ruelas sinuosas. O fato de a maioria dos romanos viverem em ínsulas, edifícios altamente inflamáveis devido à sua estrutura de madeira, de três, quatro ou cinco andares, ajudou à propagação do incêndio.[2]

Nestas condições, o incêndio prolongou-se por seis dias seguidos até que pudesse ser controlado. O antigo Templo de Júpiter Estator e o lar das Virgens Vestais foram destruídos, bem como dois terços da antiga cidade.[2]

De acordo com Tácito e posterior tradição cristã, o imperador Nero culpou a devastação da comunidade cristã na cidade, iniciando a primeira perseguição do império contra os cristãos.[3]

AntecedentesEditar

Incêndios registrados anteriormente em RomaEditar

Incêndios em Roma eram comuns, especialmente em casas, e incêndios que ocorreram anteriormente em Roma e destruíram partes de grandes edifícios incluem:[4]

TácitoEditar

Publius Cornelius Tacitus foi senador e historiador do Império Romano. Sua data de nascimento exata é desconhecida, mas a maioria das fontes a coloca em 56 ou 57 d.C. Suas duas obras principais, os Anais e as Histórias, cobriram a história do império entre 14 e 96 d.C. foram perdidos, incluindo os livros que cobrem eventos após 70 d.C. Ele tinha apenas oito anos de idade na época do incêndio, mas foi capaz de usar registros e relatórios públicos para escrever um relato preciso.[5]

VigíliasEditar

Após o incêndio em 6 d.C., as Vigílias ("coortes dos vigias") foram introduzidas por Augusto. Os cohortes vigilum, dirigidos por libertos, foram encarregados de vigiar Roma à noite, enquanto os cohortes urbanae foram encarregados de vigiar Roma durante o dia.[6] Na época do Grande Incêndio de Roma, havia milhares de Vigilantes na cidade e eles tinham ido trabalhar tentando parar as chamas despejando baldes de água em prédios, tentando mover material inflamável do caminho do fogo, e até mesmo demolir prédios para tentar fazer um apagão.[7] Em 22 a.C. Augusto financiou uma brigada de incêndio.[8]

O sistema de água de RomaEditar

Antes do incêndio, a água de Roma era trazida por nove aquedutos que não estavam equipados com equipamentos para combater incêndios. Realizar reparos nos aquedutos era uma tarefa contínua para o Comissário de Águas de Roma. O comissário de água de Roma também estava encarregado de investigações sobre aqueles que estavam canalizando água ilegalmente sem pagar uma taxa de licença ao estado.[9] Os bombeiros contaram com cobertores, baldes de água, vinagre e demolição de prédios para apagar incêndios.[10]

Nero e o incêndio de RomaEditar

Existem várias versões sobre a causa do incêndio. A versão mais contada é a de que os moradores que habitavam as construções de madeira usavam do fogo para se aquecer e se alimentar. E por algum acidente, o fogo se alastrou. Para piorar a situação, ventos fortes arrastavam o fogo pela cidade.[2]

Outra versão famosa, é de que o imperador Nero teria ordenado o incêndio com o propósito de construir um complexo palaciano, já que o senado romano havia indeferido o pedido de desapropriação para a obra.[11] Há ainda a versão, concebida por romancistas cristãos pósteros que, atribuindo ao imperador a condição de demente, pretende que ele provocou o incêndio para inspirar-se, poeticamente, e poder produzir um poema, como Homero ao descrever o incêndio de Troia.

Segundo algumas fontes, enquanto o fogo consumia a cidade, Nero contemplava o cenário, tocando com sua lira.[1] Esta cena é retratada no romance Quo Vadis.[12]

Todavia, o fato de, posteriormente, ter usado seus agentes para adquirir, a preço vil, terrenos nas imediações de seu palácio, com a provável intenção de ampliá-lo, tornou-o suspeito, junto ao povo, de ter responsabilidade no sinistro.[13]

Para Massimo Fini, Nero teria sido caluniado, por historiadores romanos e cristãos, nesse episódio do grande incêndio de Roma.[14]

Os cristãos e o incêndio de RomaEditar

Não se sabe ao certo o momento e as razões que levaram os cristãos a serem acusados de responsáveis pelo incêndio. Historiadores cristãos e também romanos (como Tácito e Suetônio, cujas obras denotam acentuada antipatia pelo imperador) sustentam que se tratou de uma manobra de Nero, para desviar as suspeitas de sua pessoa. Uma vez que a tese de "incêndio criminoso" se disseminara, era necessário encontrar os culpados, e os cristãos podem ter-se tornado "bodes expiatórios"ideais, pelo fato de serem mal vistos em Roma.[2] De fato, Suetônio relata que as crenças cristãs eram tidas, na época, como "'superstição nova e maléfica'"[15] enquanto Tácito, embora acusando Nero de ter injustamente culpado os cristãos, declara-se convencido de que eles mereciam as mais severas punições porque cometiam "infâmias" e eram "inimigos do gênero humano".[16]

Hoje a Igreja Católica celebra a memória desses "Santos Protomártires" todos anos no dia 30 de junho. E entre os mais ilustres estavam São Pedro que foi crucificado no Circo de Nero, actual Basílica de São Pedro, e São Paulo que foi decapitado junto à estrada de Roma para Óstia.[17]

Referências culturaisEditar

  • A ficção histórica de Henryk Sienkiewicz, Quo Vadis, implica fortemente que Nero ordenou que Tigellinus incendiasse Roma. No romance, Nero reclama repetidamente do cheiro de Roma, expressa o desejo de substituir seus bairros miseráveis ​​por uma cidade mais bonita e busca inspiração para escrever um poema ou música que supere as obras de Homero ou Virgílio descrevendo a queima de Tróia.
  • No 4º episódio da série Doctor Who de 1965, "The Romans", o Doutor acidentalmente acende os planos de Nero para uma nova Roma, dando a Nero a ideia de queimar Roma para que o Senado seja forçado a reconstruir Roma do seu jeito.
  • O programa de computador para autoria de discos ópticos Nero Burning ROM foi nomeado em referência a Nero e sua associação com o Grande Incêndio de Roma.
  • A banda norueguesa Ulver lançou um álbum intitulado The Assassination of Julius Caesar em 2017, que abriu com uma música chamada "Nemoralia", sobre o Grande Incêndio de Roma. A letra inclui "Nero acende a noite/18 a 19 de julho de 64 d.C.", entre outras referências a este evento histórico, embora a palavra "fogo" nunca seja explicitamente mencionada.
  • A primeira faixa do álbum The Apostasy da banda de death metal enegrecido Behemoth é chamada de "Roma 64 CE" como uma referência ao evento, enquanto a segunda faixa é chamada de "Slaying the Prophets ov Isa", referenciando a perseguição aos cristãos em que Pedro, o Apóstolo foi supostamente morto. Isa é o nome árabe de Jesus.
  • No capítulo 5 de A Torre de Nero, de Rick Riordan, enquanto tenta descobrir uma maneira de evitar ser pego por Nero e seus homens, o deus Apolo implica que Nero incendiaria Nova York para conseguir o que quer, assim como ele tinha feito com a Roma Antiga.[18]

Referências

  1. a b «Incêndio de Roma». Infopédia. Consultado em 18 de julho de 2012 
  2. a b c d Antonio Gasparetto Junior (14 de novembro de 2011). «Grande Incêndio de Roma». InfoEscola. Consultado em 18 de julho de 2012 
  3. Dando-Collins, Stephen (2010). The Great Fire of Rome. Da Capo Press. ISBN 978-0-306-81890-5
  4. Dando-Collins, Stephen (2010). O Grande Incêndio de Roma: A Queda do Imperador Nero e sua Cidade. Da Capo Press. pág. 56 e 57. ISBN 9780306818905
  5. «Tacitus | Roman historian | Britannica». www.britannica.com (em inglês). Consultado em 19 de julho de 2022 
  6. Dando-Collins, Stephen (2010). The Great Fire of Rome: The Fall of the Emperor Nero and His City. Da Capo Press. p. 57. ISBN 9780306818905
  7. Dando-Collins, Stephen (2010). The Great Fire of Rome: The Fall of the Emperor Nero and His City. [S.l.]: Da Capo Press. p. 89. ISBN 9780306818905 
  8. Beard, Mary (2015). SPQR: A History of Ancient Rome. New York, NY: Liveright Publishing Corporation. p. 375. ISBN 9781631492228 
  9. Dando-Collins, Stephen (2010). The Great Fire of Rome: The Fall of the Emperor Nero and His City. [S.l.]: Da Capo Press. pp. 54–56. ISBN 9780306818905 
  10. Beard, Mary (2015). SPQR: A History of Ancient Rome. New York, NY: Liveright Publishing Corporation. p. 463. ISBN 9781631492228 
  11. The Great Fire of Rome
  12. Henryk Sienkiewicz, "Quo Vadis", 1895
  13. César. Série de Documentários da TV Escola sobre os imperadores romanos: Nero, 2008
  14. FINI, Massimo (1993). Nero. o imperador maldito. 1 1 ed. [S.l.]: Scritta. 286 páginas. 8585328436 
  15. Suetônio, Vidas dos Doze Césares, século I
  16. Tácito, "Anais". século I
  17. Santos Protomártires da Igreja de Roma, 64-67, evangelizo.org
  18. Riordan, Rick (2020). The Tower of Nero. New York: Disney-Hyperion. p. 52. ISBN 9781484746455

BibliografiaEditar

  • Suetônio, Gaio. A vida dos doze césares (Tradução de Sady Garibaldi). São Paulo: Ediouro, 1966.
  • Tácito, Cornélio. Anais (Tradução de Leopoldo Pereira). São Paulo: Ediouro, 1967.
  Este artigo sobre Roma Antiga e o Império Romano é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.