Guillaume Fillastre

Guillaume Fillastre (Guilherme Filastro, O Velho; Gulielmus Philastrius) (* La Suze-sur-Sarthe, Maine, 1348 - Roma, 6 de novembro de 1428), foi humanista, jurista, teólogo católico, canonista, bispo, cardeal e geógrafo francês.

Guillaume Fillastre
(1348-1428)
Nascimento 1348
La Suze-sur-Sarthe, Maine, hoje França
Morte 6 de novembro de 1428
Roma
Cidadania França
Ocupação geógrafo, padre, jurista de direito canônico, cartógrafo,
Cardinal of Filastre family arms.svg
Religião Igreja Católica

BiografiaEditar

Depois de se formar doutor em direito civil e canônico (doctor utriusque juris), Philastrius lecionou jurisprudência na cidade de Reims, e em 1392 foi nomeado deão do seu capítulo metropolitano. Durante o Grande Cisma do Ocidente demonstrou a princípio muita simpatia por Benedito XIII (Pietro de Luna) (1328-1423). Em 1409, todavia, participou de uma tentativa de reconciliar as facçoes durante o Concílio de Pisa. O antipapa João XXIII, Baldassarre Cossa, conferiu a ele e a seu amigo Pierre d'Ailly a dignidade de cardeal em 6 de Julho de 1411, e em 1413 foi nomeado Arcebispo de Aix-en-Provence.

Filástrio teve papel relevante durante o Concílio de Constança (1414-1418), onde ele e o cardeal d'Ailly foram os primeiros a levantar a bandeira com relação à abdicação dos pretendentes rivais (Fevereiro de 1415). Ele conquistou reconhecimento através das muitas questões legais sobre as quais ele tomava decisões. O Papa Martinho V, em cuja eleição ele teve um papel muito importante, o nomeou legatus a latere na França (1418), onde ele devia promover a defesa da unidade da Igreja. Em reconhecimento a seus bem sucedidos esforços, ele foi nomeado arcipreste da Basílica de São João de Latrão. Em 1421 ele renunciou à sede de Aix, e em 1422 lhe foi designada a Sede de Saint-Pons-de-Thomières[1]. Ele faleceu em Roma, aos oitenta anos de idade, como cardeal da Basílica de São Marcos.

ObrasEditar

Durante o Concílio de Constança Filástrio fez um relatório diário, que foi descoberto pelo historiador alemão Heinrich Finke (1855-1938)[2], revisado por ele pela primeira vez no Römische Quartalschrift (Publicação trimestral romana para a arqueologia clássica cristã e história da Igreja, 1887), e editada parcialmente por ele. Essa obra foi descrita por alguns como a mais importante fonte de história sobre o Concílio de Constança, e foi editada por Finke em sua integridade em 1889 (em sua publicação: Forschungen und Quellen, pp. 163–242). Os registros de Filástrio lançam nova luz sobre os principais protagonistas do concílio, bem como sobre os papas que foram depostos e o julgamento deles; sobre o colégio de cardeais como um corpo, e particularmente sobre os cardeais d'Ailly, Filástrio e Francesco Zabarella (1360-1417)[3].

Filástrio é a nossa principal autoridade relativamente aos movimentos preliminares acerca do método de votação e da posição extremamente difícil do colégio de cardeais; ele nos apresenta a primeira e clara concepção das discussões que surgiram entre as nações sobre a matéria em questão, e o papel que a nação espanhola exerceu durante o concílio; ele também fornece explicações, há muito procuradas, sobre a confirmação de Sigismundo (1368-1473) como Imperador do Sacro Império Romano-Germânico, coroado por Martinho V. O diário de Philastrius resulta na sua descoberta mais importante, a divulgação das relações entre o rei e o concílio e a descrição do conclave.

Enquanto Filástrio se demorava em Constança (onde, podemos registrar, ele traduziu várias obras de Platão para o latim), ele realizou serviços importantes para a história da geografia e da cartografia, bem como para a história do concílio. Desse modo, ele copiou a tradução latina da Geografia de Ptolomeu (sem os mapas), que haveria de ser completada por Jacobus Angelus (1360-1410)[4] em 1409, um manuscrito que ele teve muita dificuldade em proteger de Florença. Junto com o precioso codex de Ptolomeu, ele enviou em 1418 para a biblioteca do capítulo de Reims, que fora fundada por ele, e já contava entre os inúmeros manuscritos valiosos, um grande mapa do mundo, confeccionado sobre pele de morsa, e um codex de Pomponius Mela († 45). Os dois códigos geográficos, segundo relatos, estão preservados como raridades na Biblioteca Municipal de Reims, mas o mapa do mundo desapareceu durante o século XVIII.

Por volta de 1425 Filástrio escreveu uma das mais importantes obras canônicas sobre o interesse e a usura, obra que foi copiada em numerosos manuscritos. Em 1427, agora já avançada em idade, mandou desenhar os mapas de Ptolomeu do original grego, mas em escala reduzida, e o organizou com textos latinos, para estar em concordância com o seu Ptolomeu latino. Como Ptolomeu não conhecia a Península Escandinava, muito menos a Groenlândia, Filástrio completou o seu codex adicionando aos dez mapas da Europa de Ptolomeu um décimo primeiro. Este décimo primeiro mapa da Europa, com descrições detalhadas e anexadas da Dinamarca, Suécia, Noruega, e Groenlândia, é, segundo a Enciclopédia Católica, a única cópia existente do primeiro mapa de Claudius Clavus (1388-1426)[5], o primeiro cartógrafo da América, e está, segundo relatos, ainda preservado na Biblioteca Municipal de Nancy.

Philastrius foi pai de Guillaume Fillastre, O Jovem (1400-1473), bispo de Verdun, de Toul e de Tournai e conselheiro de Filipe, O Bom (1396-1467) e Carlos, O Temerário (1433-1477).

Referências

  1. A antiga diocese de Saint-Pons-de-Thomières existiu de 1317 até a Revolução Francesa. A Abadia de Saint-Pons foi fundada no ano 936, por Raimundo, Conde de Tolosa.
  2. Heinrich Finke (1855-1938) (* Krechting, Kreis Borken, Vestfália, 13 de Junho de 1855 - Friburgo em Brisgóvia, 19 de Dezembro de 1938), foi historiador da igreja e medievalista alemão.
  3. Francesco Zabarella (1360-1417) (* Piove di Sacco, 10 de Agosto de 1360 - Constança, 26 de Setembro de 1417), foi cardeal e canonista italiano.
  4. Jacobus Angelus, também conhecido como Giacomo d'Angelo da Scarperia ou Jacobus aus Scarperia, foi humanista renascentista e professor de grego, natural de Florença.
  5. Claudius Clavus, também conhecido como Claudius Claussön Swart, foi o primeiro cartógrafo dinamarquês.

Ligações externasEditar

Ver tambémEditar

Lista de humanistas do Renascimento

Predefinição:NF1348