Abrir menu principal

Hélio de Oliveira Santos

Emblem-scales.svg
A neutralidade deste artigo ou se(c)ção foi questionada, conforme razões apontadas na página de discussão deste artigo.
Hélio de Oliveira Santos
Dr. Hélio
Prefeito de Campinas Flag of Campinas.svg
Período 1º de janeiro de 2005 até
20 de agosto de 2011 [1]
(2 mandatos consecutivos)
Antecessor Izalene Tiene [2]
Sucessor Demétrio Vilagra[3]
Dados pessoais
Nascimento 6 de setembro de 1950 (69 anos)
Corumbá, MS
Cônjuge Rosely Nassim Jorge dos Santos

Hélio de Oliveira Santos, o Doutor Hélio (Corumbá, 6 de setembro de 1950), é médico e escritor brasileiro. Com apurado olhar social, voltado sempre para aqueles que mais precisam, também foi secretário de Saúde em algumas prefeituras; deputado federal por dois mandatos e duas vezes prefeito da cidade de Campinas (SP), além de ter sido presidente do Conselho de Desenvolvimento do colegiado de prefeitos que integram a RMC (Região Metropolitana de Campinas).

BiografiaEditar

Viveu em Corumbá até 1966, quando se mudou com seu pai, Manoel Belmiro dos Santos, (já era órfão de sua mãe, Dirce) e mais um irmão. A viagem foi feita de trem, da extinta Noroeste do Brasil até Bauru. De lá a família se transferiu para Campinas.

Estudou Medicina na Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), tornou-se cirurgião-pediatra e criou, em 1985, o Centro Regional de Atenção aos Maus Tratos na Infância (Crami).[carece de fontes?]

Foi professor de Medicina da Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUC Campinas) e publicou diversos livros sobre saúde de crianças.[4]

PolíticaEditar

Em 1997, foi secretário de Saúde na cidade de Americana - SP, a convite do prefeito e também médico, Dr. Waldemar Tebaldi (PDT). No ano seguinte, Dr. Hélio elegeu-se deputado federal, sendo reeleito para um segundo mandado na Câmara Federal em 2002. Assumiu a prefeitura de Campinas em 1º de janeiro de 2005, governando com o lema "Primeiro os Que Mais Precisam". Em 2008 foi reeleito para um segundo mandato, tendo sido o primeiro prefeito de Campinas reeleito logo no primeiro turno de votação.

Entre 2005 e 2011, Campinas experimentou um ciclo de desenvolvimento econômico. Por meio de três leis de incentivo fiscais: Compre Campinas; Incentivos Fiscais para Empresas de Base Tecnológica e Incentivos Fiscais para Empresas em Geral, a cidade registrou expressivo desenvolvimento econômico e social. Em 2010, o PIB de Campinas, superior a R$ 27 bilhões, era equivalente ao de países da América do Sul, como Bolívia e Paraguai. Melhor cidade do interior brasileiro para se trabalhar, segundo pesquisa da Fundação Getúlio Vargas; terceiro maior parque industrial do país; sede de 50 das 500 maiores empresas do mundo; e uma das dez cidades brasileiras que mais geravam empregos, segundo levantamento do Ministério do Trabalho. Em junho de 2008 foi inaugurado o Complexo Hospitalar Ouro Verde, um sonho de mais de 30 anos para a população dos distritos do Campo Grande e do Ouro Verde. Importante obra que, somada à entrega do Pronto-Socorro do Campo Grande e aos investimentos em 63 centros de saúde, levou a saúde de Campinas a ser uma das mais bem estruturadas do país.

Também em 2008, foi inaugurada a nova Rodoviária de Campinas, com mais de 70 mil m² e que leva o nome do arquiteto campineiro Ramos de Azevedo. E, no ano seguinte, um capítulo importante da história da mobilidade urbana de Campinas foi finalmente concluído, com a entrega do túnel 2 do Complexo Viário Joá Penteado, uma obra de grande envergadura, que diminuiu as distâncias e permitiu maior integração da área central com outras regiões da cidade.

Na Educação, entre 2005 e 2010 foram construídas 18 novas escolas de educação infantil, gerando 6.500 novas vagas, fazendo de Campinas a 2ª cidade brasileira com o maior número de crianças matriculadas. Das 18 escolas, 10 eram as “Naves-Mãe”, um conceito premiado internacionalmente, com ensino pelo método inovador da Pedagogia dos Sentidos, em tempo integral, nas regiões mais distantes da cidade.

Livros publicadosEditar

  • SANTOS, Helio de Oliveira. Crianças acidentadas. Campinas, SP: Papirus, 1988. 91 p. ISBN 8530800095
  • SANTOS, Helio de Oliveira. Crianças espancadas. Campinas, SP: Papirus, 1987. 132 p.
  • SANTOS, Helio de Oliveira. Crianças violadas. Brasília, DF: CBIA : CRAMI, 1991. 114 p.
  • SANTOS, Helio de Oliveira. Crianças esquecidas. Campinas, SP: Pontes, 1995. 127 p. ISBN 8571131015
  • SANTOS, Helio de Oliveira. Naves-mãe e a pedagogia dos sentidos: de Campinas, novos paradigmas para a educação infantil no Brasil. Campinas, SP: Komedi, 2010. 143 p. ISBN 9788575825808

Referências

  1. Site da Prefeitura de Campinas, Equipe de Governo [em linha]
  2. Diário Oficial da Prefeitura de Campinhas, dia 16 de dezembro de 2004 [em linha]
  3. «Demétrio assume prefeitura com missão de criar imagem própria». EPTV.com. Globo.com. Consultado em 20 de agosto de 2011 [ligação inativa]
  4. «Bilioteca PUC Campinas». PUC Campinas. Consultado em 22 de abril de 2013 

Ligações externasEditar