Hélio de Oliveira Santos

Hélio de Oliveira Santos
Dr. Hélio
Prefeito de Campinas Flag of Campinas.svg
Período 1º de janeiro de 2005 até
20 de agosto de 2011 [1]
(2 mandatos consecutivos)
Antecessor Izalene Tiene [2]
Sucessor Demétrio Vilagra[3]
Dados pessoais
Nascimento 6 de setembro de 1950 (69 anos)
Corumbá, MS
Cônjuge Rosely Nassim Jorge dos Santos
Partido PDT (1980-2013)
PTC (2013-2016)
PHS (2016-2019)
PL (2019-2020)
PDT (2020-Presente)

Hélio de Oliveira Santos, o Doutor Hélio (Corumbá, 6 de setembro de 1950), é médico e escritor brasileiro. Com apurado olhar social, voltado sempre para aqueles que mais precisam, também foi secretário de Saúde em algumas prefeituras; deputado federal por dois mandatos e duas vezes prefeito da cidade de Campinas (SP), além de ter sido presidente do Conselho de Desenvolvimento do colegiado de prefeitos que integram a RMC (Região Metropolitana de Campinas).

BiografiaEditar

Viveu em Corumbá até 1966, quando se mudou com seu pai, Manoel Belmiro dos Santos, (já era órfão de sua mãe, Dirce) e mais um irmão. A viagem foi feita de trem, da extinta Noroeste do Brasil até Bauru. De lá a família se transferiu para Campinas.

Estudou Medicina na Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), tornou-se cirurgião-pediatra e criou, em 1985, o Centro Regional de Atenção aos Maus Tratos na Infância (Crami).[carece de fontes?]

Foi professor de Medicina da Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUC Campinas) e publicou diversos livros sobre saúde de crianças.[4]

PolíticaEditar

Em 1997, foi secretário de Saúde na cidade de Americana - SP, a convite do prefeito e também médico, Dr. Waldemar Tebaldi (PDT). No ano seguinte, Dr. Hélio elegeu-se deputado federal, sendo reeleito para um segundo mandado na Câmara Federal em 2002. Assumiu a prefeitura de Campinas em 1º de janeiro de 2005, governando com o lema "Primeiro os Que Mais Precisam". Em 2008 foi reeleito para um segundo mandato, tendo sido o primeiro prefeito de Campinas reeleito logo no primeiro turno de votação.

Entre 2005 e 2011, Campinas experimentou um ciclo de desenvolvimento econômico. Por meio de três leis de incentivo fiscais: Compre Campinas; Incentivos Fiscais para Empresas de Base Tecnológica e Incentivos Fiscais para Empresas em Geral, a cidade registrou expressivo desenvolvimento econômico e social. Em 2010, o PIB de Campinas, superior a R$ 27 bilhões, era equivalente ao de países da América do Sul, como Bolívia e Paraguai. Melhor cidade do interior brasileiro para se trabalhar, segundo pesquisa da Fundação Getúlio Vargas; terceiro maior parque industrial do país; sede de 50 das 500 maiores empresas do mundo; e uma das dez cidades brasileiras que mais geravam empregos, segundo levantamento do Ministério do Trabalho. Em junho de 2008 foi inaugurado o Complexo Hospitalar Ouro Verde, um sonho de mais de 30 anos para a população dos distritos do Campo Grande e do Ouro Verde. Importante obra que, somada à entrega do Pronto-Socorro do Campo Grande e aos investimentos em 63 centros de saúde, levou a saúde de Campinas a ser uma das mais bem estruturadas do país.

Também em 2008, foi inaugurada a nova Rodoviária de Campinas, com mais de 70 mil m² e que leva o nome do arquiteto campineiro Ramos de Azevedo. E, no ano seguinte, um capítulo importante da história da mobilidade urbana de Campinas foi finalmente concluído, com a entrega do túnel 2 do Complexo Viário Joá Penteado, uma obra de grande envergadura, que diminuiu as distâncias e permitiu maior integração da área central com outras regiões da cidade.

Na Educação, entre 2005 e 2010 foram construídas 18 novas escolas de educação infantil, gerando 6.500 novas vagas, fazendo de Campinas a 2ª cidade brasileira com o maior número de crianças matriculadas. Das 18 escolas, 10 eram as “Naves-Mãe”, um conceito premiado internacionalmente, com ensino pelo método inovador da Pedagogia dos Sentidos, em tempo integral, nas regiões mais distantes da cidade.

Em 2020, Dr. Hélio volta ao seu antigo partido, o PDT, onde pretende voltar a disputar as eleições municipais em Campinas.[5]

Livros publicadosEditar

  • SANTOS, Helio de Oliveira. Crianças acidentadas. Campinas, SP: Papirus, 1988. 91 p. ISBN 8530800095
  • SANTOS, Helio de Oliveira. Crianças espancadas. Campinas, SP: Papirus, 1987. 132 p.
  • SANTOS, Helio de Oliveira. Crianças violadas. Brasília, DF: CBIA : CRAMI, 1991. 114 p.
  • SANTOS, Helio de Oliveira. Crianças esquecidas. Campinas, SP: Pontes, 1995. 127 p. ISBN 8571131015
  • SANTOS, Helio de Oliveira. Naves-mãe e a pedagogia dos sentidos: de Campinas, novos paradigmas para a educação infantil no Brasil. Campinas, SP: Komedi, 2010. 143 p. ISBN 9788575825808

Referências

  1. Site da Prefeitura de Campinas, Equipe de Governo [em linha]
  2. Diário Oficial da Prefeitura de Campinhas, dia 16 de dezembro de 2004 [em linha]
  3. «Demétrio assume prefeitura com missão de criar imagem própria». EPTV.com. Globo.com. Consultado em 20 de agosto de 2011 [ligação inativa]
  4. «Bilioteca PUC Campinas». PUC Campinas. Consultado em 22 de abril de 2013 
  5. Rose Guglielminetti. «Dr. Hélio volta ao PDT e diz que retoma vida política». Consultado em 13 de abril de 2020 

Ligações externasEditar

Precedido por
Izalene Tiene
Prefeito de Campinas
 

2005-2011
Sucedido por
Demétrio Vilagra
  Este artigo sobre um político é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.