Abrir menu principal

Partido Liberal (2006)

partido político no Brasil
Disambig grey.svg Nota: Para o partido político brasileiro do período imperial, veja Partido Liberal (1831). Para o partido político brasileiro, fundado por Álvaro Valle, existente no período 1985-2006, veja Partido Liberal (1985).
Partido Liberal
Número eleitoral 22
Presidente José Tadeu Candelária[1]
Fundação 26 de outubro de 2006 (13 anos)
Registro 19 de dezembro de 2006 (12 anos)[2]
Sede Brasília
Ideologia Republicanismo
Democracia cristã
Liberalismo econômico[3]
Espectro político Centro-direita[4] a Direita
Antecessor Prona
PL
Membros  (2018) 731 614 filiados[5]
Senadores
2 / 81
Deputados federais (2018)[6]
40 / 513
Deputados estaduais
43 / 1 024
Cores      azul

     vermelho

Página oficial
www.partidoliberal.org.br
Política do Brasil

Partidos políticos

Eleições

Partido Liberal (PL), anteriormente conhecido como Partido da República (PR),[7] é um partido político brasileiro fundado em 26 de outubro de 2006, homologado no Tribunal Superior Eleitoral no dia 21 de dezembro de 2006. Atualmente possui cerca de 732 mil filiados.

HistóriaEditar

O Partido da República uniu dois partidos: o Partido Liberal (PL) e o Partido de Reedificação da Ordem Nacional (Prona),[8] que se fundiriam para atingirem a cláusula de barreira (derrubada pelo Supremo Tribunal Federal, no final de 2006) e poderem gozar de todos os direitos que estariam reservados aos partidos que atingirem porcentagem de votos superior a 5% dos votos, até então exigida.

Diagrama da origem histórica do partido
Partido Geral dos Trabalhadores
(PGT) 1995–2003
Partido Social Trabalhista
(PST) 1996–2003
Partido Liberal
(PL) 1985–2006
Partido de Reedificação da Ordem Nacional
(PRONA) 1989–2006
Partido da República
(PR) 2006–2019

Partido Liberal
(PL) 2019–presente
Fonte: Tribunal Superior Eleitoral[9][10][11]

O número adotado pelo Partido da República é o mesmo que era utilizado pelo PL: 22,[12] sendo excluído número 56 utilizado pelo Prona.

Nas eleições de 2012, elegeu 3110 vereadores em todo o país,[13] e em 2014, elegeu 40 deputados federais.[14]

No dia 7 de maio de 2019, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) autorizou o Partido da República (PR) a mudar de nome, voltando a se chamar Partido Liberal (PL).[7]

Principais membrosEditar

Seus principais nomes são o ex-deputado José Marcos de Lima (atual secretário-geral do PL em Pernambuco e Secretário de Saneamento da Prefeitura da cidade do Recife), o ex-deputado pernambucano Inocêncio de Oliveira, o ex-ministro dos Transportes Alfredo Nascimento, o ex-senador pelo Espírito Santo Magno Malta, o ex-governador do Distrito Federal, José Roberto Arruda.

Tem também em suas fileiras o deputado federal mais votado em 2010, o humorista Tiririca (PL-SP). A legenda também tem iniciativas que apoiam a criação de outros partidos, como o Partido Militar Brasileiro.[15]

CorrupçãoEditar

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) divulgou um balanço em 4 de outubro de 2007, com os partidos com mais parlamentares cassados por corrupção desde 2000. O PR ocupa a sétima posição no ranking, com dezessete cassações, atrás do DEM, PMDB e PSDB, PP, PTB e PDT.[16] O Partido também recebeu doações de campanha de empreiteiras privilegiadas pela sua administração na pasta do Ministério dos Transportes.[17]

ControvérsiasEditar

Contra a PEC da prisão em 2º instânciaEditar

Apesar da mudança de nome de "Partido da República" para "Partido Liberal" e em sua ideologia constar como seguidor do "liberalismo econômico", de fato não houve mudança, sendo que após a revogação do STF da possibilidade de prisão em 2º instância, a Comissão de Constituição e Justiça da Câmara dos Deputados Federal marcou a votação da PEC sobre o tema, antes mesmo da votação o PL substituiu o Capitão Augusto, que é a votar da PEC pelo Giovani Cherini, que é contra, ambos do Partido Liberal.[18] Segundo o Capitão Augusto: "Eu não pedi para sair. Posso dizer isso. Sou 1.000% favorável à manutenção da prisão após condenação em segunda instância, tanto é que eu briguei muito pelo pacote anticrime do ministro Sergio Moro e continua brigando. Mas os motivos da decisão, isso é com o partido. Fiquei sabendo hoje (que estava fora da CCJ). O Francischini já ligou para mim avisando que eu não estou mais lá"

Participação e desempenho eleitoraisEditar

Desempenho nas eleições parlamentares federaisEditar

Legislatura Eleitos % AC AL AM AP BA CE DF ES GO MA MG MS MT PA PB PE PI PR RJ RN RO RR RS SC SE SP TO Diferença
55.ª (2015-2018)
40 Não disponível 0 1 1 1 3 2 1 0 2 0 5 0 0 1 1 1 1 2 4 1 1 3 0 1 1 6 1 Não disponível
54ª (2011-2015)
40 7,80 0 1 1 0 3 2 2 0 1 1 7 1 2 1 1 2 0 1 7 1 0 1 0 0 1 4 0 +15
53ª (2007-2011)
25 4,87 0 0 0 0 3 1 0 1 1 0 6 0 1 0 2 1 0 2 2 1 0 1 0 0 0 3 0 -10
52ª (2003-2007)
35 6,82 0 1 3 0 0 2 0 1 0 1 6 0 1 1 2 1 0 1 3 0 0 1 1 0 1 9 0 +21
51ª (1999-2003)
14 2,73 0 0 1 0 1 0 0 0 2 2 4 0 1 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 3 0

Considera-se os Deputados eleitos pelo PL, pelo Prona, pelo PST e pelo PGT, partidos incorporados ao PR.

Fonte: Portal da Câmara dos Deputados - Bancada na Eleição.

Participação nas eleições presidenciaisEditar

Ano Imagem Candidata a Presidente Candidato a Vice-presidente Coligação Votos % Colocação
1989 Guilherme Afif Domingos (PL) Aluísio Pimenta (PDC) PL e PDC 3.272.462 4,53
1994 Flávio Rocha (PL) Marcos Cintra (PL) sem coligação registro indeferido
1998 Ciro Gomes (PPS) Roberto Freire (PPS) PPS, PL e PAN 7.426.190 10,97
2002 Luiz Inácio Lula da Silva (PT) José Alencar (PL) PT, PL, PCdoB, PMN e PCB 52.793.364 61,27
2010 Dilma Rousseff (PT) Michel Temer (PMDB) PT, PMDB, PR, PSB, PDT, PCdoB, PSC, PRB, PTC e PTN 55.752.529 56,05
2014 Dilma Rousseff (PT) Michel Temer (PMDB) PT, PMDB, PSD, PP, PR, PROS, PDT, PCdoB e PRB 54.495.459 51,64
2018 Geraldo Alckmin (PSDB) Ana Amélia (PP) PSDB, PP, PR, PRB, PSD, SDD, DEM, PTB e PPS 5.096.350 4,76

Ver tambémEditar

Referências

  1. http://www.tse.jus.br/partidos/partidos-politicos/partidos-registrados-no-tse/partido-da-republica  Em falta ou vazio |título= (ajuda)
  2. Tribunal Superior Eleitoral (TSE). «TSE - Partidos políticos registrados no TSE». Consultado em 7 de novembro de 2015 
  3. http://www.partidodarepublica.org.br/partido/historia_do_pr.html
  4. «Saiba como surgiu e o que defende cada partido | Direito Fundamental». Consultado em 21 de setembro de 2019 
  5. Predefinição:Http://www.tse.jus.br/eleitor/estatisticas-de-eleitorado/filiados
  6. «Quantidade de deputados federais eleitos por partido» 
  7. a b «Aprovada alteração do nome do Partido da República (PR) para Partido Liberal (PL)». www.tse.jus.br. Consultado em 8 de maio de 2019 
  8. http://www.partidodarepublica.org.br/partido/estatuto.html
  9. TSE. «Histórico de partidos». Consultado em 26 de outubro de 2016 
  10. «Resolução n.º 21374/2003». www.tse.jus.br. Consultado em 26 de outubro de 2016 
  11. «Aprovada alteração do nome do Partido da República (PR) para Partido Liberal (PL)». www.tse.jus.br. Consultado em 8 de maio de 2019 
  12. «Partido Político». web.archive.org. 17 de julho de 2007. Consultado em 27 de agosto de 2019 
  13. «Vereadores Eleitos no País em 2012». G1 
  14. «Bancada da Eleição de 2014 para Deputado Federal (Titulares)». Câmara dos Deputados. Consultado em 3 de fevereiro de 2015 
  15. Fundador do Partido Militar será candidato pelo PR, aliado de Dilma
  16. «Desde 2000, 623 políticos foram cassados. DEM lidera ranking». O Globo. Consultado em 11 de julho de 2010 
  17. «Doadores do PR receberam R$ 1 bi via Transportes, diz jornal». Terra Networks. 6 de julho de 2011. Consultado em 14 de fevereiro de 2014 
  18. «Contra prisão em segunda instância, PL retira líder da bancada da bala da CCJ». O Globo. 11 de novembro de 2019. Consultado em 11 de novembro de 2019 

Ligações externasEditar