Abrir menu principal

A Região Metropolitana de Campinas, também conhecida como Grande Campinas,[por quem?] constituída por 20 municípios paulistas, foi criada pela lei complementar estadual 870, de 19 de junho de 2000.

Região Metropolitana de Campinas (RMC)
Localização
Localização da Região Metropolitana de Campinas (RMC)
Landsat RM Campinas SP.JPG
Unidade federativa  São Paulo
Lei 870
Data da criação 19 de junho de 2000
Número de municípios 20
Cidade-sede Campinas
Regiões metropolitanas limítrofes Jundiaí
Sorocaba
Piracicaba
Características geográficas
Área 3 791,910 km²[1]
População 3 224 443 hab. (10º) Estimativa Populacional IBGE/2018[2]
Densidade 850,35 hab./km²
IDH 0,792 () – alto PNUD/2010[3]
PIB R$ 142.301 milhões [4]
PIB per capita R$ 48.332,79 Seade/2013[5]

A região é uma das mais dinâmicas no cenário econômico brasileiro e representa 1,8% do PIB (produto interno bruto) nacional e 7,81% do PIB paulista, ou seja, cerca de 105,3 bilhões de reais.[4] Além de possuir uma forte economia, a região também apresenta uma infraestrutura que proporciona o desenvolvimento de toda a área metropolitana.[6]

Conforme a estimativa populacional do IBGE em 2018, a Região Metropolitana de Campinas chegou a marca de 3,2 milhões de habitantes,[2] distribuídos em 3.791 km².[1] É a décima maior região metropolitana do Brasil e a segunda maior região metropolitana de São Paulo, faz parte do Complexo Metropolitano Expandido, uma megalópole que, já em 2008, compreendia 12% da população brasileira, ou cerca de 30 milhões de habitantes.[7]

Geografia e demografiaEditar

ÁreaEditar

 
Mapa dos municípios integrantes da região metropolitana de Campinas.

Os 20 municípios abrangidos ocupam uma área de 3.791 km²,[1] o que corresponde a 0,04% da superfície brasileira e a 1,47% do território paulista. Quando se iniciou a discussão da criação da Região Metropolitana de Campinas, Mogi-Guaçu, Mogi-Mirim e Itapira estavam inseridas no contexto. Porém, por intermédio do então prefeito guaçuano Walter Caveanha (PTB), esses três municípios decidiram ficar de fora da nova região metropolitana. Caveanha explica que a decisão, à época, se deu porque a região da Baixa Mogiana tem características próprias, especialmente quanto ao meio ambiente, e não está ligada à região de Campinas, apesar da proximidade a esta.

Caveanha foi, a princípio, o único prefeito na época contrário à inclusão dos municípios vizinhos à RMC, convencendo os prefeitos mojimiriano e itapirense. Com a proposta de criação da primeira microrregião do país, envolvendo nove municípios da bacia do rio Moji-Guaçu, a Microrregião de Mogi-Guaçu. Caveanha entrou com esse projeto na Assembleia Legislativa de São Paulo em 1995, quando era deputado estadual. Mas a matéria parou nas comissões e está entravada até hoje. O projeto tramita atualmente na Alesp sob a tutela do deputado Campos Machado. O projeto da microrregião de Mogi-Guaçu tem caráter socioeconômico e ambiental voltado para Estiva Gerbi, Conchal, Lindoia, Águas de Lindoia, Serra Negra, Espírito Santo do Pinhal, além da própria Mogi-Guaçu, Mogi-Mirim e Itapira.[8]

Aspectos demográficosEditar

 
Gráfico da população da RMC por cidade.

A Região possui uma população de 3 224 443 habitantes, segundo dados da estimativa populacional do IBGE para 1º de julho de 2018.[2]

A malha viária permitiu uma densa ocupação urbana, organizada em torno de algumas cidades de portes médio e grande, revelando processos de conurbação já consolidados ou emergentes. As especificidades dos processos de urbanização e industrialização ocorridos na Região provocaram mudanças muito visíveis na vida das cidades. De um lado, acarretaram desequilíbrios de natureza ambiental e deficiências nos serviços básicos. De outro, geraram grandes potencialidades e oportunidades em função da base produtiva (atividades modernas, centros de tecnologia, etc.). Nesse cenário, cidades médias passaram a conviver com problemas típicos de cidades grandes. A proliferação de favelas, violência e pobreza revelam um padrão de crescimento bastante perverso, que aprofunda as desigualdades sociais.

Apesar dos problemas sociais, a Região Metropolitana de Campinas possui o melhor Índice de Desenvolvimento Humano entre as regiões metropolitanas do Brasil, segundo dados do PNUD.[3]

EconomiaEditar

 
Fábrica da John Deere, em Campinas.
 
REPLAN, a maior refinaria em produção de petróleo da Petrobras, em Paulínia.

Nos últimos 100 anos, a região de Campinas vem ocupando e consolidando uma importante posição econômica nos níveis estadual e nacional. Situada nas proximidades da Região Metropolitana de São Paulo, comporta um parque industrial abrangente, diversificado e composto por segmentos de natureza complementar. Possui uma estrutura agrícola e agroindustrial bastante significativa e desempenha atividades terciárias de expressiva especialização.[9]

Destaca-se ainda pela presença de centros inovadores no campo das pesquisas científica e tecnológica, bem como do Aeroporto de Viracopos – o segundo maior terminal aéreo de cargas do País,[10] localizado no município de Campinas. A RMC também conta com a Região do Polo Têxtil que compreende os municípios de Americana, Santa Bárbara d'Oeste, Sumaré, Nova Odessa e Hortolândia sendo o maior polo têxtil do Brasil, responsável por 85% da produção nacional de tecidos.[carece de fontes?]

Em 2012, Viracopos registrou um fluxo de cargas embarcadas e desembarcadas em voos internacionais de cerca de 246.219 toneladas.[10] De cada três toneladas de mercadorias exportadas e importadas, uma passa pelo aeroporto,[10] que também responde por 18,1% do fluxo aéreo total de cargas no Brasil. Em relação ao transporte de passageiros, o aeroporto campineiro ultrapassou a marca de 8,8 milhões de passageiros.[10] A REPLAN, maior refinaria da Petrobras em produção, encontra-se nessa região.

Produto Interno Bruto (PIB)Editar

A produção industrial diversificada – com ênfase em setores dinâmicos e de alto input científico / tecnológico, notadamente nos municípios de Campinas, Americana, Paulínia, Sumaré, Indaiatuba, Santa Bárbara d'Oeste, e Jaguariúna – vem resultando em crescentes ganhos de competitividade nos mercados interno e externo.[11]

A região exibe um Produto Interno Bruto (PIB) de R$ 105,3 bilhões/ano.[4] Sua renda per capita é bastante significativa se comparada à do estado de São Paulo ou Brasil.

Composição da economia (2011)[12]
Comércio e Serviços

65,01 %

Indústria

34,45 %

Agropecuária

0,54 %

Regiões Comparativas PIB per capita[5]
'Região Metropolitana de Campinas' R$ 37.183,64
Estado de São Paulo R$ 32.454,91
Brasil R$ 31.506,83

InfraestruturaEditar

MunicípiosEditar

Município Área[1] População
(2018)[2]
PIB
(2013)[4] (em mil reais)
IDH-M
(2010)[3][13]
 
  Americana
133,93 237 112 9 890 709 0,811
Muito Alto
 
  Artur Nogueira
178,03 53 450 798 659 0,749
alto
 
  Campinas
794,43 1 194 094 51 347 711 0,805
Muito Alto
 
  Cosmópolis
154,66 70 998 1 229 257 0,769
alto
 
  Engenheiro Coelho
109,94 20 284 351 645 0,732
alto
 
  Holambra
65,58 14 579 603 033 0,793
alto
 
  Hortolândia
62,28 227 353 9 202 710 0,756
alto
 
  Indaiatuba
312,05 246 908 10 303 802 0,788
alto
 
  Itatiba
322,23 119 090 4 483 242 0,778
alto
 
  Jaguariúna
141,40 56 221 6 163 748 0,784
alto
 
  Monte Mor
240,41 58 765 2 777 872 0,733
alto
 
  Morungaba[14]
146,75 13 458 405 855 0,715
alto
 
  Nova Odessa
74,32 59 371 2 404 550 0,791
alto
 
  Paulínia
138,72 106 776 12 153 539 0,795
alto
 
  Pedreira
108,59 47 361 941 568 0,769
alto
 
  Santa Bárbara d'Oeste
270,90 192 536 5 129 706 0,781
alto
 
  Santo Antônio de Posse
154,00 23 085 687 017 0,702
alto
 
  Sumaré
153,50 278 571 11 327 493 0,762
alto
 
  Valinhos
148,59 127 123 4 970 627 0,819
Muito Alto
 
  Vinhedo
81,60 77 308 7 137 263 0,817
Muito Alto
Total 3.791,91 3 224 443 142 301 006 0,792

Ver tambémEditar

Referências

  1. a b c d Seade (10 de outubro de 2002). «Perfil Regional, Perfil da Região: Metropolitana de Campinas, Território e População, Área». Fundação Sistema Estadual de Análise de Dados). Consultado em 31 de agosto de 2014 
  2. a b c d Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (30 de agosto de 2018). «Estimativas da população residente nos municípios brasileiros com data referência em 1º de julho de 2018» (PDF). Consultado em 9 de outubro de 2018. Cópia arquivada em 30 de agosto de 2018 
  3. a b c «Ranking decrescente do IDH-M das regiões metropolitanas do Brasil». Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2010. Consultado em 30 de maio de 2008 
  4. a b c d Seade (31 de agosto de 2014). «Perfil Regional, Perfil da Região: Metropolitana de Campinas, Economia, PIB (Em milhões de reais correntes)». Fundação Sistema Estadual de Análise de Dados). Consultado em 31 de agosto de 2014 
  5. a b Seade (31 de agosto de 2014). «Perfil Regional, Perfil da Região: Metropolitana de Campinas, Economia, PIB per Capita (Em reais correntes)». Fundação Sistema Estadual de Análise de Dados). Consultado em 31 de agosto de 2014 
  6. «RMC» (PDF). Governo do Estado de São Paulo. Consultado em 30 de maio de 2008 [ligação inativa]
  7. Diego Zanchetta (3 de agosto de 2008). O Estado de S. Paulo, ed. «A primeira macrometrópole do hemisfério sul». Consultado em 12 de outubro de 2008 
  8. Discussão da Microrregião de Mogi-Guaçu
  9. «DuPont tem preferência em fábricas». Investe SP. 9 de fevereiro de 2011. Consultado em 3 de fevereiro de 2011 
  10. a b c d «Movimento nos Aeroportos». Infraero. Dezembro de 2007. Consultado em 30 de maio de 2008. Arquivado do original em 30 de abril de 2010 
  11. «Parque tecnológico e industrial de Paulínia vai receber 13 indústrias». EPTV. 17 de dezembro de 2010. Consultado em 12 de fevereiro de 2011 
  12. «Perfil Municipal, Emprego e Rendimento - SEADE». 2011. Consultado em 31 de agosto de 2014. Arquivado do original em 29 de maio de 2014 
  13. «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil». Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2010. Consultado em 31 de agosto de 2014 
  14. «Decreto estadual pela integração do município de Morungaba». Governo do estado de SP. 2014. Consultado em 16 de agosto de 2014 

Ligações externasEditar