Abrir menu principal
Broom icon.svg
As referências deste artigo necessitam de formatação (desde dezembro de 2017). Por favor, utilize fontes apropriadas contendo referência ao título, autor, data e fonte de publicação do trabalho para que o artigo permaneça verificável no futuro.
Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde dezembro de 2017). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Henrique Dumont
Henri Dumont
Nome completo Henrique Dumont
Outros nomes O Rei do Café
Conhecido(a) por Ser dono de grandes lavouras e fazendas de café, ter ajudado na criação do primeiro carro a gasolina
Nascimento 20 de julho de 1832
Diamantina, Minas Gerais,  Brasil
Morte 30 de agosto de 1892 (60 anos)
Rio de Janeiro, Rio de Janeiro,  Brasil
Nacionalidade brasileiro
Progenitores Mãe: Eufhrazie François Honnorée (1808-?)[1]
Pai: François Felix Dumont[1]

Henrique Dumont (Diamantina, 20 de julho de 1832Rio de Janeiro, 30 de agosto de 1892) foi um engenheiro[2], cafeicultor brasileiro e pai de Alberto Santos Dumont. Filho de imigrantes franceses, é considerado um dos três reis do café da sua época, introduzindo métodos modernos na cafeicultura.[3][não consta na fonte citada]

BiografiaEditar

A família de Henrique era proveniente da França. Seu avô era um ourives que tinha uma filha chamada Eufrásia Honoré, que se casou com François Dumont. O sogro, convenceu o genro, François, a vir para o Brasil a procura de pedras preciosas, que alimentariam sua indústria. No Brasil o casal teve três filhos, sendo que o segundo foi Henrique Dumont.[4]

O pai de Henrique Dumont faleceu cedo. Ajudado por seu padrinho, formou-se engenheiro na Escola de Artes e Ofícios de Paris (o equivalente atual da Faculdade de Engenharia). Se formado com apenas 21 anos de idade, voltou ao Brasil e passou a prestar serviços à Prefeitura de Ouro Preto. Henrique Dumont e sua esposa Francisca Santos, filha do Comendador Francisco da Paula Santos, casaram-se à 6 de setembro de 1856, na Freguesia de Nossa Senhora do Pilar, em Ouro Preto. [4]

Durante o Império de Dom Pedro II, foi encarregado, em 1872, de construir um trecho da Estrada de Ferro Central do Brasil em Minas Gerais, na subida da Serra da Mantiqueira. Com o canteiro de obras fixado na localidade de Cabangu, a família se instalou em uma fazenda próxima; neste local, em 1873, nasceria no mesmo dia em que o pai completou 41 anos, o seu filho mais ilustre: Alberto Santos Dumont.[5]

Quando ferrovia foi concluída, Henrique Dumont decidiu dedicar-se ao cultivo do café. Sai de Minas Gerais e vai para o município de Valença, no Rio de Janeiro; nesta região, seu filho Santos Dumont, foi batizado em 1877 na Paróquia de Santa Tereza, atual município de Rio das Flores.[4]

Buscando terras mais apropriadas ao cultivo do café, muda-se para Ribeirão Preto, em São Paulo, e instala-se na Fazenda Arindeuva. A sua nova fazenda progrediu muito, pois aí aplicou seus conhecimentos de engenharia e estimulou a produção com uma série de inovações. Chegou a ser a mais moderna da América do Sul, com cinco milhões de pés de café, 96 quilômetros de ferrovias e sete locomotivas. Em em 1883 foi inaugurado um ramal da Estrada de Ferro Mogiana até Ribeirão Preto, obtido por reivindicação de Henrique Dumont; este ramal foi fundamental para o escoamento da produção e para o desenvolvimento da região, trazendo centenas de imigrantes, principalmente italianos, que logo substituíram a mão-de-obra escrava.[4][6]

Ajudou na criação do primeiro carro a gasolina junto com Henry Ford.[7]

O acidenteEditar

Em 1890, caiu da charrete numa de suas fazendas e o acidente o deixou hemiplégico. Posteriormente, em 1891, em consequência do tratamento, vendeu suas fazendas e partiu para a Europa com sua família.[8]

MorteEditar

Pouco antes de morrer, em 1891, Henrique emancipou os seus filhos menores e entregou a cada um sua parte na herança. Ao seu filho Alberto Santos Dumont teria dito "Desista de ser doutor, vá estudar mecânica"[2][9]. Aos 60 anos, em 30 de Agosto de 1892, morre na cidade do Rio de Janeiro.

Referências

  1. a b «Projeto Brasil França». Consultado em 15 de dezembro de 2017. Cópia arquivada em 24 de setembro de de 2017  Verifique data em: |arquivodata= (ajuda)
  2. a b «Santos Dumont: As Asas do Homem». Consultado em 15 de dezembro de 2017. Cópia arquivada em 13 de julho de 2019 
  3. http://blog.reidorio.org/2009/09/25/ruas-do-rio-ix/ Arquivado em 12 de setembro de 2014, no Wayback Machine. Ruas do Rio IX. Acessado em 23 de fevereiro de 2010.
  4. a b c d «ALBERTO SANTOS DUMONT». Consultado em 15 de dezembro de 2017. Cópia arquivada em 16 de dezembro de 2017 
  5. «História de Alberto Santos Dumont». Consultado em 15 de dezembro de 2017. Cópia arquivada em 15 de dezembro de 2017 
  6. «Lembranças do 'Tio Alberto'». Consultado em 11 de julho de 2019. Cópia arquivada em 11 de julho de 2019 
  7. «Reis do café no Brasil». Consultado em 15 de dezembro de 2017. Cópia arquivada em 15 de julho de 2019 
  8. «História da Indústria e a Tecnologia Aeronáutica». Consultado em 23 de fevereiro de 2010. Cópia arquivada em 09 de abril de 2016  Verifique data em: |arquivodata= (ajuda)
  9. O que eu vi, o que nós veremos