Henry Taube

Henry Taube Medalha Nobel
Henry Taube, 1983
Nascimento 30 de novembro de 1915
Neudorf
Morte 16 de novembro de 2005 (89 anos)
Palo Alto
Residência Palo Alto, Saskatchewan
Nacionalidade estadunidense
Cidadania Estados Unidos
Filho(s) Karl Taube
Alma mater Universidade de Saskatchewan, Universidade da Califórnia em Berkeley
Ocupação químico, professor universitário
Prêmios Medalha William H. Nichols (1971), Prêmio Remsen (1975), Medalha Nacional de Ciências (1976), Prêmio Linus Pauling (1981), Nobel prize medal.svg Nobel de Química (1983), Prêmio em Ciências Químicas NAS (1983), Medalha Priestley (1985)
Empregador Universidade Cornell, Universidade de Chicago
Instituições Universidade Cornell, Universidade de Chicago, Universidade Stanford
Campo(s) Química inorgânica, físico-química

Henry Taube (Neudorf, 30 de novembro de 1915Palo Alto, 16 de novembro de 2005) foi um químico estadunidense nascido no Canadá, conhecido por ter recebido o Prêmio Nobel de Química de 1983 por "seu trabalho nos mecanismos de reações de transferência de elétrons, especialmente em complexos metálicos".[1] Ele foi o segundo químico canadense a ganhar o Prêmio Nobel e continua sendo o único ganhador do Prêmio Nobel nascido em Saskatchewan. Taube completou sua graduação e mestrado na Universidade de Saskatchewan, e seu Ph.D da Universidade da Califórnia, Berkeley. Depois de terminar a pós-graduação, Taube trabalhou na Universidade de Cornell, na Universidade de Chicago e na Universidade de Stanford.

Além do Prêmio Nobel, Taube também recebeu muitos outros prêmios científicos importantes,[2] incluindo a Medalha Priestley em 1985 e duas bolsas Guggenheim no início de sua carreira (1949 e 1955), bem como vários doutorados honorários. Sua pesquisa se concentrou em reações redox, metais de transição e o uso de compostos marcados isotopicamente para acompanhar as reações. Ele teve mais de 600 publicações, incluindo um livro, e orientou mais de 200 alunos durante sua carreira. Taube e sua esposa Mary tiveram três filhos; seu filho Karl é antropólogo na Universidade da Califórnia em Riverside.

Pesquisa e carreira acadêmicaEditar

Vida acadêmica e profissionalEditar

Após completar sua educação, Taube permaneceu nos Estados Unidos, tornando-se instrutor de química em Berkeley até 1941. Inicialmente, ele queria voltar ao Canadá para trabalhar,[3] mas não obteve resposta quando se candidatou a empregos nas principais universidades canadenses. De Berkeley, ele serviu como instrutor e professor assistente na Universidade Cornell até 1946. Durante a Segunda Guerra Mundial, Taube serviu no Comitê de Pesquisa de Defesa Nacional.[4] Taube passou um tempo na Universidade de Chicago como professor assistente, professor associado e professor titular de 1946 a 1961. Ele serviu como chefe do departamento de química em Chicago de 1956 a 1959, mas não gostou do trabalho administrativo.[3] Depois de deixar Chicago, Taube trabalhou como professor na Universidade de Stanford até 1986, uma posição que lhe permitiu focar na pesquisa,[3] enquanto também lecionava em níveis de graduação e pós-graduação. Ele se tornou Professor Emérito em Stanford em 1986,[5] mas continuou a realizar pesquisas até 2001,[6] e visitou seus laboratórios todos os dias até sua morte em 2005. Além de suas funções acadêmicas, Taube também atuou como consultor no Laboratório Nacional de Los Alamos de 1956 até os anos 1970.[7]

Interesses de pesquisaEditar

A pesquisa inicial de Taube na Cornell University se concentrou nas mesmas áreas que ele estudou como estudante de graduação, agentes oxidantes contendo oxigênio e halogênios e reações redox com essas espécies. Ele usou oxigênio-18 marcado isotopicamente e cloro radioativo para estudar essas reações. Ele foi reconhecido pela American Chemical Society em 1955 por seus estudos de isótopos.[8]

O interesse de Taube pela química de coordenação foi despertado quando ele foi escolhido para desenvolver um curso de química inorgânica avançada na Universidade de Chicago. Ele não conseguiu encontrar muitas informações nos livros didáticos disponíveis na época. Taube percebeu que seu trabalho sobre a substituição de carbono em reações orgânicas poderia estar relacionado a complexos inorgânicos.[3] Em 1952, Taube publicou um artigo importante relacionando as taxas de reações químicas à estrutura eletrônica em Chemical Reviews.[3][9][10] Esta pesquisa foi a primeira a reconhecer a correlação entre a taxa de substituição de ligante e d -configuração eletrônica do metal. A principal descoberta de Taube foi a forma como as moléculas constroem um tipo de "ponte química" em vez de simplesmente trocar elétrons, como se pensava anteriormente. A identificação dessa etapa intermediária explicou por que as reações entre metais e íons semelhantes ocorreram em taxas diferentes. Seu artigo na Chemical Reviews foi desenvolvido durante um período sabático no final dos anos 1940.[11] Um artigo na Science chamou este artigo de "um dos verdadeiros clássicos da química inorgânica" depois que seu Prêmio Nobel foi anunciado.[12] Taube pesquisou rutênio e ósmio, ambos os elementos têm uma alta capacidade de colagem posterior. Esse tipo de doação de elétrons foi fundamental para estudar a maneira como os elétrons são transferidos entre as moléculas em uma reação química.[3]

Ao relembrar sua pesquisa, Taube explicou que às vezes tinha dificuldade em encontrar alunos de pós-graduação dispostos a trabalhar em reações de transferência de elétrons, já que preferiam trabalhar em projetos mais "emocionantes" em seu laboratório com foco nos efeitos de traçadores isotópicos e cinética.[13] Taube sentiu que uma "falha primária" com sua correlação entre a configuração do elétron e a substituição do ligante era que ela foi descrita principalmente em termos da teoria da ligação de valência, já que a teoria do campo cristalino e a teoria do campo ligante não estavam bem estabelecidas quando ele publicou seu trabalho em 1952.[13]

Referências

  1. "Press Release: The 1983 Nobel Prize in Chemistry". NobelPrize.org The Official Website of the Nobel Prize. Retrieved 2010-08-30.
  2. "Memorial Resolution: Henry Taube" (PDF). Stanford University Senate. Archived from the original (PDF) on 2010-07-02. Retrieved 2010-09-25.
  3. a b c d e f McGrath, Kimberley A.; Travers, Bridget, eds. (1999). World of Scientific Discovery, 2nd Edition. Detroit: Gale Research. pp. 921–922. ISBN 978-0-7876-2760-7.
  4. "Henry Taube Biography". The Biography Channel. Archived from the original on 2013-01-18. Retrieved 2011-03-25.
  5. "Henry Taube - Curriculum Vitae". Nobel Web. Archived from the original on 2010-12-15. Retrieved 2010-09-22.
  6. Creutz, Carol; Ford, Peter C.; Meyer, Thomas J. (2006). "Henry Taube: Inorganic Chemist Extraordinaire". Inorganic Chemistry. 45 (18): 7059–7068. doi:10.1021/ic060669s. PMID 16933904.
  7. Jackson, Jasper A. (November 1985). "Early History of NMR at Los Alamos" (PDF). International Atomic Energy Agency. pp. 3, 7. Retrieved 2011-03-25.
  8. Walsh, Jerry; Ardon, Michael; Isied, Stephan S. (1997). "Henry Taube, 1983 Nobel Laureate, The Taube Revolution, 1952-1954, Preface, Acknowledgments". Electron Transfer Reactions. Advances in Chemistry. 253. pp. xi–xxii. doi:10.1021/ba-1997-0253.pr001. ISBN 978-0-8412-3456-7.
  9. "Henry Taube - Curriculum Vitae". Nobel Web. Archived from the original on 2010-12-15. Retrieved 2010-09-22.
  10. Taube, Henry (1952). "Rates and Mechanisms of Substitution in Inorganic Complexes in Solution". Chemical Reviews. 50: 69–126. doi:10.1021/cr60155a003.
  11. Ford, Peter C. (2005). "Celebration of inorganic lives: interview with Henry Taube". Coordination Chemistry Reviews. 249 (3–4): 275–279. doi:10.1016/j.ccr.2004.09.010.
  12. Gray, Harry B.; Collman, James P. (1983-12-02). "The 1983 Nobel Prize in Chemistry". Science. 222 (4627): 986–987. Bibcode:1983Sci...222..986G. doi:10.1126/science.222.4627.986. PMID 17776218.
  13. a b Van Houten, J. (July 2002). "A Century of Chemical Dynamics Traced Through the Nobel Prizes: Henry Taube 1983" (PDF). Journal of Chemical Education. Retrieved 2010-09-22.

Ligações externasEditar


Precedido por
Aaron Klug
Nobel de Química
1983
Sucedido por
Robert Bruce Merrifield