Abrir menu principal

A Igreja Presbiteriana na Coreia (Kosin ou Koshin) - em coreano 대한예수교장로회(고신) - é uma denominação reformada, formada na Coreia do Sul em 1952. Atualmente a denominação possui mais de 473.497 membros[3], sendo a terceira maior denominação presbiteriana e quarta maior denominação protestantes do país.[4][5][6]

Igreja Presbiteriana na Coreia (Kosin)
Classificação Protestante
Orientação Reformada
Teologia Calvinista Evangélica
Política Presbiteriana
Associações Conferência Internacional das Igrejas Reformadas[1] e Conselho Norte Americano Presbiteriano e Reformado[2]
Área geográfica Coreia do Sul, Estados Unidos da América e outros países
Origem 1952 (67 anos)
Separado de Igreja Presbiteriana na Coreia (HapDong)
Separações 1965: Igreja Presbiteriana na Coreia (KoRyuPa);

1980: Igreja Presbiteriana de Jesus

Congregações 2.056 (2017)[3]
Membros 473.497 (2017)[3]
Ministros 3.753 (2017)[3]
Site oficial www.kosin.org

Índice

HistóriaEditar

Missão Presbiteriana na CoreiaEditar

A missão presbiteriana começou na Coreia por um médico missionário, Dr. H.N. Allen da Igreja Presbiteriana nos Estados Unidos da América. Em 5 de abril de 1885, o missionário presbiteriano chamado H.G. Underwood chegou à Coreia e a missão presbiteriana na Coreia começou a florescer. Em janeiro de 1893, a Congregação de Missionários Presbiterianos foi estabelecida e em 15 de maio de 1901, o Seminário Teológico Presbiteriano de Pyongyang foi estabelecido. Depois de alguns anos, em 17 de setembro de 1907, o sínodo da Igreja Presbiteriana da Coreia foi organizado.

Domínio japonêsEditar

Em 1910, o governo do Japão impôs a anexação da Coreia e proclamou o slogan "Japão e Coreia são Um" como um esforço para colonizar a Coreia e outros países, fazendo uso do imperialismo militarista. O slogan foi usado para forçar a "japonização", reforçando a língua japonesa, o culto xintoísta e a deificação do imperador japonês, bem como reforçando a cultura japonesa. As escolas cristãs sofreram diversas restrições colonização japonesa.

Enquanto o governo do Japão exclamou que promovia o xintoísmo não como uma cerimônia religiosa, mas uma cerimônia nacionalista, muitas escolas cristãs resistiram à adoração xintoista e fecharam voluntariamente. As igrejas na Coreia foram o próximo alvo e, a partir de 1935, muitas denominações cristãs sofreram perseguição, incluindo adventistas do sétimo dia, metodistas, salvacionistas, a Igreja da Santidade.

Quanto à Igreja Presbiteriana na Coreia, o sínodo regional do norte do Pyongan foi o primeiro ramo a aceitar a adoração xintoista e muitos outros sínodos começaram a se seguir.[7]

Resistência ao culto xintoísta e a independência da CoreiaEditar

Nos esforços de impedir o sincretismo do Cristianismo com as religiões tradicionais, o movimento de resistência à adoração xintoísta foi formado por um grupo de ministros conservadores. Nesse período, muitos ministros do Seminário Teológico Presbiteriano de Pyongyang foram deslocados e o seminário acabou fechando.

Os reverendos Joo Ki-Chul, Han Sang-Dong, Joo Nam-Sun e outros ministros foram presos no campo de detenção de Pyongyang e torturados. As igrejas na Coreia perderam sua funcionalidade sob a opressão japonesa e em 1 de agosto de 1945, todas as igrejas cristãs coreanas foram forçadas a se unir com as japonesas. Durante a opressão, Joo morreu em meio a oposição ao culto xintoísta.[8]

Quando a Coreia reconquistou sua independência em 15 de agosto de 1945, os ministros remanescentes que sofriam com a prisão japonesa foram libertados. Reconhecendo o estado do cristianismo na Coreia, eles decidiram estabelecer o seminário teológico conservador construído sobre o fundamento da Fé reformada. Em 1946, Han e Joo assumiram a liderança no estabelecimento do seminário e, como resultado, o Seminário Teológico Koryeo foi inaugurado.[9]

Três pastores fundaram o Seminário Ko-Ryeo, mas a Igreja Presbiteriana na Coreia se recusou a reconhecer esse seminário. Os fundadores do Seminário KoRyu e BupDong formaram então, em 11 de setembro de 1952 a Igreja Presbiteriana na Coreia (Kosin), que assumiu posições mais conservadoras que a Igreja Presbiteriana existente. [10]

Em 1959 a Igreja Presbiteriana da Coreia sofreu nova separação, em que os membros conservadores formaram a Igreja Presbiteriana na Coreia (HapDong) e o ramo liberal formou a Igreja Presbiteriana da Coreia (TongHap).

União com HapDong e resurgimentoEditar

Em dezembro de 1960 Kosin se uniu a Igreja Presbiteriana na Coreia (HapDong), mas a união durou até 1963, quando a igreja se retirou da assembleia e retornou à sua forma original. Apenas 150 das igrejas originais de Kosin permaneceram com a Igreja Presbiteriana (Hapdong). Em 1965, uma divisão ocorreu na igreja Kosin e a Igreja Presbiteriana na Coreia (KoRyuPa) foi fundada por conflitos sobre seminários da denominação. Uma parte desta nova denominação se uniu novamente a igreja Kosin posteriormente.

Em 1980 uma nova separação ocorreu na denominação, dando origem a Igreja Presbiteriana de Jesus, após discussões sobre uma nova união com a Igreja Presbiteriana na Coreia (HapDong).

O grupo Kosin desenvolveu-se de forma constante nos anos seguintes, tornando-se uma das maiores denominações protestantes no país. A sede denominacional está localizada em Seul, na Coreia do Sul . Esta consiste em uma variedade de escritórios, como o Secretário Geral, a editora, o Departamento de Educação da Igreja, o Mission Training Institute.

Em 2016 a denominação promoveu reunião conjunta com a Igreja Presbiteriana na Coreia (TongHap) no esforço pela reconciliação das denominações.[9]

DoutrinaEditar

DemografiaEditar

Ano Igrejas e congregações Membros
2004 1.622 436.443
2005 1.655 464.865
2006 1679 501.036
2007 1.689 474.047
2008 1.694 464.799
2009 1.720 464.515
2010 1.741 466.379
2011 1.774 482.488
2012 1.811 481.032
2013 1.852 472.717
2014 1.840 461.476[4]
2017 2.056 473.497 [3]

Kosin apresenta um crescimento constate no número de igrejas, embora o número de membros não esteja crescendo no mesmo ritmo. Ainda assim, a denominação acumulou um crescimento de 8,5% no número de membros entre 2004 e 2017.

Relações intereclesiásticasEditar

Referências

  1. a b «Conferência Internacional das Igrejas Reformadas: Membros». Consultado em 6 de junho de 2018. Cópia arquivada em 5 de dezembro de 2017 
  2. a b «Membros do Conselho Norte Americano Presbiteriano e Reformado». Consultado em 6 de junho de 2018. Cópia arquivada em 28 de maio de 2018 
  3. a b c d e «Estatísticas da Igreja Presbiteriana na Coreia (Kosin) em 2017». Consultado em 6 de junho de 2018. Cópia arquivada em 31 de agosto de 2018 
  4. a b «Newsnjoy: demografia das 6 maiores denominações protestantes na Coreia do Sul». Consultado em 6 de junho de 2018. Cópia arquivada em 21 de outubro de 2017 
  5. «Cristianismo na Coreia do Sul: principais denominações». Consultado em 29 de maio de 2018 
  6. «O processo de formação do ramo da Igreja Presbiteriana Coreana». Consultado em 6 de junho de 2018. Cópia arquivada em 11 de junho de 2016 
  7. «História da oposição a adoração xintoista». Consultado em 6 de junho de 2018. Cópia arquivada em 1 de maio de 2016 
  8. «Reformiert Online: Coreia do Sul». Consultado em 6 de junho de 2018. Cópia arquivada em 17 de março de 2016 
  9. a b «News KMIB: História da fundação da Igreja Presbiteriana Kosin na Coreia e reconciliação». Consultado em 6 de junho de 2018 
  10. «História da Igreja Presbiteriana da Coreia». Consultado em 6 de junho de 2018. Cópia arquivada em 18 de julho de 2011 
  11. «Reformiert: Igreja Presbiteriana na Coreia (Kosin)». Consultado em 6 de junho de 2018. Cópia arquivada em 4 de março de 2016 
  12. «Relações intereclesiásticas das Igrejas Reformadas Libertadas (Holanda) Igreja Presbiteriana na Coreia (Kosin)». Consultado em 6 de junho de 2018. Cópia arquivada em 28 de março de 2016