Imperatriz Meishō

imperatriz do Japão
(Redirecionado de Imperatriz Meisho)
Meishō
Imperatriz do Japão
Reinado 22 de dezembro de 1629
até 14 de novembro de 1643
Coroação 17 de outubro de 1630
Antecessor(a) Go-Mizunoo
Sucessor(a) Go-Komyo
 
Casa Yamato
Nome de nascimento Okiko (興子)
Nascimento 9 de janeiro de 1624
Morte 4 de dezembro de 1696 (72 anos)
Pai Imperador Go-Mizunoo
Mãe Masako Tokugawa

Imperatriz Meishō (em japonês: 明正天皇; 9 de janeiro de 16244 de dezembro de 1696) foi o 109.º imperatriz do Japão,[1] de acordo com a ordem tradicional de sucessão.[2] Seu reinado durou de 1629 a 1643.[3]

Na história do Japão, Meishō foi a sétima de oito mulheres a se tornar imperatriz reinante. As seis que reinaram antes dela foram Suiko, Kōgyoku / Saimei, Jito, Genmei, Gensho e Kōken / Shōtoku. Sua única sucessora feminino foi Go-Sakuramachi.[4]

VidaEditar

Antes de ascender ao Trono do Crisântemo, seu nome pessoal (imina) era Príncesa Imperial Okiko (Okiko-hime). Okiko foi a segunda filha do Imperador Go-Mizunoo. Sua mãe se chamava Tokugawa Masako, filha do shogun Hidetada.

Okiko tornou-se imperatriz após a abdicação de seu pai o Imperador Go-Mizunoo em 1629. A sucessão (senso) foi recebida pela nova monarca; e logo em seguida, foi proclamada Imperatriz Meishō (sokui).[5] Os anos do reinado de Meishō corresponderam ao desenvolvimento e crescimento do xogunato Tokugawa sob a liderança de Tokugawa Iemitsu. Quando seu reinado se iniciou a nova imperatriz tinha apenas 5 anos; e ela se tornaria a primeira mulher a ocupar o trono desde a imperatriz Shotoku, a 48ª soberana que morreu em 770.[6]

Em 1632 o Ōgosho (Shōgun Aposentado) Hidetada veio a falecer e Iemitsu começou a implementar de fato seu governo.[5]

Em 1634 o Shogun Iemitsu visitou Quioto. No ano seguinte um embaixador do Rei Injo do Reino de Joseon (Coréia) é recebido em Quioto.[5]

Em 1637 eclodiu a grande rebelião de Shimabara onde muitos cristãos estiveram envolvidos entre eles ex-vassalos do Clã Arima; forças shogunais são enviadas para reprimir a revolta que é esmagada no ano seguinte, resultando em 37.000 rebeldes mortos. Outra consequência é que a religião cristã foi proibida no Japão sob pena de morte.[5]

Em 6 de julho de 1640 um navio espanhol vindo de Macau trouxe uma delegação de 61 pessoas para Nagasaki. No dia 9 de agosto, todos foram decapitados e suas cabeças estavam presas em postes.[5]

Em 1641 O príncipe imperial Tsuguhito, foi nomeado príncipe herdeiro.[5]

Em 14 de novembro de 1643, no 15º ano do reinado de Meishō tennō, a imperatriz abdicou e a sucessão (senso) foi recebida pelo seu seu meio-irmão mais novo Tsuguhito.[5] Acredita-se que o pai de Meishō era realmente quem governava em seu nome até a data em que ela abdicou.

Em 4 de dezembro de 1696 a imperatriz aposentada veio a falecer aos 72 anos de idade e passou a ser consagrada no mausoléu imperial (misasagi) nomeado Tsukinowa no misasagi, que está localizado em Sennyu-ji no bairro Higashiyama-ku em Quioto.[7] Esse misasagi também é consagrado a seu pai, e a seus sucessores imediatos.

Shōguns do reinadoEditar

Daijō-kanEditar

Ver artigo principal: Daijō-kan



Precedido por
Go-Mizunoo
  -- 109º Imperatriz do Japão
1629 - 1643
Sucedido por
Go-Komyo


Referências

  1. Imperial Household Agency (Kunaichō): 明正天皇 (108)
  2. Ponsonby-Fane, Richard. (1959). The Imperial House of Japan, p. 115.
  3. Titsingh, pp. 411–412.
  4. «Emperors and Empresses Regnant of Japan». Encyclopedia Britannica (em inglês). Consultado em 31 de maio de 2020 
  5. a b c d e f g Klaproth, Julius von (1834). Annales des empereurs du Japon (em francês). [S.l.]: Oriental Translation Fund, p. 411-412 
  6. Ponsonby-Fane, Richard Arthur Brabazon (1959). The Imperial House of Japan (em inglês). [S.l.]: Ponsonby Memorial Society, p. 115 
  7. Agência da Casa Imperial: Meisho-tennō (109) (em japonês)

Ver tambémEditar