Instituto de Economia da Universidade Federal do Rio de Janeiro

O Instituto de Economia (IE) da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) é um dos principais centros de estudo de Ciências Econômicas do Brasil. Os cursos de graduação e pós-graduação do IE são um dos mais antigos da área no país, bem como um dos mais bem avaliados e reconhecidos[2][3].

Instituto de Economia da Universidade Federal do Rio de Janeiro
IE-UFRJ
Lema Singular porque plural
Fundação 1996 (26 anos)
Instituição mãe Minerva UFRJ.png Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ)
Tipo de instituição Unidade acadêmica
Localização Rio de Janeiro, RJ, Brasil
Diretor(a) Fabio Neves Perácio de Freitas
Vice-diretor(a) Eduardo Costa Pinto
Docentes 96[1]
Campus Praia Vermelha
Cores      Pantone 282 C
     Pantone Process Blue C
     Pantone 432 CP
     Pantone 649 U
Página oficial ie.ufrj.br
Localização do Instituto de Economia (em violeta) na Urca (em vermelho), estando destacada sua proximidade ao Pão de Açúcar (em verde).

O Instituto está localizado no campus da Praia Vermelha e integra, juntamente a outras unidades da UFRJ, o Centro de Ciências Jurídicas e Econômicas (CCJE).

HistóriaEditar

As origens do Instituto de Economia da UFRJ remontam à fundação da Faculdade de Ciências Econômicas e Administrativas do Rio de Janeiro (FCEARJ), fundada em 1938 pela Ordem de Economistas do Rio de Janeiro e a Sociedade Brasileira de Economia Política, que reunia estudiosos do mais alto escalão do ensino de economia da época, como Octávio Gouvêa de Bulhões e Eugênio Gudin.

A FCEARJ seria incorporada, em 1946, à então Universidade do Brasil (que só seria renomeada de UFRJ em 1965), e passou a chamar-se Faculdade Nacional de Ciências Econômicas (FNCE), e novamente rebatizada em 1965 como Faculdade de Economia e Administração (FEA). A criação da FNCE faria da instituição o primeiro curso de graduação em economia independente do Direito no Brasil. Em 1979, a UFRJ criaria ainda o Instituto de Economia Industrial (IEI), uma instituição voltada para o ensino de pós-graduação e para a pesquisa em economia. Em 1986, implementaria-se ainda o curso de doutorado.

Em 1996, o Departamento de Economia da FEA se fundiria ao IEI, unindo a graduação à pós-graduação e a pesquisa em economia. Dessa fusão surge o Instituto de Economia, resultado de um projeto histórico de construção de um núcleo universitário unificado para o ensino e a pesquisa de excelência em economia na UFRJ. Esta união possibilitou uma quantidade maior de disciplinas a serem ofertadas e uma interação mais intensa entre programas de graduação e pós-graduação na área de Economia.

Atlética Economia UFRJEditar

O Instituto de Economia da UFRJ conta, desde 2014, com uma atlética formada e gerida por alunos e ex-alunos do Instituto de Economia. Suas cores são preto e amarelo, e seu mascote é um morcego. Participa, desde 2016, dos Jogos Financeiros, competição a qual conquistou pela primeira vez em 2017, além de ser eleita a Melhor Torcida na edição inaugural. A atlética também foi campeão geral do Desafio Universitário de 2015, e conquistou mais três títulos de Melhor Torcida, na Supercopa em 2014 e 2017 e no Super 15 em 2015.

Pessoas notáveisEditar

AlunosEditar

DocentesEditar

GaleriaEditar

 
O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Instituto de Economia da Universidade Federal do Rio de Janeiro

Referências

  1. «Quem Somos». Instituto de Economia - UFRJ. Consultado em 8 de abril de 2022. Cópia arquivada em 9 de novembro de 2021 
  2. «Economia - Ranking de Cursos - Ranking Universitário Folha - 2017». ruf.folha.uol.com.br. Consultado em 28 de julho de 2018 
  3. «Os 12 melhores cursos de Economia do Brasil | Melhores faculdades». Guia do Estudante 
  4. a b «Antônio Barros de Castro». FGV CPDOC. Consultado em 31 de julho de 2022. Cópia arquivada em 23 de janeiro de 2022 
  5. a b c d e f g h i j k «História». Instituto de Economia — UFRJ. Consultado em 31 de julho de 2022. Cópia arquivada em 30 de julho de 2022 
  6. a b «Morre o economista Carlos Lessa, ex-reitor da UFRJ e ex-presidente do BNDES». G1. 5 de junho de 2020. Consultado em 31 de julho de 2022. Cópia arquivada em 9 de abril de 2022 
  7. a b BARROS, William (29 de outubro de 2021). «Economista Maria da Conceição Tavares vira diva pop e intelectual invejável para jovens na internet». Yahoo! Finanças. Consultado em 31 de julho de 2022. Cópia arquivada em 9 de abril de 2022 
  8. WERNECK, Rogério L. F. (6 de agosto de 2010). «Um economista que fará falta ao País». Estadão. Consultado em 31 de julho de 2022. Cópia arquivada em 9 de abril de 2022 
  9. a b «Fabio Giambiagi». FGV IBRE. Consultado em 31 de julho de 2022. Cópia arquivada em 31 de julho de 2022 
  10. a b «Fabio Giambiagi — veja a biografia do economista brasileiro». Suno. Consultado em 31 de julho de 2022. Cópia arquivada em 9 de abril de 2022 
  11. a b c d «História». Instituto de Economia — UFRJ. Consultado em 31 de julho de 2022. Cópia arquivada em 1.º de outubro de 2020 
  12. «Marcel Herrmann Telles: o brasileiro que revolucionou a Brahma e criou a cultura "tipo exportação" com Lemann e Sicupira». InfoMoney. Consultado em 31 de julho de 2022. Cópia arquivada em 13 de abril de 2022 
  13. «Quem são os 62 bilionários brasileiros em 2022 com mais de US$ 1 bilhão». Forbes Brasil. 5 de abril de 2022. Consultado em 31 de julho de 2022. Cópia arquivada em 6 de julho de 2022 
  14. «Senado aprova indicação de Goldfajn para a presidência do Banco Central». Senado Notícias. 7 de junho de 2016. Consultado em 31 de julho de 2022. Cópia arquivada em 9 de abril de 2022 
  15. «José Alexandre Scheinkman». Academia Brasileira de Ciências. Consultado em 31 de julho de 2022. Cópia arquivada em 9 de abril de 2022 
  16. «Laura Carvalho». Centro de Pesquisa em Macroeconomia das Desigualdades. Consultado em 31 de julho de 2022. Cópia arquivada em 18 de dezembro de 2021 
  17. REGINA, Cláudia (24 de fevereiro de 2015). «Marcos Lisboa». Instituto de Estudos Avançados da USP. Consultado em 31 de julho de 2022. Cópia arquivada em 21 de setembro de 2020 
  18. a b «Seminário aborda o desenvolvimentismo no Brasil». Ipea. 29 de outubro de 2009. Consultado em 31 de julho de 2022. Cópia arquivada em 26 de agosto de 2020 
  19. «Professor Ricardo Henriques». Fundação Dom Cabral. Consultado em 31 de julho de 2022. Cópia arquivada em 9 de abril de 2022 
  20. «CNV apresenta relatório sobre o caso Stuart Angel». Comissão Nacional da Verdade. Junho de 2014. Consultado em 31 de julho de 2022. Cópia arquivada em 1.º de abril de 2021 
  21. «Quem foi Stuart Angel, homenageado por torcedores do Flamengo no domingo». O Globo. 1.º de abril de 2019. Consultado em 31 de julho de 2022. Cópia arquivada em 4 de setembro de 2021 
  22. «Morre o economista Aloísio Teixeira, ex-reitor da UFRJ». Ipea. 23 de julho de 2012. Consultado em 31 de julho de 2022. Cópia arquivada em 31 de julho de 2022 
  23. «Armando Castelar». FGV IBRE. Consultado em 31 de julho de 2022. Cópia arquivada em 1.º de novembro de 2021 
  24. «Antônio Dias Leite Júnior». FGV CPDOC. Consultado em 31 de julho de 2022. Cópia arquivada em 23 de junho de 2021 
  25. «Edmar Lisboa Bacha». FGV CPDOC. Consultado em 31 de julho de 2022. Cópia arquivada em 22 de janeiro de 2022 
  26. «Eugênio Gudin Filho». FGV CPDOC. Consultado em 31 de julho de 2022. Cópia arquivada em 23 de julho de 2022 
  27. «Otávio Gouveia de Bulhões». FGV CPDOC. Consultado em 31 de julho de 2022. Cópia arquivada em 31 de julho de 2022 
  28. «Roberto de Oliveira Campos». FGV CPDOC. Consultado em 31 de julho de 2022. Cópia arquivada em 9 de junho de 2021 

Ligações externasEditar