Abrir menu principal
Disambig grey.svg Nota: Se procura uso em direito, veja Interesse jurídico.
Portal A Wikipédia possui o
Portal de Psicologia

Interesse designa em psicologia uma disposição de juízo dirigida a uma ação ou atividade: assim as pessoas se diferenciam com relação a quais atividades são consideradas atrativas e quais não o são. Interesse se diferencia de motivo, uma vez que este se refere ao juízo das consequências da ação: as pessoas se diferenciam, por exemplo, com relação a quanto o sucesso ou o reconhecimento é importante para elas[1].

Quando várias pessoas cooperaram pelo mesmo objetivo, há uma harmonia de interesses.

Apesar da relevância do conceito de interesse tanto para a psicologia do trabalho (escolha de pessoal), para psicologia pedagógica (aconselhamento vocacional) e para a psicologia do lazer (interesse por determinados Hobbys, esportes, lugares de férias), a pesquisa científica nessa área se encontra muito pouco desenvolvida.

Será Ovide Decroly que no início do século XX que pela primeira vez postulou o interesse como pressuposto básico para a aprendizagem na Educação. Para ele, esse estado desperto da criança estaria na base de toda actividade, incitando-a a observar, associar, expressar. Acreditava que aprendizagens ocorreriam de maneira espontânea pelo contacto com o meio, de onde proviriam estímulos que para onde as crianças direccionariam suas questões[2].

Índice

O modelo de HollandEditar

Holland (1973) descreve seis grupos de interesse profissional; esses grupos definem uma determinada área profissional. O modelo prevê que os interesses se distribuem em um hexágono, correspondendo cada ângulo do hexágono a um determinado interesse profissional - quanto mais a pessoa se aproxima de um grupo de interesses mais se afasta dos demais. Os seis tipos de interesse profissional são[3]:

 
Os grupos de interesse se ditribuem no hexágono - os pontos opostos também estão mais distantes quanto aos interesses
  1. Realísticos/prático - engenharia, mecânica, agronomia;
  2. Investigativos - física, biologia, matemática, sociologia;
  3. Artísticos - música, artes plásticas, literatura, teatro;
  4. Sociais - enfermaria, trabalho social, professor escolar
  5. Empreendedores - gerência, advocacia, política
  6. Convencionais - contabilidade, trabalho administrativo, vendas, organização

O modelo de Holland pôde ser empiricamente comprovado[4]. Além disso Prediger (1982) conseguiu reduzir os seis grupos de interesse a duas dimensões: (1) interesse em pessoas-interesse em coisas e (2) interesse em dados-interesse em ideias. Outros estudos[5] encontraram a seguinte correlação: quanto mais o interesse profissional corresponde à profissão exercida, tanto maior é a satisfação no trabalho. Essa correlação, no entanto não pode ser interpretada como uma explicação causal: tanto pode o casamento interesse-profissão conduzir a uma maior satisfação como pode uma satisfação devida a outros fatores (ex. um bom clima de trabalho) levar ao desenvolvimento de interesse pela atividade exercida. Interessante é que a escolha profissional parece ser determinada antes pelas habilidades do que pelos interesses profissionais[6].

Referências

  1. Asendorpf, Jens B. (2004). Psychologie der Persönlichkeit. Berlin: Springer.
  2. «Ovide Decroly, Educar para Crescer». Consultado em 22 de fevereiro de 2014. Arquivado do original em 14 de agosto de 2014 
  3. Holland, J. L. (1973). Making vocational choices. Englewood Cliffs, NJ: Prentice-Hall.
  4. Prediger, D. L. (1982). Dimensions underlying Holland's hexagon: Missing link between interests and occupations? Journal of Vocational Behaviour, 21, 259-287.
  5. Buse, L. (1998). Differentielle Psychologie der Interessen. Em: M. Amelang (Hrsg.) Enzyklopädie der Psychologie, Band C/VIII/3: Temperaments- und Persönlichkeitsunterschied (pp.441-475).
  6. Austin, J. T. & Hanisch, K. A. (1990). Occupational attainment as a function of abilities and interests: A longitudinal analysis using Projekt TALENT Data. Journal of Applied Psychology, 75, 77-86.

BibliografiaEditar

  • Asendorpf, Jens B. (2004). Psychologie der Persönlichkeit. Berlin: Springer. ISBN 3 540 66230 8

Ver tambémEditar