Ippolito Rosellini

Ippolito Rosellini (Pisa, 13 de Agosto de 18004 de Junho de 1843) foi um egiptólogo italiano.

Ippolito Rosellini
Nascimento 13 de agosto de 1800
Pisa
Morte 4 de junho de 1843 (42 anos)
Pisa
Sepultamento Camposanto Monumentale
Irmão(s) Ferdinando Rosellini
Alma mater
Ocupação egiptólogo, arqueólogo, antropólogo, bibliotecário, explorador
Empregador Universidade de Pisa
Causa da morte malária

VidaEditar

Rosellini era filho de comerciantes de Pescia. Em 1817 ingressou na Universidade de Pisa, onde se formou em teologia a 5 de Junho de 1821. Em 1824 tornou-se professor desta instituição, onde ensinou na área das línguas orientais (Rosellini era especialista em hebraico e árabe) e da história da Antiguidade Oriental.

Simultaneamente Rosellini iniciou uma tarefa de divulgação do trabalho do francês Jean-François Champollion, que conheceu em Florença no Verão de 1825 e que em 1822 tinha decifrado os hieróglifos. Nesse sentido, Rosellini publica a obra Il sisteme geroglifico del signor Champollion dichiarato ed esposto all intelligenza di tutti. Ainda no mesmo ano é criada a disciplina de Egiptologia na Universidade de Pisa, regida por Rosellini, tornando-se esta universidade a primeira a ensinar egiptologia no continente europeu.

Rosellini e Champollion prepararam uma expedição conjunta ao Egipto, que foi financiada pela França e por Leopoldo II, grão-duque da Toscânia. Esta expedição (1828-1829) percorreu os principais locais de interesse arqueológico do Egipto e da Núbia e recolheu objectos para o Museu do Louvre e o Museu de Florença.

Acompanhando Rosellini encontravam-se o pintor Giuseppe Angelelli, o naturalista Giuseppe Raddi e o seu tio, o engenheiro e arquitecto Gaetano Rosellini. Durante a estadia no Egipto, a equipa italiana produziu 1 400 desenhos. Os estudos desenvolvidos na expedição são publicados a partir de 1832 sob o título de Monumento dell'Egitto e della Nubia.

Trabalhos selecionadosEditar

ReferênciasEditar

  1. Dawson, Warren R. (1951). Who Was Who in Egyptology. London: Harrison & sons (reprint 1972)., p. 253