Jöns Bengtsson (Oxenstierna)

Jöns Bengtsson (Oxenstierna), nascido em 1417 e falecido em 1467, foi um eclesiástico sueco e regente da Suécia, sob a União de Kalmar em 1457, juntamente com Erik Axelsson (Tott) em 1457 e sozinho de 1465 a 1466. Ele também foi arcebispo de Uppsala de 1448 a 1467.[1]

Jöns Bengtsson
Nascimento 1417
Morte 15 de dezembro de 1467 (49–50 anos)
Sepultamento Catedral de Uppsala
Cidadania Suécia
Etnia Suecos
Progenitores
Irmão(s) Kristiern Bengtsson (Oxenstierna) den äldre
Alma mater
Ocupação padre
Empregador Universidade de Leipzig
Religião Igreja Católica

BiografiaEditar

FamíliaEditar

Jöns Bengtsson era membro da ilustre família Oxenstierna, dos quais vários representantes já haviam se tornado proeminentes na vida pública da Suécia. Seu pai foi o Conselheiro Privado Bengt Jönsson Oxenstierna, Senhor de Salsta, e sua mãe foi Kristina Kristiernsdotter Vasa, filha do Senhor Supremo Justiciar Kristiern Nilsson Vasa.

Educação e carreira acadêmicaEditar

Ele estudou na Universidade de Leipzig e voltou em 1438 para a Suécia com um magister in artibus. No seu retorno, foi nomeado arcipreste do capítulo da Catedral de Uppsala. Pouco depois, seu pai foi nomeado orador da província de Uppland e Castellan do Castelo de Ringstaholm pelo Conselho Privado. Em 1440, ele compareceu ao Riksmöte em Arboga, onde o rei dinamarquês Cristóvão da Baviera foi eleito rei da Suécia, e participou de duas reuniões da União Kalmar em 1441 como representante sueco.

Não há fontes suecas mencionando Jöns Bengtsson no período entre 1442 e 1447, durante o qual ele provavelmente retornou à Alemanha para continuar seus estudos acadêmicos em direito canônico. Ele é mencionado como decretorum baccalaureus e Reitor da Universidade de Leipzig para o semestre de verão de 1445.[2]

ArcebispoEditar

Pouco depois de seu pai Bengt Jönsson e tio Nils Jönsson Oxenstierna serem nomeados co-regentes, Jöns Bengtsson foi eleito arcebispo em fevereiro de 1448. Ele pediu ao Conselho de Basileia uma confirmação de sua eleição e foi consagrado (30 de junho de 1448) por suas sufragâneas, um dia depois de terem coroado Carlos VIII como rei. Em 1º de julho, Bengtsson coroou a rainha. A confirmação de sua nomeação pelo Papa Nicolau V não o alcançou até o ano seguinte.

Em 1457, como arcebispo de Uppsala, recebeu do papa o título de primaz da Suécia; os arcebispos de Lund, entretanto, foram autorizados a reter seu título de primaz da Igreja da Suécia.[2]

Como Carlos, para escapar de problemas financeiros, aumentar impostos e confiscar propriedade da igreja, a insatisfação se espalhou entre o clero e o povo, e Bengtsson colocou-se à frente da oposição (1457). Entrando na Catedral de Uppsala, ele deixou de lado sua insígnia pontifical, pegou capacete, couraça e espada, e anunciou sua intenção de não retomar suas vestes pontifícias até que Carlos fosse banido do país. O rei foi forçado a ceder e foi para o exílio em Danzig. Em seguida, Cristão I da Dinamarca foi formalmente reconhecido como Rei da Suécia e coroado em Estocolmo por Bengtsson.

O descontentamento geral logo se seguiu, especialmente quando Christian, ao se tornar herdeiro de seu tio, o duque Adolph de Holstein, se viu em grandes dificuldades financeiras. Para cumprir suas obrigações, ele arrecadou enormes impostos, mesmo na Suécia, sem isentar eclesiásticos, fundações religiosas ou o dinheiro arrecadado por mandato papal para custear as despesas de uma cruzada contra os turcos. Durante uma ausência temporária de Christian I na Finlândia, o arcebispo manteve a regência da Suécia; vendo o povo revoltado contra ele e as pesadas imposições, ele assumiu sua causa e suspendeu a cobrança de impostos. O rei mostrou seu desagrado ao prender o arcebispo e enviá-lo à Dinamarca. Uma nova revolução estourou na Suécia, liderada por seu primo Kettil Karlsson Vasa, Bispo de Linköping, que derrotou o exército de Christian I na Batalha de Haraker em 1464, tornando-se regente de fato. Carlos VIII foi chamado de volta ao trono, e Cristão I, para recuperar o país, reconciliou-se com seu prisioneiro. Bengtsson foi imediatamente para a Suécia, onde levantou o povo contra Carlos, a quem excomungou. O arcebispo conseguiu finalmente provocar a abdicação de Carlos e o reconhecimento de Cristão I mais uma vez como rei da Suécia. Na realidade, porém, o arcebispo detinha as rédeas efetivas do poder e administrava os negócios como se fosse o verdadeiro soberano. Ele não foi capaz de sustentar esse papel. Facções descontentes se uniram contra ele e, em 1466, elegeram Erik Axelsson Tottcomo regente, ao que Bengtsson foi compelido a se aposentar. As dissensões continuaram e o rei do partido sueco, Carlos VIII, mais uma vez ocupou o lugar do rei que representava a união dos três países. O arcebispo encontrou asilo com seu amigo Magnus Gren, na ilha de Öland. Aqui ele morreu em Borgholm em 15 de dezembro de 1467, "pobre e exilado, não lamentado por ninguém, odiado por muitos e temido por todos".[1]

Visão geralEditar

A chave para a atividade política de Bengtsson deve ser encontrada na ambição que fazia parte de seu personagem - ambição para sua família e seu país. Havia um forte antagonismo entre a grande família Oxenstierna, à qual pertencia o arcebispo, e a família Bonde, da qual o rei, apoiado pelo partido nacional, era membro. Além disso, o arcebispo estava ciente de que a nobreza e os líderes da Suécia, antes da União de Kalmar, em geral não respeitaram o clero e a propriedade da Igreja. Em uma união da Suécia com a Dinamarca e a Noruega, ele previu uma limitação do poder dos nobres suecos; em seu caráter de arcebispo, estava claro para ele que tal restrição seria uma salvaguarda para as temporalidades da Igreja.

ReferênciasEditar

  1. a b Herbermann, Charles, ed. (1913). " Jöns Oxenstjerna Bengtsson ". Enciclopédia Católica . Nova York: Robert Appleton Company.
  2. a b «Gillingstam, Hans (1994) Jöns Bengtsson (Oxenstierna) , Svenskt biografiskt lexikon , Band 28 (1992-1994), p. 496»