Abrir menu principal

Júlia Kubitschek (Coronel Fabriciano)

Júlia Kubitschek
  Bairro do Brasil  
Vista parcial do bairro Júlia Kubitschek
Vista parcial do bairro Júlia Kubitschek
Mapa do bairro Júlia Kubitschek
Mapa do bairro Júlia Kubitschek
Unidade federativa  Minas Gerais
Zona Setor 4
Distrito Senador Melo Viana
Município Coronel Fabriciano
Criado em 1971
Área
 - Total 1,4 km²
População (2010)
 - Total 3 452
    • Densidade 2 390,82 hab./km²
Domicílios 1 121
Limites Melo Viana, Giovannini, Vila Bom Jesus, Bom Jesus e Nova Tijuca
Fonte: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE)[1]/

Júlia Kubitschek (antigo Professora Júlia Kubitschek), popularmente conhecido como JK,[2] é um bairro do município brasileiro de Coronel Fabriciano, interior do estado de Minas Gerais. Localiza-se no distrito Senador Melo Viana, estando situado no Setor 4.[3] De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), sua população no ano de 2010 era de 3 452 habitantes, cujo valor representava 3,3% do total do município e estava distribuído em uma área de 1,4 km².[1]

A área, que até o final da década de 1960 pertencia à Arquidiocese de Mariana, foi loteada e o bairro foi oficialmente criado no ano de 1971, sob mandato do prefeito Mariano Pires Pontes. O nome recebido é uma referência a Júlia Kubitschek, que havia falecido naquele mesmo ano, mãe do ex-presidente Juscelino Kubitschek. Este compareceu à cerimônia de fundação do bairro, que inicialmente contava com poucas casas, porém no decorrer das décadas seguintes houve um crescimento populacional da localidade, que passou a ter infraestrutura e comércio.[2]

Índice

HistóriaEditar

 
Vista da Igreja Nossa Senhora de Lourdes, que foi inaugurada em 1985, erguida em terreno adquirido em 1974.
 
Avenida Cananeia.

A região do atual bairro pertencia, até o final da década de 1960, à Arquidiocese de Mariana, sendo administrada por intermédio do pároco local, padre Rocha; assim como as terras dos atuais bairros São Domingos, Recanto Verde e Bom Jesus, dentre outros.[2] A área era chamada de Fazenda do Padre Rocha e após o adoecimento do religioso, suas propriedades foram vendidas ou cedidas a outros administradores. No caso da antiga fazenda, o terreno foi comprado por Fábio Xavier Pinheiro em 1970, transformando-o na Fazenda Bom Jesus, que teve parte das terras loteada pela Empreendimentos Novo Reno Ltda. em 1971, enquanto que o restante, no perímetro rural, continuou a ser propriedade de Fábio.[2][4]

O nome recebido pelo novo bairro foi sugerido pelo então deputado federal Aníbal Teixeira de Souza, amigo de Fábio, e é uma homenagem à professora Júlia Kubitschek, que havia falecido naquele mesmo ano, mãe do ex-presidente Juscelino Kubitschek. Este compareceu à cerimônia de fundação do JK, abreviação a qual o núcleo residencial é conhecido atualmente, e a denominação foi oficializada pelos poderes legislativo e executivo de Fabriciano na mesma ocasião, em mandato do prefeito Mariano Pires Pontes.[2] À época da visita do presidente, o bairro contava com poucas ruas e casas e não havia abastecimento de água e coleta de esgoto, sendo que quando chovia ocorriam enchentes na parte baixa e grandes deslizamentos de terra na parte alta. Somente no decorrer da década de 80 é que o lugar começou a se desenvolver estrutural e demograficamente.[2]

Em 1º de outubro de 1982, foi fundada a primeira grande escola, a Escola Estadual Zacarias Roque, que já funcionava desde 1964 no bairro Bom Jesus e fora transferida para um espaço mais amplo no JK. Seu nome homenageia José Zacarias da Silva Roque, primeiro tabelião do distrito Melo Viana, que se transformou no município de Coronel Fabriciano em 1948.[2] Em 1984, veio a ser criada a Associação Comunitária dos Moradores do Bairro JK (atualmente inativa) e em 1985, foi inaugurada a Igreja Nossa Senhora de Lourdes, cujo terreno foi adquirido para construção em 1974. No decorrer da década de 1990, houve a expansão dos serviços de abastecimento de energia elétrica, das redes de esgoto e de linhas de ônibus.[2]

Geografia e demografiaEditar

 
Ribeirão Caladão entre os bairros Júlia Kubitschek e Giovannini.

O bairro Júlia Kubitschek possui área total de 1,4 km², limitando-se com os bairros Melo Viana (a norte e leste), Giovannini, Vila Bom Jesus (a leste), Bom Jesus e Nova Tijuca (a sul).[1][4] É banhado pelo Ribeirão Caladão, que corta a zona urbana de Coronel Fabriciano e recebe sujeira e poluição originada de residências e pequenas indústrias, oficinas ou matadouros de suas margens, sendo que na época das chuvas são comuns enchentes nas áreas mais baixas do bairro.[5][6] O desflorestamento da área teve início durante a limpeza do terreno para que fosse loteado, em 1970. Quando o núcleo residencial foi criado, em 1971, ainda havia poucas casas e vários pontos não devastados, mas no decorrer das décadas de 70 e 80 ocorreu um processo de urbanização.[2] A ausência de vegetação em alguns morros fez com que fossem frequentes enxurradas durante fortes chuvas, porém ao longo da década de 90 houve melhorias estruturais que provocaram uma redução dos estragos causados por temporais intensos.[2]

Em 2010, a população do núcleo residencial foi contada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) em 3 452 habitantes,[1] sendo comparável a cidades mineiras como São Félix de Minas, Fernandes Tourinho e Jaguaraçu.[7] Dentre os 63 bairros que Fabriciano se subdivide, o Júlia Kubitschek ocupava a oitava posição entre os mais populosos, englobando 3,3% da população municipal e 6,7% da população do distrito Senador Melo Viana, sendo a densidade demográfica de 2 390,82 habitantes por quilômetro quadrado.[1] Do total de habitantes, 1 662 eram homens (48,1% do total) e 1 790 mulheres (51,9%), distribuídos em 1 121 domicílios.[1] Parte do JK também está incluída entre os 20 aglomerados subnormais da cidade, envolvendo um total de 1 162 moradores juntamente com o bairro vizinho Melo Viana.[8] A Igreja Nossa Senhora de Lourdes representa a sede da Comunidade Nossa Senhora de Lourdes, cuja atuação pastoral católica está subordinada à Paróquia Santo Antônio, jurisdicionada à Diocese de Itabira-Fabriciano.[2]

InfraestruturaEditar

 
Vista da E.E. Zacarias Roque.

A Escola Estadual Zacarias Roque está situada no bairro Júlia Kubitschek e atende do 1º ao 9º ano do ensino fundamental.[9] Conforme citado anteriormente, a instituição foi criada em 1964 no bairro Bom Jesus, sendo transferida para o JK em 1984.[2] Em 9 de junho de 2014, foi inaugurado o Centro Municipal de Educação Infantil (CMEI) Sonho de Criança, que atende a crianças de seis meses a cinco anos na educação infantil.[10] Também há uma unidade básica de atendimento, que é administrada pela Secretaria Municipal de Saúde (SMS) e oferece atendimentos e consultas básicas à população e serviços de enfermagem, além de servir como posto de vacina durante campanhas de vacinação.[11][12][13]

O serviço de abastecimento de água é feito pela Companhia de Saneamento de Minas Gerais (Copasa), enquanto que o abastecimento de energia elétrica é de responsabilidade da Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig), sendo que 100% da população possui acesso à rede elétrica.[14] Através do terminal de integração do transporte coletivo, no Centro de Fabriciano, que foi construído para a baldeação de linhas, é possível pegar dois ônibus do serviço público de linhas diferentes pagando apenas uma passagem,[15] sendo que há linhas que atendem ao bairro diretamente ou aos bairros próximos e que passam pelo Júlia Kubitschek.[16]

CulturaEditar

O principal marco do bairro é a Igreja Nossa Senhora de Lourdes, que foi inaugurada em 1985.[2] Destacam-se as atividades de lazer voltadas à população, que, muitas vezes, são organizadas pela Igreja Presbiteriana do bairro, pela comunidade católica Nossa Senhora de Lourdes ou mesmo pelo posto de saúde do Júlia Kubitschek. Na semana do dia 12 de outubro, por exemplo, são montados brinquedos e peças de teatro às crianças, em comemoração ao dia delas.[17] A Escola Estadual Zacarias Roque também organiza eventos voltados à população, como campanhas de conscientização ambiental[18] e palestras educativas.[19] Também há as festas juninas, realizadas pelas escolas e igrejas, em que há as apresentações de danças de quadrilha, além de comercialização e consumo de comidas típicas, reunindo a população do JK e de bairros situados nas proximidades.[20][21]

Vista a partir da Rua Antônio Pinto
Fachada da Igreja Nossa Senhora de Lourdes
Ponto de ônibus na Rua Geraldo Rodrigues Soares
Erosão em morro do bairro JK, após chuvas intensas.

Ver tambémEditar

Referências

  1. a b c d e f Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (16 de novembro de 2011). «Sinopse dos dados - Setor: 311940110000014 - Júlia Kubitschek». Consultado em 19 de janeiro de 2012.. Cópia arquivada em 19 de janeiro de 2012 
  2. a b c d e f g h i j k l m Jornal Nosso Vale (8 de agosto de 2011). «Um bairro em homenagem à Sra. JK». Consultado em 15 de agosto de 2011.. Cópia arquivada em 19 de janeiro de 2012 
  3. Assessoria de Comunicação (3 de julho de 2009). «População/Setores». Prefeitura. Consultado em 26 de fevereiro de 2010.. Cópia arquivada em 19 de janeiro de 2012 
  4. a b Leonardo Gomes (janeiro de 2012). «Grande Guia dos Bairros de Coronel Fabriciano». Revista Nosso Vale (nº 15): pag. 10. Consultado em 21 de outubro de 2014. 
  5. Assessoria de Comunicação (19 de outubro de 2009). «Expedição traça um retrato do Ribeirão Caladão». Prefeitura. Consultado em 20 de janeiro de 2012.. Cópia arquivada em 20 de janeiro de 2012 
  6. Jornal Vale do Aço (7 de fevereiro de 2008). «Cerca de 960 toneladas de lama já foram retiradas das ruas de Fabriciano». Consultado em 20 de janeiro de 2012.. Cópia arquivada em 20 de janeiro de 2012 
  7. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (29 de novembro de 2010). «Censo 2010 - Minas Gerais» (PDF). Consultado em 20 de janeiro de 2012.. Cópia arquivada (PDF) em 30 de janeiro de 2012 
  8. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (21 de dezembro de 2011). «População residente em domicílios particulares ocupados em aglomerados subnormais (Pessoas)». Consultado em 21 de outubro de 2014.. Cópia arquivada em 21 de outubro de 2014 
  9. Secretaria de Educação de Minas Gerais (SEE) (5 de agosto de 2013). «Relação de Estabelecimentos de Ensino (ativos), segundo a SRE, o município, a dependência administrativa e a localização, por etapa, nível e modalidade de ensino». Consultado em 21 de outubro de 2014.. Arquivado do original em 10 de agosto de 2013 
  10. Assessoria de Comunicação (9 de junho de 2014). «Fabriciano inaugura dois novos Centros de Educação Infantil». Prefeitura. Consultado em 21 de outubro de 2014.. Cópia arquivada em 13 de outubro de 2014 
  11. Assessoria de Comunicação (12 de junho de 2014). «Unidade de Saúde do JK muda de endereço para construção de Policlínica». Prefeitura. Consultado em 21 de outubro de 2014.. Cópia arquivada em 13 de outubro de 2014 
  12. Assessoria de Comunicação (10 de julho de 2009). «Secretaria de Saúde». Prefeitura. Consultado em 21 de janeiro de 2012.. Cópia arquivada em 22 de janeiro de 2012 
  13. Atlas Escolar Histórico, Geográfico e Cultural de Coronel Fabriciano, 2011, pags. 74 e 75
  14. Secretaria de Turismo e Desenvolvimento Econômico (Sedetur) (28 de julho de 2009). «Inventário turístico 2009». Prefeitura. Consultado em 21 de janeiro de 2012. 
  15. Jornal Vale do Aço (28 de maio de 2008). «Fabriciano inaugura novo terminal de integração». Consultado em 21 de outubro de 2014.. Arquivado do original em 17 de fevereiro de 2012 
  16. Autotrans. «Horário e Itinerário». Consultado em 21 de outubro de 2014. 
  17. Assessoria de Comunicação (16 de outubro de 2009). «Unidades promovem dia de lazer para crianças». Prefeitura. Consultado em 22 de janeiro de 2012.. Cópia arquivada em 22 de janeiro de 2012 
  18. Assessoria de Comunicação (28 de maio de 2011). «Prefeitura promove blitz ecológica». Prefeitura. Consultado em 21 de janeiro de 2012.. Cópia arquivada em 22 de janeiro de 2012 
  19. Jornal Vale do Aço (25 de setembro de 2008). «Arantes dialoga com alunos da Escola Estadual Zacarias Roque». Consultado em 21 de janeiro de 2012.. Cópia arquivada em 22 de janeiro de 2012 
  20. Jornal Vale do Aço (16 de junho de 2010). «Festas juninas animam o Vale do Aço». Consultado em 22 de janeiro de 2012.. Cópia arquivada em 22 de janeiro de 2012 
  21. Assessoria de Comunicação (4 de junho de 2014). «Escolas realizam festas no ritmo de Copa do Mundo». Prefeitura. Consultado em 21 de outubro de 2014.. Cópia arquivada em 9 de junho de 2014 

Ligações externasEditar