Abrir menu principal
NoFonti.svg
Esta biografia de uma pessoa viva cita referências, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde junho de 2017). Ajude a inserir fontes confiáveis e independentes. Material controverso que esteja sem fontes deve ser imediatamente removido, especialmente se for de natureza difamatória.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
James Naylor Green
Nascimento 1951 (68 anos)
Alma mater Universidade da Califórnia
Ocupação historiador
Empregador Universidade Brown

James Naylor Green (1951- ) é um historiador especializado em estudos latino-americanos, brasilianista e ativista dos direitos LGBT norte-americano.

Nascido de uma família quaker, Green participou de protestos em Washington contra a Guerra do Vietnã nos Estados Unidos e contra a tortura de presos políticos no Brasil - motivo que o fez interessar-se pelo país, onde permaneceu entre os anos de 1976 e 1982, trabalhando como professor de inglês. Nesse período ajudou a organizar o movimento de defesa dos direitos homossexuais.

De volta aos Estados Unidos, tornou-se professor da Universidade do Estado da Califórnia e, posteriormente, da Universidade Brown, em Rhode Island, onde passou a lecionar História da América Latina, herdando a cátedra de Thomas Skidmore. Foi também presidente da Associação de Estudos Brasileiros, que reúne pesquisadores americanos e brasileiros.[1]

É especialista em estudos da homocultura brasileira, tendo escrito vários artigos e livros sobre o assunto. O mais conhecido - Além do Carnaval: a homossexualidade masculina no Brasil do século XX - recebeu três prêmios: o Hubert Herring, do Conselho de Estudos Latino-Americanos na Costa do Pacífico (1999); de Literatura Lambda, da Fundação Paul Monette-Roger Horwitz (2000), e o Prêmio Literário de Cidadania em Respeito à Diversidade, em São Paulo (2001).

Mais recentemente, Green esteve à frente do manifesto que alertou a comunidade acadêmica internacional sobre a quebra da ordem democrática e o crescimento da onda conservadora no Brasil. [2][3]

ObrasEditar

  • 1999: Além do Carnaval: a homossexualidade masculina no Brasil do século XX
  • 2005: Apesar de Vocês: a oposição e a ditadura militar brasileira nos EUA
  • 2005: Homossexualismo em São Paulo e outros escritos (organizador)
  • 2006: Frescos Trópicos: fontes sobre a história da homossexualidade masculina no Brasil 1870-1980 (com Ronald Polito)
  • Próximo lançamento: Mais amor e mais tesão (vencedor do prêmio de melhor projeto editorial da Martin Duberman Fellowship, do Centro de Estudos da Homocultura da Universidade de Nova Iorque).

Referências

  1. Brown University. James N. Green Carlos Manuel de Cespedes Professor of Modern Latin American History and Portuguese and Brazilian Studies, Director of the Brazil Initiative
  2. 'Os próximos anos serão de muita luta', avalia James Green. Pesquisador americano alerta para o crescimento da onda conservadora no Brasil e traça uma comparação entre o golpe atual e os anos que antecederam 1964. Por Tatiana Carlotti. Carta Maior, 15 de junho de 2016.
  3. Entrevista - James Naylor Green: "As instituições democráticas não estão funcionando". O brasilianista James Naylor Green critica a mídia e o judiciário e analisa: a plutocracia nativa optou pelo retrocesso. Por Eduardo Graça. Carta Capital, 4 de maio de 2016.

Ver tambémEditar