Nota: Para outras pessoas de mesmo nome, veja João.

João (em grego: Ἱωάννης; romaniz.:Io̱ánni̱s; em latim: Ioannis) foi um oficial bizantino do século VI ativo na prefeitura pretoriana da África durante o reinado do imperador Justiniano (r. 527–565). Aparece pela primeira vez no outono de 545, após a morte do rebelde Estotzas, quando foi nomeado pelas tropas em revolta como novo líder, recebendo portanto o nome de "Estotzas Júnior". Por esta época, controlou um contingente de mil soldados, formado por 500 romanos, 80 hunos e 420 vândalos.[1] Segundo Conde Marcelino, no fim de 545, encorajou Guntárico a revoltar-se contra o governador Areobindo. Acompanhou, ao lado de seus homens, o governante mouro Antalas em sua marcha em direção a Cartago e quando a cidade foi conquistada por Guntárico em março de 546, cooperou com o assassinato de Areobindo. Subsequentemente, com o retorno de Antalas à lealdade imperial, João apressou-se para juntar-se a Guntárico em Cartago.[2]

João
Morte primavera de 546
Constantinopla
Causa da morte Crucificação
Nacionalidade Império Bizantino
Ocupação Oficial
Religião Catolicismo
Soldo de Justiniano (r. 527–565)

Em Cartago, recebeu ordens de acompanhar Artabanes, Uliteu e o líder mouro Cusina na perseguição de Antalas em Bizacena. Durante a missão, contudo, permaneceria estacionado com Uliteu e parte do exército no acampamento deles perto de Hadrumeto, enquanto Artabanes e Cusina deram continuidade à perseguição. De volta à capital provincial, alegadamente estava na casa de Pasífilo na noite do assassinato de Guntárico e quanto tomou conhecimento do ocorrido, reuniu-se com alguns vândalos e procurou refúgio numa igreja próximo. Procópio e Conde Marcelino afirmam que ele apenas aceitou deixar o templo quando recebeu garantias de salvo-conduto de Artabanes. Apesar disso, foi preso, amarrado em correntes e enviado à capital imperial de Constantinopla, onde seria morto por crucificação. Sugere-se que sua execução tenha ocorrido na primavera de 546, não muito tempo depois da execução de Guntárico.[2]

Referências

  1. Martindale 1992, p. 643-644.
  2. a b Martindale 1992, p. 644.

Bibliografia editar

  • Martindale, John R.; Jones, Arnold Hugh Martin; Morris, John (1992). The Prosopography of the Later Roman Empire - Volume III, AD 527–641. Cambrígia e Nova Iorque: Imprensa da Universidade de Cambrígia. ISBN 0-521-20160-8