Jorge, Margrave de Brandemburgo-Ansbach

Jorge de Brandemburgo-Ansbach (Ansbach, 4 de março de 1484 – 27 de dezembro de 1543), conhecido como Jorge, o Piedoso, foi um Margrave de Brandemburgo-Ansbach da Casa de Hohenzollern.

Jorge
Margrave de Brandemburgo-Ansbach
Jorge de Brandemburgo-Ansbach
Margrave de Ansbach
Reinado 1536 - 1546
Antecessor(a) Frederico I
Sucessor(a) Jorge Frederico
 
Esposas
Descendência Ana Maria de Brandemburgo-Ansbach
Sabina de Brandemburgo-Ansbach
Sofia de Brandemburgo-Ansbach
Bárbara de Brandemburgo-Ansbach
Doroteia Catarina de Brandemburgo-Ansbach
Jorge Frederico
Casa Casa de Hohenzollern
Nascimento 4 de março de 1484 (537 anos)
  Ansbach, Francônia, Alemanha
Morte 27 de dezembro de 1543 (59 anos)
Pai Frederico I, Margrave de Brandemburgo-Ansbach
Mãe Sofia da Polônia
Religião Luterano

BiografiaEditar

Início da vidaEditar

Ele nasceu em Ansbach, sendo o terceiro, de oito filhos homens, do Margrave de Frederico I, o Velho, e sua esposa, Sofia da Polônia, filha de Casimiro IV e Isabel da Áustria. Através de sua mãe, ele está relacionado à corte real de Buda (hoje, Budapeste). Ele entrou para o serviço de seu tio, o Rei Vladislau II da Hungria, vivendo em sua corte, a partir de 1506. O rei o recebeu como um filho adotado, o empossou, em 1515, com o Ducado de Opole, e, em 1516, o fez membro do governo tutelar instituído na Hungria, e tutor de seu filho, Luís II da Hungria. Em 1521, ele fez um acordo com Petar Keglević e se retirou da Hungria e da Croácia; este acordo, aceito por Luís II, em 1526, não foi aceito pelo Sacro Imperador Fernando I, até 1559.

Territórios e influênciaEditar

Na corte da Hungria havia dois partidos contrários: o partido Magiar, sob a liderança dos Zápolyas, e o partido germânico, sob a liderança de Jorge de Brandemburgo, cuja autoridade foi aumentada pela aquisição dos ducados de Ratibor e Opole, por tratados hereditários com seus respectivos duques, e os territórios de Bohumín, Bytom e Tarnowskie como garantias do rei da Boêmia, que não podia liquidar suas dívidas.

Pela apropriação do Ducado da Carnóvia, Jorge tomou posse de toda a Alta Silésia. Como proprietário e credor hipotecário desses territórios, ele preparou o caminho para a introdução da Reforma Protestante, bem como em sua terra natal, a Francônia. Mais cedo do que qualquer outro príncipe germânico, ou qualquer outro membro da linhagem Hohenzollern, incluindo até mesmo de seu irmão Alberto, o Grão-Mestre da Ordem Teutônica, ele virou os olhos e o coração para a nova fé, proveniente de Wittenberg.

ConversãoEditar

Os primeiros escritos da Reforma começaram a obra de ganhar-lhe a causa evangélica. O poderoso testemunho de fé de Martinho Lutero, na Dieta de Worms, em 1521, deixou uma impressão indelével em sua mente, e os vigorosos  dos pregadores evangélicos nos púlpitos das igrejas de São Lourenço e São Sebaldo, em Nuremberga, durante a dieta de 1522, aprofundaram a impressão. O estudo da tradução luterana do Novo Testamento, que apareceu em 1522, estabeleceu sua fé na convicção pessoal. Além disso, ele entrou em contato com Lutero, discutindo com ele os problemas mais importantes da fé, e, em 1524, eles se encontraram pessoalmente durante as negociações a respeito da, secularização do Estado Teutônico de seu irmão, Alberto, no secular Ducado da Prússia.

 
Jorge, o Piedoso, Margrave de Brandemburgo-Ansbach por Lucas Cranach, o Jovem

Após a ascensão do Rei Luís II, Jorge foi auxiliado em seus esforços reformistas pela Rainha Maria, irmã de Carlos V e de Fernando I, que era favoravelmente inclinado à nova doutrina. Como conselheiro do jovem rei, Jorge defendeu com firmeza a causa do novo evangelho contra as influências e as intrigas de seus adversários clericais e conseguiu evitar suas medidas violentas. A sua relação com o Duque Frederico II de Legnica, Brieg, e Wolów, e com o Duque Carlos I de Münsterberg-Oels, que haviam admitido a Reforma em seus territórios, não contribuiu nem um pouco para a expansão do evangelho em suas próprias terras. Mas foi a sua própria influência pessoal, energia e espírito prático, que introduziram a nova doutrina e fundaram uma nova vida evangélica e eclesiástica. Ele fez um esforço para proteger os pregadores do novo evangelho da Hungria, da Silésia e da Francônia, e tentou introduzir a ordem da igreja de Brandemburgo-Nuremberga, que já tinha encontrado a aceitação dos territórios franconianos.

Reforma na FrancôniaEditar

Nas terras hereditárias de Brandemburgo-Ansbach, em Nuremberga, onde, com seu irmão mais velho, Casimiro de Brandemburgo-Kulmbach ele havia assumido a regência em lugar de seu pai, ele encontrou maiores dificuldades, embora o espírito popular estivesse inclinado à Reforma. Devido a seu casamento com uma princesa da Baviera e ao seu comando militar no serviço imperial, seu irmão era aliado mais próximo à velha igreja e resistiu ao esforços reformistas. Mas a pressão dos territórios, logo o obrigaram a permitir a pregação de acordo com a doutrina luterana, embora ele tenha assegurado a manutenção das cerimônias da velha igreja, mesmo aquelas que contrariavam a nova fé.

Jorge protestou contra essas meia-medidas e mostrou sua insatisfação com as resoluções frouxas da assembléia de estado, de outubro de 1526. Foi só após a morte de seu irmão, que, como único governante, ele pôde realizar com êxito a reforma nos territórios da Francônia, com a assistência dos conselheiros, tais como Johann von Schwarzenberg, e através das novas resoluções da assembléia de estado de Brandemburgo-Ansbach (1528). Ao mesmo tempo, Jorge manteve correspondência com Lutero e Filipe Melâncton, discutindo questões como a evangelização dos mosteiros, o uso da propriedade monástica para objetivos evangélicos, e, especialmente, a fundação de escolas para o povo e das escolas superiores para educação de homens jovens talentosos para o serviço eclesiástico e do estado. Ele tentou ganhar, através de sua contínua correspondência com Lutero e outros reformadores, tais como Urbanus Rhegius, homens eficientes para a pregação do evangelho e para a organização da igreja evangélica. Lado a lado com o Conselho de Nuremberga, ele trabalhou para a instituição de uma visitação da igreja aos moldes do Eleitorado da Saxônia, a partir do qual, depois de repetidas revisões e emendas a excelente ordenação da igreja de Brandemburgo-Nuremberga de 1533, foi desenvolvida. Após a sua introdução em Nuremberga e nos seus territórios da Francônia, ela também foi introduzida em seus domínios na Alta Silésia.

Influência além de seus territóriosEditar

A influência de Jorge se manifestou também no desenvolvimento da reforma germânica como um todo. Quando uma união dos evangélicos na Alta e na Baixa Germânia era vista como um meio de defesa eficiente contra as medidas de retaliação da Igreja Católica Romana, Jorge teve uma reunião com o Elitor João da Saxônia em Schleitz, em 1529, onde eles concordaram em determinados artigos de fé e confissão a serem elaborados por Lutero; a comissão foi executada nos dezessete Artigos de Schwabach, baseado nas quinze teses do Colóquio de Marburgo.

Mas nem na Convenção de Schwabach, nem aquela de Esmalcalda, fizeram Jorge aprovar a resistência armada contra o imperador e seu partido, mesmo em auto-defesa. Ele se opôs ao imperador energeticamente na Dieta de Augsburgo, em 1530, quando o imperador exigiu a proibição da pregação evangélica. O rei Fernando fez a Jorge as mais sedutoras ofertas de posses na Silésia se ele apoiasse o imperador, mas ele as recusou fortemente. Próximo do Eleitor da Saxônia, ele permanece, antes de tudo, entre os príncipes que defenderam a fé reformada. Após a morte de seu primo, Joaquim I Nestor, que era um estrito "romanista", ele ajudou seus filhos na introdução da Reforma no território do Eleitorado de Brandemburgo. Ele participou do Colóquio Religioso de Ratisnona, em 1541, onde o Eleitor Joachim II Heitor fez uma última tentativa de resolver as diferenças entre o romanistas e os evangélicos, e seu sobrinho pediu a cooperação de Lutero. A Dieta de Ratisbona foi a última reunião religiosa de que ele participou.

Ele é um dos personagens na pintura Homenagem Prussiana, de Jan Matejko.

Família e filhosEditar

 
Beatriz de Frangepan, primeira esposa de Jorge
 
Emília da Saxônia, terceira esposa de Jorge

Jorge chegou a se casar três vezes. Primeiro, com Beatriz de Frangepan (1480 - 1510); o casamento não gerou filhos.

A segunda esposa de Jorge foi Edviges de Münsterberg-Oels (1508 - 1531), filha de Carlos I de Münsterberg-Oels; o casamento gerou duas filhas:

  • Ana Maria de Brandemburgo-Ansbach (28 de dezembro, 1526 - 20 de maio de 1589), que se casou com Christóvão, Duque de Württemberg, em 1544.
  • Sabina de Brandemburgo-Ansbach (12 de maio de 1529 - 2 de novembro de 1575), que se casou com João Jorge, Eleitor de Brandemburgo.

Sua terceira esposa foi Emília da Saxônia (27 de julho de 1516 - 9 de março de 1591), filha de Henrique IV, Duque da Saxônia, e de Catarina de Mecklemburgo, no dia 25 de agosto de 1533. Deste casamento, vieram quatro filhos:

  • Sofia de Brandemburgo-Ansbach (23 de março de 1535 – 12 de fevereiro de 1587), que se casou com Henrique XI da Legnica, em 11 de novembro de 1560.
  • Bárbara de Brandemburgo-Ansbach (17 de junho de 1536 – junho de 1591)
  • Doroteia Catarina de Brandemburgo-Ansbach (1538  -1604), que se casou em 1556, com Henrique V de Plauen, Burgrave da Mísnia.
  • Jorge Frederico (1539 - 1603), que se tornou Margrave de Brandemburgo-Ansbach e Regente do Ducado da Prússia.

AscendênciaEditar

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
16. Frederico V, Burgrave de Nuremberga
 
 
 
 
 
 
 
8. Frederico I de Brandemburgo
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
17. Isabel da Mísnia
 
 
 
 
 
 
 
4. Alberto III Aquiles
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
18. Frederico da Baviera
 
 
 
 
 
 
 
9. Isabel da Baviera-Landshut
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
19. Madalena Visconti
 
 
 
 
 
 
 
2. Frederico I, Margrave de Brandemburgo-Ansbach
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
20. Frederico I, Eleitor da Saxônia
 
 
 
 
 
 
 
10. Frederico II, Eleitor da Saxônia
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
21. Catarina de Brunsvique-Luneburgo
 
 
 
 
 
 
 
5. Ana da Saxônia
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
22. Ernesto, Duque da Áustria
 
 
 
 
 
 
 
11. Margarida da Áustria
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
23. Cimburga da Mazóvia
 
 
 
 
 
 
 
1. Jorge, Margrave de Brandemburgo-Ansbach
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
24. Algirdas
 
 
 
 
 
 
 
12. Ladislau II Jagelão da Polônia
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
25. Uliana de Tver
 
 
 
 
 
 
 
6. Casimiro IV Jagelão da Polônia
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
26. André de Halshany
 
 
 
 
 
 
 
13. Sofia de Halshany
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
27. Alexandra de Drutsk
 
 
 
 
 
 
 
3. Sofia da Polônia
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
28. Alberto IV, Duque da Áustria
 
 
 
 
 
 
 
14. Alberto II da Germânia
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
29. Joana Sofia da Baviera
 
 
 
 
 
 
 
7. Isabel da Áustria
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
30. Sigismundo do Sacro Império Romano-Germânico
 
 
 
 
 
 
 
15. Isabel da Boêmia
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
31. Bárbara de Celje
 
 
 
 
 
 

SucessãoEditar

Jorge, Margrave de Brandemburgo-Ansbach
Data de nascimento: 4 de março de 1484, em Ansbach - Faleceu em: 27 de dezembro de 1543
Títulos Reais
Precedido por
Frederico I
Margrave de Brandemburgo-Ansbach
1536–1543
Sucedido por
Jorge Frederico
Precedido por
Jorge
Duque da Carnóvia
1523–1543
Precedido por
João II
Duque de Opole-Ratibor
1532–1543


Referências