Abrir menu principal

Kalusha Bwalya (Mufulira, 16 de agosto de 1963) é um ex-futebolista zambiano.

Kalusha Bwalya
Informações pessoais
Nome completo Kalusha Bwalya
Data de nasc. 16 de agosto de 1963 (56 anos)
Local de nasc. Mufulira, Rodésia do Norte
Altura 1,77 m[1]
Destro
Apelido Kalu, Abelha-Negra
Informações profissionais
Equipa atual Sem clube
Posição (ex-Atacante) Treinador
Site oficial http://www.kalusha.org/
Clubes profissionais
Anos Clubes Jogos (golos)
1979–1980
1980–1985
1985–1989
1989–1994
1994–1997
1997
1998
1998
1999
1999
2000
Mufulira Blackpool
Mufulira Wanderers
Cercle Brugge
PSV Eindhoven
América-MEX
Necaxa
Al Wahda
León
Irapuato
Veracruz
Correcaminos


0095 000(30)
0101 000(25)
0088 000(21)
0017 0000(1)

0013 0000(1)


0013 0000(5)
Seleção nacional
1983–2004 Zâmbia 0087 000(39)[2]
Times/Equipas que treinou
2003–2006 Zâmbia 0036
Última atualização: 11 de junho de 2012

CarreiraEditar

O mais conhecido jogador do seu país, fez parte da Seleção da Zâmbia que, na Olimpíadas de Seul, na Coreia do Sul, surpreendeu a Itália de Stefano Tacconi, Andrea Carnevale e Roberto Baggio por 4 a 0. Embora os Chipolopolo (apelido da Seleção Zambiana) fossem eliminados pela Alemanha Ocidental pelo mesmo placar, ficaram na história como uma das maiores "zebras" da história do futebol. Bwalya acabaria eleito o melhor jogador africano daquele ano.

Após as Olimpíadas, foi contratado pelo PSV Eindhoven, clube neerlandês que acabara de ser campeão da Copa dos Campeões da UEFA naquele ano. A equipe contratara também outra estrela olímpica, o artilheiro da competição e vice-campeão, Romário. Bwalya ficaria seis anos no clube da Philips, ganhando em três deles a Eredivisie.

Em 1993, um terrível acidente aéreo matou toda a equipe e delegação em meio às Eliminatórias para a Copa do Mundo de 1994, em uma das maiores tragédias relacionadas ao futebol. Bwalya escapou do acidente por ser o astro da equipe e jogar no PSV: o clube fizera um acerto com a Associação de Futebol da Zâmbia para que o jogador viajasse direto dos Países Baixos para Dakar [3] - os zambianos enfrentariam lá o Senegal, sofrendo o acidente após decolar de escala no Gabão.[3]

Bwalya liderou a equipe, totalmente reformulada, durante o resto da disputa. A seleção provou ser um grande oponente, perdendo a classificação para o Marrocos por apenas um ponto. Ainda em 1994, foi jogar no futebol mexicano, onde encerrou a carreira em 2000.

Pela seleção de seu país atuou em oitenta e sete jogo e marcou 39 gols.[2]

Ainda em 2004, assumiria o cargo de técnico da Zâmbia, levando-a à Copa das Nações Africanas de 2006. Deixou os Chipolopolo em 2008, dando lugar a Hervé Renard. Neste ano, foi eleito presidente da Associação de Futebol da Zâmbia, exercendo o cargo por 8 anos.

Referências