Língua bade

Bade
Falado em: Nigéria
Região: Yobe (estado), Jigawa (estado)
Total de falantes: 250 mil (2007)
Família: Afro-asiática
 Chádica
  Chádica Ocidental
   Bade–Warji
    Bade
     Bade
Códigos de língua
ISO 639-1: --
ISO 639-2: ---
ISO 639-3: bde

Bade (também Bede, Bedde ou Bode) é uma língua Chádica falada pelo povo Bade nos estados Yobe e Jigawa, Nigéria. O governante tradicional deles é o Emir de Bade . De modo semelhante a muitas outras línguas da África Ocidental, o Bade é uma língua vulnerável e com grande risco de extinção.[1] Com 250 mil falantes, [2] a língua e a cultura do povo Bade vêm sofrendo muito nos últimos anos. À medida que a língua continua a desaparecer, a cultura e os valor históricoes associados à língua perecem também. Os falantes desse dialeto local está mudando de Bade para hauçá.[2] Em toda a África Ocidental, o impacto nas comunidades locais pela da perda das línguas indígenas vem sendo significativo. A ameaça da língua Bade ser extinta representa uma diversidade mundial que está em risco.[3] Uma grande maioria dass línguas africanas recebe pouca atenção por parte dos linguístas, o que impacta essas língua.[4]

HistóriaEditar

Bade é uma língua atualmente falada na Nigéria. Embora as informações históricas sobre o idioma Bade tenham escopo limitado, muitas palavras no idioma Bade tiveram raízes no idioma Canúri.[5] Essa língua canúri é falado principalmente na África Ocidental, incluindo: Nigéria e Chade. Bade e Ngizim emprestaram várias palavras da língua Canúri.[5] A própria língua Bade se originou no Badr do Iêmen e o profeta Maomé supostamente expulsou o povo Bade após um fracasso nas orações orar.[5] Atualmente, como um dos muitos idiomas ameaçados da Nigéria, o bade é usado como um dialeto local. Em geral, as línguas nigerianas marcam a riqueza da diversidade linguística existente no país.[6] Ao longo dos anos, a colonização europeia também desempenhou um papel na deterioração das línguas locais.[7]

DialetosEditar

Existem três dialetos do idioma Bade que coincidem com áreas geográficas, incluindo o seguinte: [2]

  • Gashua Bade (Mazgarwa)
  • Bade do Sul (Bade-Kado)
  • Bade Ocidental (Amshi, Maagwaram, Shirawa)

FonologiaEditar

A maioria das línguas do oeste do Chade tem inventários de consoantes semelhantes, separado em oito grupos principais: laringo-labial, laringo, velar, labial, velar, lateral, álveo-palatal, alveolar e labial..[8] Nas línguas Bade / Ngizim, a glotal oclusiva não tem nenhum papel, mas o hiato da vogal depende de elisão]] e coalescência. Os sons também apresentam algo comoum "bocejo" e mudam de fricativo para oclusiva.[8]

GramáticaEditar

A gramática do Bade é consistente com o do Ngizim.[8]

MorfologiaEditar

As línguas Bade / Ngizim diferem ligeiramente de outras línguas chádicas.[8] Bade e Ngizim têm vogais longas em sílabas fechadas. As vogais médias têm uso restrito em comparação com outras vogais. Essas aparecem em palavras de empréstimo de outros idiomas.[8] O idioma preserva ditongos em palavras nativas e de empréstimo.

VocabulárioEditar

A língua Bade tem uma raiz forte na língua Canúri. Existem muitas palavras emprestadas do Canúri para os idiomas do do Chade Ocidental, incluindo Bade.[9] O Bade é geralmente agrupado com o Ngizim. Como exemplo, a palavra 'saudável' é 'nga' na língua Canúri e 'ngā' e na língua Ngizim.[9] Mais recente, o hauçá tem influenciado o bade.[10]

EscritaEditar

O Bade usa uma escrita com base no alfabeto latino com 30 símbolos/letras. [2].[11]

NotasEditar

  1. Blench, R (2007). «Endangered Languages» 
  2. a b c d «Enthnologue Bade» 
  3. Whalen, D.H. (2012). «Endangered language families». Language. 88: 155–173. doi:10.1353/lan.2012.0012 
  4. Lupke, Friederike (2009). «At the margin - African Endangered Languages in the Context of Global Endangerment Discourses». African Research & Documentation: 15–41 
  5. a b c Schuh, R.G. (2003). «The linguistic influence of Kanuri on Bade and Ngizim.» (PDF). Maiduguri Journal of Linguistic and Literary Studies: 55–89 
  6. Conrad Max Benedict, B (1993). «Democratisation of Language Use in Public Domains in Nigeria». The Journal of Modern African Studies. 639 páginas. doi:10.1017/s0022278x00012283 
  7. Novak, Amy (2008). «Who speaks? Who listens?: The problem of address in two Nigerian trauma novels». Studies in The Novel. 31 páginas 
  8. a b c d e Schuh, Russell (2002). «Overview of Bade/Ngizim of Phonology» (PDF) 
  9. a b Schuh, Russell (2002). «The Phonology and Morphology of Bade and Ngizim» 
  10. Schuh, Russell (1997). «Changes in Obstruent Voicing in Bade/Ngizim» (PDF) 
  11. «Latin» 

BibliografiaEditar

  • Schuh, Russell G. (1977). «Bade/Ngizim determiner system». Afroasiatic Linguistics. 4: 1–74 

Ligações externasEditar