Abrir menu principal
Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, o que compromete a verificabilidade (desde agosto de 2018). Por favor, insira mais referências no texto. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
LAPA FA-03
LAPA FA Mod 3.svg

Fuzil automático LAPA modelo Nº 3 com baioneta
Tipo Fuzil automático
Local de origem  Brasil
História operacional
Em serviço Supostamente ainda em uso
Histórico de produção
Criador Nelmo Suzano
Data de criação 1970-1980
Período de
produção
1978-1983
Quantidade
produzida
Aproximadamente 500
Especificações
Peso 3,5kg
Comprimento 738mm (29,07" polegadas)
Calibre 5.56x45mm não padronizado
Ação recarga por ação de gás em ferrolho rotativo.
Cadência de tiro 650 tpm
Velocidade de saída 975m/s
Alcance efetivo 550m
Sistema de suprimento carregador de 20 ou 30 cartuchos (STANAG 4179) ou carregador plástico próprio de 30 cartuchos
Mira frontal fixa, traseira ajustável para 200 ou 400 metros[1]

LAPA FA-03 foi um fuzil da categoria bullpup produzido no Brasil pela empresa LAPA - Laboratório de Pesquisa de Armamento Automático. Foi desenvolvido por seu proprietário, Nelmo Suzano (1930-2013).[2] A sigla FA-03 significa "Fuzil de Assalto modelo 03".

O desenvolvimento e a produção do fuzil foram entre 1978 e 1983, com outros dois modelos sendo projetados (um de submetralhadora 9mm e outro de .22) com o intuito de ter armas domésticas e militares para venda e exportação. O FA-03 foi o único modelo bullpup feito pela LAPA. O FA-03 era um fuzil de assalto com seleção de fogo baseado no sistema padrão operado por pistão com trava de ferrolho rotativo[1]. A característica mais interessante no FA-03 era a ausência da posição safe (trava de segurança) para fogo. Nele, havia três posições: semi-automático, automático e ação dupla.

Poderia ser portado com segurança mesmo carregado[3], mas com o ferrolho em posição baixa. O criador acreditava que o modo de ação dupla funcionava muito bem como trava de segurança, pois para conseguir atirar nessa posição iria precisar de uma puxada bem forte e demorada no gatilho[4], o que não iria acontecer por acidente ou fadiga do mecanismo. Isso também assegurava a impossibilidade de disparos acidentais quando o "martelo" se solta por algum problema técnico que a arma poderia ter.

Fuzis automáticos militares com primeiro disparo na posição de ação dupla é algo raramente usado. O maior experimento de um gatilho de dupla ação numa arma com fogo seletivo foi com a submetralhadora italiana M4. Este sistema é criticado pela maioria dos especialistas e atiradores por induzir o soldado a ter muita auto-confiança, mantendo o dedo no gatilho mesmo quando não está apontando a arma para algum alvo. Alguns militares[quem?] consideram isto positivo, como prontidão para atirar, especialmente em operações militares. A prática de ficar com o dedo no gatilho não é estimulada, pois uma das regras fundamentais para a segurança de armas de fogo é sempre manter o dedo fora do gatilho até o momento de atirar.

O fuzil LAPA FA-03 tinha um chassi de plástico que protegia o mecanismo da arma contra agentes externos (água, areia, poeira, etc.) e diminuía consideravelmente o peso total da arma. Originalmente o fuzil recebeu um sistema de alimentação por um carregador plástico, mas recebeu algumas mudanças para ser alimentado pelos carregadores STANAG para facilitar a exportação para países que usavam outros tipos de carregadores (quase sempre, o carregador do M16)[carece de fontes?].

Definir o LAPA FA-03 como um fuzil de calibre 5.56x45mm OTAN seria um erro, pois na época a munição padrão atual FN SS109 de 62 gramas ainda não havia sido lançada. Como o passo do cano era de apenas 1:12 (1 turno em 305 mm), o LAPA FA-03 poderia usar apenas a munição 5.56mm na variação M193 (55 gramas), que foi usada pelos EUA na Guerra do Vietnã. Isso também foi a causa do seu fim, pois o exército e a polícia estavam acostumados a anos com armas de peso elevado como clones do FN FAL e Madsen M-50, feitas no país.

Os membros das forças armadas que testaram o FA-03 e outras armas da LAPA nos anos 80 descartaram todas elas com a justificativa de que elas se pareciam com brinquedo (por conta do plástico e o design) e pelo baixo peso (todas as armas da LAPA eram feitas com o sistema de proteção em plástico, que apesar de diminuir o peso da arma, não afetava seu controle em fogo automático).

Quando o FA-03 foi projetado, também era uma novidade pelo seu design bullpup. As únicas armas da época com esta configuração eram o FAMAS (França) e o Steyr AUG (Áustria). Quando o FA-03 chegou a ser oferecido, todo o mercado mundial já havia sido tomado pela AUG, que até hoje permanece como a arma bullpup de maior sucesso já criada.

Como a produção era nula, para fins locais ou de exportação[1], a LAPA faliu rapidamente em 1983, com menos de 500 unidades do FA-03 produzidas no total. Seria ainda usado atualmente em operações especiais policiais[carece de fontes?].

Referências

  1. a b c «Brazilian LAPA FA Modelo 03». Forgotten Weapons (em inglês). 7 de junho de 2013 
  2. Plano Brazil - "Morre o projetista Nelmo Suzano." Visitado em 19 de janeiro de 2015.
  3. EnemyForces.com. «LAPA FA-03 Assault Rifle». www.enemyforces.net. Consultado em 3 de agosto de 2018 
  4. «LAPA FA 03 assault rifle - Modern Firearms». Modern Firearms (em inglês). 27 de outubro de 2010